Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1

  • Login to see the comments

Fundamentos do serviço social 2 - PARTE 2 - capitulo 1

  1. 1. Baseado no livro Relações Sociais e Serviço Social no Brasil (Iamamoto) RACIONALIZAÇÃO E ORIGEM DOS PRIMEIROS ASSISTENTES/ESCOLAS SOCIAIS. Este conteúdo é baseado em meu entendimento pessoal da matéria relacionada ao curso de Serviço Social – By Dani Rubim – estudante de Serviço Social - 2013
  2. 2. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS PARA ENTENDERMOS A PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL TEMOS DE RELACIONÁ-LO COM OS PROCESSOS SOCIAIS E ECONÔMICOS DA REALIDADE BRASILEIRA AO LONGO DE SUA HISTÓRIA.
  3. 3. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS • No livro a autora nos mostra o Serviço Social como profissão! • Em um contexto mais amplo, levando em consideração a relação do capitalismo na sociedade brasileira no período entre 30/60. • Dessa forma, o Serviço Social se insere no processo contraditório de reprodução das relações sociais • e carregará determinadas nuances dessa contradição até os dias de hoje
  4. 4. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS SURGIMENTO DA PROFISSÃO A Questão Social já não era mais possível de ser ignorada, seus aspectos aumentavam a cada dia devido à/ao: • Extrema exploração nas fabricas • Esforço na 2ª guerra Mundial •Ameaça do pensamento comunista • Surgimento do proletariado como expressão política própria. (e etc)
  5. 5. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS SURGIMENTO DA PROFISSÃO A estratégia usada pela classe dominante para exercer sutilmente seu poder na sociedade e amenizar esses “novos” problemas sociais foram AS INSTITUIÇÕES DE POLÍTICAS SOCIAL Surge então o Serviço Social de forma mais racional e técnica que superaria as ações caritativas. Os Assistentes sociais começaram a usar um nova lógica de enfrentamento da questão social.
  6. 6. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS 1910 - 1920
  7. 7. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1920 O Trabalho livre era apenas mais uma mercadoria. Surgem grupos ANARQUISTAS/COMUNISTAS incentivados pela superexploração. (tendência política influenciada pelos imigrantes europeus) A densidade das manifestações e organização dos trabalhadores na luta pela melhoria das condições de vida e trabalho se tornou visível para a burguesia.
  8. 8. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1920 A Burguesia (sua fração industrial) utilizava a estratégia de • negar as reivindicações do proletariado; • desrespeitando os acordos • e utilizando o aparato policial no enfrentamento das manifestações dos trabalhadores.
  9. 9. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1920 A Questão Social já era presente nesse contexto. É importante lembrar que o ESTADO era incapaz de realizar políticas sociais as seqüelas da superexploração e acabavam interagindo com essa massa através de agressões e ameaças físicas e psicológicas.
  10. 10. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1920 Alguns empresários começaram a aderir medidas assistencialistas (creches, escolas, alimentação...) o objetivo era minimizar as reivindicações internas compensando minimamente o proletariado para que isso gerasse maior produtividade. Ou seja não havia interesse de melhorar de fato a vida do trabalhador e sim silenciá-lo com “presentinhos”
  11. 11. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. ONDE A IGREJA CATÓLICA ENTRA NESSES PROCESSOS HISTÓRICOS? A igreja Católica já não era o centro das relações políticas, a nível mundial e esta queria este poder de volta. Surgem então um movimento de “recatolização da nação”. A Igreja agora trabalha diretamente voltada a questão social reforçando sempre, para a classe operaria, a idéia de ordem e respeito a hierarquia.
  12. 12. CAPITULOS: 1, 2, 3, 4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS 1930
  13. 13. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1930 O proletariado já se apresenta com um maior peso numérico e organizativo ao mesmo tempo que o poder da burguesia industrial cresce. (fim da Republica Velha) É cada vez mais visível a luta por hegemonia entre a burguesia e o proletariado.
  14. 14. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1930 E assim se abria cada vez mais uma porta para a inserção mais profunda da Igreja Católica e suas medidas junto a política e nos setores sociais. O novo bloco no poder buscará o apoio da hierarquia da Igreja oferecendo em troca o ensino religioso nas escolas.
  15. 15. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. 1930 Igreja e Estado – unidos pela preocupação comum de resguardar e consolidar a ordem e a disciplina social, se mobilizarão para estabelecer mecanismos de influência e controle. A partir de 1932 dá-se a ampliação da intervenção do movimento católico laico, através da: • Ação universitária católica; • Instituto de estudos superiores; • Associação da bibliotecas católicas; • Liga eleitoral católica.
  16. 16. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. RESPOSTA DA IGREJA ÁS QUESTÕES SOCIAIS Discurso: Deus é fonte de toda justiça, e apenas uma sociedade baseada nos princípios da cristandade pode realizar a justiça social. Objetivo da Igreja: recuperar o proletariado da influência de ideologias exóticas (postura anticomunista); ordenar as relações de produção e harmonizar as classes em conflito.
  17. 17. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. RESPOSTA DA IGREJA ÁS QUESTÕES SOCIAIS A estratégia da Igreja é o de investir no desenvolvimento do movimento laico, fortalecendo sua linha de Ação Católica (Apostulado Social). E aposta na organização da juventude católica para atuar junto à classe operária: JOC - (Juventude Operária Católica); JUC - (Juventude Universitária Católica); JEC - (Juventude Estudantil Católica); JIC - (Juventude Ind. Católica); JFC - (Juventude Feminina Católica);
  18. 18. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. RESPOSTA DA IGREJA ÁS QUESTÕES SOCIAIS A estratégia da Igreja é o de investir no desenvolvimento do movimento laico, fortalecendo sua linha de Ação Católica (Apostulado Social). E aposta na organização da juventude católica para atuar junto à classe operária: JOC - (Juventude Operária Católica); JUC - (Juventude Universitária Católica); JEC - (Juventude Estudantil Católica); JIC - (Juventude Ind. Católica); JFC - (Juventude Feminina Católica);
  19. 19. CAPÍTULO 1 – A QUESTÃO SOCIAL NAS DÉCADAS DE 20 E 30 E AS BASES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL. Resumão do capitulo 1 1920 – • Idéias comunistas já se implantavam no país; • O Estado intervia através de violência psicológica e física. 1930 – • A burguesia industrial pega força (fim da Republica Velha); • A questão Social esta cada vez mais presente; • A Igreja + Estado se unem para disciplinar moralmente o proletariado... • ...através do ensino católico + Ação Católica (social) que é o enfrentamento direto sobre a questão junto as famílias do proletariado.

×