Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Virtudes de-um-bom-lider

1,441 views

Published on

Virtudes de um bom líder

Published in: Education
  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

Virtudes de-um-bom-lider

  1. 1. VIRTUDES DE UM BOM LÍDER Juarez Fragata Edição 2015 0
  2. 2. ÍNDICE -O que é um líder........................................................................ -A diferença entre liderança e gerência..................................... -Liderar é influênciar................................................................. -A diferença entre poder e autoridade...................................... -As qualidades de um bom líder................................................ -O bom relacionamento............................................................ -As habilidades.......................................................................... -A regra número um nos negócios............................................ -Saber ouvir................................................................................ -Os paradigmas........................................................................ -Líderes Vs. Líderes................................................................... -Possibilidade Vs. Possibilidades............................................. -Como orientar o seu dom de liderança................................... -O bom executivo.....................................................................
  3. 3. O QUE É UM LÍDER Um líder não é necessariamente aquele que dá ordens, mas sim aquele que exerce influência sobre outros simplesmente pelo seu modo de agir, falar, vestir-se, e assim por diante. Este é o real sentido da liderança. Todos, sem exceções, em determinadas áreas exercemos influência sobre algumas ou muitas pessoas. É claro que a liderança voltada para o intento de agregar mentes, torná-las unânimes, e dirigi-las dentro de um só propósito para o bem comum de todos exige o desenvolvimento de algumas habilidades, e, é esta exigência que assusta os postulantes a cargos de liderança nesta esfera. A DIFERENÇA ENTRE LIDERANÇA E GERÊNCIA É bom esclarecer de que liderança não é gerência. Um gerente gerencia sua conta bancária, seus imóveis, ou seja, o mesmo gerencia negócios, enquanto o líder lidera pessoas. LIDERAR É INFLUENCIAR Na realidade liderar é influenciar pessoas, e esta habilidade se pode ir adquirindo aos poucos. Mas como tirar do invólucro, fazer crescer esta influencia? Como fazer com que as pessoas façam aquilo que desejamos de livre e espontânea vontade, ou seja, sem se sentirem coagidas? Primeiramente é preciso dar atenção às sugestões, e as ideias de seus liderados... O conceito de que apenas um trabalhador braçal basta, já está ultrapassado. Hoje o bom líder é aquele que consegue se conectar com a mente das pessoas, mantendo-as conectadas, criando um círculo mental em volta de um só propósito.
  4. 4. A DIFERENÇA ENTRE PODER E AUTORIDADE Para influenciar as pessoas de modo consciente é preciso aprender a diferença entre poder e autoridade. Estar ocupando um cargo de poder significa que você pode usar a faculdade de forçar ou constranger as pessoas a fazer sua vontade, mesmo a contragosto, por causa de sua posição. No entanto, fazendo uso desta prática se fará um grande número de inimigos ao invés de aliados. Já quando se faz uso de autoridade , na realidade se está fazendo uso da habilidade de fazer com que as pessoas façam de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal, e não porque foram coagidas a isso! Ou seja, existe uma grande diferença entre poder e autoridade . Estar num cargo de poder não significa que você tem autoridade sobre as pessoas. Comumente acontece de uma pessoa ou outra exercer grande influencia sobre as demais sem estar num cargo de poder. O ideal é que o líder ocupe um cargo de poder e também seja dotado de autoridade. Se alguém conseguir associar essas duas coisas certamente será um líder de sucesso. Porém, é bom enfatizar de que a autoridade não se pode comprar nem vender, visto que é de valor inestimável. É claro que vez por outra é necessário o líder exercer poder, por exemplo, para pôr limites em determinadas atitudes de um ou outro funcionário no seu setor de trabalho, ou para exonerar um empregado que não está desempenhando bem sua função. Tudo é útil combinado nas devidas proporções. O bom líder somente recorre ao poder quando a sua autoridade é ignorada. E faz uso do mesmo na dosagem certa. Sem exceder os limites do bom senso. O interessante é que quando vamos a fundo nesta questão nos deparamos com a seguinte verdade: autoridade ou influencia é uma virtude desenvolvida pela própria pessoa, ou seja, esta virtude está ao alcance de qualquer um. Basta um pouco de empenho e dedicação para obtê-la. Ninguém nasce com esta qualidade, embora
  5. 5. vez por outra, num e outro caso nós chegamos a essa conclusão, obviamente, sem uma investigação minuciosa, visto que se fizéssemos isso descobriríamos que esta qualidade fora desenvolvida num determinado momento da vida deste alguém. AS QUALIDADES DE UM LÍDER Autoridade e influência é o combustível que gera a ação de uma equipe, centralizada num único objetivo: tornar possível a concretização de um projeto em prol do bem comum. Uma pessoa com autoridade, isto é, que exerce influência engloba outras qualidades que lhe dão credibilidade, como exemplo: atitude positiva e entusiástica. Capacidade de encorajar as pessoas diante de obstáculos. Sempre está pronto para dar o bom exemplo. É pontual em seus compromissos. Honesto com seus subordinados e consigo mesmo, e acima de tudo é um bom ouvinte. Estas qualidades inumeradas de um líder são comportamentos, e comportamentos não deixam de serem escolhas. Sendo assim elas não são inatas numa pessoa. O BOM RELACIONAMENTO O bom relacionamento é importante em todas as áreas. Quando digo em todas as áreas, obviamente estou incluindo a esfera pertencente à liderança. Neste campo é preciso harmonizar tarefa e relacionamento, caso contrário o líder fica sem equilíbrio. Por isso o foco nas duas dinâmicas é de extrema importância. Se o líder tiver como objetividade somente a realização da tarefa, o mesmo tem que estar ciente de que haverá falta de força de empenho por parte dos empregados, trazendo como consequência a má qualidade do serviço, além do risco de perder funcionários, e carregar o emblema de carrasco. Se a opção for desenvolver relacionamentos, privando deste
  6. 6. modo a tarefa, seu cargo está literalmente com os dias contados. Relacionamento sem a realização da tarefa gera excesso de intimidade, e o excesso de intimidade gera descaso no tocante aos protocolos exigidos entre líder e liderados. Por isso neste ponto o equilíbrio é a alma do sucesso. Porém, existe uma deformidade globalizada no conceito de liderança. Enquanto esta deformidade perdurar quem mantiver o foco na realização das tarefas ocupará os cargos de liderança. AS HABILIDADES Nós somos repletos de habilidades naturais, e as habilidades de uns se diferem das habilidades de outros. Quando se alia a uma dessas habilidades a dedicação o resultado individual é extremamente satisfatório. No entanto, o bom resultado individual não pode servir como único parâmetro para uma eventual promoção. Muitas vezes acontece de uma pessoa ter grande aptidão técnica demonstrada no desempenho de uma tarefa individual, e ser péssimo em desempenhar tarefas em grupo. E o pior: como nunca cogitara a possibilidade de um dia exercer um cargo de liderança, o mesmo não observara as regras seguidas por um líder, e certamente posto num cargo de liderança será péssimo com os subalternos. Neste caso na tentativa de solucionar um único problema se criará dois problemas, ou seja, se perderá um bom funcionário em determinada área, e se terá um líder despreparado para exercer um cargo de liderança. A REGRA NÚMERO UM NOS NEGÓCIOS Somente poderá haver um negócio próspero e saudável, se houver relacionamentos saudáveis por uma organização. Neste contexto é inserido não só os diretores, mas também empregados, clientes, donos e fornecedores. Ou seja, é preciso colocar em ação um movimento de fluido girando em formato de círculo que satisfaça de contínuo as necessidades de todas as partes envolvidas.
  7. 7. Por exemplo, quando ocorrem perdas de compradores habituais para os concorrentes, isso é evidencias de um problema de relacionamento. A genuína necessidade do cliente não está sendo saciada. E qual é a regra número um dos negócios? “Se não correspondermos às necessidades de nossos clientes, alguém o fará! Também é bom que se diga que, na esfera dos negócios já caíra em desuso à prática de convidar o cliente para um almoço ou jantar, tendo como resultado final a obtenção do pedido. Hoje, a qualidade, o serviço e o preço são os fatores preponderantes. A acessibilidade destas três coisas satisfazem por completo as necessidades do cliente, e aquilo que se aplica aos clientes também se aplica aos funcionários. Quando ocorrem transferências em quantidade fora do padrão habitual, rumores de greve, e falta de comprometimento com as coisas relacionadas ao seu trabalho, é sinal que não está havendo um bom relacionamento. As obrigações imprescindíveis dos empregados não estão sendo saciadas. Outra coisa é preciso ser dita: se as necessidades dos donos ou acionistas não estão sendo supridas, automaticamente a organização estará em séria dificuldade. Tanto as pessoas detentora de um grande número de ações como as detentoras de poucas ações têm uma necessidade legítima: obter o retorno do seu investimento de acordo com suas expectativas. Se a necessidade não está sendo satisfeita o relacionamento com os acionistas não estará num nível bom. SABER OUVIR Tiago / : Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar... Saber ouvir é uma habilidade extremamente importante em todas as áreas de nossas vidas. Desenvolver esta capacidade é de suma importância para quem almeja ser um bom líder.
  8. 8. Por exemplo, o hábito de interromper alguém no meio de uma frase é um poderoso emissor de mensagens negativas. Se, se interrompe uma pessoa no meio de uma frase demonstra falta de atenção naquilo que a mesma está dizendo, uma vez que já está concentrado na resposta. Quando uma pessoa não se presta a ouvir, na realidade está deixando claro que a opinião do outro não tem valia. Ou então transmite a impressão de que aquilo que esta pessoa tem a falar é mais importante do que aquilo que outro estava dizendo. OS PARADIGMAS Quando utilizados de modo correto os paradigmas, ou seja, os arquétipos dos quais fazemos uso para andar na vida são de extrema importância. Estes padrões psicológicos tanto podem nos conduzir de modo leve como à brisa da manhã como se tornar armas perigosas numa mente dominada pela teimosia, isto é, que não trabalha com possibilidades de mudanças. No mundo globalizado em que vivemos a todo instante chegam até nós novas informações. Cabem-nos reciclá-las, e colocar em prática aquilo que deveras tem valor. Um bom líder não pode se prender a paradigmas arcaicos, para não correr o risco de ficar em estado estacionário, vendo o sucesso passar. LÍDERES VS. LÍDERES Muitos são os que almejam o posto de líder em suas respectivas áreas de atuação. Porém, são poucos os que alcançam esse objetivo tendo a aprovação da grande maioria, uma vez que muitos deles são individualistas. O bom líder consegue ser sancionado pelos seus subordinados, pelos seus superiores, e pela empresa para qual trabalha, ou seja, o mesmo sabe trabalhar em equipe. Já o líder individualista procura alcançar seus objetivos
  9. 9. criticando os seus subordinados, seus superiores e a empresa para a qual presta serviço, por isso, o mesmo é odiado, e não inspira confiança. Este tipo de liderança é prejudicial, visto que um líder dessa espécie sempre age de acordo com seus próprios interesses, e não em prol do bem comum. Prestador de serviço desta iguala causa transtorno até mesmo depois de exonerado, uma vez que na maioria das vezes o mesmo coloca a empresa para qual estava prestando serviço na justiça... POSSIBILIDADE VS. POSSIBILIDADES Nós devemos trabalhar sempre com possibilidades, e não com impossibilidades. Jamais devemos externar uma ideia que não exista possibilidade de concretizá-la no momento. Muitas vezes um projeto é excelente, mas é inadequado para o tempo em que ele é apresentado. Por isso, apresentá-lo poderá até mesmo redundar em perda de credibilidade junto a um grande número de pessoas. Ademais corremos o risco de vermos futuramente, outros colhendo os frutos de uma ideia nossa semeada em tempo inadequado. Um aqui ou ali poderá tomar posse dessa ideia e semeá-la na esfera das possibilidades, e ficar com os produtos da fama, enquanto que o verdadeiro autor da ideia, agora bem-sucedida, é lançado no ostracismo. Saber trabalhar com possibilidades é conviver com a vitória. Já mergulhar no campo das impossibilidades é o mesmo que esmurrar o vento. É jogar-se no vazio absoluto. COMO ORIENTAR O SEU DOM DE LIDERANÇA Não se faz um líder. O líder já nasce líder. A sua essência é cabeça, e não calda. Essa essência pode até estar adormecida, no entanto, basta até mesmo uma ação desencadeada por terceiros para ativar esse dom de liderança.
  10. 10. Bendita dor nos pés de Rosa Parks! A dor nos pés de Rosa Parks fez com que o espírito de liderança de Martin Luther King se tornasse ativo, fazendo do mesmo um líder mundialmente conhecido. É bem verdade que essa liderança fora norteada pelas ideias Gandhi, porém, esse norteamento de forma alguma desmerecera a sua condição de líder. Um líder já nasce líder. O que acontece é que muitas vezes o líder necessita de um norteamento, e a biografia de outros líderes poderá ser a sua bússola. O BOM EXECUTIVO Separar o lado pessoal do profissional é algo extremamente difícil. Contudo, o bom executivo tem que ter essa frieza, e agir segundo o cargo que ocupa, e não de acordo com os sentimentos. Pode acontecer de eu ter um funcionário sobre a minha jurisdição, pelo qual tenho grande apreço como pessoa, no entanto, na área profissional, o mesmo está deixando a desejar. Se eu passar a mão na cabeça deste bom sujeito, e deixá-lo continuar executando a sua função eu serei prejudicado, assim como a empresa para a qual presto serviço. Ter a frieza de expor essa situação diante dessa pessoa, sem mudar o modo de agir é uma coisa um tanto complicada, e são poucos os que têm essa personalidade, eu diria até invejável, de ter a calma e explicar a razão de uma exoneração, sem despertar o ressentimento na pessoa exonerada, obviamente. Infelizmente o mercado planeja tudo, eu diria quase tudo, uma vez que não prepara os prestadores de serviço para essa eventualidade.

×