Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula PCR

39,685 views

Published on

Aula para tre

Aula PCR

  1. 1. Reanimação Cardiorrespiratoria e Cerebral Pablo B Gusman, MD, MSc, PhD Time de Resposta Rápida Hospital Meridional SA
  2. 2. Causas <ul><li>Hipóxia tissular </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>por insuficiência respiratória; </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Arritmias cardíacas </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>por Insuf Coronária ou não; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Hipovolemia </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>por trauma; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Estimulo vagal </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>como na intubação traqueal; </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Distúrbios metabólicos </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>como na acidose e hiperpotassemia; </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. Tratamento <ul><li>Manter a circulação; </li></ul><ul><li>Manter a respiração artificial; </li></ul><ul><li>Minimizar lesão cerebral. </li></ul>
  4. 4. Elo de Ressuscitação
  5. 5. Diagnostico <ul><li>Cianose </li></ul><ul><li>Inconsciência </li></ul><ul><li>Ausência de pulso em grande artéria </li></ul><ul><li>Ausência de movimentos respiratórios </li></ul>
  6. 6. ISOCÓRICAS Normais - simétricas e fotorreagentes. MIOSE MIDRÍASE ANISOCÓRICAS Avaliar pupilas
  7. 7. Controle Básico da Vida
  8. 8. O que fazer? <ul><li>Solicitar ajuda </li></ul><ul><li>Solicitar o carrinho de emergência com o desfibrilador </li></ul><ul><li>Solicitar que alguém chame o médico plantonista </li></ul><ul><li>Nunca deixar o paciente sozinho </li></ul>
  9. 9. Suportes Básicos e Avançados de Vida A B C D
  10. 10. Suporte Básico de Vida <ul><li>A irway: abrir vias aéreas </li></ul><ul><li>B reathing: ventilação com pressão positiva </li></ul><ul><li>C irculation: compressões torácicas </li></ul><ul><li>D efibrilation: desfibrilação </li></ul>
  11. 11. A irway: abrir vias aéreas A B C D
  12. 12. PARADA RESPIRATÓRIA POR CORPO ESTRANHO
  13. 13. Manobra de Ruben: Elevação do mento e hiperextensão do pescoço
  14. 14. B reathing: ventilação com pressão positiva A B C D
  15. 15. Ventilação e Oxigenação PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O 2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Sem ou Com oxigênio suplementar Boca a boca N/A 16% AMBU sem reservatório, mas com O2 8-10 40-60% AMBU com Reservatório e com O2 10-15 90-100%
  16. 17. C irculation: compressões torácicas Massagem cardíaca externa: <ul><li>Metade inferior do esterno; </li></ul><ul><li>Dois dedos acima do apêndice xifóide; </li></ul><ul><li>Compressão de 3,5 a 5 cm (30-40 Kg) </li></ul><ul><li>Frequência de 80 a 100 por min </li></ul><ul><li>Sincromizar com ventilação </li></ul>A B C D
  17. 18. A força deve ser exercida no punho, não nas mãos. Massagem cardíaca externa: A B C D C irculation: compressões torácicas
  18. 19. Massagem cardíaca externa: C irculation: compressões torácicas A B C D
  19. 20. C irculation: compressões torácicas Massagem cardíaca externa: A B C D
  20. 21. C irculation: compressões torácicas Massagem cardíaca externa na criança: A B C D
  21. 22. C irculation: compressões torácicas A massagem cardíaca adequada: <ul><li>Débito cardíaco 30% do normal </li></ul><ul><li>PAS 50 mmHg </li></ul><ul><li>Pressão de perfusão coronária 20 mmHg </li></ul>A B C D
  22. 23. Monitorizar: <ul><li>Amplitude de pulso de grandes artérias; </li></ul><ul><li>Oximetria de pulso; </li></ul><ul><li>CO 2 Expirado. </li></ul>C irculation: compressões torácicas A B C D
  23. 24. 15 : 2 15 : 2 Massagem cardíaca externa: C irculation: compressões torácicas A B C D
  24. 25. Massagem cardíaca externa: <ul><li>Complicações: </li></ul><ul><li>Fratura de costelas; </li></ul><ul><li>Pneumotórax; </li></ul><ul><li>Embolia gordurosa; </li></ul><ul><li>Rotura hepática e esplênica. </li></ul>C irculation: compressões torácicas A B C D
  25. 26. Massagem cardíaca interna <ul><li>Indicações: </li></ul><ul><li>Deformidade torácica; </li></ul><ul><li>Fibrilação ventricular refratária; </li></ul><ul><li>Desfibrilação externa inefetiva; </li></ul><ul><li>Tórax já se encontra aberto </li></ul>C irculation: compressões torácicas A B C D
  26. 27. D efibrilation: desfibrilação Uso terapêutico da corrente elétrica, em grande intensidade, por períodos extremamente breves. A B C D
  27. 28. D efibrilation: desfibrilação Objetivo: Despolarização em conjunto, levando a uma pausa em um ritmo desordenado, para que o nó sinusal tenha a possibilidade de retomar a condução do rimo cardíaco. A B C D
  28. 29. Desfibrilação Externa A B C D
  29. 30. D efibrilation: desfibrilação <ul><li>Tipos: </li></ul><ul><li>Monofasico </li></ul><ul><li>200 - 300 - 360 J </li></ul><ul><li>Bifasico </li></ul><ul><li>120 - 200 J </li></ul>A B C D
  30. 31. Sucesso na ressuscitação vs tempo de desfibrilação.
  31. 32. Suporte Avançado de Vida <ul><li>A irway: intubação orotraqueal </li></ul><ul><li>B reathing: ventilação com pressão positiva </li></ul><ul><li>C irculation: acesso venoso e medicações </li></ul><ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>
  32. 33. Suporte Avançado de Vida <ul><li>A irway: intubação orotraqueal </li></ul><ul><li>Inserir sonda nasal ou cânula nasotraqueal; </li></ul><ul><li>Pressão na cartilagem cricóide (Sellick); </li></ul><ul><li>Checar o aspirador; </li></ul><ul><li>IOT </li></ul>
  33. 34. INTUBAÇÃO TRAQUEAL Material adequado
  34. 35. INTUBAÇÃO TRAQUEAL
  35. 36. Assegurar boa respiração- Ventilação com AMBU Lembre-se sempre de fixar o TOT!!!
  36. 37. Suporte Avançado de Vida <ul><li>B reathing: ventilação com pressão positiva </li></ul><ul><ul><li>Checar IOT em axilas e região gástrica; </li></ul></ul><ul><ul><li>Rx de tórax; </li></ul></ul><ul><ul><li>ETCO 2 medida indireta Débito Cardíaco. </li></ul></ul>
  37. 38. Suporte Avançado de Vida <ul><li>C irculation: </li></ul><ul><ul><li>acesso venoso e medicações </li></ul></ul>
  38. 39. Suporte Avançado de Vida <ul><li>C irculation: acesso venoso e medicações </li></ul><ul><ul><li>Veia antecubital; </li></ul></ul><ul><ul><li>Soro fisiológico 0,9% em infusão contínua; </li></ul></ul><ul><ul><li>Bolus de 20 mL de soro; </li></ul></ul><ul><ul><li>Elevar o membro após medicações. </li></ul></ul>
  39. 40. Suporte Avançado de Vida <ul><li>C irculation: acesso venoso e medicações </li></ul><ul><ul><li>Administrar pelo Tubo orotraqueal: V E L A </li></ul></ul>V assopressina E pinefrina L idocaína A tropina
  40. 41. Suporte Avançado de Vida <ul><li>C irculation: acesso venoso e medicações </li></ul><ul><ul><li>Desconectar Tubo Orotraqueal do AMBU; </li></ul></ul><ul><ul><li>Parar as compressões torácicas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Injetar 2 a 2,5 vezes a dose normal; </li></ul></ul><ul><ul><li>Bolus de 10 mL de solução fisiológica; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ventilar 3 a 4 vezes. </li></ul></ul>
  41. 42. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul><ul><ul><li>O que causou a parada? </li></ul></ul><ul><ul><li>Qual o ritmo? </li></ul></ul>Taqui / Fibrilação ventricular Atividade elétrica sem pulso Assistolia
  42. 43. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Desfibrilar 200 - 300 - 360 J Epinefrina Desfibrilar 360 J
  43. 44. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Taqui / Fibrilação ventricular CHOCA CHECA DROGA
  44. 45. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Atividade elétrica sem pulso H ipovolemia H ipóxia H ipotermia H ipercalemia H + = acidose T amponamento Pneumo T órax T romboembolismo In T oxicação T rombose coronária
  45. 46. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Atividade elétrica sem pulso Se bradicardia  60 bpm, Atropina 1 mg EV a cada 3 a 5 min até 3 mg Epinefrina 1 mg EV em bolus a cada 3 a 5 minutos ou Vasopressina 40U EV 1ª ou 2ª doses
  46. 47. Assistolia
  47. 48. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Assistolia Hipóxia Hipercalemia Hipocalemia Acidose Intoxicação Hipotermia
  48. 49. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Assistolia Marcapasso transcutâneo
  49. 50. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Epinefrina 1 mg EV em bolus a cada 3 a 5 minutos Atropina 1 mg EV a cada 3 a 5 min até 3 mg
  50. 51. Suporte Avançado de Vida <ul><li>D iagnosis: identificar o diagnóstico da PCR </li></ul>Epinefrina 1 mg EV em bolus a cada 3 a 5 minutos ou Vasopressina 40U EV 1ª ou 2ª doses Atropina 1 mg EV a cada 3 a 5 min até 3 mg Assistolia
  51. 52. Anestesistas Cirurgiões Equipe de Enfermagem Parada Cardio - Respiratória
  52. 53. Equipe de Enfermagem Grupo 2: Drogas Grupo 1: Auxílio nas vias aéreas Parada Cardio - Respiratória
  53. 54. Equipe de Enfermagem Grupo 1: Médico <ul><li>A irway: manter vias aéreas / intubação orotraqueal </li></ul><ul><li>B reathing: ventilação com pressão positiva </li></ul>Parada Cardio - Respiratória
  54. 55. Equipe de Enfermagem Grupo 2: Drogas <ul><li>C irculation: acesso venoso e medicações </li></ul><ul><li>D efibrilation: desfibrilação </li></ul>Parada Cardio - Respiratória
  55. 56. Checagem diária de todos os equipamentos, drogas e acessórios de emergência!!! Parada Cardio - Respiratória
  56. 57. Paciente estável... www.anestesiador.com

×