Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cárie dentária 2012 1

35,866 views

Published on

Cárie Dentária

Published in: Education
  • Login to see the comments

Cárie dentária 2012 1

  1. 1. Cárie Dentária Prof. Ms. Guilherme TerraDentística Operatória Aplicada
  2. 2. Cárie Dentária É um processo de destruição localizada, dos tecidos dos dentes, causado por microorganismos. Envolve a dissolução da fase mineral, principalmente os de cristais de Hidroxiapatita, por ácidos produzidos pela fermentação bacteriana. (NEWBRUN, 1982)
  3. 3. Cárie Dentária Doença infecto-  Sacarose dependente contagiosa; multifatorial  Considerada uma Difícil de controlar epidemia Ocorre em função dos  Perda de minerais ácidos da bactérias (LOESCHE, 1993)
  4. 4. Cárie Dentária Nem a dieta nem os microorganismos, atuando como fatores individuais podem provocar o aparecimento da cárie. É necessária a presença desses fatores, simultaneamente, na superfície dentária, para que ocorra a doença. (THYLSTRUP;FEJERSKOV, 1988)
  5. 5. Cárie Dentária A cárie é considerada um desequilíbrio no processo Des-Re (desmineralização e remineralização) dos tecidos duros do dente. Este processo ocorre constantemente na cavidade bucal. A velocidade na progressão das perdas de mineral decorrentes desse desequilíbrio é que determinará o surgimento ou não de cavidades cariosas. (GONÇALVES; PEREIRA, 2003)
  6. 6. PARÂMETROS ENVOLVIDOS NO PROCESSO CARIOSO MICROORGANISMOS CÁRIEHOSPEDEIRO SUBSTRATO NEWBRUN, 1988 TEMPO
  7. 7. Cárie Dentária Substrato  Tipo de carboidrato.  Frequência de ingestão.  Difícil de controlar (mudar o hábito do paciente)
  8. 8. Cárie Dentária Microbiologia  Diversos tipos de bactérias.  Microbiota em equilíbrio.  O tratamento mais eficiente é a prevenção.
  9. 9. Cárie Dentária Microbiota  Higiene oral.  Transmissão de pais para filhos.
  10. 10. Cárie Dentária Microbiota  Streptococus mutans (início do desenvolvimento).  Lactobacillus (desenvolvimento tardio).  Actinomyces (cárie radicular).
  11. 11. Cárie Dentária Saliva  Pacientes com xerostomia ou hiposalivação têm maiores chances de desenvolver cárie.  Capacidade tampão.  Processo des-re e neutralização dos ácidos (modulação do Ph).
  12. 12. Evolução Película Adquirida. Biofilme Dental. “Amadurecimento” do Biofilme. Cárie dentária.
  13. 13. Película Adquirida Camada acelular. Formação instantânea por processo iônico. Adesão bacteriana. Presença de proteínas salivares.
  14. 14. Película Adquirida. Filme orgânico derivado principalmente da saliva e aderido ao esmalte dentário. Espessura 0,1 a 0,3 mm. Não causa danos ao elemento dental.
  15. 15. Película Adquirida Características da Película Adquirida Proteção do esmalte Lado positivo Reservatório de flúor Lado positivo Aderência de MO Lado negativo
  16. 16. Biofilme dental É formado quando as bactérias são capazes de colonizar e crescer na superfície do dente. Agregados bacterianos que estão aderidos aos dentes ou próteses. Formada após 8 horas.
  17. 17. “Amadurecimento” do Biofilme Adsorção contínua de bactérias específicas da saliva ao biofilme. Após 7 dias ocorre a dissolução do esmalte superficial. Se não removido evolui para a cárie.
  18. 18. Processo Des-Re Ph crítico Início da desmineralização  Necessário a presença de sacarose.  Ph  5,5; Perda de Cálcio e Potássio. Ph Neutro Remineralização  Capacidade Tampão e ausência da sacarose.  Ganho de Cálcio e Potássio.  Flúor ajuda na remineralização.
  19. 19. Lesão de cárie Dependente do tempo.  Perda de mineral inicial.  Aparecimento da manha branca.  Cavitação
  20. 20. Lesão de cárie Cárie ativa Cárie inativa Aspecto em esmalte:  Aspecto em esmalte:  Mancha branca, rugosa e  Mancha branca, lisa e opaca. brilhante ou pigmentada. Aspecto em dentina:  Aspecto em dentina:  Tecido amolecido de cor  Tecido duro e escurecido. marrom clara.
  21. 21. Mancha branca Não é cárie ainda. Não há cavidade. É uma desmineralização superficial do esmalte. Higienização e aplicação de flúor.
  22. 22. Mancha branca
  23. 23. Classificação da cárie Quanto à evolução do processo. Quanto à sua localização no dente. Quanto ao tipo de processo carioso.
  24. 24. Quanto à evolução Aguda  Segue um curso clínico de desenvolvimento rápido, e, muitas vezes resulta em comprometimento precoce da polpa dental.  Ocorre mais freqüentemente em crianças e adultos jovens, porque os canalículos dentinários possuem maior diâmetro, sem esclerose, tornando a dentina altamente permeável aos ácidos.
  25. 25. Quanto à evolução Aguda  Em razão da rápida evolução do processo carioso, não há formação de dentina de reação por parte da polpa dental.  Freqüentemente promove dor.  Possui coloração clara.  Consistência macia, friável.
  26. 26. Cárie aguda
  27. 27. Quanto à evolução Crônica  É de evolução lenta, permitindo a esclerose dos canalículos dentinários, com consequente menor permeabilidade dentinária.  Promove formação de dentina de reação (dentina reacionária).
  28. 28. Quanto à evolução Crônica  Possui coloração castanho-escuro.  A dor não é característica comum da cárie crônica, ao contrário da cárie aguda.  Consistência dura à remoção.
  29. 29. Cárie crônica
  30. 30. Cárie aguda e crônicaCÁRIE ASPECTO SINTOMATOLOGIAAGUDA LESÃO ÚMIDA E HÁ DOR AMOLECIDACRÔNICA LESÃO SECA NÃO HÁ DOR AMARELADA E ENDURECIDA
  31. 31. Quanto à sua localização Cárie de fóssulas e fissuras.  Localizadas nas superfícies oclusais de molares e pré-molares e nos sulcos das superfícies linguais dos dentes anteriores. Cárie de superfícies lisas  Localizados no terço cervical das superfícies vestibulares e lingual de todos os dentes.
  32. 32. Cárie de fóssulas e fissuras
  33. 33. Quanto ao tipo de processo Primária  Que têm seu início nas cicatrículas, fissuras e superfícies lisas do dente hígido. Secundária  As cáries secundárias (recidivantes ou recorrentes), detectadas ao redor das margens das restaurações.
  34. 34. Método de diagnóstico Clínico. Radiológico. Transiluminação. Medição da resistência elétrica. Separação temporária de dentes posteriores. Corantes detectores de cárie. Aparelhos específicos para diagnóstico.
  35. 35. Clínico Exame visual e táctil. Auxílio de uma sonda exploradora. Utiliza-se, preferencialmente, as “costas” da sonda.
  36. 36. Clínico
  37. 37. Radiológico Avaliação por meio de radiografias intra orais. A radiografia de eleição para o diagnóstico de cárie é a radiografia interproximal.
  38. 38. Radiológico
  39. 39. Transiluminação Utilização de uma fonte de luz por palatino / lingual. Quando há a presença de lesão a intensidade da luz fica modificada.
  40. 40. Transiluminação
  41. 41. Medição da resistência elétrica Explora a propriedade do tecido cariado de apresentar uma condutividade elétrica maior que o tecido são.
  42. 42. Separação temporária Para possibilitar o exame direto de superfícies ”escondidas” nas proximais dos elementos. Utiliza-se um separador ortodôntico.
  43. 43. Corantes Pode ser empregados para auxiliar na visualização de lesões iniciais de esmalte e para delimitar a existências e extensão de lesões dentinárias.
  44. 44. Aparelhos específicos DIAGNOdent - Laser de diodo fluorescente.  As perdas minerais são detectadas em relação ao tecido hígido.  Apresenta grande incidência de diagnósticos falsos-positivos.
  45. 45. Tipos de dentina Primária - é a dentina original ,normal e regular, a maior parte formada antes da erupção do dente.
  46. 46. Tipos de dentina Secundária - é a que se forma devido aos estímulos de baixa intensidade, decorrente de função biológica normal durante a vida clínica do dente.  Apresenta túbulos dentinários estreitos e tortuosos.
  47. 47. Dentina secundária
  48. 48. Tipos de dentina Terciária ou reparativa - Desenvolve-se quando existem irritações pulpares mais intensas, como cárie aguda, preparo cavitário, erosão, abrasão, irritações mecânicas, térmicas, químicas, elétricas e outras.  Apresenta seus túbulos mais irregulares, tortuosos, reduzidos em número ou mesmo ausentes.
  49. 49. Tipos de dentina Dentina esclerótica  Se caracteriza pela presença de túbulos dentinários obliterados com material calcificado.  Ocorre devido a estímulos crônicos como cárie crônica, abrasão, atrição, etc...

×