Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Estudo de um Caso

Trabalho realizado no âmbito da 30ª Edição da Especialização em Lean Management (elearning). www.cltservices.net

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Estudo de um Caso

  1. 1. LEAN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT APRESENTAÇÃO DE CASO DE ESTUDO ANTÓNIO PERNAS CARLA DURÃO OUT-2020
  2. 2. CONTEÚDOS 1. Apresentação da empresa 2. O conceito 3. Práticas LEAN na cadeia de abastecimento 4. O futuro 5. Utopia ou oportunidade? 6. Conclusão
  3. 3. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA
  4. 4. 1943 1948 1950 1953 1970 1995 2020 2030 (?) • 1943 – Fundação da empresa IKEA • 1948 – Início da comercialização de mobiliário • 1950 – Lançamento do primeiro catálogo • 1953 – Introdução do conceito de embalagens planas • 1970 – Incêndio numa das lojas espoleta a implementação do armazém self-service • 1995 – Lançamento do “design democrático” • 2020 – Lançamento da campanha “Buy Back Friday” – Reforço da importância da economia circular e sustentável • 2030 – 100% economia circular HISTÓRIA
  5. 5. A IKEA a nível mundial em 2020 A IKEA em Portugal (resultados de 2019) NÚMEROS
  6. 6. O CONCEITO
  7. 7. VISÃO E CONCEITO A visão do IKEA consiste em "criar um melhor dia a dia para a maioria das pessoas: para os clientes e também para os nossos colaboradores e as pessoas que trabalham nos nossos fornecedores”. O conceito da IKEA acenta em “oferecer uma ampla gama de produtos para a casa, funcionais e com design, a preços tão baixos, que a maioria das pessoas os possa comprar”. Forma Função Sustentabilidade Preçobaixo Qualidade Design democrático
  8. 8. ESTRATÉGIA DA DISTRIBUIÇÃO Baixo custo Rede global de distribuição Grandes volumes Embalagens planas
  9. 9. FLUXO DE INVENTÁRIO
  10. 10. PRÁTICAS LEAN NA GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO
  11. 11. DESIGN • O design começa pela definição do preço alvo • Embalagens planas com o mínimo de desperdício interno possível • Tamanho de embalagem otimizado para maximizar o aproveitamento de espaço no transporte • Baixa variedade de matérias-primas utilizadas
  12. 12. FORNECEDORES • Relações duradouras • Relações de confiança e colaborativas • Direitos dos produtos pertencem à IKEA o que facilita a mudança de fornecedor • Contratos de longa duração permitem a diminuição dos custos de matéria-prima
  13. 13. TRANSPORTES • Entregas de fornecedores diretamente aos centros de distribuição ou lojas • Armazéns ligados às lojas • Maximização da cubicagem do transporte através de um design que contempla este aspeto • O transporte final é da responsabilidade do próprio cliente
  14. 14. VENDA A RETALHO • As próprias lojas funcionam como armazém • Stocks baseados nos consumos em loja, em constante atualização, permitem uma melhor gestão de inventário em toda a cadeia • Processo de picking no armazém é feito pelo cliente diminuindo assim o “cost per touch” • Processo de montagem é também efetuado pelo cliente diminuindo assim o custo de produção
  15. 15. O FUTURO
  16. 16. RUMO A UMA ECONOMIA CIRCULAR Permitir que os clientes obtenham, cuidem e doem produtos de maneira circular Produzir produtos 100% circulares (matérias-primas – reciclados – restaurados – renovados – reutilizados) Utilizar apenas materiais renováveis e recicláveis Assumir a liderança e unir esforços com terceiros para alcançar uma economia circular através de apoios, colaboração e parcerias de negócio
  17. 17. O FUTURO COMEÇA HOJE! • Mais de 60% da gama de produtos é feita a partir de materiais renováveis como a madeira e o algodão e mais de 10% contém materiais reciclados • Estão em teste serviços de recompra e revenda em vários países do mundo, incluindo Portugal • A campanha Buy Back Friday pretende inverter o espírito consumista associado à Black Friday comprando de volta artigos usados • No ano financeiro de 2019, a IKEA conseguiu dar uma segunda vida a 47 milhões de produtos
  18. 18. UTOPIA OU OPORTUNIDADE?
  19. 19. UTOPIA • As práticas de excelência da cadeia de abastecimento da IKEA só resultam naquele contexto? • Poderá uma empresa substancialmente mais pequena adotar as mesmas práticas? • Serão as práticas utilizadas pela IKEA aplicáveis a outros tipos de empresa e atividade? • Será possível ter práticas semelhantes sem investimentos avultados? • No slide seguinte será feita uma análise relativamente às boas práticas da IKEA que poderão ser ou não aplicadas a duas empresas diferentes: • Empresa dedicada à remanufaturação e comercialização de cartuchos de toner • Empresa dedicada à produção e comercialização de soluções customizadas de mobiliário de escritório
  20. 20. OPORTUNIDADE Boas práticas Empresa A Empresa B Embalagens planas com o mínimo de desperdício interno Embalagens dimensionadas para máximo aproveitamento de espaço no transporte Baixa variedade de matérias-primas Relações duradouras, de confiança e colaborativas com fornecedores Direitos dos produtos pertencentes à empresa Entregas de fornecedores diretamente ao centros de distribuição ou lojas Armazéns ligados às lojas Transporte final é da responsabilidade do cliente As próprias lojas funcionam como armazéns Stocks baseados nos consumos em loja em constante atualização Processo de picking no armazém é feito pelo cliente Montagem é feita pelo cliente Empresa A – Remanufaturação e distribuição de cartuchos de toner para impressão Empresa B – Produção e comercialização de soluções customizadas de mobiliário de escritório
  21. 21. BOAS PRÁTICAS APLICÁVEIS À EMPRESA A • Na empresa A, há boas práticas da IKEA que são facilmente adaptáveis à realidade da empresa nomeadamente no que ao design da embalagem diz respeito e também no âmbito do estabelecimento de relações colaborativas com fornecedores. • Não são no entanto, aplicáveis as boas práticas associadas ao retalho uma vez que a empresa não opera nesse segmento. • Também no que diz respeito aos direitos dos produtos não é viável adoptar práticas semelhantes à IKEA pois o design/configuração de um cartucho de toner é definido pelo OEM o que implica que as empresas de remanufaturação estejam sujeitas a essas especificações. • Não sendo de aplicação universal a empresa poderá incentivar alguns dos seus fornecedores a efetuarem entregas diretamente nos centros de distribuição. • Do mesmo modo, poderá propor condições aos seus clients que o incentive a adotar por transporte proprio a partir dos centros de distribuição
  22. 22. BOAS PRÁTICAS APLICÁVEIS À EMPRESA B • Na empresa B são aplicáveis as boas práticas de relacionamento colaborativo com fornecedores e a de direitos dos produtos pertencentes à empresa • Considerando que a empresa produz mobiliário customizado e, na maioria dos casos, de elevado valor, não é possível optar por soluções de embalagem que tenham como objetivo um outro que não o da diminuição dos danos em transporte. • Pelo motivo anteriormente exposto também não poderá ficar a cargo do cliente nem o transporte nem a montage por forma a garantir a qualidade do produto final • Uma vez que a empresa não possui loja (apenas showroom) as práticas de retalho não são aplicáveis. Ainda assim, convém salientar, que o inventário se baseia nas ordens reais de venda.
  23. 23. CONCLUSÃO
  24. 24. A IKEA COMO REFERENCIAL DE BOAS PRÁTICAS • A IKEA é hoje uma referência mundial em boas práticas na gestão da cadeia logística e continuará a dar cartas no futuro com a incorporação de uma filosofia de economia 100% circular. • A implementação de projetos de logística inversa nos quais a IKEA começa a ter expressão irão certamente contribuir para novas práticas na gestão da cadeia de abastecimento • Algumas das práticas do IKEA são facilmente exequíveis na maioria das empresas. Outras serão adaptáveis. Mas, não há dúvida, que muito se pode aprender olhando para o conceito IKEA seja qual for o setor de atividade e o modelo de negócio da nossa empresa
  25. 25. BIBLIOGRAFIA BARBOSA, J.T., 2017, Processo de recuperação e revenda de artigos – O caso da IKEA,Tese de Mestrado, Instituto SuperiorTécnico MALACO,A., 2015, Planeamento da cadeia de abastecimento: rotinas e responsabilidades,Tese de Mestrado, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto SANDYBAYEV A., 2017, Strategic Supply Chain Management Implementation: Case Study of IKEA, Noble Academic Publisher https://www.ikea.com/ https://www.ikea.com/pt/pt/ https://www.slideshare.net/NikunjRana2/ikea-scm-64093902 https://www.slideshare.net/roymanish91/ikea-supply-chain-mangament https://www.slideshare.net/RaduAcalfoaie/ikea-building-a-sustainable-supply-chain https://www.slideshare.net/aliarjmand92/ikea-supply-chain-introduction https://www.slideshare.net/TheSupplychainniche/global-supply-chain-planning-at-ikea

×