Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Do Brexit a Trump: por que os especialistas erraram tanto?

Palestra ministrada no dia 12/05/17 na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) por André Assi Barreto sobre Donald Trump e o Brexit.

  • Login to see the comments

Do Brexit a Trump: por que os especialistas erraram tanto?

  1. 1. Trump e Brexit: por que os especialistas erraram tanto? ANDRÉ ASSI BARRETO é graduado e mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Professor de Filosofia das redes pública e privada de São Paulo. Trabalha com tradução e revisão de textos. Faz trabalho de assessoria editorial e é sócio da editora Linotipo Digital. www.andreassibarreto.org
  2. 2. Por que erraram tanto? Resposta “simples”: os especialistas estão numa “bolha” alheia à realidade das pessoas normais. De onde veio essa bolha? Quais seus fundamentos intelectuais? Qual sua origem? Quais os interesses de quem “está” na bolha?
  3. 3. I) Introdução filosófica: esquerda em crise (teórica)
  4. 4. A tese: uma longa marcha rumo a irracionalidade • a impossibilidade do socialismo; • culminância na derrocada da URSS, mas já percebida muito antes; • a gestação do pós-modernismo e este como “resposta” à crise da esquerda; • irracionalismo e negação da verdade (relativismos cultural, cognitivo, moral radicais, estruturalismo e pós-estruturalismo, [Wittgenstein], Foucault etc); • consequências: feminismo estridente (a lógica é “machista”), “social justice warriors” e outras aberrações. “Imposturas Intelectuais” (Bricmont; Sokal). • em suma: as regras normais de funcionamento das coisas estão sob ataque e/ou SUSPENSAS.
  5. 5. “Algumas ideias são tão estúpidas que apenas intelectuais acreditam nelas”* * Frase atribuída a George Orwell (ensaio On Nationalism)
  6. 6. Bill Whittle faz previsão (legenda Tradutores de Direita)
  7. 7. Ann Coulter
  8. 8. BREXIT
  9. 9. http://www.independent.co.uk/news/uk/politics/eu-referendum-bookies-have- always-made-a-remain-vote-favourite-and-the-odds-continue-to-shorten- a7093971.html Dito em 21/06. Referendo em 23/06.
  10. 10. Pico do Brexit em fevereiro: 34% (junho 52%). https://www.bloomberg.com/news/arti cles/2016-02-22/-brexit-odds-shorten- as-johnson-joins-campaign-to-leave- chart
  11. 11. Pesquisas (de 2010 a 2016) • De 2010 a 2013: 22 pesquisas realizadas, 19 apontavam vantagem do “leave” e 3 do “remain”. •2014: 43 pesquisas realizadas, 20 apontavam vantagem do “leave” e 23 do “remain”. •2015: 75 pesquisas realizadas, 12 apontavam vantagem do “leave” e 63 do “remain”. •2016: 105 pesquisas realizadas, 53 apontavam vantagem do “leave” e 52 do “remain”. • Dessas: 7 em 22 de junho, 2 apontando vantagem do “leave”, 5 do “remain”. • Última: Instituto Populus, 4.700 pessoas de amostragem: 55% “remain”, 45% “leave”. •FONTE: https://ig.ft.com/sites/brexit-polling/
  12. 12. Tracking final do Financial Times
  13. 13. Variação set/2015- jun/2016 - FT
  14. 14. À guisa de conclusão sobre as previsões do Brexit: Embora de forma bastante mais sutil (em relação aos EUA), todas as tendências (experts, pesquisas e apostas) apontavam pela vitória do “remain”.
  15. 15. Resultado: 52 x 48%
  16. 16. ESTABLISHMENT:
  17. 17. II) Trump e Brexit • Classe intelectual completamente desconectada da realidade, mas eis que surge um homem “com uma arma na cintura” a caminho da presidência (Trump/Farage). • Revoltas de uma “maioria silenciosa”; revolução que veio de baixo. • Demografias (em geral: os mais simples, menos “escolarizados”, classes baixa/média, menos “politicizados”). • Quem mais reclamou do Brexit? Professores universitários. • Quem mais reclamou do Trump? Jornalistas, classe artística (Vingadores), Wall Street (!). • EM SUMA: ELITE vs POVO. “BEAUTIFUL PEOPLE” vs “COMMON PEOPLE”. PROGRESSIVES vs DEPLORABLES.
  18. 18. “It’s demographics, stupid!” HOLANDA:
  19. 19. VVD (Rutte): -8 PVV (Wilders): +5 Wilders e sua narrativa crescem
  20. 20. Áustria (1º turno) - PRESIDENTE Por ESTADO
  21. 21. Por Município Landslide maciço de Hofer (Partido pela Liberdade da Áustria). POVO vs ELITE.
  22. 22. “3º turno” Após um segundo turno cancelado por suspeita e confirmação de fraude nos votos vindos do exterior e uma campanha de difamação contra Hofer, o jogo “vira”: Hofer: 2,124,661 Bellen: 2,472,892 81% dos austríacos com nível superior votaram em Van der Bellen, enquanto 86% dos trabalhadores sem diploma votaram em Norbert Hofer.
  23. 23. Quem é van der Bellen? • Partido Verde. • Seu outro partido em 2007: "qualquer um que diga que ama a Áustria é um merda”. •Outro líder do partido recentemente declarou que "a Áustria é um detestável pedaço de merda e isso não é uma questão subjetiva, é fato”. • Integração Europeia (globalismo). •Refugiados: "jovens e inteligentes trabalhadores".
  24. 24. A demografia do Brexit LEAVE
  25. 25. REMAIN
  26. 26. POR ÁREA
  27. 27. LONDRES, A CAPITAL COSMOPOLITA E “MULTICULTURAL” (nas definições chacreanas do termo).
  28. 28. FATOR IDADE: Jovens: universitários, razoavelmente bem de vida, viagens, amigos estrangeiros.
  29. 29. Fatores: idade, escolaridade e identidade nacional.
  30. 30. Share geral
  31. 31. Aumento em votos republicanos angariados por Trump
  32. 32. Trump vs millennials
  33. 33. Quadro geral de idade
  34. 34. Homens e mulheres
  35. 35. Formação escolar
  36. 36. Trump e latinos
  37. 37. Trump e cubanos
  38. 38. “Oh, não, uma minoria não votou como rebanho da esquerda”
  39. 39. Trump e os variados grupos étnicos
  40. 40. Romney vs Obama (2012)
  41. 41. Trump: bom desempenho com a classe média Menos histeria universitária (gênero, banheiro, cirurgia pra criança trans) e mais economia. Ninguém quer terminar como Detroit. Democratas perdem no mínimo 5% dos votos com a classe média
  42. 42. Ninguém quer ser Detroit após seguidas administrações democratas
  43. 43. Trump e o anti-globalismo • As atuais elites são da esquerda progressista, que é globalista e ≠ da “esquerda raiz”. • O globalismo faz a cabeça dos “especialistas” de hoje (multiculturalismo chacreano, Imagine John Lennon). • Princípio: Kant, Paz Perpétua, História Cosmopolita e Direitos Humanos [= Razão]. • Princípio: promover ingerência nas soberanias nacionais (UE implementa leis no RU, ONU, UNERSO, UNICEF, OMS etc). Solapar as soberanias nacionais. • Entender quais são os blocos globalistas ajuda até mesmo a entender as ações de Putin (alia-se a uns, combate outros, em nome da criação de seu próprio império). • Não façamos do globalismo o novo marxismo cultural.
  44. 44. Bloco globalista – esquerda progressista • (New Dems) - Clintons, Soros, Obama, Rockefeller, Rothschild, Warren Buffett, Ben Bernake. • É o globalismo democrata ligado a interesses do sistema financeiro, à ONU, à União Europeia e outros orgãos supranacionais. • Bloco totalmente anti-Trump.
  45. 45. “Internacionalista orgulhoso”, Rockfeller em sua autobiografia
  46. 46. Bloco globalista – imperialismo americano • Imperialismo Americano (Neocons). • Baseado na doutrina do "Destino Manifesto", parte do conservadorismo americano crê que os EUA tem uma missão messiânica no mundo. Os Neocons querem um globalismo diretamente comandado pelos Estados Unidos, a pax americana, e isso se dará pela intervenção militar dos EUA em todos os cantos do mundo. • Neocons: problemática teórica, muitos ex-comunistas que “viraram a chave”. • Boas críticas: filósofo John Gray. • Bloco praticamente anti-Trump.
  47. 47. Bloco globalista: Tea Party e Libertarians • Ann Coulter (Tea Party): criticou a intervenção do governo Trump na Síria, o negócio é fechar as fronteiras e fomentar um predomínio cultural. • Assim como os neocons, estes também creem na doutrina do "Destino manifesto", contudo, são isolacionistas e querem uma dominação essencialmente cultural e econômica, sem envolvimentos militares ou despesas em atoleiros no Oriente Médio. Gozando assim da liderança econômica e tecnológica, com megaempresas e patentes monopolizadas, os EUA dominarão o cenário econômico mundial. • Bloco apenas parcialmente anti-Trump.
  48. 48. IMPRENSA: profundamente alimentada pela narrativa pós-moderna universitária
  49. 49. Pós-Trump: a imprensa exige o monopólio da mentira, da distorção e da desinformação - Breitbart supera o alcance da CNN; - Alex Jones, Paul Joseph Watson, Milo Yiannopoulos; - 4chan, Wikileaks e outros. Todos tiveram alcance superior à mídia tradicional ao contradizer sua narrativa. Tudo que fugiu do alcance dos “especialistas”. Resposta dos “especialistas” e da velha mídia: pós-verdade e “fake news”. A única verdade é a da mídia tradicional, bem como a única responsável por notícias verdadeiras. Eis que a bolha vira escudo.
  50. 50. Alt-right Alguns princípios da direita, método da esquerda: - militância ostensiva nas redes (memes, sapo Pepe, 4chan, shitposters – a direita dominando um ramo da “cultura pop”). - reivindicação de território legítimo: direita sem vergonha de ser direita (direita sem medo de exigir seu lugar ao sol).
  51. 51. Conclusão • Uma longa marcha pela irracionalidade, criada para ressuscitar a esquerda, criou uma bolha intransponível entre as elites falantes (“intelectuais”, jornalistas, artistas, beautiful people etc) e as pessoas normais. • O golpe foi dado, mas as ideologias em questão não foram derrotadas: • Rutte (Holanda) vê sua vitória como freio ao “populismo errado” que levou a Trump e ao Brexit: http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,rutte-pede-que-holanda-freie-avanco-do- populismo-apos-vitoria-do-brexit-na-europa-e-de-trump-nos-eua,70001700187 • Vitória de Macron significa “retorno à normalidade”: http://global.beyondbullsandbears.com/2017/05/09/why-were-expecting-a-return-to- normality/ http://global.beyondbullsandbears.com/2017/05/08/the-political-implications-of-macrons-win- in-france/
  52. 52. Referências bibliográficas BRICMONT, Jean. SOKAL, Alan. Imposturas Intelectuais. São Paulo: ed. Best Bolso, 2014. GRAY, John. Missa Negra. Rio de Janeiro: ed. Record, 2009. HICKS, Stephen. Explicando o pós-modernismo. São Paulo: ed. Callis, 2011. KANT, Immanuel. A Paz Perpétua e outros opúsculos. Lisboa: ed. 70, 2008. . Ideia de uma História Universal de um ponto de vista cosmopolita. São Paulo: ed. WMF Martins Fontes, 2016. ROCKEFELLER, David. Memórias. Rio de Janeiro, ed. Rocco, 2003.

×