Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Dilatação térmica

Apresentação sobre dilatação térmica

  • Login to see the comments

Dilatação térmica

  1. 1. Profª: Daniela Fontana Almenara Disciplina: Física Turma: 2º Ano do Ensino médio Dilatação Térmica dos Sólidos
  2. 2. Expansão das Moléculas • Temperatura: é a medida do grau de agitação das moléculas; • Calor: é a troca de energia causada exclusivamente por uma diferença de temperatura. É importante que saibamos o que são temperatura e calor. Imagem: SEE-PE
  3. 3. Em física, dilatação térmica é o nome que se dá ao crescimento das dimensões de um corpo, ocasionado pelo aumento de sua temperatura. Dilatação Térmica Definição
  4. 4. Para pensar melhor... • Como facilitar a abertura da tampa de um vidro de azeitonas ? • A tampa de metal e o vidro sofrerão alterações quando aquecidas? • Como esse fenômeno pode ser explicado fisicamente?
  5. 5. Você já observou os trilhos em uma estrada de ferro? Imagem:Powerkites16/classicalmusic.mzrt@gmail.com/PublicDomain.
  6. 6. Os fios de telefone ou luz, expostos ao Sol, variam suas temperaturas, fazendo com que o fio se estenda de um comprimento inicial (Lo) para um comprimento final (L), aumentando assim sua curvatura. Imagem: Hugh Venables / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic.
  7. 7. Ocorre quando o corpo sofre expansão em uma dimensão A dilatação do fio depende de três fatores: • da substância da qual é feito o fio; • da variação de temperatura sofrida pelo fio; • do comprimento inicial do fio. Dilatação Linear Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  8. 8. EQUAÇÃO DA DILATAÇÃO LINEAR ∆L = Lo.α.∆T Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  9. 9. • ∆L é variação de comprimento do fio, ou seja, ∆L = Lf – Lo; • Lo é o comprimento inicial; • Lf é o comprimento final; • α é o coeficiente de dilatação linear, uma característica da substância. Sua unidade é o °C-1; • ∆T é a variação de temperatura, ou seja, ∆T = Tf - To, onde To representa a temperatura inicial do fio e Tf a temperatura final.
  10. 10. • Há corpos que podem ser considerados bidimensionais, pois sua terceira dimensão é desprezível, frente às outras duas, por exemplo, uma chapa. A expansão ocorre nas suas duas dimensões lineares, ou seja, na área total do corpo. Dilatação Superficial Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  11. 11. Vemos uma chapa retangular que, ao ser aquecida, teve toda a sua superfície aumentada, passando de uma área inicial a uma área final. Ou seja, a variação da área de superfície S pode ser escrita por: ∆A= A f – A 0 Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  12. 12. A dilatação superficial, analogamente à dilatação linear, depende: • da variação de temperatura sofrida pelo corpo; • da área inicial; • do material do qual é feito o corpo. O coeficiente utilizado neste caso, é o de dilatação superficial β, que equivale a duas vezes o coeficiente de dilatação linear, isto é: 𝛽 = 2𝛼. Sua unidade também é o °C-1 .
  13. 13. • ∆A é a dilatação superficial ou o quanto a superfície variou; • β é o coeficiente de dilatação superficial; • Ai é a área inicial; • ∆T é a variação de temperatura. ∆A = β.Ai.∆T EQUAÇÃO DA DILATAÇÃO SUPERFICIAL Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  14. 14. A grande maioria dos corpos sólidos possui três dimensões: altura, comprimento e espessura. Quando aquecido, o sólido sofre expansão em cada uma delas, resultando em um aumento no volume total do corpo. Dilatação Volumétrica Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  15. 15. EQUAÇÃO DA DILATAÇÃO VOLUMÉTRICA De forma similar aos casos anteriores, temos a proporcionalidade entre: • variação da dimensão; • dimensão inicial; • variação da temperatura. Adicionando-se um coeficiente que depende do material do qual o sólido é formado, garantimos a relação entre os termos da equação da dilatação volumétrica . Imagem:SEE-PE,redesenhado apartirdeimagemdeAutor Desconhecido.
  16. 16. Onde: • ΔV = Vf – V0 é a variação do volume; • V0 é o volume inicial; • ΔT = T – To é a variação da temperatura; • γ é o coeficiente de dilatação volumétrico; γ = β = 3α para uma mesma substância. Sua unidade também é o °C-1. ΔV= γ .V 0 . ΔT Assim, obtém-se:
  17. 17. 1º Exemplo • O comprimento de um fio de alumínio é de 40 m a 20 𝑜 𝐶. Sabendo-se que o fio é aquecido até 60 𝑜 𝐶 e que o coeficiente de dilatação linear do alumínio é de 24. 10−6 𝑜 𝐶−1 , determinar: a) A dilatação do fio; b) O comprimento final do fio.
  18. 18. • Uma placa retangular de alumínio tem 10 cm de largura e 40 cm de comprimento, à temperatura de 20 𝑜 𝐶. Essa placa é colocada num ambiente cuja temperatura é de 50 𝑜 𝐶. Sabendo-se que 𝛽 𝑎𝑙 = 46. 10−6 𝑜 𝐶−1 , calcular: a) A dilatação superficial da placa; b) A área da placa nesse ambiente. 2º Exemplo
  19. 19. • Um paralelepípedo a 100 𝐶 possui dimensões iguais a 10 cm x 20 cm x 30 cm, sendo constituído de um material cujo coeficiente de dilatação térmica linear é 8,0 . 10−6 𝑜 𝐶−1 . Determinar o acréscimo de volume quando sua temperatura aumenta para 1100 𝐶. 3º Exemplo

×