Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A natureza humana.

13,158 views

Published on

- antropologia filosófica: a busca da compreensão do que é ser humano. • As concepções tradicionais sobre a essência do ser humano – o essencialismo. • O essencialismo tradicional. • A crítica contemporânea do essencialismo.

Published in: Education
  • Posso recomendar um site. Ele realmente me ajudou. Chama-se ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Eles me ajudaram a escrever minha dissertação.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

A natureza humana.

  1. 1. A NATUREZA HUMANA Prof. Douglas Gregorio
  2. 2. Nesta aula: • A antropologia filosófica: a busca da compreensão do que é ser humano. • As concepções tradicionais sobre a essência do ser humano – o essencialismo. • O essencialismo tradicional. • A crítica contemporânea do essencialismo.
  3. 3. A ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA pergunta: O que é o ser humano? O que ele faz de sí próprio?
  4. 4. Cada cultura tem uma concepção própria do que é o ser humano.
  5. 5. Para os estóicos da Grécia antiga, e depois para os cristãos, paixões e instintos são perturbações da alma e precisam ser controlados. Na filosofia de Nietzsche (séc. XIX), filósofo de grande projeção contemporânea, paixões e instintos são forças vitais, e contê-los é sinal de submissão e fraqueza.
  6. 6. ESSENCIALISMO Corrente filosófica que prega que a natureza humana é uma só para todos, em todo tempo e lugar, ou seja, é UNIVERSAL. Se há diferenças entre os indivíduos, tratam-se de desvios, imperfeições ou estágios diferentes de desenvolvimento.
  7. 7. Para Platão, a essência universal do homem está no mundo das idéias, ou seja, uma essência metafísica, una e imutável. Para Aristóteles, a essência universal do homem reside em seu ser como potência, e cabe ao homem torná-la atual, tal como uma semente tem em sí uma árvore em potencial.
  8. 8. O essencialismo encontrou seus críticos ao longo da história, ou seja, filósofos que rejeitaram a idéia de uma natureza humana única e universal, comum a todos os indivíduos.
  9. 9. Para Marx (séc. XIX), não há natureza humana universal. O homem define-se pelo que produz em conjunto com os demais homens, ou seja, PELO TRABALHO COLETIVO. Não há essência humana universal. As circunstâncias definem o modo de existir do homem, não havendo existência universal. Juntas em sociedade, as pessoas criam valores em comum, produzindo a sua própria existência.
  10. 10. Para Sartre (falecido em 1980) o ser humano tem uma essência – o “ser para sí” que o permite construir a sua própria existência – “o ser humano não é mais do que ele faz” – e não existe uma natureza humana universal.
  11. 11. Resumindo: • A antropologia filosófica consiste na reflexão do que significa ser humano, a busca da compreensão de nós mesmos. • A antropologia filosófica não se limita ao simplesmente vivenciado, mas busca ultrapassar o vivido e explicar o ser humano como um todo, numa dimensão mais ampla e profunda. • A tradição buscou explicar a essência universal do ser humano, os essencialismo. • Os críticos contemporâneos em maioria negam o conceito de natureza humana universal e buscam explicar o homem no contexto histórico e social.
  12. 12. Produção e texto: prof. Douglas Gregorio. Imagens: Corbis e Google. Grupo de pesquisas CIBERNÉTICA PEDAGÓGICA. LLD – Laboratório de Linguagens Digitais. Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA – USP. Março de 2011.

×