Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Eric Voegelin e as religiões
políticas
Quem é este que vos fala?
André Assi Barreto é professor de Filosofia das redes
púb...
The New England Primer
“In Adam’s fall
We sinned all”.
João 16:33
“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz;
no mu...
Eric Voegelin e as religiões políticas
• Eric Voegelin (1901-1985):
filósofo e cientista político.
Talvez o mais important...
I) Propedêutica filosófica
• Transcendente: a) aquilo que transcende a realidade
humana (histórica, poderíamos dizer). b) ...
Conceituação filosófica
• Teleologia: estudo sobre a finalidade das
coisas específicas (termo de Wolff), télos =
fim. [Kan...
II) Preâmbulo
• A distinção entre o sagrado e o profano é
CIVILIZADORA.
• Mircea Eliade (1907-1986), estudo de antropologi...
Sagrado e Profano
• Para Eliade, a essência do comportamento religioso
está no “modo de diferenciar e separar aquilo que é...
• As religiões políticas imanentizam o eschaton ou,
poderíamos dizer, nos termos de Eliade, profanam o
sagrado. Ou ainda: ...
III A religião política
• Na “religião civil” (Rousseau, Hobbes e depois
termo usado por Raymond Aron para se
referir a na...
• Cópia dos esquemas religiosos, esvaziados de
seu conteúdo metafísico: Leszek Kolakowski
observa no partido comunista os ...
• A solução está no mundo e o homem é perfeito
(perfectibilidade da natureza humana –
Rousseau).
• Por que isso se deu? Th...
Modernidade: o terreno para a
imanentização do eschaton
• PRINCÍPIO: Thomas Hobbes: a necessidade de um Leviatã, um
“deus ...
Leviatã
• Ecclesia intramundana: Leviatã. Reprodução
simbólica.
• “Ele vê tudo que é alto; é rei sobre todos os
filhos da ...
• Consequência: só há o aqui e o agora. As alternativas: o
ressentimento e o pessimismo niilista OU a criação de
um sentid...
A política como salvação
• Com o estilhaçar do cristianismo a partir da
Reforma surgem os “milenarismos” de seitas
cristãs...
• Segundo Becker, nas religiões políticas:
(1) O homem não é mau por natureza;
(2) A finalidade da vida é a vida mesma, a ...
IV ERIC VOEGELIN
• O que Eric Voegelin faz é reconstruir
historicamente o fenômeno das religiões políticas
desde uma persp...
Abertura da Alma
• O indivíduo faz parte de uma ordem social e a
sociedade faz parte de uma ordem cósmica.
• Platão promov...
A questão: o gnosticismo
• Logo: a realidade histórica não é e não pode ser
medida de si mesma (imanência), mas apenas
por...
• 2) gnose: “conhecimento” (porém, ≠ da episteme
e da phronesis). Conhecimento que precisa ser
acessado; a-gnóstico.
• Sur...
• Em que crê o gnóstico?
• O universo é hostil.
• Esse quadro de hostilidade pode ser corrigido e
revertido (por meio do c...
“Wissenschaft, Politik und gnosis”
• (1) Está insatisfeito com sua situação atual.
• (2) Os problemas do mundo se devem a ...
• (5) Uma mudança na ordem do ser é possível no reino
da ação humana, este ato de salvação é possível por
meio do esforço ...
Marxismo
• É reducionista e trata tudo como “ideologia”.
• Ideologia: véu de ideias que encobre a
realidade; marxismo: fór...
• Imbuído de fé metastática: o advento de uma
revolução é o estopim para o estabelecimento do
paraíso terreno, Marx em A I...
• Basta que a revolução seja deflagrada, que a burguesia
seja assassinada imediatamente para que nos
encaixemos na trilha ...
Fé metastática
• Os gnósticos são movidos a fé metastática, que é uma
DOENÇA DO ESPÍRITO característica da nossa época.
• ...
• Ao “amputado transcendental” só resta Hitler,
Stalin e Che Guevara confirmando a profecia
de Max Scheler, em O eterno no...
V Objeções. “Objeções”.
• 1) As observações de Voegelin vão contra a
direção da política por valores religiosos.
Justifica...
Referências
• AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Partes 1 e 2. São Paulo: Vozes de
Bolso, 2012.
• ARENDT, Hannah. As Orig...
• JOHNSON, Paul. Tempos Modernos. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.
• KOLAKOWSKI, Leszek. Main Currents of Marxism....
T.S. Eliot (citado por Russell Kirk)
The Sword of Imagination
“Se não quisermos Deus (ele é um Deus
ciumento), devemos rev...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Eric Voegelin e as religiões políticas

Palestra apresentada no 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa, em São Paulo, no dia 30/06/16.

Eric Voegelin e as religiões políticas

  1. 1. Eric Voegelin e as religiões políticas Quem é este que vos fala? André Assi Barreto é professor de Filosofia das redes pública, particular e do Centro Paula Souza. Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Tradutor e assessor editorial. Associado da Linotipo Digital Editora. Site: www.andreassibarreto.org
  2. 2. The New England Primer “In Adam’s fall We sinned all”. João 16:33 “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições”
  3. 3. Eric Voegelin e as religiões políticas • Eric Voegelin (1901-1985): filósofo e cientista político. Talvez o mais importante do século XX. • Foi um verdadeiro scholar, estudou matemática, física e biologia. Viveu a grande Viena. Discípulo de Kelsen, amigo de Mises e outros. • Reflexões Autobiográficas • Martim Vasques da Cunha: https://www.youtube.com/w atch?v=aJ8sXpZqtPs
  4. 4. I) Propedêutica filosófica • Transcendente: a) aquilo que transcende a realidade humana (histórica, poderíamos dizer). b) o que está para além – Tomás de Aquino afirmava que a teologia “transcende todas as outras ciências tanto especulativas quanto práticas, isso porque ela é mais certa e porque seus objetos “pela elevação, transcendem a razão” (S.T., I, q. 1, a. 5). • Imanente: a) o motivo de existência da realidade humana está em seu próprio interior; não há nada além dela (que a transcenda). b) Em Aristóteles se referia às atividades e ações que têm seu fim em si mesmas. Em Espinosa = Deus é imanente, Deus = natureza.
  5. 5. Conceituação filosófica • Teleologia: estudo sobre a finalidade das coisas específicas (termo de Wolff), télos = fim. [Kant e a História universal]. ≠ • Escatologia: ciência sobre os fins do universo e da humanidade (cf. A. Lalande). Na teologia: fim do mundo (nós: fim da História humana).
  6. 6. II) Preâmbulo • A distinção entre o sagrado e o profano é CIVILIZADORA. • Mircea Eliade (1907-1986), estudo de antropologia religiosa:
  7. 7. Sagrado e Profano • Para Eliade, a essência do comportamento religioso está no “modo de diferenciar e separar aquilo que é sagrado daquilo que é profano”. • Profano: controlável, SAGRADO: incontrolável (e que remete a sentimento de humildade e reverência). • Mundo moderno = universo dessacralizado (porém, que não escapa a tabus e superstições – conforme dizia Chesterton, o problema não é não acreditar em Deus, o problema é acreditar em qualquer coisa). • Mundo moderno: absorção do sagrado no profano; guarda-se os esquemas, repele-se o conteúdo transcendente.
  8. 8. • As religiões políticas imanentizam o eschaton ou, poderíamos dizer, nos termos de Eliade, profanam o sagrado. Ou ainda: tratam o fim da História humana como um fato estritamente imanente, um dilema a ser resolvido na própria História (modernidade substitui a Teologia pela História); • IMPORTANTE: a comparação não é trivial ou simplista. As religiões políticas copiam a estrutura das religiões tradicionais com o propósito de substituí-las – não se trata de termômetro de “radicalismo”.
  9. 9. III A religião política • Na “religião civil” (Rousseau, Hobbes e depois termo usado por Raymond Aron para se referir a nazismo e comunismo depois da 2ª Guerra Mundial) ou na “religião política”, há: • Fé Metastática: doença do espírito, crença numa resolução humana, histórica e repentina para o “dilema humano”.
  10. 10. • Cópia dos esquemas religiosos, esvaziados de seu conteúdo metafísico: Leszek Kolakowski observa no partido comunista os seguintes itens: Escatologia, Pecado Original, Redenção, Encarnação, conflito entre Fé e Razão, Natureza e Graça, Revelação e Mistério, Paraíso e Danação. • Monenrot: “põem todas as suas esperanças no mundo” (Sociologia do Comunismo) – [daí que fracassem].
  11. 11. • A solução está no mundo e o homem é perfeito (perfectibilidade da natureza humana – Rousseau). • Por que isso se deu? The Heavenly City of the Eighteenth-century philosophers, Carl Becker: A substituição do cristianismo – o inimigo da Razão iluminista – não deveria se dar em termos de oposição (física sim), mas de assimilação substitutiva. Primeiro caso: culto do Sol (Akhenaton) no Egito Antigo (VOEGELIN, As religiões políticas, p.33-42).
  12. 12. Modernidade: o terreno para a imanentização do eschaton • PRINCÍPIO: Thomas Hobbes: a necessidade de um Leviatã, um “deus mortal”, a necessidade de uma “religião civil”. – “a política e as leis civis fazem parte da religião; não havendo assim lugar para distinção entre a dominação temporal e a espiritual” (Leviatã). – “aquilo que o homem faz, diz ou quer, contra as razões da cidade, ou seja, contra a lei” = pecado (Do Cidadão). – Rompimento nítido e definitivo com a concepção cristã/agostiniana. • “Deus está morto”: morte de toda a transcendência. Nietzsche chamará o Estado moderno de “Novo Ídolo”.
  13. 13. Leviatã • Ecclesia intramundana: Leviatã. Reprodução simbólica. • “Ele vê tudo que é alto; é rei sobre todos os filhos da soberba” (Jó, 41:34).
  14. 14. • Consequência: só há o aqui e o agora. As alternativas: o ressentimento e o pessimismo niilista OU a criação de um sentido imanente e histórico (mudança na concepção de História). • Exemplos: Kant (a “paz perpétua”), Vico, Comte (sociedade positiva, lei dos três estados – há “religião civil” em Comte), Hegel (“fim da História”), Rousseau (a democracia plebiscitária), Marx (o comunismo), Fukuyama (a democracia liberal). Pontos finais (históricos) da História humana.
  15. 15. A política como salvação • Com o estilhaçar do cristianismo a partir da Reforma surgem os “milenarismos” de seitas cristãs. É o Apocalipse acelerado por meio da revolução política. • Exemplo: Thomas Müntzer, teólogo e pastor profético protestante que liderou a chamada “Revolta dos Camponeses”, ocasionando cerca de 100 mil mortes. GRAY, John. Missa Negra. p. 41. • As religiões políticas são cosmovisões (daí que gerem totalitarismos).
  16. 16. • Segundo Becker, nas religiões políticas: (1) O homem não é mau por natureza; (2) A finalidade da vida é a vida mesma, a boa vida na terra em vez da vida beatífica após a morte (o bonum communis no lugar do summum bonum); (3) O homem é capaz, guiado apenas pela luz da razão e da experiência, de aperfeiçoar a boa vida na terra; p. 102 e 103.
  17. 17. IV ERIC VOEGELIN • O que Eric Voegelin faz é reconstruir historicamente o fenômeno das religiões políticas desde uma perspectiva filosófica (LEHMANN, 1985, p. 17). • Elementos da Filosofia de Voegelin: – Ideias e símbolos. Ideias políticas evocam símbolos (ícones?). – Símbolos religiosos de Israel e da filosofia grega (História e Nova Ciência). – Ordem da sociedade é reflexo de ordem do cosmos (analogia, também em Eliade) – cosmion.
  18. 18. Abertura da Alma • O indivíduo faz parte de uma ordem social e a sociedade faz parte de uma ordem cósmica. • Platão promove então uma “abertura da Alma”, superando o princípio cosmológico: a verdade independe da sociedade. • Através da percepção de sua psique, o indivíduo, atinado, harmonizado com Deus conhece a verdade. Deus é a medida, não o homem ou a sociedade.
  19. 19. A questão: o gnosticismo • Logo: a realidade histórica não é e não pode ser medida de si mesma (imanência), mas apenas por valores transcendentes, acessíveis à alma do filósofo. • Imperium e Ecclesia: simbologia que evoca o dinamismo da relação entre o sacro e o profano sem confundi-los. • Gnosticismo: 1) atitude que busca secularizar o transcendental ou a revelação (LEHMANN, p. 112).
  20. 20. • 2) gnose: “conhecimento” (porém, ≠ da episteme e da phronesis). Conhecimento que precisa ser acessado; a-gnóstico. • Surge como heresia cristã. Alguns iluminados que têm alguma espécie de conhecimento privilegiado que lhe fora revelado especialmente (sábio autoproclamado). • Gnosticismo: traço eminentemente moderno, “a natureza da modernidade” (cap. IV de A Nova Ciência da Política).
  21. 21. • Em que crê o gnóstico? • O universo é hostil. • Esse quadro de hostilidade pode ser corrigido e revertido (por meio do conhecimento obtido pelo gnóstico). • Ou seja: o gnóstico crê que uma mudança radical na ordem da realidade é tanto possível quanto desejável. • Isso tudo se dará repentinamente: “tudo será mais belo” A. Gramsci.
  22. 22. “Wissenschaft, Politik und gnosis” • (1) Está insatisfeito com sua situação atual. • (2) Os problemas do mundo se devem a sua organização ruim. • (3) A salvação desse mundo mal organizado é possível. • (4) De (3) segue que a ordem do ser terá de ser alterada num processo histórico. De um mundo malévolo um outro bom deve emergir.
  23. 23. • (5) Uma mudança na ordem do ser é possível no reino da ação humana, este ato de salvação é possível por meio do esforço humano. • (6) O conhecimento (gnose) da alteração da ordem do ser é a preocupação central do gnóstico, ele é capaz de elaborar a fórmula capaz de salvar o homem e o mundo (Cf. HENNINGSEN, 1984, p. 297-8; vol. V. do “Collected Works”). O pecado original é o mar, o gnosticismo um barco que rema contra ele. Scruton e a definição de conservador.
  24. 24. Marxismo • É reducionista e trata tudo como “ideologia”. • Ideologia: véu de ideias que encobre a realidade; marxismo: fórmula que descobre a realidade desse véu; com o materialismo dialético se atinge a camada “verdadeira” da realidade. • Quer reforma radical da realidade a ponto de criar um “novo homem”, o homo sovieticus de Trotsky.
  25. 25. • Imbuído de fé metastática: o advento de uma revolução é o estopim para o estabelecimento do paraíso terreno, Marx em A Ideologia Alemã: “...na sociedade comunista, onde cada um não tem atividade exclusiva, mas pode aperfeiçoar-se no ramo que lhe apraz, a sociedade regula a produção geral, dando-me assim a possibilidade de hoje fazer tal coisa, amanhã outra, caçar pela manhã, pescar à tarde, criar animais ao anoitecer, criticar após o jantar, segundo meu desejo, sem jamais tornar-me caçador, pescador, pastor ou crítico” (MARX e ENGELS, 1986: 47).
  26. 26. • Basta que a revolução seja deflagrada, que a burguesia seja assassinada imediatamente para que nos encaixemos na trilha do estabelecimento do paraíso. A autoridade religiosa do mal. • O mesmo para o nazismo: uma mudança radical na ordem do real, a eliminação dos “empecilhos” para isso e teremos instalado um paraíso mundano. • Raciocínios imbuídos de gnosticismo que rompem nitidamente com a concepção agostiniana. • Cheque em branco para o futuro: caridade só amanhã. “Filantropia telescópica” (Dickens em Bleak House).
  27. 27. Fé metastática • Os gnósticos são movidos a fé metastática, que é uma DOENÇA DO ESPÍRITO característica da nossa época. • Voegelin em Ordem e História – Israel e a revelação: • “do problema metastático (...) verá imediatamente que a concepção profética de uma mudança na constituição do ser está na base de nossas crenças contemporâneas na perfeição da sociedade, seja mediante o progresso ou uma revolução comunista” (VOEGELIN, 2009, p. 31) e segundo Voegelin, esta fé metastática é “uma das grandes fontes de desordem, se não a principal, no mundo contemporâneo” (idem).
  28. 28. • Ao “amputado transcendental” só resta Hitler, Stalin e Che Guevara confirmando a profecia de Max Scheler, em O eterno no Homem (1921) onde afirmou que “O homem acredita quer num deus, quer num ídolo. Não há terceira opção”.
  29. 29. V Objeções. “Objeções”. • 1) As observações de Voegelin vão contra a direção da política por valores religiosos. Justificação de uma “indiferença com os pobres”. • 2) “Ideologia burguesa”, tentativa de convencer os pobres que sua condição miserável é normal e deve ser aceita porque “não tem jeito”. • 3) Há religião política “de direita”? John Gray.
  30. 30. Referências • AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Partes 1 e 2. São Paulo: Vozes de Bolso, 2012. • ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. • . Compreender: formação, exílio e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. • BARBUY, Heraldo. Marxismo e Religião. São Paulo: Convívio, 1977. • BECKER, Carl L. The Heavenly City of the Eighteenth-century philosophers. Massachusetts: Yale Paperbound, 1962. • CHIROT, Daniel; MCCAULEY, Clark. Why not kill them all? Princeton: Princeton University Press, 2006. • ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013. • GRAY, John. Missa Negra. São Paulo: Record, 2009. • HENNINGSEN, Manfred. The Collected Work of Eric Voegelin, vol. V. Missouri: University of Missouri Press, 1984.
  31. 31. • JOHNSON, Paul. Tempos Modernos. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990. • KOLAKOWSKI, Leszek. Main Currents of Marxism. 3 volumes. Oxford: Clarendon Press, 1978. • ROTHBARD, Murray. “Karl Marx as religious eschatologist”. Ludwig von Mises Institute. Disponível em: http://mises.org/daily/3769. Acesso em: 05/09/2014. • SILVA, Nelson Lehmann da. A religião civil do estado moderno. Brasília: Thesaurus, 1985. • VOEGELIN, Eric. As religiões políticas. Lisboa: Vega, 2002. • . A Nova Ciência da Política. Brasília: UnB, 1982. • . Ordem e História: Israel e a Revelação. vol. I. São Paulo: Loyola, 2009. • . Reflexões Autobiográficas. São Paulo: É Realizações, 2008. • WEBB, Eugene. Filósofos da Consciência. São Paulo: É Realizações, 2013.
  32. 32. T.S. Eliot (citado por Russell Kirk) The Sword of Imagination “Se não quisermos Deus (ele é um Deus ciumento), devemos reverenciar Hitler ou Stalin”.

×