Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Boletim o pae marco 2019

boletim informativo do pae

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Boletim o pae marco 2019

  1. 1. 1 O Centro Espírita é o refúgio das almas, encarnadas e desencarnadas. Substitui no presente os templos do pas- sado, onde as pompas terrenas estimu- lavam as almas frágeis, sugerindo-lhes o amparo das potências celestes. Jesus de Nazaré, que os judeus es- peravam como o Cristo das novas guerras de conquista, surgiu humilde e simples, modesto filho de uma família operária. De suas mãos surgi- ram práticas novas, em que o fluxo divino dispensava os pa- ramentos suntuosos dos ca- nais oficiais da Divindade. E, com esse fluir espontâneo do amor e da bondade naturais, derramaram-se na terra dos corações as sementes da Boa-Nova. Foi dessa se- meadura nos campos e nas praias, no próprio interior dos templos ou em seus pátios exteriores, ainda sob o fumegar das aras em que se queimavam as ervas sagradas e as carnes dos animais sacri- ficados, que surgiram os primeiros cultos pneumáticos do Cristianismo Primitivo, os cultos do Espírito. O Centro Espírita nasceu como Jesus e com Jesus, sem os aparatos inúteis do formalismo religioso, restabelecendo nas almas a confiança em si mesmas, desper- tando-lhes a percepção de sua natureza divina.As almas frágeis tornaram-se fortes na fraqueza da simplicidade. O Espiritismo abalou as estruturas do mundo artificial dos homens, revelando-lhes assustado- ras perspectivas de responsabilidade mo- ral e espiritual. Subverteu a ordem extática das aparências convencionais e soltou sobre as Igrejas, as Academias, as Universidades, os gabinetes dos sábios e toda a estrutura vacilante das ciências os seus fantasmas até então considerados como simples ficções literárias. Os fantasmas não pediam licença para aparecer e tumul- tuaram o panorama cultural, suscitando polêmicas violen- tas entre figurões mundiais do saber. Em meio ao temporal, as almas frágeis se re- fugiavam humildes nas reuniões familiais do velho culto pneumático ressuscitado. O Centro Espírita, como a relva, nasce por todaparte,equandoospoderestemporais o decompõem ou esmagam, ele renasce com teimosia desafiante. As almas frágeis se fizeram fortes ao sopro dos ventos pro- féticos. Criaturas ingênuas e desprovidas de tudo, órfãs da cultura secular, sentem- se apoiadas na rocha das experiências vi- tais do espírito e são capazes de enfrentar os titãs da cultura mundial com a firmeza dos estóicos. Informativo Mensal do Posto de Assistência Espírita - Ano V, Número 42 - Março/2019. Editorial – Jorge Hessen Livro “O Centro Espírita”, Herculano Pires, capítulo 6 - “As almas frágeis”
  2. 2. 2 Os presidentes e dirigentes de Centros precisam exercer rigorosa vigilân- cia em suas instituições, para que essas almas infantis não deturpem santamente a Doutrina, com as melhores intenções de que o Inferno está cheio. Todas as formas de resíduos do passado igrejeiro agradam a essas almas traumatizadas, que são atraídas ao Espiritismo precisamente para se curarem nele e não para prejudicá-lo. O Espiritismo não é uma Doutrina de pas- sividade contemplativa. Sua finalidade, como os Espíritos Superiores disseram a Kardec, é revolucionar o mundo inteiro, modificando-o para melhor. ApromessaevangélicadoConsolador secumprenaDoutrinaEspíritademaneira positivaenãoatravésdecantigasdeninar, de palavrório anestesiante. O consolo que o Espiritismo nos dá não é a proteção fictí- cia da fé cega, dos sacramentos vazios de sentido, do socorro espiritual egoísta, em forma de privilégio injustificáveis, do pater- nalismo dos sacerdotes profissionais, dos agrados interesseiros de médiuns venais. O Consolador não se manifesta através de prodígios sobrenaturais, mas na forma de esclarecimentos positivos, de revelação científica das leis naturais que até agora olvidamos ou encaramos como crianças choramingas pedindo colo. O terror místico proveniente de um longo passado religioso de mistérios e ameaças não tem mais razão de ser. Não obstante, encontramos no meio espírita um pesado lastro desse terror em forma de traumatismos inconscientes que geram comportamentos antiespíritas. O ensino de Jesus a Nicodemos: “É preciso nascer de novo”, o caso de Madalena, a cortesã compreendida pelo Mestre, o episódio da mulher adúltera que os hipócritas queriam apedrejar mostram de sobejo que a posi- ção de Jesus em face desse problema era de compreensão e respeito pela condição humana.As almas frágeis do meio espírita devem atirar no caminho a bagagem pe- sada, dessas condenações do passado, sem temer as ameaças do Céu nem se entregar às fascinações da Terra. Livro: O Consolador Médium: Chico Xavier Editora: FEB Questão 242 - Por que o Evangelho não nos fala das alegrias da vida humana? O Evangelho não podia trazer os cenários do riso mascarado do mundo, mas a verdade é que todas as lições do Mestre Divino foram efetuadas nas pai- sagens da mais perfeita alegria espiritual. Sua primeira revelação foi nas bodas de Canaã, entre os júbilos sagrados da família. Seus ensinamentos, à margem das águas do Tiberíades, desdobraram-se entre criaturas simples e alegres, for- talecidas na fé e no trabalho sadio. Em Jerusalém, contudo, junto das hipocrisias do Templo, ou em face dos seus algozes empedernidos, o Mestre Divino não poderia sorrir, alentando a mentira ou desenvolvendo os métodos da ingrati- dão e da violência. Eis por que, em seu ambiente natural, toda a história evan- gélica é sempre um poema de luz, de amor, de encantamento e de alegria. Refletindo com Emmanuel
  3. 3. 3 ............ Espaço da Codificação ............ O Evangelho segundo o Espiritismo Capítulo 7, item 6. O Espiritismo sanciona pelo exemplo a teoria, mostrando-nos na posição de grandes no mundo dos Espíritos os que eram peque- nos na Terra; e bem pequenos, muitas vezes, os que na Terra eram os maiores e os mais poderosos. E que os primeiros, ao morrerem, levaram consigo aquilo que faz a verdadeira grandeza no céu e que não se perde nunca: as virtudes, ao passo que os outros tiveram de deixar aqui o que lhes constituía a grandeza terrena e que se não leva para a outra vida: a riqueza, os títulos, a glória, a nobreza do nascimento. Nada mais possuindo senão isso, chegam ao outro mundo privados de tudo, como náufragos que tudo perderam, até as próprias roupas. Conservaram apenas o orgulho que mais humilhante lhes torna a nova posição, porquanto veem colocados acima de si e resplandecentes de glória os que eles na Terra espezinharam. Suícidio Que espécie de sofrimentos tidos por irremediáveis são capazes de transtornar a mente da criatura e induzi- la ao autoaniquilamento? Na questão 944 de “O Livro dos Espíritos” temos: “Tem o homem o direito de dispor da sua vida? Não; só a Deus assiste esse direito. O suicídio voluntário importa numa transgressão desta lei”. Pesquisas evidenciam que a busca da morte está presente em todas as camadas da sociedade, sem que a formação intelectual ou a condição material possam estagnar ou reduzir o número apocalíptico de vítimas. O capítulo 24 da obra “Boa Nova”, autoria de Humberto de Campos, registra com tristeza o fracasso de Judas Iscariotes, que se dependurou numa figueira, despedindo-se deste plano perturbado pelo insucesso de suas maquinações políticas e pela traição a Jesus. Camilo Castelo Branco, um dos mais notáveis gênios da literatura portuguesa, após longo estágio nos sítios do horror em esferas espirituais atormentadas, a convite de benfeitores, narrou, no livro “Memórias de um Suicida”, de Yvonne A. Pereira, sua sofrida odisseia depois de arrebatar, sob a pressão de obsessores e da cegueira, a própria existência com um tiro no ouvido. Podemos citar, resumidamente, três realidades que se apresentam ao suicida após sua desencarnação, com base na literatura espírita: 1 - Constatação que não morreu. Desfaz-se apenas do corpo físico, ao qual Fabiano Augusto
  4. 4. 4 Conselho Diretor - Presidente: Jorge Hessen / Vice-Presidente: João Batista Secretário: Josias da Silva/2.º Secretário: Walter A. Costa/Tesoureira: Diomarsi Souza Conselho Fiscal - Wilson Barbosa, Jurandir Correia e Ismael de Jesus Editor - Jorge Hessen / Diagramador: Fabiano Augusto Site - Departamento de Formação Doutrinária - http://opaespirita.wixsite.com/opae Blog - http://paespirita.blogspot.com.br/ DFD http://opaespirita.wixsite.com/opae/blank-phzg1 QNM 40 AE N.° 2, Taguatinga Norte/DF. Expediente Reuniões Públicas - Escala do Mês de Março SÁBADOS / 18 HORAS Dia Palestrante 02 - Jorge Hessen (PAE) 09 - Wallid Koury (Cantinho da Fé) 16 - Caio Lucidio (CEPT) 23 - Fabiano Augusto (CEFE) 30 - Fátima Guimarães (FEB) QUARTAS-FEIRAS / 20 HORAS Dia Palestrante 06 - Carlos Sá (FEB) 13 - Carlos Alberto (CEFE) 20 - Jorge Hessen (PAE) 27 - Sérgio Rossi (CEPT) Matricule seu filho na evangelização do PAE. Turmas dos 3 aos 21 anos. Sábados das 18h às 19h. Equipe DIJ mantém-se ligado por uma rede de energia magnética, sofrendo dolorosas repercussões perispirituais com a decomposição do corpo físico. 2 - Ampliação exponencial do sofrimento percebido na matéria, somando-se às crises de consciência além do aprisionamento nas inferiores paragens espirituais, onde tudo é fome, sede, frio, imoralidade, violência, escuridão plena, ausência de paz, revivência dos momentos do suícidio e outros sofrimentos inimagináveis. 3 - Perspectiva de reencarnação, após reciclagem em núcleos do mundo espiritual, em futuro corpo físico comprometido pelas deformidades provocadas pela violência do suicídio, que lesiona órgãos do corpo perispiritual, abala o sistema nervoso central e provoca disfunções no psiquismo, irreversíveis a curto prazo. A temática é ampla, sendo impraticável seu detalhamento em poucas palavras, mas cabe aqui a ênfase de que diante da angústia extrema, a fé, que se expressa na disciplina da prece fervorosa e na resignação, pode proporcionar resultados surpreendentes;equeoautocídiojamaisseráofimdasaflições,aocontrário,converter- se-á no estuário de horrores infernais de que tão cedo não se libertará o trânsfuga.

×