Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Boletim o PAE setembro 2019

Boletim informativo

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Boletim o PAE setembro 2019

  1. 1. 1 A obsessão corresponde a cer- ta influência perniciosa na mente. Etimologicamente o termo tem sua origem no vocábulo obsessione, palavra latina que significa impertinência, perseguição. O psiquiatra tradicional por exemplo, diz que obsessão é um pensamento ou um impulso persistente ou recorrente, in- desejado e aflitivo, que vem à mente invo- luntariamente, a despeito da tentativa de ignorá-lo ou de suprimi-lo. Os ortodoxos da medicina, sob os antolhos do materia- lismo decrépito, não admitem nada fora da matéria, portanto, não podem entender uma causa oculta (espiritual). Quando a academia científica tiver saído da extem- porânea rotina mecanicista, ela reconhecerá na ação do mundo invisível que nos cer- ca e no meio do qual vivemos uma força que reage sobre as coisas físicas tanto quanto sobre as coisas morais. Esse será um novo caminho aber- to ao progresso e a chave de uma multidão de fenômenos mal compre- endidos pela escola psiquiátrica. Paixões, ódios, fanatismo, avareza e muitos outros fatores são as fontes ge- radoras da obsessão, que atualmente se constitui um dos mais terríveis flagelos da humanidade. A mente transmite ao corpo, ao qual se ajusta durante a encarnação, todos os seus estados felizes ou infeli- zes, equilibrando ou conturbando o ciclo de causa e efeito, portanto, a obsessão é uma patologia que guarda a sua origem profunda no Espírito que delinquiu. O melhor processo para nos livrarmos de um obsessor é nos tornarmos bons. Chico Xavier disse não “adiantar ao dia- bo ficar soprando onde não há brasas”. É verdade! As trevas exteriores se ligam pelas sombras interiores. O que nos al- gema a um obsessor é a iniquidade que alimentamos nas atitudes e intenções. O que nos vincula a um obsessor vingativo é a nossa obstinação de não perdoar. O que nos conecta a um obsessor infeliz é o desgosto que cultivamos no coração. Muitas vezes procura- do pelos obsidiados, Jesus adentrava mentalmente nas causas da sua inquietude e, usando de Sua autori- dade moral, libertava tanto os obsessores quanto os obsidiados, permitindo-lhes o despertar para a vida animada rumo à recuperação e à pacificação da própria consciência. Entretanto, Ele não libertou os obsidiados sem lhes impor a intransferível necessi- dade de renovação íntima, nem ejetou os perseguidores inconscientes sem forne- cer-lhes o endereço de Deus. Informativo Mensal do Posto de Assistência Espírita - Ano V, Número 48 - Setembro/2019. Editorial / Jorge HessenObsessão e sintonia
  2. 2. 2 Mensagem dos amigos espirituais União entre os povos No panorama terrestre os povos compõem-se de múltiplas tonalidades raciais, cultu- rais, linguísticas e estéticas. Cada etnia transporta o espólio ancestral determinado pelas buscas essenciais de sobrevivência perante as experiências humanas. Somos artesãos e representações morais das inesgotáveis triagens naturais nos chãos da vida. Não consistem as tonalidades pigmentares da epiderme para justificativas de dis- tinção entre raças ditas poderosas e castas reprimidas. A sociedade humana, tecida nas intrínsecas diferenças das fases evolutivas, estrutura-se sobre o pilotis do edifício do pro- gresso.Atotalização de todos os estágios da vida social, remete a criatura rumo ao Excelso Idealizador da vida. Nos parâmetros que conformam as diretrizes da Previdência são destacadas as as- sertivas da Lei divina, sob o símbolo do amor às raças, às culturas e às estruturas étnicas que se coadunam com a confluência das lições eternas do Mandatário-Mor do planeta. Ele, o Afetuoso Rabino Galileu, delineou os códigos e os princípios para a união entre todos os povos. O Seu Evangelho é fonte compilada de advertências e convites aos que se dobra- rem na disciplina das escolhas sobre aquilo que anseiam fazer em nome da edificação da fraternidade universal. Os povos haverão de descobrir o eixo de equilíbrio para a influência mútua e serena, sob respeitosa coalizão, por meio do trabalho recíproco a benefício de todos. No símbolo das mãos unidas jazem ínsitas as agendas do serviço de cooperação geral, onde as cha- madas civilizações mais influentes possam abrigar os mais desprovidos sob os ensejos da união. O espírito imortal não é caracterizado por essa ou aquela raça, entretanto é identifica- do pelas escolhas, decisões e conquistas de ações benéficas para paz na Terra. Os povos terrestres, mesclados de espíritos nas diferentes faixas da idade cósmica, configuram-se no mosaico de diversos seres que estão nos primeiros degraus da inteligência, outros ja- zem mais elevados na escala, em face disso, estes últimos necessitam oferecer as mãos para os mais ingênuos, a fim de marcharem sob o amparo do autêntico amor fraternal. No transcorrer dos anos, as raças, os povos, as culturas e etnias haverão de se en- contrarem no vértice formado na linha horizontal da evolução, a fim de principiarem a esca- lada aprumada da verticalização rumo ao infinito amor. Contudo, se persistirem as peregrinas forças do egoísmo entre os homens, as alterca- ções continuarão sendo alimentadas. Sem o Evangelho nos corações e consciências, todos os povos permanecerão nas lamentações debaixo dos escombros evidentes do ranger de dentes e choros de intensa dor moral. A seleção dos valores morais já se faz presente no Orbe em acelerada pulsação para a confirmação do convite inevitável para experiências mais acerbas nas longínquas esferas planetárias que acolherão os negligentes a fim de que sob a volúpia da sofreguidão diluam o egoísmo para projeção do amor que pulsa hoje e sempre pulsará na infinita romagem da vida. Estamos no limiar de extraordinárias mutações sociais, e com certeza a bandeira que tremulará no solo de cada nação será a flâmula do amor porque somente o amor é capaz de transformar o caos em harmonia geral. Constantino - Psicografado no grupo de desobsessão do sábado - 25/8/2019.
  3. 3. 3 ............ Espaço da Codificação ............ O Livro dos Médiuns Capítulo XXIII “Da obsessão”, item 237 Entre os escolhos que apresenta a prática do Espiritismo, cumpre se coloque na primeira linha a obsessão, isto é, o domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas. Nunca é praticada senão pelos Espíritos inferiores, que procuram dominar. Os bons Espíritos nenhum constrangimento infligem. Aconselham, combatem a influência dos maus e, se não os ouvem, retiram-se. Os maus, ao contrário, se agarram àqueles de quem podem fazer suas presas. Se chegam a dominar algum, identificam-se com o Es- pírito deste e o conduzem como se fora verdadeira criança. A ob- sessão apresenta caracteres diversos, que é preciso distinguir e que resultam do grau do constrangimento e da natureza dos efeitos que produz. A palavra obsessão é, de certo modo, um termo genérico, pelo qual se designa esta espécie de fenômeno, cujas principais va- riedades são: a obsessão simples, a fascinação e a subjugação. Livro: Paciência Médium: Chico Xavier Capítulo “Caridade do pensamento” Editora: CEU Sabemos todos que o pensamento é onda de vida criadora, emitindo forças e atraindo-as, segundo a natureza que lhe é própria. Fácil entender, à vista disso, que nos movemos todos num oceano de energia mental. Cada um de nós é um centro de princípios atuantes ou de irradiações que libera- mos, consciente ou inconscientemente. Sem dúvida, a palavra é o veículo natural que nos exprime as ideias e as intenções que nos caracterizem, mas o pensamento, em si, conquanto a força mental seja neutra qual ocorre à eletricidade, é o instrumento genuíno das vibrações benéficas ou negativas que lançamos de nós, sem a aprecia- ção imediata dos outros. Meditemos nisso, afastemos do campo íntimo qualquer expressão de ressentimento, mágoa, queixa ou ciúme, modalidades do ódio, sempre suscetível de carrear a destruição. Refletindo com Emmanuel
  4. 4. 4 Conselho Diretor - Presidente: Jorge Hessen / Vice-Presidente: João Batista Secretário: Josias da Silva/2.º Secretário: Walter A. Costa/Tesoureira: Diomarsi Souza Conselho Fiscal - Wilson Barbosa, Jurandir Correia e Ismael de Jesus Editor - Jorge Hessen / Diagramador: Fabiano Augusto Site - Departamento de Formação Doutrinária - http://opaespirita.wixsite.com/opae Blog - http://paespirita.blogspot.com.br/ DFD http://opaespirita.wixsite.com/opae/blank-phzg1 QNM 40 AE N.° 2, Taguatinga Norte/DF. Expediente Reuniões Públicas - Escala do Mês de Setembro SÁBADOS / 18 HORAS Dia Palestrante 07 - Eurípedes Barbosa (FEDF) 14 - Jorge Hessen (PAE) 21 - Daniel Campos 28 - Fabiano Augusto (CEFE) QUARTAS-FEIRAS / 20 HORAS Dia Palestrante 04 - Paulo de Tarso (ATUALPA) 11 - Edmar Jorge (C. FRAT) 18 - Sérgio Rossi (CEPT) 25 - Jorge Hessen (PAE) Matricule seu filho na evangelização do PAE. Turmas dos 3 aos 21 anos. Sábados das 18h às 19h. Equipe DIJ Depois da morte Léon Denis Cap. 50 - Resignação na adversidade O sofrimento é lei em nosso mundo. Em to- das as condições, em todas as idades, sob todos os climas, o homem tem padecido, a Humanidade tem derramado lágrimas. Apesar dos progressos sociais, milhões de seres gravitam ainda sob o jugo da dor. As classes elevadas também não têm sido isentas desses males. Entre os Espíritos cul- tivados as impressões são mais dolorosas, porque a sensibilidade está mais esmerada, mais apura- da. O rico, assim como o pobre, sofre material e moralmente. De todos os pontos do globo o clamor humano sobe ao espaço.

×