Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde

Objetivo

Apresentar e discutir, sob a ótica da Ética e da Responsabilidade Social, o cenário atual das instituições de saúde.

Palestrante.
Dra. Rosely Cordon
Cirurgiã Dentista, Mestrado em Tecnologia LASER pelo IPEN-FOUSP, Especialista em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde - Instituto Albert Einstein, Especilista em Acreditação: Qualidade em Serviços de Saúde- FELUMA- MG, Coordenadora de Qualidade do CEPI-FOUSP, Diretora da CanesQuality- consultoria e treinamento vivencial em saúde. Autora e co-autora de livros e capítulos de livros na área de tecnologia LASER, Odontologia e Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde.

  • Login to see the comments

Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde

  1. 1. Rosely Cordon Abril 2016 ÉTICA e Responsabilidade Social nas Organizações: SAÚDE
  2. 2. • Formada em Odontologia • Idealizadora da Canes Quality –Treinamentos Vivenciais , Rede Oral Design e Rede Saúde Mais • Membro do Grupo de Excelência de Administração em Saúde do Conselho Regional de Administração do Estado de São Paulo (GEAS-CRA) • Membro do Centro de Excelência Prótese e Implante da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (CEPI – FOUSP) • Desenvolve trabalhos junto a Fundação Vanzolini • Autora de livro e vários capítulos, além de artigos científicos e palestrante. • Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualiza cv.do?id=K4232189E4
  3. 3. ÉTICA Padrão moral, avaliação de conduta humana ou empresarial, relacionada com opiniões, respeitando seus stakeholders. Ética tem como base moral, e é base da responsabilidade social.
  4. 4. Responsabilidade Social ou Compromisso social: Não é “Filantropia”, é a nova maneira de conduzir os negócios da organização, tornando-a parceira e corresponsável pelo desenvolvimento social.
  5. 5. É focada na cadeia de negócios da organização e engloba preocupações com um público maior (acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente), cuja demanda e necessidade a empresa deve buscar entender e incorporar aos negócios. Assim, a responsabilidade social trata diretamente dos negócios da empresa e de como ela os conduz. Fonte: ETHOS
  6. 6. Stakeholders: Termo em inglês amplamente utilizado para as partes interessadas, ou seja, qualquer individuo ou grupo que possa afetar a empresa por meio de suas opiniões ou ações, ou ser por ela afetado.
  7. 7. A EMPRESA É SOCIALMENTE RESPONSÁVEL quando vai além da obrigação de respeitar as leis, e passa a contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, comprometendo-se com o futuro da comunidade e da sociedade. As empresas socialmente responsáveis são vistas como agentes de uma nova cultura, seja como atores de mudança social ou construtores de uma sociedade melhor.
  8. 8. Como a ética se relaciona com a responsabilidade social? A ética é a base da responsabilidade social, expressa nos princípios e valores adotados pela organização. “Não há responsabilidade social sem ética nos negócios.”
  9. 9. Não adianta uma empresa pagar mal seus funcionários, corromper a área de compras de seus clientes, pagar propinas a fiscais do governo e, ao mesmo tempo, desenvolver programas voltados a entidades sociais da comunidade. Essa postura não condiz com uma empresa que quer trilhar um caminho de responsabilidade social. É importante haver coerência entre ação e discurso. Fonte: ETHOS
  10. 10. Desenvolvimento Sustentável É o equilíbrio entre tecnologia e ambiente, de maneira a preservar a qualidade de vida e o bem- estar da sociedade, levando em conta fatores como a sustentabilidade futura e a justiça social.
  11. 11. Negócio Sustentável A sustentabilidade não está na empresa ou na sociedade, com os patrões ou com empregados, com as pessoas ou com o meio ambiente, mas nas RELAÇÕES que se estabelecem em todos os níveis.
  12. 12. Competitividade Sustentável com Ética - Principais Componentes: • Proteção ambiental • Segurança no trabalho • Direitos humanos observados • Envolvimento com a comunidade • Padrões de negócios • Mercados • Empreendimento e desenvolvimento econômico • Proteção da saúde • Desenvolvimento de lideranças e educação • Ajuda Humanitária Fonte: WORLD BANK INSTITUTE- WBI Responsabilidade Social Corporativo e Competitividade Sustentável
  13. 13. Responsabilidade Social x Responsabilidade Corporativa Desenvolver um modelo de gestão ética, que abrange ações sociais internas e externas com foco na gestão da:  Comunidade  Beneficiários  Funcionários  Stakeholders  Dependentes Fonte: ETHOS
  14. 14. Responsabilidade Social Corporativa é Moda ou Realidade? Segundo Kofi Annan: “Temos que escolher entre um mercado global guiado principalmente pelo cômputo dos lucros de curto prazo e um que apresente uma face humana. Entre um mundo que condena um quarto da raça humana à fome e à miséria e um que oferece a todos pelo menos uma chance de prosperidade em um ambiente saudável. Entre um egoísmo livre para tudo, no qual ignoramos o destino dos vencidos e um futuro no qual os fortes e bem-sucedidos aceitam suas responsabilidades, demonstrando visão global e liderança.”
  15. 15. “Carta” de responsabilidade corporativa em termos de resgate aos direitos humanos violados: Guiding Principles on Business and Human Rights Parâmetros básicos de comportamento, por quê? Existente uma Guerra entre as relações de poder entre sociedade, governos e corporações transnacionais. A guerra pela ética nos negócios Koffi Annan and John Ruggie http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/quando- negocios-nao-sao-apenas-negocios/2014/04/30/a-guerra- pela-etica-nos-negocios/ 30/04/2014
  16. 16. A guerra pela ética nos negócios Problemas: Definir onde está a responsabilidade, paraísos fiscais como sedes formais das empresas tornam qualquer responsabilização mais dificil , dificuldade de conciliar o nome de uma corporação com a truculência das atividades que desenvolve, guerra comercial, equipes de advogados, cinismo marqueteiro ou milícias armadas. Luta por comportamentos econômicos mais decentes, para não prejudicar o mais fraco. http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/quando- negocios-nao-sao-apenas-negocios/2014/04/30/a-guerra- pela-etica-nos-negocios/ 30/04/2014 Koffi Annan and John Ruggie
  17. 17. “Princípios Norteadores”, não é um texto jurídico, e sim um texto ético definindo regras funcionais. É o que se pôde fazer e já constitui um grande passo. Nas palavras do autor, “não há leis/regras com poder de autoridade para empresas, nem côrte suprema internacional para decidir quem está certo”. Mas o relato das negociações, conteúdo deste livro, constitui uma precisa radiografia de como se articulam as relações de poder neste mundo tão escandalosamente discreto. http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/quando- negocios-nao-sao-apenas-negocios/2014/04/30/a-guerra- pela-etica-nos-negocios/ 30/04/2014 A guerra pela ética nos negócios Koffi Annan and John Ruggie
  18. 18. A guerra pela ética nos negócios 3 PILARES: -O dever do Estado de proteger os cidadãos contra os abusos aos direitos humanos por parte de terceiros, inclusive empresas; - A responsabilidade corporativa de respeitar os direitos humanos; - O fácil acesso das vítimas a recurso efetivo, judicial e extrajudicial. Instituto Ethos “esses pilares estabelecem, pela primeira vez, um padrão internacional para avaliar e prevenir os riscos relativos aos direitos humanos em cada ramo de atividade. Eles também vão permitir que governos, investidores e a sociedade civil verifiquem o real progresso do tema na vida cotidiana das pessoas”. http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/quando- negocios-nao-sao-apenas-negocios/2014/04/30/a-guerra- pela-etica-nos-negocios/ 30/04/2014 Koffi Annan and John Ruggie
  19. 19. NASCIMENTO DA BIOÉTICA Código de Nüremberg- 1947 Julgamento de Nüremberg - agosto de 1945 a outubro de 1946 - no qual foram condenados junto com oficiais nazistas, médicos que tinham desrespeitado cruelmente os direitos humanos de prisioneiros nos campos de concentração nazistas, em nome da pesquisa cientifica, apresentando dez itens que regulam a pesquisa em seres humanos. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01 04-07072005000100009 Maria Bettina Camargo Bub
  20. 20. NASCIMENTO DA BIOÉTICA Ethics in Clinical Research 22 relatos de pesquisas realizadas com recursos governamentais e de empresas farmacêuticas, nas quais os sujeitos da investigação eram considerados "cidadãos de segunda classe" ou "sub-humanos" . "[...] o horror da imoralidade da ciência, dos confins dos campos de concentração para o meio científico, acadêmico e hegemônico", demonstrando que "[...] a imoralidade não era exclusiva dos médicos nazistas" Beecher HK. Ethics and clinical research. New England J Med. 1966; 274(2): 1354-60
  21. 21. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) – 1946 A saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade, sem distinção de raça, de religião, de credo político, de condição econômica ou social. A saúde de todos os povos é essencial para conseguir a paz e a segurança e depende da mais estreita cooperação dos indivíduos e dos Estados. http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS- Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da- Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da- saude-omswho.html
  22. 22. Saúde – Uma obrigação do Estado Constituição Federal 88 Lei 8080, de setembro de 1990, que instituiu o SUS. - Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício. - § 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de outras fontes.
  23. 23. Ética do cuidado Empatia – Se colocar no lugar do outro. Sentir o que o outro sente. Necessidades sociais e individuais na área da saúde – infelizmente existem mais do que se imagina. O caráter deve estar baseado na moral e boas práticas. Ouvir uma segunda opinião acaba tornando-se uma “boa prática”.
  24. 24. Exercício do Profissional da Saúde • Na ética • Com responsabilidade • No conhecimento: técnico, científico, ético e legal • Na postura profissional • No compromisso social com o grupo de trabalho e com a sociedade
  25. 25. Transparência na área da Saúde Ampla discussão sobre os mecanismos de policiamento interno. - Comissões de ética - Comissões de pesquisa Podem Ser formada apenas por profissionais da área ou, em outros casos, são comissões mistas a fim de trazer um olhar de fora. Um cuidado a se tomar é com a judicialização da saúde, pois impacta principalmente sobre os custos, tempo, desgastes emocionais.
  26. 26. Verdade x Verdadeiro Na relação Médico x Paciente , este último têm o direito de saber sobre seu diagnóstico, mas pode não querer saber. - Relação de confiança na prática do entendimento, da evolução do que é melhor com o mínimo de sofrimento.
  27. 27. Códigos de Ética Comportamento que se espera dentro de “X” ou “Y” situações. Ele é assinado individualmente, mas pensado no coletivo. Comportamento Interesse coletivo Relações Equilíbrio Harmonia Satisfação das partes Compromisso
  28. 28. Errar é humano! E na Saúde.... Relação cliente- profissional de saúde, uma vez que é nessa prática cotidiana que se integram os elementos próprios da conduta moral profissional. Segurança do Paciente.
  29. 29. Peter Druker Hospitais como a organização mais difícil de administrar, poucos processos industriais são tão complicados quanto o hospital. http://www.administradores.com.br/artigos/m arketing/os-desafios-da-gestao-e-do- marketing-hospitalar/69099/ 03/03/2013
  30. 30. Formação acadêmica do gestor de Hotelaria Hospitalar (Boeger, 2011)
  31. 31. Governança Corporativa Suas boas práticas convertem princípios básicos em recomendações objetivas, alinhando interesses com a finalidade de preservar e otimizar o valor econômico de longo prazo da organização, facilitando seu acesso a recursos e contribuindo para a qualidade da gestão da organização, sua longevidade e o bem comum.
  32. 32. Lições sobre relações interpessoais EU As seis frases mais importantes: A palavra menos Importante: 1. Admito que o erro foi meu. 2. Você fez um bom trabalho. 3. Qual a sua opinião? 4. Faça o favor. 5. Muito obrigado! 6. Nós conseguimos! Adaptado de Prof. Dr. Eduardo Marostica
  33. 33. O PACIENTE DESAFIOS PROFISSIONAIS
  34. 34. 1. Bombeiro - 92% 2. Professor – 72% 3. Paramédicos - 81% 4. Piloto de avião - 80% 5. Farmacêutico - 76% 6. Enfermeiro - 72% 7. Arquiteto - 72% 8. Médico, psicólogo - 66% 9. Jornalista - 66% 10. Engenheiro - 64% Profissões mais confiáveis http://www.infomoney.com.br/carreira/emprego/noticia/33 38556/veja-lista-das-profissoes-mais-confiaveis-politicos- ficam-com-lanterna 13-05-2014
  35. 35. Profissões menos confiáveis 1. Político - 6% 2. Prefeito - 14% 3. Agente de seguros - 30% 4. Advogado - 41% 5.Empresário - 42% 6. Polícia - 44% 7. Banqueiro - 46% 8. Funcionário público - 48% 9. Apresentador de TV - 48% 10. Atleta profissional - 49% http://www.infomoney.com.br/carreira/emprego/noticia/33 38556/veja-lista-das-profissoes-mais-confiaveis-politicos- ficam-com-lanterna 13-05-2014
  36. 36. Pergunta importante: • Por que se percebe tanta diferença entre o discurso e a prática, quando se trata de ética empresarial? • Duas respostas prováveis: 1. O discurso por se localizar no mundo das ideias é mais facilmente mutável que a prática, sujeita a atritos e obstáculos. 2. O discurso está dissociado da prática!
  37. 37. 1. Considerar o bem-estar dos outros, inclusive o dos não participantes; 2. Pensar como membro da comunidade dos negócios e não como membro isolado; 3. Obedecer às leis, mas não parar por aí; 4. Pensar em você mesmo e na sua empresa como parte da sociedade; Relações globais
  38. 38. 5. Obedecer às regras morais; 6. Pensar objetivamente; 7. Perguntar: ‘que tipo de pessoa faria tal coisa’; 8. Respeitar os costumes dos outros, mas não ao preço de sua própria ética. Relações globais
  39. 39. O que o dinheiro não compra?
  40. 40. Tudo está a venda? - Perda de peso : $250.000,00 ( The Biggest Loser”). - Perda de peso £ 425 ($612,00) mantido por dois anos – (Libras por Libras). - Criança que recebe dinheiro para cada livro lido. - Apólice de seguro de vida de uma pessoa idosa ou doente indicando o beneficiário: $100.000,00. - Direito de imigrantes no EUA: U$ 500.000,00 - Barriga de aluguel indiana: R$ U$ 6.250,00 - Upgrade de cela carcerária: R$ U$ 82,00 por noite - Acesso as pistas de transporte solidário nas horas do rush: U$ 8,00 - Matricula em Universidades de prestigio em troca de doações financeiras. - Dentista que pagou U$ 150.000,00 para abater leões e rinocerontes na África do Sul. - Adolescentes participar vacinação contra vírus sexualmente transmissíveis contra câncer cervical- $ 68,00 O que o dinheiro não compra Michel J. Sandel 2012
  41. 41. O QUE NÃO TEM PREÇO? Ética na Saúde Tolerante Equidade Solidariedade Responsabilidade Abertura para o “outro” como a “si” mesmo Moralidade Ação virtuosa Espiritualidade
  42. 42. A conduta ética não é por tanto algo que adotamos porque é correta, mas porque reconhecemos que os outros, tal como nós, desejamos ser felizes e não sofrer. Dalai Lama
  43. 43. Obrigada por sua atenção! roselycordon@uol.com.br SAÚDE COM ÉTICA É RESPONSABILIDADE SOCIAL!!!

×