Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Agile Black Ops - Como infiltrar agile em ambiente hostil

2,182 views

Published on

Palestra apresentada no Agile Brazil 2013

Published in: Technology

Agile Black Ops - Como infiltrar agile em ambiente hostil

  1. 1. Agile BlackOps
  2. 2. Profile ● Vitor Queiroz ● 9 anos desenvolvendo software ● 5 anos trabalhando com agile ● Arquiteto de software e agilista
  3. 3. Black Operation A black operation typically involves activities that are highly clandestine and often outside of standard military/intelligence protocol, sometimes against the law Wikipedia 107.170.21.140
  4. 4. Problema Agile é
  5. 5. Problema Agile é
  6. 6. Problema Vamos adaptar...
  7. 7. Problema Agile??
  8. 8. algumas Dicas
  9. 9. x Não somos inimigos
  10. 10. Todos precisam Se sentir seguros
  11. 11. Esqueça os rótulos Trabalhe com os conceitos
  12. 12. Não fale apenas. Demonstre
  13. 13. Encare a infiltração de agile... ...como um projeto
  14. 14. Crie um backlog de problemas para resolver.
  15. 15. Escolha o que traz maior em menos tempo valor
  16. 16. Seja prático Resultados mensuráveis
  17. 17. Faça Comparações Conduza ao incômodo
  18. 18. Previous Scenario ● Empresa formada por ex-diretores de empresas estatais ● Produto principal: planejador para malhas ferroviárias ● 74% do desenvolvimento direcionado para correção de bugs ● 105.000 linhas de código ● 75% de duplicação de código ● Nenhuma documentação
  19. 19. Problemas indentificados ● ● Forte cultura C.Y.A(Cover your Ass) ● Código altamente acoplado e mal estruturado ● Falta de testes e de rastreabilidade ● Falta de visibilidade de progresso efetivo ● Muita micro-gestão ● Time desmotivado ● Desejo de documentação excessiva ● Processos rígidos.
  20. 20. Atacando ● Código altamente acoplado e mal estruturado ● Falta de testes e de rastreabilidade ● Falta de visibilidade de progresso efetivo ● Time desmotivado
  21. 21. ● Design evolutivo e conjunto ● TDD ● Ferramenta de análise de código estático (Sonar) ● Entregas em pequenas iterações de uma semana Usando
  22. 22. ● Diretoria confiante na qualidade do código ● Diretoria impressionada, versao mega simplificada rodando após 2 iterações. ● Time mais engajado na solução Resultado
  23. 23. ● Ainda queriam um planejamento detalhado do futuro (MS-Project bem detalhado) ● Ainda queriam documentação extensiva de todo o design antes de ser implementado. Barreira
  24. 24. ● Processos rígidos. ● Falta de visibilidade de progresso efetivo ● Micro Gestão ● Documentação excessiva Atacando
  25. 25. ● Domain Driven + Domain Expert ● Backlog de funcionalidades macro ● Começamos a replanejar todo o backlog futuro de acordo com o nosso progresso ● Medir todo o tempo de atualizar isso no MS-Project Usando
  26. 26. ● Diretores com visão de complexidade ● Noção de desperdício ao tentar prever tudo ● MS-Project consumia muito tempo (abolido). ● Mais segurança no replanejamento constante ● Aprenderam a priorizar dada a complexidade Resultado
  27. 27. ● Desejo de documentação excessiva ● Falta de visibilidade de progresso efetivo ● Time desmotivado Atacando
  28. 28. ● Behavior Driven Design (time + domain expert) ● Release Burndown ● Sistema puxado de tarefas Usando
  29. 29. ● Proatividade do time ● Documentação mínima e efetiva ● Reuniões de entrega mais rápidas e mais focadas Resultado
  30. 30. ● Time desmotivado ● Micro-gestão ● Processos rígidos Atacando
  31. 31. ● Reuniões de melhoria contínua (Retrospectivas) Usando
  32. 32. ● Confiança na capacidade de como fazer. ● Foco das entregas no que foi entregue e não no como foi entregue ● Liberdade, não seguiamos o processo da empresa ● Equipe mais confiante e engajada ● Gerente passou a ser um mediador, com muito menos dor de cabeça Resultado
  33. 33. Virando a mesa...
  34. 34. A diretoria passou a nos pedir para .....
  35. 35. Compartilhar nossas “descobertas” com outras equipes
  36. 36. Variar o escopo inicial nos perguntando qual seriam os impactos das variações e a priorizar por isso (ROI !!)
  37. 37. Ajudar em como priorizar o que era mínimo para instalar o produto em novos Clientes (MVP !!)
  38. 38. E nem falamos de SCRUM, XP....
  39. 39. Mas nem tudo são flores Resolvemos o C.Y.A interno do time.... mas ainda tínhamos o C.Y.A entre equipes e setores Barreira
  40. 40. Depois do caminho das pedras ● Série de workshops sobre SCRUM, XP e etc... ● Equipe ajudando nos workshops
  41. 41. Saldo final ● A maioria dos problemas da equipe foi resolvido nesse periodo ● Estávamos ensinando outras equipes ● O processo da empresa sendo reformulado de forma colaborativa
  42. 42. E o futuro?? ● Mentoring/coaching dos gestores ● Identificar problemas e pontos fortes das equipes ● Um time responsável pela melhoria contínua
  43. 43. Mas isso... Já é uma outra estória
  44. 44. Momento Jabá http://www.caipiraagil.com/ http://nitryx.com.br/
  45. 45. Obrigado!!! vitorv@gmail.com @vitor_q http://vitorqueiroz.com/

×