Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Terá o Pará êxito na sua estratégia de redução de emissões associadas ao uso da terra?

60 views

Published on

Presented by Frederico Brandão (pesquisador do ICRAF) at "Informações, análises e ferramentas para apoiar programas subnacionais de REDD+ no Brasil" on 17 December 2020

Published in: Environment
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Terá o Pará êxito na sua estratégia de redução de emissões associadas ao uso da terra?

  1. 1. Terá o Pará êxito na sua estratégia de redução de emissões associadas ao uso da terra? Frederico Brandão Ingredientes fundamentais para o sucesso de estratégias sub-nacionais
  2. 2. PORQUE É QUE O PARÁ É IMPORTANTE PARA O MUNDO? 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual 0 100000 200000 300000 400000 500000 600000 Bolivia Peru Colombia Ecuador Indonesia Republica Democratica do Congo Pará Taxa de desmatamento anual
  3. 3. O Pará conseguiu reduzir desmatamento!!??
  4. 4. Governo A) Liderança politica B) Articulação e comunicação internas entre secretarias e segundo escalão C) Capacidade técnica e qualificação de um grupo de “capitães” D) Esforço de coordenação e alinhamento com outros setores 1 2 3 4
  5. 5. População e sociedade civil organizada A) Crítica destrutiva a críitica construtiva: assembleísmo para a participação estruturada e qualificada B) Alinhamento interno entre organizações de terceiro setor e grupos sociais C) Identificar problemas concretos e apresentar propostas D) Pouca conexão com as bases e excessiva dependência de apoio externo 1 2 3 4
  6. 6. Setor privado e mercados A) Lentidão na efetivação dos compromissos de zero-desmatamento e pouco investimento B) Excessivo foco na produção de commodities brutas e pouco valor agregado C) Individualismo (padrão minimo de entendimento) D) Rastreabilidade como panaceia? 1 2 3 4
  7. 7. Doadores e parceiros internacionais A) Demora na efetivação dos recursos e apoios B) Falta de alinhamento e sobreposição entre doares (incluindo secretarias) C) Ineficiencias administrativas (calendários e prestação de contas) 1 2 3 4
  8. 8. PROPOSTAS Agenda de desenvolvimento comum para 2030: “Compromisso estadual” Definição de passos e metas intermediárias e finais Contrução de salvaguardas estaduais Regionalização Fundo estadual: FAO
  9. 9. OBRIGADO PELA ATENÇÃO f.brandao@cgiar.org

×