Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula intubacao traqueal

5,958 views

Published on

medicina

Published in: Education
  • Login to see the comments

Aula intubacao traqueal

  1. 1. INTUBAÇÃO TRAQUEAL *A utilização de uma via aérea artificial está frequentemente indicada em pacientes com diminuição do nível de consciência, trauma facial ou oral, secreção respiratória intensa, falência respiratória e naqueles com necessidade de ventilação mecânica. *A utilização de ventilação mecânica está relacionada com a inabilidade dos pulmões em manter uma adequada oxigenação sanguínea ou ainda em manter uma adequada remoção de dióxido de carbono das células; *A intubação traqueal é um processo caracterizado por riscos relacionados ao próprio sucesso da intubação e sua manutenção ou associados à utilização da ventilação mecânica. CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS  Utilizar oximetria de pulso durante a intubação endotraqueal para detecção precoce da hipoxemia;  Antes da intubação endotraqueal, utilizar oxigênio a 100%, por 3 A 5 minutos, através de uma máscara com bolsa reservatória de oxigênio (Ambu);  O procedimento de intubação não deve ultrapassar 30 segundos;  Aplicar pressão na cartilagem cricóide (manobra de Sellick), para diminuir a incidência de aspiração do conteúdo e distensão gástrica. Este procedimento é realizado aplicando uma forte pressão ao redor da cartilagem cricóide, afastando as cordas vocais para baixo e facilitando a visualização;  Escolha do tamanho da cânula, que reflete o tamanho da mesma: cânulas com extensão de 2 mm são indicados para neonatos e de 9mm para adulto. O tamanho correto depende do peso do paciente;  A intubação endotraqueal pode ser realizada por via oral ou nasal. A habilidade em executar a intubação e as condições clínicas do paciente serão as condições determinantes para a escolha da via;  Os pacientes com suspeita de lesão em coluna cervical devem ser mantidos com a cabeça em linha reta durante a intubação endotraqueal. A intubação por via nasal é preferida nesses casos;  Técnica imprópria de intubação pode resultar em trauma de arcada dentária, tecidos moles, na boca ou nariz e cordas vocais;  O tubo endotraqueal pode também permitir a administração de medicações de emergência (epinefina, atropina, naloxone). INDICAÇÃO  Obstrução de via aérea superior secundária a: trauma, edema ou tumefações, hemorragia;  Apnéia;  Ineficácia na aspiração de secreções;  Elevado risco de broncoaspiração;  Insuficiência respiratória.
  2. 2. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS  Equipamentos de proteção individual;  Tubo endotraqueal com cuff intacto (7,5 a 8 mm para mulheres adultas e 8 a 9 mm para homens adultos);  Cabo de laringoscópio com bateria nova;  Lâminas de laringoscópio (curva e reta)  Ambú com máscara, conectado a oxigênio a 100%;  Fonte de oxigênio testada;  Luvas estéreis;  Seringa de 20 ml para insuflar o cuff;  Solução lubrificante (lidocaína gel ou spray);  Sonda de aspiração conectada a frasco de aspiração ligado ao vácuo;  Estetoscópio;  Fio-guia estéril;  Respirador testado e funcionante;  Cadarço ou fita adesiva para fixação do tubo endotraqueal;  Equipamentos adicionais (medicações sedativas e tranqüilizantes). PROCEDIMENTOS · Pesquisar história possível de trauma ou suspeita de trauma medular; · Avaliar presença de distensão gástrica, visando reduzir o risco de vômitos com possível broncoaspiração, devido ao acúmulo de ar, alimentos ou secreções. Em pacientes com distensão gástrica ou que tenham se alimentado recentemente, deve-se pressionar a cartilagem cricóide para diminuir o risco de broncoaspiração; · Avaliar o nível de consciência, presença de ansiedade e dificuldade respiratória para determinar a necessidade de sedação ou de utilização de agentes tranqüilizantes para a intubação; · Assegurar o entendimento do procedimento pelo paciente; · Antes do procedimento providenciar acesso venoso para o uso de drogas sedativas, tranqüilizantes ou outras medicações; · O posicionamento do paciente é essencial para o sucesso do procedimento. O paciente sem história de trauma deve ser mantido imobilizado, com a cabeça hiper-estendida e o pescoço flexionado. Esse procedimento permite visualizar com o laringoscópio as cordas vocais e a traquéia; · Paciente com história de trauma deve ter sua coluna cervical imobilizada, sustentando-a durante todo o procedimento de intubação, prevenindo agravo para a coluna cervical, secundário ao posicionamento incorreto durante o procedimento; INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM
  3. 3. Separar o material de intubação endotraqueal necessário; Lavar as mãos e colocar o equipamento de proteção individual; Conectar a sonda de aspiração ao sistema de aspiração a vácuo e deixar o respirador preparado para a posterior utilização; Testar o cuff do tubo endotraqueal com seringa de 20 ml; Avaliar o posicionamento do paciente, hiperestender a cabeça e flexionar o pescoço (afastar a possibilidade de trauma cervical); Retirar próteses dentárias e realizar aspiração das secreções na cavidade nasal e oral se necessário; Realizar oxigenação a 100% para prevenir hipoxemia utilizando máscara com reservatório de oxigênio de 3 a 5 minutos antes da intubação, através de movimentos respiratórios freqüentes e lentos (reduz o escape de ar para o estômago, que facilita a distensão gástrica, e facilitam a entrada de ar nos pulmões). A oxigenação adequada com Ambu deve ser mantida até a obtenção de uma via aérea artificial; Providenciar pré medicação, pois os medicamentos tranqüilizantes reduzem a ansiedade do paciente durante a realização do procedimento; Aplicar pressão na cartilagem cricóide, se solicitado; Uma vez inserido e posicionado o tubo endotraqueal, confirmar local e oxigenar o paciente com 100 % de O2. A tentativa de intubação não deve ultrapassar 30 segundos. Pacientes que apresentam dificuldade no ato de intubar devem ser hiperoxigenados entre as tentativas de realização do procedimento; Auscultar região do epigástrio, no sentido de identificar intubação errônea. Atentar para distensão abdominal; Auscultar bases e ápices dos pulmões, bilateralmente, buscando sons respiratórios. Na ausência de sons respiratórios à esquerda, tracione de 1 a 2 cm a cânula endotraqueal e reavalie ausculta pulmonar e posicionamento; Observar simetria e movimentos da caixa torácica; Avaliar saturação do oxigênio por oximetria de pulso não invasiva; Conectar o tubo endotraqueal ao sistema de ventilação mecânica; Fixar o tubo endotraqueal com cadarço ou fita adesiva; Reconfirmar, após a fixação o correto posicionamento do tubo; Observar e registrar o posicionamento do tubo (na altura da arcada dentária em cm): homens 23 cm e mulheres 21 cm; Realizar aspiração de secreções endotraqueais se necessário, hiperoxigenar a 100% durante o procedimento, utilizando técnica asséptica; Confirmar o posicionamento do tubo endotraqueal através da radiografia de tórax; Realizar ausculta pulmonar a intervalos regulares de 4 horas; Manter a pressão do cuff em torno de 20 a 25 mmHg. Seria o volume da ar necessário para assegurar o posicionamento da cânula e evitar o risco de aspiração do conteúdo gástrico sem causar isquemia da traquéia

×