Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Teoria crítica - Escola de
Frankfurt e a indústria cultural
Comunicação Social
Prof° José Geraldo de Oliveira
CONTEÚDO
• Teoria crítica - Escola de Frankfurt e a indústria cultural
[Adorno/Horkheimer]
• Importância dos meios de comu...
• A sociedade é o resultado do processo de transformação da natureza
pelo homem.
• O trabalho é o fator responsável pela s...
• A sociedade é dividida em homens que trabalham e homens que
dirigem os vários processos de trabalho, condiciona os proce...
A história nada mais é do que a sucessão de diferentes
gerações, cada uma das quais explora os materiais, os
capitais e as...
• A comunicação deve ser estudada, em sequência, como processo de
generalização simbólica da práxis humana, enquanto media...
• O primeiro ato histórico é a produção dos meios necessários à
sua sobrevida, que, em seguida, criam novas necessidades,
...
• A comunicação surge no momento, em que as necessidades de trabalhar
em conjunto determina o estabelecimento de certas re...
• 1923 – Pesquisadores do Instituto de Pesquisa
Social estudam a sociedade capitalista e o
movimento operário.
• Amplia os...
• O clima político na Alemanha da época não era dos melhores.
• A República de Weimar, fundada depois da queda do imperado...
• No início dos anos 1930 a Alemanha começa a sentir
os fortes efeitos da crise da Bolsa de Nova York (1929).
• As rivalid...
Max Horkheimer Teodor Adorno Walter Benjamin Eric Fromm Herbert Marcuse Jurgen Habermas
• O instituto de pesquisas sociais muda-se para a Califórnia, em 1934 por
causa da perseguições promovidas pelo nazismo.
•...
• Apontam que a sociedade capitalista, a
industrialização e a cultura de massa possuem
aspectos negativos.
• Denunciam a a...
• A sociedade de consumo é alienante e desumanizante.
• A crítica não é sentida pelas pessoas que participam como
consumid...
• “Agente da barbárie”, os meios de comunicação, são veículos
propagadores de ideologias das classes dominantes que se
imp...
• O conceito de “indústria da cultura” se destina à análise crítica
da produção de bens simbólicos, em escala industrial.
...
• A exploração comercial de produções culturais trariam um
reforço à dominação ideológica exercida, proporcionando
“aliena...
• O homem ter se tornado superior à natureza também
possibilitou a noção da superioridade do homem sobre o
homem. A domina...
• Assim como qualquer sistema, o esclarecimento é
totalitário, ele entra em todas as esferas da vida e se
instala dramatic...
• O sujeito da economia, que seria o sujeito racional,
toma o mercado, esfera última da interação humana
em um mundo desen...
• O desenvolvimento da Indústria Cultural que
possibilitou um controle completo sobre o homem: a
indústria cultural é um c...
• A equação conhecimento = poder gerado pela
primazia da técnica que causa a subjugação e
dominação do homem.
• A barbárie...
• Quando a tecnologia empurra o mundo para a industrialização,
os teóricos percebem que a sociedade de consumo conseguiu
c...
• O Estado totalitário não exerce mais a hedionda
“manipulação da consciência”.
• É a “Indústria da cultura” e os meios de...
• Expressão utilizada por Adorno e Horkheimer na
Dialética do Esclarecimento (1947) no capítulo, “A
Indústria Cultural: O ...
• Para Adorno e Horkheimer, a Indústria Cultural, como
subsistema da sociedade capitalista, reproduz a sua
ideologia e est...
• As reflexões de Adorno e Horkheimer assentam na
constatação de que a sociedade industrial não realizou
as promessas do i...
• A reprodutibilidade técnica retirou, tanto da
cultura popular, como da cultura erudita, o
seu valor real. O resultado, a...
Críticas à Indústria Cultural
Aquilo que a indústria cultural oferece de
continuamente novo não é mais do que a
representa...
• Para os frankfurtianos, os produtos da Indústria Cultural teriam 3 funções:
1. Ser comercializados;
2. Promover a deturp...
• [...] O cinema e o rádio não precisam mais se apresentar como arte. A
verdade de que não passam de um negócio, eles a ut...
“O espectador não deve agir pela sua
própria cabeça: o produto prescreve
todas as reacções: não pelo seu
contexto objectiv...
“A sociedade é sempre a vencedora e o indivíduo
não passa de um fantoche manipulado pelas
normas sociais” Adorno apud Wolf...
• A estrutura multiestratificada das mensagens
reflete a estratégia de manipulação da indústria
cultural.
• A recepção das...
• A divisão dos produtos em gêneros conduz
ao desenvolvimento de formas fixas e impõe
modelos estabelecidos de expectativa...
INDUSTRIA CULTURA
[Márcia Tiburi ]
• Do século XX até hoje, a inteligência e a sensibilidade coletivas vivem sob o jugo da...
• Ela une e descaracteriza
tanto a “cultura superior”
quanto a arte popular: para a
primeira representa uma
simplificação ...
• Ao invés de libertar o Homem, o progresso da técnica
acabou por o escravizar, alienando-o.
• A reprodutibilidade técnica...
1. INTRA-ARTÍSTICA - a produção da obra se dá por
critérios e técnicas próprios ao objeto. A pintura é
diferente da música...
• A indústria cultural não acaba com o “individualismo” da arte,
mas o submete a critérios comerciais, daí sua feição
ambí...
• Tem efeitos na massa, mas esses efeitos estão
subordinados às próprias transformações [negativas]
produzidas na arte e n...
• O cidadão comum sabe do “logro”, mas fecha os olhos
porque ela produz uma satisfação imediata [infantilismo].
• Ela apel...
• Adorno retruca: “nenhuma infâmia é
amenizada pelo fato de declarar-se como
tal”.
• O objetivo final da Indústria Cultura...
• Indústria cultural ≠ Cultura de massas
• Cultura de massa surge espontaneamente das próprias
massas na forma de arte pop...
• Esse tipo de mensagem determina:
• o modo como é usufruída - sem interpretação
• A qualidade do conteúdo – baixa
• Auton...
• Os estereótipos facilitam a fuga à subjetividade, já
que o indivíduo fica seguro de que não haverá
surpresas e suas expe...
• A arte tem a função de prometer um mundo de justiça e felicidade no
futuro, enquanto o presente é marcado pela injustiça...
Angelus Novus. Paul Klee - 1920
“A nova produção cultural tem a função de ocupar o
espaço do lazer que resta ao operário e...
• A cultura é marcada por 3 fatores:
- Serialização
- Padronização
- Divisão social do trabalho
• Alguns autores apontam q...
WALTER BENJAMIN
A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica
(1935/1936)
• Modo de produção capitalista e seus
r...
• Modo de produção capitalista e seus reflexos
na área da cultura.
• Teses sobre as tendências evolutivas da arte,
nas atu...
• A obra de arte sempre foi reprodutível
• Novidade: reprodução técnica
Imprensa: reprodução técnica da escrita
Fotografia...
• Mesmo na reprodução mais perfeita, um
elemento está ausente: o aqui e agora da
obra de arte, sua existência única, no lu...
• O que se atrofia na era da reprodutibilidade técnica da
obra de arte é sua aura.
• A técnica da reprodução destaca do do...
Aura
Aura
A aura é a absoluta singularidade do aqui e agora.
“A aparição única de uma coisa distante, por mais
perto que ela es...
• Substitui a existência única da obra por uma
existência serial
• Abalo da tradição
• Seu agente mais poderoso é o cinema...
“No interior de grandes períodos históricos, a
forma de percepção das coletividades humanas
se transforma ao mesmo tempo q...
• Diferentes formas de percepção
• Crescente difusão e intensidade dos movimentos de massa
• Reprodução:
• Fazer as coisas...
A destruição da aura
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica
A destruição da aura
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica
A destruição da aura
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica
A destruição da aura
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica [Yasumasa Morimura ]
WALTER BENJAMIN
Reprodução técnica [Yasumasa Morimura ]
• Unicidade da obra de Arte – culto/ritual (religioso
ou o culto do Belo).
• A história da Arte está entre esses dois polo...
• Nas sociedades primitivas a técnica se fundia
com o ritual.
• Na nossa sociedade a técnica se emancipa.
• A técnica refu...
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
O Discóbolo (lançador
de disco) - Míron Discobolus – Sui Jianguo-
2003
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
Nascimento de Vênus –
Sandro Botticelli
Tomoko Nagao. Botticelli - 2012
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
A última ceia – Leonard Da Vinci
Viridiana (1961), de Luis Buñuel
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
Yo mama's last supper . Renée Cox. 1996
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
Mona Lisa. Leonardo da Vinci.
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
Mona Lisa. Leonardo da Vinci.
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
A criação de Adão. Miguelangelo [ 1511]
Caravaggio. A vocação de São Mat...
ESTE É UM ÍCONE
da obra de arte à cultura popular
Cezary Bodzianowski Onto. Lodz 2009
• A fotografia pode ser feita em um grande número de cópias e
a ideia de autenticidade da cópia não faz sentido.
• Mas, no...
• A reprodutibilidade técnica do filme tem seu fundamento imediato
na técnica de sua produção.
• Esta não apenas permite, ...
• A reprodutibilidade técnica do filme tem seu fundamento imediato
na técnica de sua produção.
• Esta não apenas permite, ...
• O filme serve para exercitar o homem nas novas percepções e
reações exigidas por um aparelho técnico cujo papel cresce
c...
• O cinema é sempre uma experiência coletiva,
diferentemente da obra de arte “aurática”, cuja fruição é
individual.
• O ci...
“Enquanto o capitalismo continuar conduzindo o jogo, o único
serviço que se deve esperar do cinema em favor da revolução
é...
• Com a fotografia, o valor de culto começa a recuar, em todas as
frentes, diante do valor de exposição.
• Retrato: último...
WALTER BENJAMIN
Fotografia e Cinema como Arte
• Quando surge o cinema retoma uma questão: a fotografia alterou a
natureza ...
• As pessoas identificam-se com o que possuem;
• Encontram a sua alma no seu automóvel e
aparelhagem doméstica.
• O homem ...
• A luta de libertação não caberia aos trabalhadores já
que eles eram alienados pelo sistema cultural e
mediático.
• Quem ...
HERBERT MARCUSE & A DIMENSÃO ESTÉTICA
• A teoria crítica influenciou muito os trabalhos do
grupo da Internacional Situacio...
AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE
HERBET MARCUSE
(1898-1979)
• Aclamado mundialmente como filósofo e ideólogo da
libertação e da...
AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE
HERBET MARCUSE
(1898-1979)
• Influências teóricas: Hegel, Heidegger, Husserl, Lukács, Karl Jas...
• A sociedade industrial-consumista com seus
mecanismos do Estado do Bem-Estar Social e avanços
tecnológicos são os respon...
HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
• Proclama a igualdade abstrata “todos são
consumidores” que se realiza como desi...
• Sociedade eficaz utilização de todos os recursos
tecnológicos para o controle dos indivíduos.
• A dominação funciona com...
• Ponto comum das sociedades totalitárias: supressão
da individualidade pela mecanização de
desempenhos e procedimentos.
•...
• A redução do elemento crítico e contestador leva o
indivíduo a impotência e produz a mediocrização
em massa.
• Sociedade...
• A liberdade e os direito individuais tão importantes na
origem da sociedade industrial, perdem o sentido e o
conteúdo tr...
• A superação do sistema é possível pela utopia
da Grande Recusa, pelo questionamento do
modo de vida e pensamento dominan...
HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
O FIM DA RACIONALIDADE TECNOLOGIA
• O desenvolvimento tecnológico pervertido e ge...
HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
• Marcuse separa progresso técnico de progresso
humanitário.
• Progresso humanitá...
JÜRGEN HABERMAS (1929)
• Integra a segunda geração da Escola de Frankfurt.
• Foi integrado à escola só depois da publicaçã...
TEORIA CRÍTICA HOJE
• A continuidade dos trabalhos da Teoria Crítica
foram desenvolvidos por Jurgen Habermas.
• Os seus co...
• Em toda sua obra, Habermas defende a retomada dos
valores iluministas. Ele afirma que a modernidade não
terminou, mas qu...
ESFERA PÚBLICA
• É o local onde se exerce esta racionalidade
comunicativa (distinto da esfera privada e da esfera
do Estad...
• Habermas afirma que a “esfera pública” é
modificada já em meados do século XIX, quando a
mídia torna-se um negócio priva...
ESFERA PÚBLICA E COMUNICAÇÃO EM HABERMAS
• O pensamento de Habermas envolve duas
dimensões: uma mais ampla, relacionada à ...
Comunicar não é apenas trocar informações. É agir,
interferir na ação e modificar atitudes em diferentes
escalas. A racion...
A IMPRENSA E A ESFERA PÚBLICA
Habermas vê uma mudança na esfera pública já no início do
século XIX, quando os jornais pass...
Para satisfazer os anunciantes e o mercado, surge um
jornalismo apolítico e imparcial, que é criticado por
Habermas como p...
ESFERA PÚBLICA
• Essa posição de Habermas é uma uma crítica à forma
dominante de produção de propostas e intervenções polí...
• Sob a ótica de Habermas, em
sociedades complexas a esfera
pública forma uma estrutura
intermediária que faz a mediação
e...
• Hoje, os meios de comunicação e até o jornalismo
colaboram com essa construção.
• O que vemos no jornal e na TV não é ca...
1. Corresponde aos interesses privados da nobreza no
tocante à construção da esfera pública;
2. constitui-se pelo estabele...
A MÍDIA NA ESFERA PÚBLICA
• A imprensa passa, historicamente, a ser um espaço
privilegiado para a formação da opinião públ...
USOS DA COMUNICAÇÃO
• No final da década de 1970, Habermas volta a
publicar trabalhos sobre a comunicação. Desta vez,
inte...
USOS DA COMUNICAÇÃO
Ao selecionar as informações, o profissional de mídia
utiliza sua premissa de ser o portador de um dis...
APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS
Umberto Eco
• Segundo Umberto Eco, o problema apontado pelos
teóricos da Escola de Frankfurt as...
• Os Integrados não conseguem
perceber os problemas gerados
pela indústria cultural,
defendendo a democratização do
acesso...
“A cultura de massa é a cultura do
homem contemporâneo”(Umberto
Eco).
A cultura de massa se torna uma
“definição de ordem ...
• A cultura de massa modifica,
adapta e destrói a verdadeira
cultura para poder vende-la.
• A culura de massa nivela por
b...
APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS
X
X
• Os valores humanos são
deixados de lado, enquanto
futilidades ganham status de
arte e pol...
• Os "apocalípticos" estariam equivocados por considerarem a cultura
de massa ruim simplesmente por seu caráter industrial...
“O erro dos apologistas é afirmar que a multiplicação dos
produtos da indústria seja boa em si, segundo uma ideal
homeosta...
“A falha está em formular o problema nestes termos: é bom ou mau que exista a
cultura de massa?”
“Na verdade, o problema é...
TC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de Frankfurt
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

7

Share

Download to read offline

TC - Escola de Frankfurt

Download to read offline

CONTEÚDO
Teoria crítica - Escola de Frankfurt e a indústria cultural [Adorno/Horkheimer]
Importância dos meios de comunicação e da cultura de mercado na formação do modo de vida contemporâneo;
Comunicação não pode ser estudada como fenômeno independente, mas atrelada aos processos históricos e sociais;
As pessoas se “engajam” na esfera social através do consumo estético massificado = exploração mercantil da cultura.
Walter Benjamim – A obra de arte na época da sua reprodutibilidade técnica.
Habermas – Ação Comunicativa e espaço público.

TC - Escola de Frankfurt

  1. 1. Teoria crítica - Escola de Frankfurt e a indústria cultural Comunicação Social Prof° José Geraldo de Oliveira
  2. 2. CONTEÚDO • Teoria crítica - Escola de Frankfurt e a indústria cultural [Adorno/Horkheimer] • Importância dos meios de comunicação e da cultura de mercado na formação do modo de vida contemporâneo; • Comunicação não pode ser estudada como fenômeno independente, mas atrelada aos processos históricos e sociais; • As pessoas se “engajam” na esfera social através do consumo estético massificado = exploração mercantil da cultura. • Walter Benjamim – A obra de arte na época da sua reprodutibilidade técnica. • Habermas – Ação Comunicativa e espaço público.
  3. 3. • A sociedade é o resultado do processo de transformação da natureza pelo homem. • O trabalho é o fator responsável pela socialização dos seres humanos e a criação das bases materiais de seu modo de vida. • Os indivíduos trabalham cooperativamente para satisfazes as suas necessidades, estabelecendo determinadas relações sociais, que ao mesmo tempo, se transformam em condição do próprio trabalho. • A sociedade surge, pois, com o estabelecimento de um certo modo de vida, em cujas base se funda o desenvolvimento da civilização. Friedrich Engels ( 1820-1895) Karl Marx ( 1818 -1883)
  4. 4. • A sociedade é dividida em homens que trabalham e homens que dirigem os vários processos de trabalho, condiciona os processos comunicativos. • A consciência é produzida dentro de condições de desigualdades. • O trabalho possibilita a formação de consciência do meio sensível e esta se expressa necessariamente na linguagem, nascida com a necessidade de cooperação entre os homens. • A linguagem não é senão a condensação simbólica da praxis humana que possibilita a comunicação.
  5. 5. A história nada mais é do que a sucessão de diferentes gerações, cada uma das quais explora os materiais, os capitais e as forças de produção a ela transmitidos pelas gerações anteriores; ou seja, de um lado, ela prossegue em condições completamente diferentes da atividade precedente, enquanto de outro modifica as circunstâncias anteriores através de uma atividade totalmente diferente ( MARX e ENGELS, 1977: 70).
  6. 6. • A comunicação deve ser estudada, em sequência, como processo de generalização simbólica da práxis humana, enquanto mediação mais ou menos universal do modo de produção. • A comunicação é uma categoria abstrata, que precisa ser compreendida no contexto da totalidade concreta, determinada em última instância pelo modo de produção dominante na sociedade. • O indivíduo é produto do trabalho. • O homem não se diferencia dos animais só pelo manejo de símbolos, mas antes pelo fato de produzir seus meios de subsistência, criar e transformar praticamente as suas condições materiais de vida.
  7. 7. • O primeiro ato histórico é a produção dos meios necessários à sua sobrevida, que, em seguida, criam novas necessidades, entre as quais a necessidade de cooperação entre os homens. • Em dado momento, os homens descobrem que a cooperação pode facilitar a satisfação de suas necessidades, que o trabalho em conjunto e sua divisão social representam uma força produtiva, passando então a viver em sociedade.
  8. 8. • A comunicação surge no momento, em que as necessidades de trabalhar em conjunto determina o estabelecimento de certas relações não apenas entre os homens e a natureza, mas sobretudo entre os próprios indivíduos. • As relações sociais não surgem para satisfazer necessidades gregárias abstratas, mas por necessidade de cooperação objetiva. • Não é um produto de uma vontade de comunicação, mas efeito comunicativamente mediado do desenvolvimento da cooperação nos processos de trabalho. • A produção e o trabalho são fatores de desenvolvimento da comunicação, da linguagem e da consciência.
  9. 9. • 1923 – Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Social estudam a sociedade capitalista e o movimento operário. • Amplia os horizontes para estudos críticos sobre a cultura capitalista e a psicologia. • Uma de suas principais ambições era realizar uma síntese entre Marx e Freud, ou seja, examinar os fundamentos culturais e psicológicos do modo capitalista de produção e, inversamente, os efeitos do capitalismo na cultura e no psiquismo. Integrantes do simpósios sobre marxismo, núcleo fundador da Escola (1923)
  10. 10. • O clima político na Alemanha da época não era dos melhores. • A República de Weimar, fundada depois da queda do imperador Guilherme II em 1919, com a derrota da Alemanha na 1ª Guerra Mundial, já nasceu conturbada. • Dívidas externas, desemprego, rivalidades entre diversas correntes políticas, greves, tudo isso assolava a nação alemã. • Tentativa de um golpe político, dado em 1922 por um obscuro líder político de grupos direitistas, chamado Adolf Hitler. • Em 1930, Max Horkheimer assume a diretoria da instituição. O ambiente social e político da Alemanha não havia melhorado muito, ao contrário.
  11. 11. • No início dos anos 1930 a Alemanha começa a sentir os fortes efeitos da crise da Bolsa de Nova York (1929). • As rivalidades políticas aumentam; de um lado socialistas, comunistas e social-democratas e de outros grupos direitistas de diversos graus de radicalismo. Os liberais perdem gradativamente a força, enquanto aumentava o desemprego, a miséria e a falta de perspectivas. • Em 1933 o Partido Nacional Socialista tem maioria no Parlamento e Adolf Hitler tornar-se o Chanceler. Integrantes do simpósios sobre marxismo, núcleo fundador da Escola (1923) • Um período de crescente autoritarismo e antissemitismo. • A Escola de Frankfurt, que sempre teve uma visão crítica, influenciada pelo marxismo (neomarxismo) não tem mais função nessa sociedade.
  12. 12. Max Horkheimer Teodor Adorno Walter Benjamin Eric Fromm Herbert Marcuse Jurgen Habermas
  13. 13. • O instituto de pesquisas sociais muda-se para a Califórnia, em 1934 por causa da perseguições promovidas pelo nazismo. • Os pesquisadores se vêm diante do mais avançado exemplo de sociedade capitalista da época [Estados Unidos]. • O choque com a sociedade de consumo americana leva os pesquisadores a realizarem uma série de pesquisas e reflexões que ficou conhecida pelo nome de “teoria crítica”.
  14. 14. • Apontam que a sociedade capitalista, a industrialização e a cultura de massa possuem aspectos negativos. • Denunciam a alienação, a corrupção da cultura, a infantilização e a nova forma de escravidão a que o ser humano “moderno” está sujeito. • A Teoria Crítica tem nuances e opiniões às vezes opostas, como o encantamento de Benjamim pela cidade moderna e o pessimismo de Adorno.
  15. 15. • A sociedade de consumo é alienante e desumanizante. • A crítica não é sentida pelas pessoas que participam como consumidores da sociedade. • Boa parte dos norte-americanos acreditavam que a industrialização trouxe os benefícios de uma vida confortável [ Casas com eletrodomésticos].Em meio a essa festa de consumo, os teóricos veem a opressão e recorrem à dicotomia entre “civilização” e “cultura”.
  16. 16. • “Agente da barbárie”, os meios de comunicação, são veículos propagadores de ideologias das classes dominantes que se impõe às classes populares pela persuasão ou manipulação. • A Dialética do Iluminismo é uma reflexão a respeito das consequências nefastas da “indústria da cultura” sobre a liberdade individual, já que os meios de comunicação nunca encorajam o exercício do espírito crítico. • A um indivíduo livre, liberado pela “razão objetiva”, não escaparia que o mundo por eles apresentados não é e nem poderia ser real.
  17. 17. • O conceito de “indústria da cultura” se destina à análise crítica da produção de bens simbólicos, em escala industrial. • A produção em série e a promoção publicitária acarretam a homogeneização dos padrões de gostos, proporcionando uma deterioração da Kultur genuína. • A racionalidade técnica havia subordinado os fatos de cultura a um princípio de serialização e a um padronização, “massificando-os”. • O conceito-chave da proposição franfkurtiana, a “indústria da cultura” era viva ilustração e ardorosa denúncia do processo capitalista de mercantilização de artefatos culturais.
  18. 18. • A exploração comercial de produções culturais trariam um reforço à dominação ideológica exercida, proporcionando “alienação, “conformismo político” e “passividade mental”. • Produzidas para fins mercantis, tais criações perdem a “aura”, tornando-se mercadorias; descaracterizando-se as manifestações artísticas genuínas pelo espetáculo de que devem fazer parte ou em que devem transformar. • Para atender a um consumidor extenso e indeterminado há um rebaixamento da qualidade dos “produtos”. • A relação entre o artista e o público passou a ser medida pela técnica, que não é ideologicamente neutra.
  19. 19. • O homem ter se tornado superior à natureza também possibilitou a noção da superioridade do homem sobre o homem. A dominação ao outro se dá por que o outro é somente parte da natureza já subjugada. • Esta dominação não depende do sistema econômico- social vigente. Em qualquer sistema, seja capitalista ou socialista, a primazia da técnica tem os mesmos efeitos. • A força do esclarecimento está em sua própria contradição. O sistema vigente é sempre fortalecido na mesma medida em que faz parecer que seu fim está próximo, já que as tecnologias aumentam a possibilidade de conforto para a espécie humana ao mesmo tempo em que intensificam a exploração e a
  20. 20. • Assim como qualquer sistema, o esclarecimento é totalitário, ele entra em todas as esferas da vida e se instala dramaticamente. • A reprodução incessante da técnica e o desencantamento do mundo também produzem sujeitos desencantados. Esses são sujeitos racionalizados e completamente adaptáveis à autoridade da esfera econômica, são vazios, são somente casca, são sujeitos ocos, é por isso que o mercado passa a ser o novo juiz dos valores e das liberdades dos sujeitos da modernidade desencantada ao extremo.
  21. 21. • O sujeito da economia, que seria o sujeito racional, toma o mercado, esfera última da interação humana em um mundo desencantado, como o verdadeiro produtor de valores que podem e devem ser seguidos. • Para os autores [adorno e horkheimer], a grandiosidade que o poder do esclarecimento forneceu ao homem foi o seu sucesso e seu fracasso. • Foi a crescente dominação da natureza que viabilizou o esvaziamento do homem e sua total submissão às tecnologias.
  22. 22. • O desenvolvimento da Indústria Cultural que possibilitou um controle completo sobre o homem: a indústria cultural é um complexo de comunicação e simbolização que perpetua as estruturas vigentes, causando estímulos aos quais o público espectador não tem respostas adequadas. • A indústria cultural não fomenta convicções, impulsos de transformação, reflexões sobre o mundo, muito pelo contrário, seu papel no mundo de superficialidade é evitar todos os impulsos que poderiam formar um sujeito de fato ativo.
  23. 23. • A equação conhecimento = poder gerado pela primazia da técnica que causa a subjugação e dominação do homem. • A barbárie, com uma roupagem científica e racional, domina as esferas da vida e não é nem mesmo percebida. Chega a ser incentivada e apoiada pelas massas, incapazes de perceberem que o avanço científico trouxe consigo a permanente exploração de seus corpos e de suas almas.
  24. 24. • Quando a tecnologia empurra o mundo para a industrialização, os teóricos percebem que a sociedade de consumo conseguiu colocar a civilização no lugar valorativo da cultura. • A civilização “engole” a cultura e se transforma em “cultura de massa”. • O cidadão americano, intoxicado pelo consumo e pela cultura de massa, deixou de ter aspirações elevados. • Submete-se ao trabalho e a exploração. • A cultura de massa cria uma hiper valorização da subjetividade, dos sentimentos, da felicidade individual, que elimina as marcas da dominação concreta do mundo exterior. ESCOLA DE FRANKFURT [ Elementos da Teoria Crítica ]
  25. 25. • O Estado totalitário não exerce mais a hedionda “manipulação da consciência”. • É a “Indústria da cultura” e os meios de comunicação, provenientes do desenvolvimento técnico, ocupam espaço na “teoria da dominação” [ social e ideológica]. • A crítica radical é uma denúncia “apocalíptica” da “barbárie cultural” que os meios de comunicação transmitem.
  26. 26. • Expressão utilizada por Adorno e Horkheimer na Dialética do Esclarecimento (1947) no capítulo, “A Indústria Cultural: O Iluminismo como Mistificação das Massas”, em substituição do termo “cultura de massas”, para designar a produção e difusão de bens simbólicos em escala industrial.  Uma cultura concebida e vendida como mercadoria e motivada pelo desejo de lucro.  “O consumidor não é rei, como a indústria cultural gostaria de fazer crer, ele não é o sujeito dessa indústria, mas seu objeto”.
  27. 27. • Para Adorno e Horkheimer, a Indústria Cultural, como subsistema da sociedade capitalista, reproduz a sua ideologia e estrutura. • A Indústria Cultural configura produtos veiculados pelos mass media. Portanto, não designa peças culturais provindas da elite nem da população menos favorecida. • As reflexões de Adorno e Horkheimer assentam na constatação de que a sociedade industrial não realizou as promessas do iluminismo humanista. Pois o desenvolvimento da técnica e da ciência não trouxe um acréscimo de felicidade e liberdade para o Homem.
  28. 28. • As reflexões de Adorno e Horkheimer assentam na constatação de que a sociedade industrial não realizou as promessas do iluminismo humanista. Pois o desenvolvimento da técnica e da ciência não trouxe um acréscimo de felicidade e liberdade para o Homem. • Ao invés de libertar o Homem, o progresso da técnica acabou por o escravizar, alienando-o. • A Indústria Cultural configura produtos veiculados pelos mass media. Portanto, não designa peças culturais provindas da elite nem da população menos favorecida.
  29. 29. • A reprodutibilidade técnica retirou, tanto da cultura popular, como da cultura erudita, o seu valor real. O resultado, a indústria cultural, não conduz à experiência libertadora da fruição estética. • O princípio da reprodução deformaria a obra, nivelando-a por baixo. Por exemplo: adaptações de livros a filmes, que são adocicadas para se tornar mais apetecíveis ao consumo.
  30. 30. Críticas à Indústria Cultural Aquilo que a indústria cultural oferece de continuamente novo não é mais do que a representação, sob formas sempre diferentes, de algo que é sempre igual (Adorno, 1967, 8). • O sistema condiciona o tipo, a qualidade e a função do consumo na sociedade. • A indústria cultural provoca a homogeneização dos padrões de gosto.
  31. 31. • Para os frankfurtianos, os produtos da Indústria Cultural teriam 3 funções: 1. Ser comercializados; 2. Promover a deturpação e a degradação do gosto popular; 3. Obter uma atitude passiva dos consumidores.
  32. 32. • [...] O cinema e o rádio não precisam mais se apresentar como arte. A verdade de que não passam de um negócio, eles a utilizam como uma ideologia destinada a legitimar o lixo que propositalmente produzem. Eles se definem a si mesmos como indústrias, e as cifras publicadas dos rendimentos de seus diretores gerais suprimem toda dúvida quanto à necessidade social de seus produtos. • O facto de que milhões de pessoas participam dessa indústria imporia métodos de reprodução que, por sua vez, tornam inevitável a disseminação de bens padronizados para a satisfação de necessidades iguais. • A racionalidade técnica hoje é a racionalidade da própria dominação. Ela é o caráter compulsivo da sociedade alienada de si mesma. Os automóveis, as bombas e o cinema mantêm coeso o todo e chega o momento em que seu elemento nivelador mostra sua força na própria injustiça à qual servia. Por enquanto, a técnica da indústria cultural levou apenas à padronização e à produção e, série, sacrificando o que fazia a diferença entre a lógica da obra e a do sistema social.
  33. 33. “O espectador não deve agir pela sua própria cabeça: o produto prescreve todas as reacções: não pelo seu contexto objectivo que desaparece mal se volta para a faculdade de pensar – mas através de sinais. Qualquer conexão lógica que exija perspicácia intelectual, é escrupulosamente evitada” (Horkheimer; Adorno, 1947: 148).
  34. 34. “A sociedade é sempre a vencedora e o indivíduo não passa de um fantoche manipulado pelas normas sociais” Adorno apud Wolf (1994: 77). • Os produtos da indústria cultural paralisam a imaginação e a espontaneidade, impedindo a atividade mental do indivíduo. • A indústria cultural reflete o modelo do
  35. 35. • A estrutura multiestratificada das mensagens reflete a estratégia de manipulação da indústria cultural. • A recepção das mensagens dos media escapam ao controlo da consciência. O espectador absorve ordens, indicações, proibições, sem senso crítico. • Uma das estratégias de dominação da indústria cultural é a estereotipização, modelos simplificados indispensáveis para organizar e antecipar as experiências humanas.
  36. 36. • A divisão dos produtos em gêneros conduz ao desenvolvimento de formas fixas e impõe modelos estabelecidos de expectativas. • Os sujeitos encontram-se privados da verdadeira compreensão da realidade e da experiência de vida pelo uso constante de óculos esfumaçados, oferecidos pelo sistema através da indústria cultural.
  37. 37. INDUSTRIA CULTURA [Márcia Tiburi ] • Do século XX até hoje, a inteligência e a sensibilidade coletivas vivem sob o jugo da Indústria Cultural. Podemos dizer que o todo da cultura se tornou indústria. Nossa vida sensível toma consciência de si por meio das manifestações artísticas, da educação, da leitura. • Das artes clássicas à arte culinária, podemos dizer que há um trabalho humano de intensificação e valorização das experiências vividas. A Indústria Cultural é hoje a produção de experiência empobrecida. • Desde a televisão (o nervo central da produção de imagem), até a alimentação (há uma Indústria Cultural que coordena o processo alimentar como processo social), passando pela saúde física (a Indústria da Vida Saudável) e pela saúde mental (Indústria da Vida Feliz), todos os processos humanos passam por um método de uniformização e banalização ao qual podemos chamar de Indústria. • Cabe avaliar se a Indústria Cultural da Felicidade afetou as nossas vidas.
  38. 38. • Ela une e descaracteriza tanto a “cultura superior” quanto a arte popular: para a primeira representa uma simplificação e sem compromisso com a seriedade; para a segunda, uma domesticação, que subtrai do “popular” seu caráter autêntico.
  39. 39. • Ao invés de libertar o Homem, o progresso da técnica acabou por o escravizar, alienando-o. • A reprodutibilidade técnica retirou, tanto da cultura popular, como da cultura erudita, o seu valor real. O resultado, a indústria cultural, não conduz à experiência libertadora da fruição estética. • O princípio da reprodução deformaria a obra, nivelando-a por baixo. Por exemplo: adaptações de livros a filmes, que são adocicadas para se tornar mais apetecíveis ao consumo.
  40. 40. 1. INTRA-ARTÍSTICA - a produção da obra se dá por critérios e técnicas próprios ao objeto. A pintura é diferente da música e se guia normas e valores distintos. 2. EXTRA-ARTÍSTICA - típica da indústria cultural. Busca suas técnicas e critérios em outros campos, no caso, no campo da produção de mercadorias. Podemos pensar que as formas de cultura criadas e mantidas por governos autoritários [como forma de propaganda] também se pauta por esses critérios.
  41. 41. • A indústria cultural não acaba com o “individualismo” da arte, mas o submete a critérios comerciais, daí sua feição ambígua. • O “grande escritor”, por exemplo, ainda é identificado como tal, a pesar de se incorporar á lógica do mercado editorial • Adorno relativiza a questão de pensar o papel da industrial cultural no comportamento das massas. • Esse papel não deve ser subestimado, mas que também é importante pensar a arte em si, e não apenas na sua dimensão social.
  42. 42. • Tem efeitos na massa, mas esses efeitos estão subordinados às próprias transformações [negativas] produzidas na arte e na cultura. • A cultura disseminada não produz uma consciência política. • Os padrões de comportamento dela derivados são claramente “conformistas”. • Democratiza uma forma de pensar e agir que é incapaz de auxiliar o homem na sua busca por emancipação.
  43. 43. • O cidadão comum sabe do “logro”, mas fecha os olhos porque ela produz uma satisfação imediata [infantilismo]. • Ela apela para a “sedução” para vender uma vida conformista e reacionária. • Para manter o mundo tal qual ele é, com suas contradições justificadas pelo silêncio das massas. • Os produtores rebatem dizendo que o que fazem é “apenas entretenimento” e não arte. Adorno retruca: “nenhuma infâmia é amenizada pelo fato de declarar-se como tal”. O objetivo final da Indústria Cultural são a dependência e a escravidão.
  44. 44. • Adorno retruca: “nenhuma infâmia é amenizada pelo fato de declarar-se como tal”. • O objetivo final da Indústria Cultural são a dependência e a escravidão.
  45. 45. • Indústria cultural ≠ Cultura de massas • Cultura de massa surge espontaneamente das próprias massas na forma de arte popular. • A mídia adquirem poder sobre a sociedade. • Poder dos economicamente mais fortes. • Todo conteúdo produzido pela indústria cultural tem a função de perpetuar a mensagem, os valores, o poder e o domínio da situação. É sempre a representação de uma forma diferente de uma mesma ideia. • A mensagem é sempre a mesma apresentada com uma nova roupagem. • Exclui o novo
  46. 46. • Esse tipo de mensagem determina: • o modo como é usufruída - sem interpretação • A qualidade do conteúdo – baixa • Autonomia da audiência - Inexistente • A cultura industrial promove a fuga à subjetividade, fuga à necessidade de pensar por ser: • Padronizada • Onipresente • Baixa qualidade
  47. 47. • Os estereótipos facilitam a fuga à subjetividade, já que o indivíduo fica seguro de que não haverá surpresas e suas expectativas serão supridas. • Música Pop • Reconhecimento = Compreensão • Música Rica • O reconhecimento é um meio para a compreensão • Chico Buarque – Cálice • Pink Floyd – The Wall
  48. 48. • A arte tem a função de prometer um mundo de justiça e felicidade no futuro, enquanto o presente é marcado pela injustiça e pela opressão. • Com o desenvolvimento da sociedade industrial “os bens culturais, concretizados em obras literárias, sistemas filosóficos e obras de arte são derrubados de seus pedestais, deixam de ser bens de consumo de luxo, destinados a uma elite burguesa, para se converterem em bens de consumo de massa”, graças à possibilidade de reprodução técnica [WALTER BENJAMIN]. • A cultura se transforma em mercadoria e perde o seu potencial emancipatório, a sua espiritualidade e capacidade de levar o homem a um estado de liberdade acima das necessidades materiais do dia-a-dia. ESCOLA DE FRANKFURT [ Elementos da Teoria Crítica ]
  49. 49. Angelus Novus. Paul Klee - 1920 “A nova produção cultural tem a função de ocupar o espaço do lazer que resta ao operário e ao trabalhador assalariado depois de um longo dia de trabalho, a fim de recompor suas forças para voltar a trabalhar no dia seguinte, sem lhe dar trégua para pensar sobre a realidade miserável em que vive”. • Ela cria a ilusão de uma “felicidade” no presente, que é sempre conquistada pelo consumo (material ou simbólico). Se vive a liberdade de escolha entre produtos lançados no mercado. ESCOLA DE FRANKFURT [ Elementos da Teoria Crítica ]
  50. 50. • A cultura é marcada por 3 fatores: - Serialização - Padronização - Divisão social do trabalho • Alguns autores apontam que a teoria crítica traz uma certa nostalgia de uma forma de arte que, afinal, nunca esteve disponível para a maioria das pessoas do mundo. • Ela é acusada de ser elitista: é uma crítica cultural que remonta ao mundo (impossível) anterior à técnica industrial. ESCOLA DE FRANKFURT [ Elementos da Teoria Crítica ]
  51. 51. WALTER BENJAMIN A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936) • Modo de produção capitalista e seus reflexos na área da cultura. • Teses sobre as tendências evolutivas da arte, nas atuais condições produtivas. • Põem de lado os conceitos tradicionais: criatividade e gênio; validade eterna e estilo; forma e conteúdo. • Formulação de exigência revolucionárias na política artística.
  52. 52. • Modo de produção capitalista e seus reflexos na área da cultura. • Teses sobre as tendências evolutivas da arte, nas atuais condições produtivas. • Põem de lado os conceitos tradicionais: criatividade e gênio; validade eterna e estilo; forma e conteúdo. • Formulação de exigência revolucionárias na política artística. WALTER BENJAMIN A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)
  53. 53. • A obra de arte sempre foi reprodutível • Novidade: reprodução técnica Imprensa: reprodução técnica da escrita Fotografia: reprodução da imagem Cinema falado: reprodução da imagem e do som • Reprodução do som – alto padrão de qualidade das técnicas de reprodução. • Para estudar esse padrão, nada mais instrutivo que examinar como duas funções – a reprodução da obra de arte e a arte cinematográfica – repercutem uma sobre a outra. WALTER BENJAMIN AURA
  54. 54. • Mesmo na reprodução mais perfeita, um elemento está ausente: o aqui e agora da obra de arte, sua existência única, no lugar em que ela se encontra. • A história da obra está ausente na reprodução. • A autenticidade da obra é a quintessência de tudo o que foi transmitido pela tradição, a partir de sua origem, desde sua duração material até o seu testemunho histórico. • Desaparece a autoridade da obra. WALTER BENJAMIN A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935/1936)
  55. 55. • O que se atrofia na era da reprodutibilidade técnica da obra de arte é sua aura. • A técnica da reprodução destaca do domínio da tradição o objeto reproduzido. WALTER BENJAMIN AURA
  56. 56. Aura
  57. 57. Aura A aura é a absoluta singularidade do aqui e agora. “A aparição única de uma coisa distante, por mais perto que ela esteja” (BENJAMIN: p. 170). WALTER BENJAMIN AURA
  58. 58. • Substitui a existência única da obra por uma existência serial • Abalo da tradição • Seu agente mais poderoso é o cinema WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  59. 59. “No interior de grandes períodos históricos, a forma de percepção das coletividades humanas se transforma ao mesmo tempo que seu modo de existência” (BENJAMIN: p. 169). WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  60. 60. • Diferentes formas de percepção • Crescente difusão e intensidade dos movimentos de massa • Reprodução: • Fazer as coisas ficarem mais próximas • Possuir o objeto WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  61. 61. A destruição da aura WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  62. 62. A destruição da aura WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  63. 63. A destruição da aura WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  64. 64. A destruição da aura WALTER BENJAMIN Reprodução técnica
  65. 65. WALTER BENJAMIN Reprodução técnica [Yasumasa Morimura ]
  66. 66. WALTER BENJAMIN Reprodução técnica [Yasumasa Morimura ]
  67. 67. • Unicidade da obra de Arte – culto/ritual (religioso ou o culto do Belo). • A história da Arte está entre esses dois polos • Pré-história – magia – valor de culto • O que importa nessas imagens é que elas existam, e não que sejam vistas. • Com a reprodução técnica, a obra de arte se emancipa, pela primeira vez na história, de sua existência parasitária, destacando-se do ritual • A obra de arte reproduzida é cada vez mais a reprodução de uma obra de arte criada para ser reproduzida. WALTER BENJAMIN Valor de culto e de exposição
  68. 68. • Nas sociedades primitivas a técnica se fundia com o ritual. • Na nossa sociedade a técnica se emancipa. • A técnica refuncionaliza a arte e exige um novo aprendizado e uma nova percepção. • Torna-se uma segunda natureza humana. • À medida que as obras de arte se emancipam do seu uso ritual, aumentam as ocasiões para que elas sejam expostas. • De Instrumento mágico para obra de arte. • Refuncionalização da arte. WALTER BENJAMIN Valor de culto e de exposição
  69. 69. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular O Discóbolo (lançador de disco) - Míron Discobolus – Sui Jianguo- 2003
  70. 70. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular Nascimento de Vênus – Sandro Botticelli Tomoko Nagao. Botticelli - 2012
  71. 71. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular A última ceia – Leonard Da Vinci Viridiana (1961), de Luis Buñuel
  72. 72. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular Yo mama's last supper . Renée Cox. 1996
  73. 73. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular Mona Lisa. Leonardo da Vinci.
  74. 74. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular Mona Lisa. Leonardo da Vinci.
  75. 75. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular A criação de Adão. Miguelangelo [ 1511] Caravaggio. A vocação de São Mateus – [1598 – 1601]
  76. 76. ESTE É UM ÍCONE da obra de arte à cultura popular Cezary Bodzianowski Onto. Lodz 2009
  77. 77. • A fotografia pode ser feita em um grande número de cópias e a ideia de autenticidade da cópia não faz sentido. • Mas, no momento em que o critério da autenticidade deixa de aplicar-se à produção artística, toda a função social da arte se transforma. • Em vez de fundar-se no ritual, ela passa a funda-se em outra práxis: a política WALTER BENJAMIN Autenticidade
  78. 78. • A reprodutibilidade técnica do filme tem seu fundamento imediato na técnica de sua produção. • Esta não apenas permite, da forma mais imediata, a difusão em massa da obra cinematográfica, como a torna obrigatória. • A difusão se torna obrigatória, porque a produção de um filme é tão cara que um consumidor, que poderia, por exemplo, pagar um quadro, não pode pagar um filme. WALTER BENJAMIN O filme é uma criação da coletividade
  79. 79. • A reprodutibilidade técnica do filme tem seu fundamento imediato na técnica de sua produção. • Esta não apenas permite, da forma mais imediata, a difusão em massa da obra cinematográfica, como a torna obrigatória. • A difusão se torna obrigatória, porque a produção de um filme é tão cara que um consumidor, que poderia, por exemplo, pagar um quadro, não pode pagar um filme. WALTER BENJAMIN O filme é uma criação da coletividade
  80. 80. • O filme serve para exercitar o homem nas novas percepções e reações exigidas por um aparelho técnico cujo papel cresce cada vez mais em sua vida cotidiana. • Fazer do gigantesco aparelho técnico do nosso tempo o objeto das inervações humanas – é essa a tarefa histórica cuja realização dá ao cinema o seu verdadeiro sentido. WALTER BENJAMIN O filme é uma criação da coletividade
  81. 81. • O cinema é sempre uma experiência coletiva, diferentemente da obra de arte “aurática”, cuja fruição é individual. • O cinema se parece mais com a arquitetura do que com a pintura: nasce para ser habitado por muitos, para abrigar a massa. WALTER BENJAMIN O filme é uma criação da coletividade
  82. 82. “Enquanto o capitalismo continuar conduzindo o jogo, o único serviço que se deve esperar do cinema em favor da revolução é o fato de permitir uma crítica revolucionária das antigas concepções de arte”. • A principal força revolucionária das reproduções técnicas é o fato de corroerem a figura do “especialista”. • A massa, diante de uma reprodução, se porta como um semi-especialista capaz de emitir juízos. • “No cinema, o público não separa a crítica da fruição”. Diminui a autoridade do perito em função de que todos podem compartilhar da criação. • Benjamin se refere aos cinema-diversão, que era o grosso da produção de sua época. WALTER BENJAMIN O filme é uma criação da coletividade
  83. 83. • Com a fotografia, o valor de culto começa a recuar, em todas as frentes, diante do valor de exposição. • Retrato: último sopro do culto (culto da saudade). • Fotos como autos da história – orientam a recepção num sentido determinado. WALTER BENJAMIN Fotografia e Cinema como Arte
  84. 84. WALTER BENJAMIN Fotografia e Cinema como Arte • Quando surge o cinema retoma uma questão: a fotografia alterou a natureza da arte? • Para dar o caráter de arte ao cinema introduzem a ideia de culto. “É a tendência estéril de copiar o mundo exterior, com suas ruas, interiores, estações e restaurantes, automóveis e praças, que têm impedido o cinema de incorporar-se ao domínio da arte". “O cinema ainda não compreendeu seu verdadeiro sentido, suas verdadeiras possibilidades....Seu sentido está na sua faculdade característica de exprimir, por meios naturais e com uma incomparável força de persuasão, a dimensão do fantástico, do miraculoso e do sobrenatural”.
  85. 85. • As pessoas identificam-se com o que possuem; • Encontram a sua alma no seu automóvel e aparelhagem doméstica. • O homem consumista chegou ao cúmulo da alienação, pois ele não é capaz de refletir sobre os seus objetivos e, muito menos, sobre os objetivos da sociedade. • Marcuse defendeu a violência da luta de classes como única forma de dar fim aos processos alienatórios e distorcidos com os quais o poder econômico domina a cultura e subjuga os homens, pela ignorância e doutrinamento. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
  86. 86. • A luta de libertação não caberia aos trabalhadores já que eles eram alienados pelo sistema cultural e mediático. • Quem lutaria seria determinados grupos sociais minoritários: estudantes e artistas. • Considerava que muita da infelicidade e da violência social advém de frustrações libidinosas. • Tornou se uma das vozes da flexibilidade dos costumes sexuais [ Ano 60 ] tentando conjugar Marx e Freud. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
  87. 87. HERBERT MARCUSE & A DIMENSÃO ESTÉTICA • A teoria crítica influenciou muito os trabalhos do grupo da Internacional Situacionista, contando com Guy Debord e Raoul Vaneigem, autores importantes para as revoltas do Maio de 68, em França. • Marcuse, influenciou, nos U.S.A., o aparecimento do movimento chamado então “Nova Esquerda”, também nos anos 60 e 70, inicialmente restrito a estudantes universitários na Students for a Democratic Society. Este movimento, sem nunca ter desenvolvido uma organização tradicional, advogou a democracia participativa e protestou contra a guerra no Vietnã.
  88. 88. AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE HERBET MARCUSE (1898-1979) • Aclamado mundialmente como filósofo e ideólogo da libertação e da revolução nos anos 1960. • Critico das sociedades totalitárias: nazismo, fascismo, stalinismo e da sociedade de consumo norte-americana. • Critico de todas as formas de poder totalitário: combinação de coordenação política terrorista da sociedade e coordenação técnico econômica não terrorista que se dá pela manipulação dos desejos e necessidades vitais humanas. • Influenciou o movimento dos intelectuais revolucionários e os ativistas radicais norte-americanos dos anos 1960 (movimento de minorias, estudantes e Panteras Negras etc.)
  89. 89. AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE HERBET MARCUSE (1898-1979) • Influências teóricas: Hegel, Heidegger, Husserl, Lukács, Karl Jasper diminuídas à partir da leitura dos Manuscritos Econômicos- Filosóficos de Marx em1932, onde a partir questão da alienação encontra o fundamento filosófico da teoria da revolução. • Com a ascensão do nazismo se exila nos EUA e elabora uma Teoria Critica da sociedade capitalista do pós-guerra, a sociedade afluente. • O centro é a denúncia do papel da indústria cultural, da comunicação de massas como poderoso elemento de dominação, conformismo e alienação. • Teórico da Contra-cultura.
  90. 90. • A sociedade industrial-consumista com seus mecanismos do Estado do Bem-Estar Social e avanços tecnológicos são os responsáveis por um sistema totalitário de dominação. • Controlada pela racionalidade e lógica da produtiva, produção de massa, criadora de um artificialismo e de uma racionalidade institucional. • Reino da pseudo-liberdade: ilusão de poder escolher o que o sistema. Liberdade é meio de dominação. • O inconformismo perde sentido na medida que necessidades padronizadas são satisfeitas: Sociedade sem oposição. Sensação de liberdade: euforia na infelicidade, no consumo. AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE HERBET MARCUSE (1898-1979)
  91. 91. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL • Proclama a igualdade abstrata “todos são consumidores” que se realiza como desigualdade concreta. • Exerce controle sobre a consciência humana, cria mecanismos de cooptação e reduz a impotência o pensamento contestador e crítico. • Atitudes dos indivíduos prescritas e previsíveis. • Ideologia dominante: liberação dos desejos regulados pelo mercado o que implica na sua degradação. • Revolução/Liberdade sexual: armadilha soporífera e manipulada: “sexo o ópio da juventude”. • Erotização como fuga da realidade.
  92. 92. • Sociedade eficaz utilização de todos os recursos tecnológicos para o controle dos indivíduos. • A dominação funciona com uma administração das necessidades e prazeres do indivíduo. • Questão central: produção de falsas necessidades impostas e alienadas. O consumo pelo consumo. • Repressão das necessidades libertárias. • Perda da autonomia humana, a independência de pensamento e o espaço para a de oposição. • Presente em todas as esferas da vida pública e privada. • Ao indivíduo resta a “adaptação voluntária” e a-crítica ao sistema ao sistema de conduta e pensamento. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
  93. 93. • Ponto comum das sociedades totalitárias: supressão da individualidade pela mecanização de desempenhos e procedimentos. • Impostos pelas instituições políticas e de ordem tecnológicas. • Consumo manipulado pela propaganda e mídia. • Processos de cooptação e absorção dos conflitos. • O indivíduo não luta mais por liberdade, as falsas necessidades e as satisfações repressivas mascaram e impõe a consciência de servidão. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL
  94. 94. • A redução do elemento crítico e contestador leva o indivíduo a impotência e produz a mediocrização em massa. • Sociedade controlada por um (ir) racionalidade produtiva. • Implantação de pensamento e modo de vida único. • Não há alternativa ao sistema só aprimoramento. • Império da razão técnica: tudo possui um único valor e significado. Eliminação de qualquer contradição. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL CONSCIENCIA UNIDIMENSIONAL
  95. 95. • A liberdade e os direito individuais tão importantes na origem da sociedade industrial, perdem o sentido e o conteúdo tradicional. A falta liberdade confortável. • A liberdade individual tornou-se a liberdade de morte, de alienação, de ausência de valores e de degradação social. • Mecanismo do conformismo: o homem na busca dos desejos pessoais manipulados, perda a dimensão de totalidade e multilateralidade e vê a-criticamente o sistema capitalista de consumo. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL CONSCIENCIA UNIDIMENSIONAL
  96. 96. • A superação do sistema é possível pela utopia da Grande Recusa, pelo questionamento do modo de vida e pensamento dominantes e pelo resgate da liberdade individual perdida. • Sujeito histórico do processo todos aqueles que rejeitam o consumo programado a integração na sociedade capitalista: movimentos de juventude, beatniiks, hippies, explorados e marginalizados etc. • A classe operária incorporada pelo sistema. • Ideólogo de das manifestações de1968. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO
  97. 97. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL O FIM DA RACIONALIDADE TECNOLOGIA • O desenvolvimento tecnológico pervertido e gerador de desperdício (consumo manipulado e produção de armamentos) não liberou o tempo livre para o desenvolvimento da individualidade. • Instrumento de controle do tempo de trabalho e tempo livre (lazer). A técnica como o mais eficaz instrumento de político. • Necessidade de ser redimensionado para o desenvolvimento da individualidade e de necessidades vitais. • A Grande Recusa não se realizou, o sistema capitalista com o avanço tecnológico continua amortecendo, absorvendo e derrotando o lógica do protesto. • Che Guevara ícone daqueles tempos virou grife.
  98. 98. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL • Marcuse separa progresso técnico de progresso humanitário. • Progresso humanitário ligado a noções de qualidade vida e liberdade humana. • Progresso técnico pressuposto de todo progresso humanitário tem como finalidade a satisfação de necessidades humanas. • Progresso técnico não leva automaticamente ao humanitário, não é um fim em si mesmo. • Sempre é preciso saber a que necessidades atende. HERBERT MARCUSE & O HOMEM UNIDIMENSIONAL PROGRESSO TÉCNICO E PROGRESSO HUMANITÁRIO
  99. 99. JÜRGEN HABERMAS (1929) • Integra a segunda geração da Escola de Frankfurt. • Foi integrado à escola só depois da publicação de sua teoria sobre a esfera pública. • Retoma a teoria crítica, fazendo uma reflexão sobre a opinião pública e a relação entre a mídia e política. • Seu trabalho mais importante é a “A mudança estrutural da esfera pública burguesa” (1962) e a“Teoria do agir comunicativo” (1981). • Seu sistema filosófico busca revelar as possibilidades da razão, da emancipação e da comunicação crítica e racional das instituições da modernidade. • Acredita que a modernidade é um projeto que foi interrompido. Nega o termo pós-modernidade.
  100. 100. TEORIA CRÍTICA HOJE • A continuidade dos trabalhos da Teoria Crítica foram desenvolvidos por Jurgen Habermas. • Os seus conceitos mais conhecidos são os de Racionalidade Comunicativa e Esfera Pública. • A Racionalidade Comunicativa é aquela que é possibilitada, por qualquer linguagem, num debate em que nenhum dos participantes esteja limitado por coação e todos estejam apostados em produzir a melhor proposta e os melhores argumentos.
  101. 101. • Em toda sua obra, Habermas defende a retomada dos valores iluministas. Ele afirma que a modernidade não terminou, mas que seu projeto foi interrompido. É preciso retomá-lo. • Afirma que a “esfera pública” se desenvolveu na era burguesa. Algo semelhante – embora mais limitado – existia em outros períodos: Grécia – ágora; Roma – fórum. Na Idade Média, ela deixou de existir. • Na modernidade, no século XVIII, ela surge com a imprensa partidária e independente. Com ela, os cidadãos podem exercer os seus direitos políticos e construir uma sociedade democrática. ESFERA PÚBLICA
  102. 102. ESFERA PÚBLICA • É o local onde se exerce esta racionalidade comunicativa (distinto da esfera privada e da esfera do Estado). • Habermas pretende legitimar propostas e ideias que estejam fora do alcance das ciências, valorizando a democracia participativa e o debate, livre de coações e de jogos de força. • Essa posição de Habermas é uma uma crítica à forma dominante de produção de propostas e intervenções políticas, manipuladas pelos mídia e sem participação dos interessados. ESFERA PÚBLICA
  103. 103. • Habermas afirma que a “esfera pública” é modificada já em meados do século XIX, quando a mídia torna-se um negócio privado, dominado por grandes empresas. A questão política e a democracia ficam em segundo plano. • A “Teoria da ação comunicativa”, que propõe uma pragmática da comunicação, das relações interpessoais, retoma elementos da teoria da “esfera pública”. Ela prega a participação mais ativa, por meio da comunicação, nas comunidades. Com isso, espera enfrentar todos os tipos de arbitrariedades. ESFERA PÚBLICA
  104. 104. ESFERA PÚBLICA E COMUNICAÇÃO EM HABERMAS • O pensamento de Habermas envolve duas dimensões: uma mais ampla, relacionada à noção de esfera pública, desenvolvida no início dos anos 1960, e outra voltada para a interação entre indivíduos, com o agir comunicativo, a partir do final da década de 1970. • Esses dois planos envolvem a prática racional da comunicação, fenômeno central da vida humana. Com a chamada “teoria da ação comunicativa”, Habermas se preocupa com “a pragmática universal da comunicação”.
  105. 105. Comunicar não é apenas trocar informações. É agir, interferir na ação e modificar atitudes em diferentes escalas. A racionalidade do mundo ocidental, levada a efeito a partir do século 18, baseia-se sobretudo em um uso racional da comunicação em várias escalas (SÁ MARTINO, 2009: 57). • Habermas Defende que a modernidade não teria existido sem a mídia. Sem imprensa não havia, a partir do século 18, a esfera pública. ESFERA PÚBLICA E COMUNICAÇÃO EM HABERMAS
  106. 106. A IMPRENSA E A ESFERA PÚBLICA Habermas vê uma mudança na esfera pública já no início do século XIX, quando os jornais passam a ser regidos por interesses econômicos.Transformada em empresa, a mídia se transforma em instrumento econômico sem, no entanto, perder o caráter político. A esfera pública se liga ao mercado (SÁ MARTINO, 2009: 59). • O surgimento e a consolidação da imprensa diária favoreceu a troca de ideias e os debates. Dentre os efeitos políticos, podem ser enumerados: - fim do monopólio da Igreja quanto ao conhecimento; - mudança das relações do poder, já que as decisões políticas, divulgada nos jornais, poderia ser do conhecimento de todos.
  107. 107. Para satisfazer os anunciantes e o mercado, surge um jornalismo apolítico e imparcial, que é criticado por Habermas como potencialmente danoso ao debate político, pois “ [...] seu aspecto político-estratégico torna-se parte do interesse econômico”. Assim, a nova esfera pública é “ [...] colonizada pelas regras do mercado que regem os meios de comunicação (SÁ MARTINO, 2009: 59). A IMPRENSA E A ESFERA PÚBLICA
  108. 108. ESFERA PÚBLICA • Essa posição de Habermas é uma uma crítica à forma dominante de produção de propostas e intervenções políticas, manipuladas pelos mídia e sem participação dos interessados. • No começo da modernidade o espaço público fazia a mediação entre o Estado e a Sociedade. • O desenvolvimento do industrialismo faz com que a função pública se transforme em função publicitária. • Não é mais o debate entre homens livres e esclarecidos, mas um mecanismo de criação de opiniões, baseadas em discursos de sedução e manipulação. • O cidadão tende a se transformar em um consumidor de comportamentos espetacularizados e atitudes estereotipadas.
  109. 109. • Sob a ótica de Habermas, em sociedades complexas a esfera pública forma uma estrutura intermediária que faz a mediação entre o sistema político, de um lado, e os setores privados do mundo da vida e sistemas de ação especializados em termos de funções de outro lado. ESFERA PÚBLICA
  110. 110. • Hoje, os meios de comunicação e até o jornalismo colaboram com essa construção. • O que vemos no jornal e na TV não é capaz de mobilizar as pessoas para que percebam a real situação de exploração da sociedade. Os fatos não são conectados nem interpretados de maneira a constituírem um todo, que permitiria uma visão transformadora do mundo. • As transformações pelas quais passa a esfera pública dentro da perspectiva de Habermas podem ser divididas em três momentos. ESFERA PÚBLICA
  111. 111. 1. Corresponde aos interesses privados da nobreza no tocante à construção da esfera pública; 2. constitui-se pelo estabelecimento da esfera pública burguesa, no qual a racionalidade e a reflexão a respeito dos interesses da burguesia seriam os parâmetros de sua construção; 3. Se processaria uma refeudalização da esfera pública, ou seja, ocorreria uma interpenetração entre interesses públicos e privados. ESFERA PÚBLICA
  112. 112. A MÍDIA NA ESFERA PÚBLICA • A imprensa passa, historicamente, a ser um espaço privilegiado para a formação da opinião pública, uma vez que consegue atingir grande número de pessoas. • No jornalismo veiculado via internet, televisão, rádio, jornais e revistas se formaria uma gama suficientemente diversificada de formas de abordar a notícia, com conteúdos diversos, e possibilidades de ilustrar o cidadão com opiniões capazes de lhe dar condições de efetivamente tomar decisões. • A mídia e o jornalismo propriamente dito constituem-se desta forma, elementos fundamentais na formação da esfera pública.
  113. 113. USOS DA COMUNICAÇÃO • No final da década de 1970, Habermas volta a publicar trabalhos sobre a comunicação. Desta vez, interessa-se pela pragmática do discurso. Ela visa estudar a interação entre as pessoas para obter melhores resultados com a comunicação.
  114. 114. USOS DA COMUNICAÇÃO Ao selecionar as informações, o profissional de mídia utiliza sua premissa de ser o portador de um discurso válido e, no entanto, faz uso estratégico da comunicação na medida em que a informação passada gera uma ação enquanto que as que não foram selecionadas simplesmente não têm existência social. Aqui é possível notar a unidade na obra de Habermas: a seleção das informações que atingem a esfera pública é uma das situações de uso estratégico da comunicação (SÁ MARTINO, 2009: 62).
  115. 115. APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco • Segundo Umberto Eco, o problema apontado pelos teóricos da Escola de Frankfurt assemelha-se a uma visão apocalíptica. Seriam críticos e teóricos que anunciam o “desastre” trazido pela indústria cultural. • Existem também aqueles que defendem a existência da indústria cultural, como um fenômeno positivo, são os integrados. • Apocalípticos: frankfurtianos • Integrados: funcionalistas • Eco lança um novo olhar sobre as antigas teorias que tentavam explicar a relação entre a sociedade e os meios de comunicação. • Há uma “problemática mal formulada".
  116. 116. • Os Integrados não conseguem perceber os problemas gerados pela indústria cultural, defendendo a democratização do acesso a determinadas obras e bens culturais. • Segundo os mesmos a cultura de massa oferece um acervo de informações e dados acerca do Universo sem sugerir critérios de discriminação, mas sensibilizando o homem contemporâneo diante do mundo. APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  117. 117. “A cultura de massa é a cultura do homem contemporâneo”(Umberto Eco). A cultura de massa se torna uma “definição de ordem antropológica, válida para indicar um preciso contexto histórico, no qual os fenômenos da comunicação estão entrelaçados e já não se pode comparar o nível da produção cultural recente com a de outras épocas”(ECO, apud SANTOS). APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  118. 118. • A cultura de massa modifica, adapta e destrói a verdadeira cultura para poder vende-la. • A culura de massa nivela por baixo e equipara tudo nesse patamar: mostra Beethoven, a Mona Lisa e o Pica-Pau como se fosse a mesma coisa. • Nem todo mundo está preparado para ter acesso à cultura. A ideia de uma “cultura para as massas” é uma contradição. • “facilitar” significa mudar, cortar, adaptar: a cultura é destruída em nome do sucesso e do lucro. X X X X  A cultura de massa permitiu o acesso de mais pessoas a bens culturais antes restritos a pouco.  A cultura de massa eleva o nível intelectual das pessoas e permite a popularização da arte: agora todo mundo conhece Beethoven e a Mona Lisa.  A cultura de massa acabou com os preconceitos: agora qualquer um pode ouvir todo tipo de música, ter acesso à cultura.  A cultura de massa facilita o acesso à obra de arte, tornando-as mais populares e conhecidas. APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  119. 119. APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS X X • Os valores humanos são deixados de lado, enquanto futilidades ganham status de arte e política. • Na indústria cultural os artistas são transformados em operários. A criatividade é substituídas por fórmulas e padrões, e a inovação é sempre vista com desconfiança: sucesso significa lucro.  Cultura não é mais uma coisa erudita e distante: qualquer coisa se torna cultura imediatamente.  Artistas sempre trabalharam para os nobres, para os reis, e tinham que criar conforme a vontade deles. A cultura de massa deu até mais espaços para a criação individual – veja-se Chaplin, Disney ou Griffith. APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  120. 120. • Os "apocalípticos" estariam equivocados por considerarem a cultura de massa ruim simplesmente por seu caráter industrial. • Não se pode ignorar que a sociedade atual é industrial e que as questões culturais têm que ser pensadas a partir dessa constatação. • Os "integrados", por sua vez, estariam errados por esquecerem que normalmente a cultura de massa é produzida por grupos de poder econômico com fins lucrativos, o que significa a tentativa de manutenção dos interesses desses grupos por meio dos próprios MCM. • Não é pelo fato de veicular produtos culturais que a cultura de massa deva ser considerada naturalmente boa, como querem os "integrados". APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  121. 121. “O erro dos apologistas é afirmar que a multiplicação dos produtos da indústria seja boa em si, segundo uma ideal homeostase do livre mercado, e não deva submeter-se a uma crítica e a novas orientações”(ECO). “O erro dos apocalípticos é pensar que a cultura de massa seja radicalmente má, justamente por ser um fato industrial, e que hoje se possa ministrar uma cultura subtraída ao condicionamento industrial”(ECO). APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  122. 122. “A falha está em formular o problema nestes termos: é bom ou mau que exista a cultura de massa?” “Na verdade, o problema é: do momento em que a presente situação de uma sociedade industrial torna ineliminável aquele tipo de relação comunicativa conhecido como conjunto dos meios de massa, qual a ação cultural possível a fim de que permitir que esses meios possam veicular valores culturais?” (ECO) “Daí a necessidade de uma intervenção ativa das comunidades culturais no campo das comunicações de massa. O silêncio não é protesto, é cumplicidade; o mesmo ocorrendo com a recusa do compromisso.” (ECO) APOCALÍPTICOS & INTEGRADOS Umberto Eco
  • BrunaRosa65

    Feb. 28, 2021
  • JOSYNEL

    Jun. 24, 2020
  • SthefaniPedroso

    Jun. 2, 2017
  • gedelarge

    Aug. 25, 2016
  • AmandaAndrade67

    Aug. 13, 2016
  • naomexesenaoaguenta

    Jun. 1, 2015
  • GilvanFeitoza

    Apr. 21, 2015

CONTEÚDO Teoria crítica - Escola de Frankfurt e a indústria cultural [Adorno/Horkheimer] Importância dos meios de comunicação e da cultura de mercado na formação do modo de vida contemporâneo; Comunicação não pode ser estudada como fenômeno independente, mas atrelada aos processos históricos e sociais; As pessoas se “engajam” na esfera social através do consumo estético massificado = exploração mercantil da cultura. Walter Benjamim – A obra de arte na época da sua reprodutibilidade técnica. Habermas – Ação Comunicativa e espaço público.

Views

Total views

3,153

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

7

Actions

Downloads

163

Shares

0

Comments

0

Likes

7

×