Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fibras relação estrutura - props - usos

14,512 views

Published on

Published in: Lifestyle, Technology
  • Login to see the comments

Fibras relação estrutura - props - usos

  1. 1. PROPRIEDADES MECÂNICAS PROPRIEDADE DO ARTIGO TÊXTIL PROPRIEDADE DAS FIBRAS RELACIONADAS Óticas - Lustro, superfície da fibra, perfil da seção transversal. Mecânicas - Módulo de elasticidade, tenacidade, alongamento etc. Conforto: - Propriedades fisiológicas do artigo; - Propriedades antiestáticas; - Isolação térmica; - Toque; - Lavabilidade; - Sujabilidade. - Absorção e difusão da umidade; - Resistência elétrica; - Capacidade calorífica, porosidade, condutividade térmica; - Estrutura têxtil, módulo fletor, rugosidade, módulo de elasticidade e finura; - Molhabilidade, absorção de umidade, temperatura de transição vítrea (à úmido); - Potencial zeta, absorção e dissolução da sujeira. Durabilidade: -Estabilidade Mecânica -Estabilidade Dimensional -Resistência à luz   - Tenacidade, alongamento, módulo e resistência à abrasão; - Ponto de fusão, transição vítrea, recuperação elástica e módulo de elasticidade; - Estrutura molecular e constituição química, composição, estabilização. Propriedades específicas: -Tingibilidade  -Antiflamabilidade  -Impermeabilidade à água - Temperatura vítrea e constituição química; - Constituição química, composição, mecanismo de combustão; - Absorção umidade, molhabilidade.
  2. 2. PROPRIEDADES DINAMOMÉTRICAS
  3. 3. INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AÇÃO
  4. 4. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA
  5. 5. PROPRIEDADES DINAMOMÉTRICAS FIBRA POLÍMERO TIPO TENAC (cN/tex) ALONGAMENTO À RUPTURA (%) MÓDULO (N/tex) Algodão Fibra desc. 25-50 6-15 3-6 Rayon Viscose Fibra desc. 16-30 10-30 2-3 Poliamida 6 Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 30-40 40-60 60-90 30-70 20-45 15-20 0,5-3 0,5-3 4-5 Poliamida 6.6 Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 35-40 40-60 60-90 30-60 20-40 15-20 0,5-3 0,5-3 4-5 Poliéster Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 30-55 40-60 60-95 25-50 20-30 8-20 2,5-4 2,5-4 7-15 Poliuretano Filam. tex. 5-12 400-700 0,005-0,01
  6. 6. INFLUÊNCIA DA UMIDADE     TENAC TENAC ALONG ALONG FIBRA/POLÍMERO TIPO 65% U.R. % Ú/S 65% U.R. % Ú/S Algodão Fibra desc. 25-50 110-110 6-15 100-110 Rayon Viscose Fibra desc. 16-30 40-70 10-30 100-130 Poliamida 6     Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 30-40 40-60 60-90 80-90 85-90 85-90 30-70 20-45 15-20 105-125 105-125 105-125 Poliamida 6.6 Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 35-40 40-60 60-90 80-90 85-90 85-90 30-60 20-40 15-20 105-125 105-125 105-125 Poliéster Fibra desc. Filam. tex. Filam. técn. 30-55 40-60 60-95 95-100 95-100 95-100 25-50 30-55 20-30 100-105 100-105 100-105 Poliuretano Filam. tex. 5-12 75-100 400-700 ~ 100
  7. 7. PROPRIEDADES MECÂNICAS
  8. 8. RECUPERAÇÃO ELÁSTICA Fibra Recuperação elástica (%) Carga em g/denier 0,5 1,0 2,0 3,0 4,0 Algodão Linho Rami Seda Lã 79 - - 100 92 60 78 76 96 63 41 71 58 66 - 34 66 48 46 - - 60 43 34 -
  9. 9. RECUPERAÇÃO ELÁSTICA
  10. 10. LIMITE DE ELASTICIDADE   FIBRA   LIMITE DE ELAST. (%) Rayon viscose < 1 Polinósica < 1 Diacetato de celulose < 2 Nylon 6 e 66 ~ 8 Poliéster ~ 1 Acrílicas (Dralon) ~ 1 Polipropilênica ~ 6 Poliuretânica (Lycra) ~ 40
  11. 11. ABSORÇÃO DE UMIDADE FIBRA ABS UMID(%) INTUMESCIMENTO EXTENSÃO (%) INTUMESC. SEÇÃO (%) APÓS CENTRIF. 5’ Algodão 7-11 ~ 0 20-25 40-50 Lã 15-17 1,2 25-26 40-45 Seda 9-11 - - 40-45 Rayon viscose 12-14 3-5 50-65 85-120 Acetato de cel. 6-7 - - 20-28 Poliamida 6 3,5-4,5 1,2 1,6-3,2 10-15 Poliamida 66 3,5-4,5 1,2 1,6-3,2 10-15 Poliéster 0,3-0,4 ~ 0 ~ 0 3-5 Acrílico 1,0-1,5 ~ 0 ~ 0 5-12 Polipropileno 0,0 ~ 0 ~ 0 0 Poliuretano 0,5-1,5 - - 7-11
  12. 12. SENSAÇÃO DE QUENTE E FRIO NO TOQUE
  13. 13. ABSORÇÃO DE UMIDADE – ISOLAÇÃO TÉRMICA
  14. 14. TRANSPORTE DE UMIDADE – ISOLAÇÃO TÉRMICA
  15. 15. DENSIDADE DAS FIBRAS FIBRA DENSIDADE (g/cm 3 ) TEOR CRISTALINO (%) Algodão 1,50-1,54 60 a 65 Lã 1,32 < 2 Seda 1,25 35 a 40 Raiom viscose 1,52 30 a 35 Acetato de celulose 1,29-1,33 25 a 30 Triacetato de celulose 1,32-1,33 25 a 30 Poliamida 6 1,14 35 a 40 Poliamida 66 1,14 50 a 60 Poliéster 1,36-1,41 45-55 Poliacrilonitrila 1,17-1,19 65-85 Polipropileno 0,90-0,92 60-70 Poliuretano 1,1-1,3 ~ 1
  16. 16. DENSIDADE – COMPARAÇÃO ENTRE PA(S)
  17. 17. PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DE UM ARTIGO TÊXTIL <ul><li>FIBRA </li></ul><ul><li>FIO 1. Fiado - Sistema fibra curta  20 a 44 mm </li></ul><ul><ul><ul><li>2. Fiado - Sistema fibra longa  90 a 150 mm </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>3. Fios de filamentos lisos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>4. Fios de filamentos texturados </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>5. Fios especiais </li></ul></ul></ul><ul><li>- Fios convencionais : - Fios não convencionais : </li></ul><ul><ul><ul><li>- Cardado - Parafil </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>- Penteado - Dref </li></ul></ul></ul><ul><li>- Open End - Jet Spinning </li></ul><ul><li>- Vortex Spinning </li></ul>
  18. 18. PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DE UM ARTIGO TÊXTIL <ul><li>Fios texturados : Falsa torção </li></ul><ul><li> Texturados a ar </li></ul><ul><li>Processos especiais </li></ul><ul><li>FIO FIADO FIO DE FILAMENTOS </li></ul><ul><ul><li>Comprimento da fibra Título do filamento </li></ul></ul><ul><ul><li>Finura da fibra Seção transversal </li></ul></ul><ul><ul><li>Seção transversal Título do fio </li></ul></ul><ul><ul><li>Título do fio Torção do fio </li></ul></ul><ul><ul><li>Torção do fio Encrespamento (Textura) </li></ul></ul><ul><ul><li>Estrutura do fio </li></ul></ul>
  19. 19. Tecidos Planos <ul><li>- Formação do tecido plano: </li></ul><ul><li>*Abertura da cala *Inserção da trama *Remate </li></ul>
  20. 20. Tecidos Planos <ul><li>- Tipos de teares e Sistema de inserção da Trama </li></ul>
  21. 21. Tecidos Planos <ul><li>- Padronagem ou ligamento. </li></ul>TELA ou TAFETÁ
  22. 22. Tecidos Planos <ul><li>- Padronagem ou ligamento. </li></ul>DERIVADA DE TELA PANAMÁ
  23. 23. Tecidos Planos <ul><li>- Padronagem ou ligamento. </li></ul>SARJA 2:1 ou GABARDINE
  24. 24. Tecidos Planos - Características <ul><li>- Características dos tecidos planos: </li></ul><ul><li>Ligamento </li></ul><ul><li>Densidade de fio/cm ou polegada </li></ul><ul><li>Gramatura:  do peso dos fios por unidade de área </li></ul>
  25. 25. Tecidos Planos   TECIDO   LIGAÇÃO TÍTULO (Ne c ) DENSIDADE (fios/cm) Urdume Trama Urdume Trama Cambraia Tela 44/2 42 42 44 34 35 33 33 Museline Tela 30 30 30 30 27 35 25 24 Panamá (Naté) 2 x 2 Derivado de tela 20 16/2 40/2 20 16/2 30/2 32 18 28 32 18 15   Gabardine Sarja 2 x 2   Sarja 3 x 1 30/2 40/2 36/2 30/2 40/2 24/2 35 47 49 22 20 22 Denim Sarja 3 x 1 10 16/2 16 20 24 21 16 17 Cetim Cetim de 5 20 40/2 14 20 41 50 24 35
  26. 26. PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DE UM ARTIGO TÊXTIL TECIDO PLANO <ul><li>Ligamentos : </li></ul><ul><li>Tela </li></ul><ul><li>Sarja </li></ul><ul><li>Cetim </li></ul><ul><li>Densidade de fios : fio/cm ou polegada </li></ul>
  27. 27. DIFERENÇAS DE COMPORTAMENTO ENTRE FIOS <ul><li>FIADOS E FIOS DE FILAMENTOS LISOS </li></ul><ul><li>A tenacidade menor do fio fiado em comparação a dos fios de filamentos lisos. (Pontos cisalhamento) </li></ul><ul><li>O alongamento à ruptura menor (Pontos de cisalhamento) </li></ul><ul><li>Módulo de elasticidade menor (maior espaço para rotação molecular, devido a menor estiragem. </li></ul><ul><li>DIFERENÇAS ENTRE FIO TEXTURADO E FIO LISO </li></ul><ul><li>Menor tenacidade no fio texturado. </li></ul><ul><li>Menor alongamento à ruptura*, cisalhamento. </li></ul><ul><li>Menor módulo </li></ul>
  28. 28. COMPORTAMENTO DOS TECIDOS PLANOS <ul><li>Ligamento: </li></ul><ul><li>Tela - resistente + módulo de elasticidade - alongamento </li></ul><ul><li>Sarja </li></ul><ul><li>Cetim + resistente - módulo de elasticidade + alongamento </li></ul><ul><li>Densidade de fios: </li></ul><ul><li>- Resistência </li></ul><ul><li>- Alongamento </li></ul><ul><li>- Módulo </li></ul>
  29. 29. PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DE UM ARTIGO TÊXTIL TELA SARJA 2:1 SARJA 3:1 CETIM DE 5 NATÉ 2X2
  30. 30. CARACTERÍSTICAS DOS LIGAMENTOS DOS TECIDOS PLANOS TECIDO DENSIDADE (Fios/Polegada) CONTRAÇÃO (%) RESISTÊNCIA (g) x 10 3 ALONGAMENTO À RUPTURA (%)   T U T U T U T U Tela 42 60 23,8 3,7 75,63 212,47 25,3 3,33 Naté 2 x 2 42 60 22,5 4,4 90,80 217,01 24,33 6,33 Sarja2 x 1 42 60 21,0 4,2 89,89 245,16 24,33 7,20 Sarja3 x 1 42 58 23,2 3,5 127,12 230,63 27,66 5,00
  31. 31. PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DE UM ARTIGO TÊXTIL MALHA <ul><li>Ligamentos : </li></ul><ul><li>Malha </li></ul><ul><li>Fang </li></ul><ul><li>Agulha não trabalho </li></ul><ul><li>Densidade de fios : fio/cm ou polegada </li></ul>
  32. 32. Tecidos de Malha – Malha de trama Meia Malha ou Jérsei <ul><li>- Características: </li></ul><ul><li>Alongamento </li></ul><ul><li>Elasticidade </li></ul><ul><li>Flexibilidade </li></ul><ul><li>Porosidade </li></ul>
  33. 33. Tecidos de Malha – Tipos Tipos fundamentais de formação de malhas
  34. 34. Tecidos de Malha – Laçada Formação da malha
  35. 35. Tecidos de Malha – Malha Dupla - Rib
  36. 36. Tecidos de Malha – Malha de trama <ul><li>- Características das Malhas: </li></ul><ul><li>Ligamento </li></ul><ul><li>Carreiras ou Cursos/cm ou polegada </li></ul><ul><li>Colunas/cm ou polegada </li></ul><ul><li>Gramatura:  do peso dos fios por unidade de área </li></ul>
  37. 37. Tecidos de Malha – Malha de trama TIPO DE MALHA GRAMATURA (g/m 2 ) meia malha tinta lisa ou listrada 140 a 160 meia malha canelada 200 a 220 meia malha fina 130 a 140 meia malha de raiom 180 a 240 meia malha cotton/lycra 240 a 270 moletom 220 a 240 moletom flanelado 250 a 270 piquê 200 a 220 punho 190 a 200 punho 220 a 240 punho com lycra 300 a 330 malha plush 260 a 280 malha Helanca (PA) 140 a 180
  38. 38. Tecidos de Malha – Malha de Urdume Característica principal: Indesmalhabilidade
  39. 39. Tecidos de Malha – Malha de Urdume
  40. 40. Tecidos de Malha – Malha de Urdume
  41. 41. Tecidos de Malha – Malha de Urdume <ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Ligamento </li></ul><ul><li>Carreiras </li></ul><ul><li>Colunas </li></ul><ul><li>Gramatura </li></ul>
  42. 42. INFLUÊNCIA DO ACABAMENTO (AMACIAMENTO)  Resistência (tenacidade) pelo  Atrito entre fios e  corte entre fios    Alongamento pelo mesmo motivo    Módulo pela maior facilidade de escorregamento entre fios    Recuperação elástica pelo mesmo motivo que reduz o módulo.
  43. 43. PROPRIEDADES LATERAIS DA S FIBRAS CARACTERÍSTICA PROPRIEDADE APLICAÇÃO Módulo fletor Toque/Caimento Flexibilidade Resiliência Manutenção Resistência à flexão Aplic. Técnica Torcionabilidade Módulo torçor Fiação/retorção/ Texturização Atrito (Fricção) Pilling Vestuário Resistência Aplic Técnica
  44. 44. MÓDULO FLETOR DAS FIBRAS Influência da seção transversal Rigidez relativa: 1 Redonda 1,2 a 1,5 Trilobal 0,52 a 0,54 Osso de cachorro
  45. 45. MÓDULO FLETOR DAS FIBRAS INFLUÊNCIA DA UMID. E TEMP. NO MÓDULO FLETOR PA a 30% de umidade do ar: 5,5 kN/mm² PA a 85% de umidade do ar: 1,5 kN/mm² PES a 40ºC de temperatura: 13,0 kN/mm² PES a 80ºC de temperatura:10,3 kN/mm² INFLUÊNCIA DA FIBRA (RIGIDEZ MOLECULAR) CV 10,0 PES 7,7 PP 5,2 PA 2,5
  46. 46. MÓDULO FLETOR NOS ARTIGOS <ul><li>FIOS FIADOS E DE FILAMENTOS </li></ul><ul><li> Título   Módulo fletor </li></ul><ul><li> Torção   bloqueio da fibra   Módulo fletor </li></ul><ul><li>FIOS DE FILAMENTOS TEXTURADOS </li></ul><ul><li>Encrespamento + Atrito entre filam.  Módulo fletor </li></ul><ul><li>TECIDOS </li></ul><ul><li>Tela Sarjas Cetins - ligamentos  Módulo fletor </li></ul><ul><li>+ Densidade + Massa e Atrito (fios)  Módulo fletor </li></ul><ul><li>AMACIAMENTO </li></ul><ul><li>Efeito lubrificante  Módulo fletor </li></ul>
  47. 47. TOQUE <ul><li>FIBRA: Estrutura, aditivos [pigmentos], outros </li></ul><ul><li>FIO: Torção </li></ul><ul><li>TECIDO: Ligamento (Tela, sarjas, cetins) </li></ul><ul><li>AMACIANTE: Lubrificante </li></ul>Parâmetro Toque 1 o )  Flexão ( + facilidade) melhor 2 o )  Compressão ( + maciez) melhor 3 o )  Flexão no plano melhor 4 o )  Elasticidade melhor 5 o )  Coef de atrito ( - áspero) melhor
  48. 48. CAIMENTO <ul><li>REFERÊNCIA: Pendência vertical </li></ul><ul><li>GENERICAMENTE: Mobilidade da estrutura do artigo </li></ul><ul><ul><li>Fibra: Fina, seção redonda etc </li></ul></ul><ul><ul><li>Fio: Baixa torção, baixo título </li></ul></ul><ul><ul><li>Tecido: Ligamento, densidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Amaciamento: Lubrificação entre fios </li></ul></ul>
  49. 49. RESILIÊNCIA CASO DO PES (b) CASO DO CO (c) CASO DAS PA(s)
  50. 50. RESILIÊNCIA <ul><li>FIOS: - Título </li></ul><ul><li> - Torção </li></ul><ul><li> - Título das fibras e filamentos </li></ul><ul><li> - Seção das fibras e filamentos </li></ul><ul><li> - Textura dos filamentos texturados </li></ul><ul><li>TECIDOS: - Ligamento </li></ul><ul><li> - Densidade </li></ul><ul><li>AMACIAMENTO: - Lubrificação </li></ul>
  51. 51. RESISTÊNCIA AO NÓ E AO LAÇO FIBRA / POLÍMERO TENAC. a 21ºC, 65% UR (cN/tex) TENAC. LAÇO (%) TENACIDADE NÓ (%) Algodão 25-50 65-75 60-100 Lã 10-20 75-85 80-85 Seda 25-50 60-80 80-85 Rayon Viscose 16-30 25-65 25-60 Poliamida 6 40-60 70-95 80-90 Poliamida 6.6 40-60 70-95 80-90 Poliéster 40-60 75-85 70-80
  52. 52. RESISTÊNCIA AO RASGAMENTO <ul><li>CONCEITO: </li></ul><ul><li>Corte </li></ul><ul><li>Mobilidade </li></ul><ul><li>Tenacidade </li></ul>
  53. 53. ESGARÇAMENTO DOS TECIDOS PLANOS CONCEITO: Mobilidade dos fios
  54. 54. RESISTÊNCIA AOS ESFORÇOS CÍCLICOS CASO DAS CORREIAS: Fibra: Rigidez molecular, Orientação molecular Fibra: Finura, Seção transversal Fio: Título, torção Outros: Adesão borracha – fio de reforço
  55. 55. TORCIONABILIDADE E RIGIDEZ A TORÇÃO Referência Synthesefasern (Bèla Von Falkai) - 1981 FIBRA / POLÍMERO TIPO MÓDULO TORÇOR (N/tex) Algodão Fibra descontínua 1,6 Lã Fibra descontínua 0,8 - 1,0 Seda Filam. têxtil 1,5 - 2,3 Rayon Viscose Fibra descontínua 0,5 - 1,0 Acetato de cel. Filamento têxtil 0,6 - 0,8 Triacetato de cel. Filamento têxtil 0,6 – 0,8 Poliamida 6 Filamento têxtil Filamento técnico 0,3 0,7 Poliamida 6.6 Filamento têxtil Filamento técnico 0,45 - Poliéster Filamento têxtil Filamento técnico 0,65 1,1 Polipropileno Filamento técnico - Poliacrilonitrila Fibra descontínua 1,5 - 1,7 Poliuretano Filamento têxtil. 0,004
  56. 56. EFEITO DA TORÇÃO SOBRE A TENACIDADE
  57. 57. EFEITO DA TORÇÃO SOBRE O ALONGAMENTO À RUTURA 1 – Poliamida 2 – Poliéster 3 – Algodão 4 – Raiom 5 – Acetato 6 – Acrílico 7 - Lã
  58. 58. RESISTÊNCIA À ABRASÃO - Testes 1) Teste fio contra fio (Dupont).   2) Teste fio contra fio (Abrasão, flexão, torção) - Fios contínuos multifilamentos (Abrasímetro de Walker)   3) Teste de abrasão e flexão de Stoll para fios multifilamentos contínuos.   4) Idem ao 3 para tecidos úmidos. FIBRA RESISTÊNCIA À ABRASÃO MÉTODO DE TESTE 1 2 3 4 - Poliamida 100 100 100 100 - Poliéster 42 33 62 62 - Acrílica (osso de cachorro) 3 2,6 9,7 13 - Raiom viscose 1,6 3,2 18 3,7
  59. 59. RESISTÊNCIA À ABRASÃO - PILLING FORMAÇÃO DO PILLING – FIOS FIADOS <ul><li>FIBRA: </li></ul><ul><li> Resistência à abrasão da fibra   Veloc de formação de pilling </li></ul><ul><li>Título da fibra   Veloc de formação de pilling </li></ul><ul><li> Comprimento da fibra   Pilling (Menor número de pontas soltas) . </li></ul><ul><li>Seção da fibra em Osso de cachorro e trilobal menor que redonda </li></ul><ul><li>Aditivos (TiO 2 ) e pigmentos podem aumentar a aderência e  Pilling </li></ul>
  60. 60. RESISTÊNCIA AO ATRITO E PILLING <ul><li>FIOS FIADOS: </li></ul><ul><li> Título   Resistência (maior quantidade de massa a ser corroída). </li></ul><ul><li>Título   Pontas soltas no fio   Pilling (+ enroscos; + rupturas). </li></ul><ul><li>Torção   Mobilidade das fibras   Resistência à abrasão. </li></ul><ul><li>Torção   Pilling (há menor número de pontas soltas) . </li></ul><ul><li>TECIDOS PLANOS: </li></ul><ul><li>Ligamento Mobilidade Resistência à abrasão </li></ul><ul><li>Tela - - </li></ul><ul><li>Sarjas + + </li></ul><ul><li>Cetins ++ ++ </li></ul><ul><li>OBS . Pilling praticamente não é influenciado pelo ligamento </li></ul>
  61. 61. - PILLING – EFEITO DO FIO TEXTURADO <ul><li>Fios de filamentos lisos não forma pilling. </li></ul><ul><li>Fios texturados pela forma helicoidal e a maneira como ocorrem os atritos com pressão e movimentos multidirecionais, formam PILLING. </li></ul>
  62. 62. TEMPERATURA DE TRANSIÇÃO VÍTREA (Tg) CONCEITO: passagem de um estado de restrição de mobilidade molecular para outro de liberdade molecular nas Regiões amorfas. Tg do PET = ~80ºC Tg da PA 66 = 120 a 130ºC a zero % de umidade 20 a 30ºC a 85% de umidade Tg da PA 6 = 85ºC a zero % de umidade 0ºC a 85% de umidade do ar
  63. 63. PONTO DE FUSÃO FIBRAS TEMPERATURA DE FUSÃO ( o C) FIBRAS TEMPERATURA DE FUSÃO ( o C) Algodão 400 Poliamida 66 255 – 260 Lã 170 – 180 Poliamida 11 175 – 180 Seda 170 – 180 Poliéster 250 – 260 Rayon Viscose 175 – 190 Poliacrilonitrila 300 – 320 Acetato de celulose 240 – 270 Poliuretano 230 – 290 Triacetato de celulose 300 – 340 Polipropileno 170 – 180 Poliamida 6 215 – 220 Polietileno (HD) 124 – 138
  64. 64. PROPRIEDADES QUÍMICAS Grupos sensíveis quimicamente FIBRAS CONTENDO O GRUPO CO, CL, CC PA(s) PET, PBT PUE CV, CMD WO, S PTT, PLA CLY, CA, CT PUE PP, PE e PAN não possuem estes grupos
  65. 65. HIDROLISE ÁCIDA ÁCIDO  H+ - ÁCIDO <ul><li>CELULOSES </li></ul><ul><li>POLIAMIDAS </li></ul>
  66. 66. HIDROLISE ÁCIDA <ul><li>POLIURETANO - ELASTANO </li></ul>
  67. 67. HIDROLISE ALCALINA <ul><li>POLIURETANO - ELASTANO </li></ul><ul><li>POLIÉSTER </li></ul>
  68. 68. HIDROLISE ALCALINA
  69. 69. Processos oxidativos
  70. 70. Processos oxidativos
  71. 71. FOTODEGRADAÇÃO DAS FIBRAS TIPO DE ONDA COMPRIMENTO DE ONDA (λ) NÍVEIS DE EXCITAÇÃO Raios-X 10 -2 – 10 -2 Å Elétrons das camadas K e L U.V. distante 10 – 200 nm Elétrons das camadas intermediárias U.V. próximo 200 – 400 nm Elétrons de valência Visível 400 – 750 nm Elétrons de valência I.V. próximo e médio 0,75 – 50 Vibrações moleculares I.V. distante 50 – 1000 Rotações moleculares e vibrações fracas Microondas 0,1 – 100 cm Rotações moleculares
  72. 72. FOTODEGRADAÇÃO DAS FIBRAS
  73. 73. FOTODEGRADAÇÃO DAS FIBRAS   Tipo de ligação química Energia de ligação (Kcal/mol) Comprimento de onda (nm) correspondente á energia de ligação O – H 110,6 259 C – F 105,4 272 C – H 98,8 290 N – H 93,4 306 C – O 84,0 340 C – C 83,1 342 C – Cl 78,5 364 C – N 69,5 410
  74. 74. FOTODEGRADAÇÃO DAS FIBRAS ORTO HIDRO BENZOFENONA
  75. 75. AS MICROFIBRAS
  76. 76. AS MICROFIBRAS
  77. 77. AS MICROFIBRAS
  78. 78. AS MICROFIBRAS   C 1 = %corante sobre PES microfibra C 2 = %corante sobre PES normal t 1 = título do PES microfibra t 2 = título do PES normal
  79. 79. AS MICROFIBRAS   PROPRIEDADE Fios standard Fios de microfilamentos 167/30 76/34 76/72 76/144 Título dos filamentos (dtex) 5.6 2.2 1.05 0.5 Diâmetro do filamento (  m) 23.0 14.6 10.0 7.1 Tenacidade do fio (cN/dtex) 4.2 4.1 3.8 3.8 Tenacidade dos filamentos (cN/dtex) 4.2 4.2 3.8 4.0 Elasticidade (%) 48 45 30 16 Rigidez relativa à flexão: (Fios) (Filamentos) 100 36.3 17.3 0.9 100 16 3.6 8.6
  80. 80. AS MICROFIBRAS

×