Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
1
O Centro Espírita é sempre o pro-
duto espontâneo de uma comunidade
espírita que se formou num bairro,
numa vila ou numa...
2
var o seu prestígio e geralmente chega
em falência ao fim da sua missão.
Os médiuns são os elementos prin-
cipais da lig...
3
Livro: Pensamento e Vida
Chico Xavier / Ed. FEB
Tema: O espelho da vida
A mente é o espelho da vida em toda parte.
Ergue...
4
Conselho Diretor - Presidente: Jorge Hessen / Vice-Presidente: João Batista
Secretário: Josias da Silva/2.º Secretário: ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Boletim o pae dezembro 2018 (1)

boletim de informação espirita

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Boletim o pae dezembro 2018 (1)

  1. 1. 1 O Centro Espírita é sempre o pro- duto espontâneo de uma comunidade espírita que se formou num bairro, numa vila ou numa cidade. Essa co- munidade é sempre extremamente heterogênea, formada por espíritas e simpatizantes da Doutrina, membros de correntes espiritualistas diversas e de religiosos indecisos ou insatisfeitos com as seitas que se filiaram ou que pertencem por tradição familial. O Espiritismo não é proselitista, não entra na disputa sectária de adep- tos das religiões, mas devem os espí- ritas, necessariamente, interessar-se pelos que se interessam pela Doutrina. Esclarecer e orien- tar sempre é dever espírita. Sem o estudo constan- te da Doutrina não se faz Espiritismo, cria-se apenas uma rotina de trabalhos prá- ticos que dão a ilusão de eficiência. Estudo e pesqui- sa, observação constante dos fatos, análise das mensagens recebidas, observação dos médiuns, exigência de educação mediúnica, com advertên- cias constantes para que os médiuns aprendam a se controlarem, não se deixando levar pelos impulsos rece- bidos das entidades comunicantes – esse é o preço de trabalhos mediúni- cos eficazes. O Espiritismo é natural e exige na- turalidade dos que pretendem vivê-lo no dia-a-dia, em relação natural e sim- ples com o próximo. Os maneirismos, as modulações artificiais da voz, os excessos de gentileza mundana e tudo quanto representa artifício de refina- mento social, deformando a natureza humana a pretexto de aprimorá-la, não encontraram aceitação nos meios ver- dadeiramente espíritas. No Espiritismo, não objetivamos o domínio do mundo por nenhuma forma igrejeira, através de engodos demagógicos, mas unicamente o esclare- cimento das criaturas para que a Terra se eleve em suas condições morais e espiri- tuais. O sistema igrejeiro de adulação aos médiuns, no desejo de obter as suas gra- ças, é outra raiz amarga que nos vem do passado religioso, mas que não deve ser cultivado no Centro Espírita. O médium adulado, louvado a todo instante, cercado de admiradores como um cantor popular, artista de no- vela de tv ou jogador de futebol, acaba perdendo a sua naturalidade, recorren- do a expedientes ridículos para conser- Informativo Mensal do Posto de Assistência Espírita - Ano IV, Número 40 - Dezembro/2018. Editorial – Jorge Hessen Livro “O Centro Espírita”, Herculano Pires, capítulo 3 - O Centro e a Comunidade
  2. 2. 2 var o seu prestígio e geralmente chega em falência ao fim da sua missão. Os médiuns são os elementos prin- cipais da ligação do Centro Espírita com a comunidade social do bairro ou da cidade. São mesmo com os elos ge- nésicos dessa ligação. Suas faculda- des mediúnicas exercem atração natu- ral sobre a comunidade e os serviços que prestam no Centro ou nos atendi- mentos eventuais, fora dele, ampliam a simpatia popular pelo Centro. Em to- das as atividades do Centro deve pre- valecer o princípio de amor e respeito ao próximo, não para atrair simpatias, mas, para não causar aborrecimento e prevenções nas pessoas que desejam adquirir conhecimentos renovadores. A regra de comportamento espírita deve ser a de Jesus: “mansos como as pom- bas, prudentes como as serpentes”. Os espíritas não podem oscilar en- tre o extremo da arrogância criminosa, geradora de guerras e destruições, e o extremo da covardia disfarçada em hu- mildade, que sempre cala e tudo cede aos insolentes agressores. Há um limi- te para a tolerância, traçado por Jesus em torno da mulher inerme que os hi- pócritas queriam apedrejar. O Centro Espírita se entranha natu- ralmente na comunidade, é parte dela, um órgão ativo e operante da estrutu- ra social. Por mais humilde e simples que seja, é uma fonte de consolações, um posto de orientação para os que se aturdem e se transviam, mãos amigas estendidas na bênção do passe, canal sempre aberto da caridade e do amor. Aresponsabilidade dos dirigentes e colaboradores dessa instituição cristã, humilde e simples é, entretanto, gran- diosa e complexa. A voz dos espíritos soa dia-e-noite no silêncio dessa con- cha acústica da Verdade, no murmúrio secreto das fontes da intuição, adver- tindo aos que sofrem e aos que gozam quanto à precariedade das ilusões ter- renas e à eternidade das leis da vida no Universo infinito. ............ Espaço da Codificação ............ “O Livro dos Espíritos” - Progressão dos Espíritos 114. Os Espíritos são bons ou maus por natureza, ou são eles mes- mos que se melhoram? “São os próprios Espíritos que se melhoram e, melhorando-se, pas- sam de uma ordem inferior para outra mais elevada.” 115. Dos Espíritos, uns terão sido criados bons e outros maus? “Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes, isto é, sem sa- ber. A cada um deu determinada missão, com o fim de esclarecê-los e de os fazer chegar progressivamente à perfeição, pelo conhecimento da verdade, para aproximá-los de si. Nesta perfeição é que eles encontram a pura e eterna felicidade. Passando pelas provas que Deus lhes impõe é que os Espíritos adquirem aquele conhecimento. Uns aceitam submissos essas provas e chegam mais depressa à meta que lhes foi assinada. Outros só a suportam murmurando e, pela falta em que desse modo incorrem, permanecem afastados da perfeição e da prometida felicidade.”
  3. 3. 3 Livro: Pensamento e Vida Chico Xavier / Ed. FEB Tema: O espelho da vida A mente é o espelho da vida em toda parte. Ergue-se na Terra para Deus, sob a égide do Cristo, à feição do dia- mante bruto, que, arrancado ao ventre obscuro do solo, avança, com a orientação do lapidário, para a magnificência da luz. Nos seres primitivos, aparece sob a ganga do instinto, nas almas hu- manas surge entre as ilusões que salteiam a inteligência, e revela-se nos Espíritos Aperfeiçoados por brilhante precioso a retratar a Glória Divina. Estudando-a de nossa posição espiritual, confinados que nos achamos entre a animalidade e a angelitude, somos impelidos a interpretá-la como sendo o campo de nossa consciência desperta, na faixa evolutiva em que o conhecimento adquirido nos permite operar. Definindo-a por espelho da vida, reconhecemos que o coração lhe é a face e que o cérebro é o centro de suas ondulações, gerando a força do pensamento que tudo move, criando e transformando, destruindo e refazendo para acrisolar e sublimar. Em todos os domínios do Universo vibra, pois, a influência recíproca. Tudo se desloca e renova sob os princípios de interdependência e repercussão. O reflexo esboça a emotividade. A emotividade plasma a ideia. A ideia determina a atitude e a palavra que comandam as ações. Em semelhantes manifestações alongam-se os fios geradores das cau- sas de que nascem as circunstâncias, válvulas obliterativas ou alavancas li- bertadoras da existência. Ninguém pode ultrapassar de improviso os recursos da própria men- te, muito além do círculo de trabalho em que estagia; contudo, assina- lamos, todos nós, os reflexos uns dos outros, dentro da nossa relativa capacidade de assimilação. Ninguém permanece fora do movimento de permuta incessante. Respiramos no mundo das imagens que projetamos e recebemos. Por elas, estacionamos sob a fascinação dos elementos que provisoria- mente nos escravizam e, através delas, incorporamos o influxo renovador dos poderes que nos induzem à purificação e ao progresso. O reflexo mental mora no alicerce da vida. Refletem-se as criaturas, reciprocamente, na criação que reflete os objetivos do Criador. Refletindo com Emmanuel
  4. 4. 4 Conselho Diretor - Presidente: Jorge Hessen / Vice-Presidente: João Batista Secretário: Josias da Silva/2.º Secretário: Walter A. Costa/Tesoureira: Diomarsi Souza Conselho Fiscal - Wilson Barbosa, Jurandir Correia e Ismael de Jesus Editor - Jorge Hessen / Diagramador: Fabiano Augusto Site - Departamento de Formação Doutrinária - http://opaespirita.wixsite.com/opae Blog - http://paespirita.blogspot.com.br/ QNM 40 AE N.° 2, Taguatinga Norte/DF - Fone: (61) 3491-2552 Expediente Reuniões Públicas - Escala do Mês de Dezembro SÁBADOS / 18 HORAS Dia Palestrante 01 - Jorge Hessen (PAE) 08 - André Ferreira (ATUALPA) 15 - Sidney (FEB) 22 - Roberto Versiani (FEB) 29 - Waldir (FRATERNIDADE) QUARTAS-FEIRAS / 20 HORAS Dia Palestrante 05 - Fabiano Augusto (CEFE) 12 - Edmar Jorge (C.FRAT) 19 - Renata Dourado (INST. VIDA) 26 - Sérgio Rossi (CEPT) Matricule seu filho na evangelização do PAE. Turmas dos 3 aos 21 anos. Sábados das 18h às 19h. Avisamos aos pais e alunos que o Departamento da Infância e Juventude está encerrando suas atividades. Estaremos de volta no dia 9/2/2019. Agradecemos aos que colaboraram durante o ano e rogamos a Deus que todos sejam agraciados com a Sua proteção. Equipe DIJ

×