Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

0

Share

Download to read offline

Boletim o pae agosto 2018 pdf

Download to read offline

Boletim informativo

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to like this

Boletim o pae agosto 2018 pdf

  1. 1. 1 O Espiritismo pode ser bené- fico a todas as religiões. Só não pode desandar e transformar-se numa delas. Pois do contrário, afasta-se da categoria de reve- lação essencial e se nivela na “disputa pela salvação”, “hierar- quias”, “cultos externos” como compromisso aos devotados de uma crença. Jamais deve agregar-se a uma associação mística, dogmá- tica, senão sincretiza-se e deixa de ser fundamental e evolucio- nista. A sua essência é como a Física, Biologia, Cosmologia: um entendimento das leis universais, no caso, pelo ponto de vista dos espíritos sábios. Considerando o sentido filo- sófico do termo “religião”, o pen- sador espírita Paulo Henrique de Figueiredo, enuncia que “Kardec se referia a um significado bas- tante presente em seu tempo, o de “religião natural”. Vem do fato de naquela época, século XIX, as ciências humanas se fundamen- tarem no espiritualismo racional, independente de credo religioso. Estando Deus presente na natu- reza como causa e imanente, es- tamos todos relacionados natural- mente com ele. Há quem busque o significa- do etimológico da palavra no latim religare, que significa religação. Mas esse significado é confuso, pois nunca, jamais nos desliga- mos de Deus. O sentido que a doutrina espírita promove, pela natureza de sua mensagem, é o laço natural que nos une de forma solidária, entre nós, e entre nós e Informativo Mensal do Posto de Assistência Espírita - Ano IV, Número 36 - Agosto/2018. Espiritismo racional sem hierarquias, sem cultos idolátricos e sem carolices - Editorial / Jorge Hessen -
  2. 2. 2 o Criador. Compreendendo a Doutrina Espírita como filosofia de vida, não haverá diferença entre com- preensão e ato, ou seja, será uma doutrina vivenciada, trans- formadora. As religiões tradicio- nais colocam o fiel em postura de submissão, de espera, de pedinte de recompensas e também teme- roso de castigos. Nada disso será encontrado no Espiritismo bem compreendido. É dever daquele que bem o compreendeu divulgar essa visão original, para resgatar- mos sua essência primeira! Livro: Pensamento e Vida Chico Xavier, FEB Trecho do Capítulo 7 - “Trabalho” Se nos propomos retratar mentalmente a luz dos Planos Superio- res, é indispensável que a nossa vontade abrace espontaneamente o trabalho por alimento de cada dia. A prestação de concurso espon- tâneo, sem qualquer base de recompensa, desdobra a influência da Bondade Celestial que a todos nos ampara sem pagamento. À maneira que se nos alonga a ascensão, entendemos com mais clareza a necessidade de trabalhar por amor de servir. Quando começamos a ajudar o próximo, sem aguilhões, matriculamo-nos no acrisolamen- to da própria alma, entrando em sintonia com a Vida Abundante. Nos círculos mais elevados do espírito, o trabalho não é imposto. A criatura consciente da verdade compreende que a ação no bem é ajustamento às Leis de Deus e a ela se rende por livre vontade. Por isso, nos domínios superiores, quem serve avança para os cimos da imortalidade radiosa, reproduzindo dentro de si mesmo as maravilhas do Céu que nos rodeia a espelhar-se por toda parte. Refletindo com Emmanuel
  3. 3. 3 ............ Estudando com Kardec ............ Revista Espírita Dezembro de 1868 e fevereiro de 1867 Na admirável Revista Espírita de dezembro de 1868, portanto, quatro me- ses antes de desencarnar, Allan Kardec admitiu que o Espiritismo é uma religião tão somente no sentido filosófico. Portanto, excepcionalmente no sentido filo- sófico que o termo religião é aceitável na Codificação. O notável Codificador comentou. Por que, então, temos declarado que o Espiritismo não é uma religião? Em razão de não haver senão uma palavra para exprimir duas ideias diferentes, e que, na opinião geral, a palavra religião é inse- parável da de culto; porque desperta exclusivamente uma ideia de forma, que o Espiritismo não tem. Se o Espiritismo se dissesse uma religião, o público não veria aí mais que uma nova edição, uma variante, se se quiser, dos princípios ab- solutos em matéria de fé; uma casta sacerdotal com seu cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios; não o separaria das ideias de misticismo e dos abusos contra os quais tantas vezes a opinião se levantou. Não tendo o Espiritismo nenhum dos caracteres de uma religião, na acep- ção usual da palavra, não podia nem devia enfeitar-se com um título sobre cujo valor inevitavelmente se teria equivocado. Eis por que simplesmente se diz: doutrina filosófica e moral. Grifamos As reuniões espíritas podem, pois, ser feitas religiosamente, isto é, com o recolhimento e o respeito que com- porta a natureza grave dos assuntos de que se ocupa; pode-se mesmo, na ocasião, aí fazer preces que, em vez de serem ditas em particular, são ditas em comum, sem que, por isto, sejam tomadas por assembleias religiosas. Não se pense que isto seja um jogo de palavras; a nuança é perfeitamente clara, e a aparente confusão não provém senão da falta de uma palavra para cada ideia.” Tendo como referência o editorial da Revista Espírita de fevereiro de 1867, intitulado “Livre Pensamento e Livre Consciência”, transcrevemos: “(...) Toda opinião raciocinada, que nem é imposta, nem encadeada cegamente à de ou- trem, mas que é voluntariamente adotada em virtude do exercício do raciocínio pessoal, é um pensamento livre, quer seja religioso, quer político, ou filosófico. Em sua concepção mais larga, o livre pensamento significa: livre exame, liberda- de de consciência, fé raciocinada; simboliza a emancipação intelectual, a inde- pendência moral, complemento da independência física; não quer mais escravos do pensamento, quanto não os quer do corpo, porque o que caracteriza o livre pensador é que pensa por si mesmo, e não pelos outros; em outros termos, sua opinião lhe é própria. Assim, pode haver livres pensadores em todas as opiniões e em todas as crenças. Neste sentido, o livre pensamento eleva a dignidade do homem; ele dela faz um ser ativo, inteligente, em vez de uma máquina de crer (...)” Grifamos
  4. 4. 4 - Mural do DIJ/PAE - Por que a evangelização de crianças e jovens na Casa Espíri- ta? A Evangelização começa no lar. Mas será que é somente no lar que devemos evangelizar nossos filhos? Educamos nossas crianças e jovens apenas no lar desde a educação infantil até a faculdade? E se deixarmos que faltem as aulas no ensino regular não serão reprovados e terão de repetir o ano? Será que queremos que nossos amados, que foram confiados a nós pela espiritualidade maior repitam o ano? Sa- bemos que viemos a este planeta para evoluir nos instruindo e amando incondicionalmente. Evangelizar é contribuir para a construção de um mundo de regeneração que depende da educação moral de todos. A Evangelização retorna no sábado dia 4 de agosto, sempre das 18h às 19h. Aguardamos a todos com muito carinho! Conselho Diretor - Presidente: Jorge Hessen / Vice-Presidente: João Batista Secretário: Josias da Silva/2.º Secretário: Walter A. Costa/Tesoureira: Diomarsi Souza Conselho Fiscal - Wilson Barbosa, Jurandir Correia e Ismael de Jesus Editores - Jorge Hessen e Fabiano Augusto Site - Departamento de Formação Doutrinária - http://opaespirita.wixsite.com/opae Blog - http://paespirita.blogspot.com.br/ QNM 40 AE N.° 2, Taguatinga Norte/DF - Fone: (61) 3491-2552 Expediente Reuniões Públicas - Escala do Mês de Agosto SÁBADOS / 18 HORAS Dia Palestrante 04 - Jorge Hessen (PAE) 11 - Edmilson (Cantinho da Fé) 18 - Sidney (FEB) 25 - Sérgio Castro (Comunhão) QUARTAS-FEIRAS / 20 HORAS Dia Palestrante 01 - Fabiano Augusto (CEFE) 08 - Edmar Jorge (CFRAT) 15 - Rita (CEAL) 22 - Jorge Hessen (PAE) 29 - Sérgio Rossi (CEPT)

Boletim informativo

Views

Total views

59

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

2

Actions

Downloads

0

Shares

0

Comments

0

Likes

0

×