Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Contraponto 01 1ª- especie

Material para estudos de harmonia

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

Contraponto 01 1ª- especie

  1. 1. CONTRAPONTO I PRIMEIRA ESPÉCIE DE CONTRAPONTO Considerações Preliminares sobre Contraponto Podemos definir a técnica do contraponto como sendo a arte decombinar diferentes melodias que soam simultaneamente. No estudo do contraponto, desenvolvemos habilidades decompor duas ou mais melodias que são executadas ao mesmo tempo. As técnicas de contraponto mais estudadas são as seguintes: • Contraponto por espécie (cinco espécies) • Contraponto livre • Contraponto imitativo • Contraponto invertido Iniciaremos o nosso estudo de contraponto com base nas cincoespécies desenvolvidas por Johannes Fux (1660-1741), em seu livroGradus ad Parnassum (1725). Os conceitos de Fux serão adaptadosàs características rítmicas, melódicas e harmônicas da músicabrasileira. CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS A técnica do contraponto consiste em controlar os diferentesníveis de consonância e dissonância, na combinação de duas ou maismelodias simultâneas. Por isso, vamos começar pela classificação dos intervalos. Os intervalos são classificados em duas categorias: intervalosmelódicos e intervalos harmônicos. No estudo do contraponto e da harmonia, os conceitos deconsonância e dissonância são diferenciados conforme a categoria. Os intervalos melódicos são classificados em:
  2. 2. 2 • Consonâncias: graus conjuntos (2ªm e 2ªM), 3ªm, 3ªM, 4ªJ, 5ªJ, 6ªm, 6ªM e 8ªJ. • Dissonâncias: 7ªm e 7ªM; todos os intervalos aumentados e diminutos; todos os intervalos compostos. Essa classificação é útil, pois geralmente damos preferência aosintervalos consonantes na criação de melodias. Os intervalos harmônicos são classificados em:• Consonâncias Perfeitas: uníssono, 5ªJ e 8ªJ.• Consonâncias Imperfeitas: 3ªm, 3ªM, 6ªm e 6ªM.• Dissonâncias: 2ªm, 2ªM, 7ªm, 7ªM e todos os intervalos aumentados e diminutos. Obs. 1: O intervalo de 4ªJ é considerado dissonante quandoocorre com relação ao baixo – a duas vozes, portanto, a 4ªJ é sempredissonante; a três ou mais vozes, o intervalo de 4ªJ é consideradoconsonante quando aparece entre duas vozes superiores. Obs. 2: Os intervalos harmônicos compostos são classificadosconforme seus correspondentes simples. Por exemplo, os intervalosde 3ª e 10ª (3ª composta) são consonâncias; os intervalos de 2ª e 9ª(2ª composta) são dissonâncias. (*) Nos exemplos que seguem, os números colocados abaixodos pentagramas, ou entre eles, indicam os intervalos; para facilitar aanálise, os números sempre indicarão o intervalo simplescorrespondente; os números sublinhados indicam intervalosdissonantes. AS ESPÉCIES DE CONTRAPONTO • PRIMEIRA ESPÉCIE – contraponto de nota contra nota. Consiste em uma linha melódica na qual é realizada uma notade contraponto para cada nota do cantus firmus. Assim, se o cantusfirmus está escrito em colcheias, o contraponto também será em
  3. 3. 3colcheias; nos trechos em que aparecem semínimas, o contrapontotambém estará em semínimas; e assim por diante. PRINCÍPIO GERAL• Os intervalos harmônicos somente podem ocorrer comoconsonâncias. Abaixo, estão duas versões de contraponto de primeira espécie(nota contra nota), em que a melodia tradicional Marcha Soldado foiempregada como cantus firmus. No exemplo abaixo, o C.F. (Marcha Soldado) está na vozsuperior. No exemplo abaixo, o C.F. (Marcha Soldado) está na vozinferior. Neste caso, a melodia do contraponto se torna maisproeminente por que está soando acima da melodia tradicional.
  4. 4. 4 Nos exemplos anteriores, ocorre um “contraponto deintervalos”, isto é, o contraponto é o resultado do controle dosintervalos (consonâncias, nesse caso) existentes na relação entre asduas vozes. O contraponto também pode ser elaborado com base naharmonia implícita na melodia usada como cantus firmus. Este é ométodo mais comumente empregado na música popular brasileira. No exemplo acima, os três primeiros compassos da voz inferior(contraponto) estão organizados em torno das notas do acorde de C(dó, mi e sol); os dois compassos seguintes têm as notas de Dm (ré,fá e lá), sendo que a nota mi do c. 4 é tratada como uma nota depassagem, com relação ao acorde; nos c. 6-7, as notas são de G7(sol, si, ré e fá), sendo que a nota lá do penúltimo compasso étratada como uma bordadura de sol. Assim, o baixo deste exemplo contém aspectos de contraponto(controle dos intervalos) e de harmonia (ênfase nos acordes). No sexto compasso do exemplo acima, aparece um intervalo de4ªJ que, conforme foi comentado anteriormente, é consideradodissonante em textura a duas vozes. Neste caso, esse intervalo éadmitido no contraponto porque as duas notas fazem parte do acordede G7. O mesmo é válido para aos outros intervalos dissonantes. Emse tratando do acorde de G7, que possui as notas que formam ointervalo de 7ªm (sol/fá), que é considerado dissonante, é possível
  5. 5. 5empregar esse intervalo como se fosse uma consonância. Issosignifica que as notas do acorde são sempre consideradasconsonantes, quando o contraponto tem por base o encadeamentoharmônico. *** TAREFA: escreva exercícios de contraponto de Primeira Espécie(nota contra nota) às melodias abaixo. Alterne a colocação do cantus firmus na voz superior e na vozinferior. Cajueiro (Pernambuco) Cantiga da Bernunça (Santa Catarina)

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • maestrocelso

    Nov. 19, 2015
  • EduardoSato16

    Jun. 10, 2017
  • leoorockisdead

    Sep. 18, 2018

Material para estudos de harmonia

Views

Total views

4,444

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

3

Actions

Downloads

125

Shares

0

Comments

0

Likes

3

×