Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pneumonia Pediatria

10,724 views

Published on

Caso clínico - Pneumonia

Published in: Health & Medicine
  • Login to see the comments

Pneumonia Pediatria

  1. 1. Preceptora: Dra. Renata Lemos Internas: Enny Luana C. De Vasconcelos Giovanna Lamarão Lima Helen Suzany P. Magalhães MANAUS - 2014
  2. 2.  IAM, sexo feminino  2 anos e 7 meses  Natural de Santa Maria-DF  P= 15kg  Informante: avó materna
  3. 3. ‘’ Febre e tosse”
  4. 4.  Relata que há 15 dias iniciou quadro de tosse seca, que piorava à noite, sem guincho ou cianose associada à febre há 9 dias aferida até 38,5°C que cedia com uso de 15-20 gotas de paracetamol. Relata que nesse período sintomas tornaram-se mais frequentes e, há 1 dia associou-se ao quadro esforço respiratório. Nega queixa álgica, chiado no peito, náusea, vômitos, coriza ou obstrução nasal.
  5. 5.  PATOLÓGICOS  Nega internações prévias, antecedente de broncoespasmo, alergia a medicamentos.  FISIOLÓGICOS  Mãe G2C2P0A0, relata gestação sem intercorrências, realizadas 8 consultas de pré-natal, iniciado no 1º trimestre, não sabe relatar sobre uso de medicamentos.  Nasceu a termo, de parto cesáreo por DCP, P=3932g, PC=34cm, comprimento =50cm  Cartão vacinal atualizado (SIC)
  6. 6.  FAMILIARES  Mãe, 20 anos, do lar, aparentemente sadia  Pai 23 anos, autônomo, aparentemente sadio  Irmã , 7 meses, sadia  CONDIÇÕES DE MORADIA  Reside com pais, em moradia de alvenaria, com fossa e eletricidade.  Lar pouco ventilado, com mofo.
  7. 7.  Paciente em BEG, ativo e reativo, corado, anictérico, acianótico, taquipneico, afebril  SINAIS VITAIS:  FC: 135bpm FR: 59bpm SATO2 com 2l/min O2 95%  AR: MVF+ com redução em base direita, sem RA. ausência de esforço respiratório.  ACV: RCR 2T BNF, sem sopros  ABD: globoso, RHA+, flácido, normotimpânico, indolor à palpação.  Extremidades: sem edema, TEC<2s.
  8. 8.  Tuberculose  Asma  IVAS  Displasia broncopulmonar  Corpo estranho  Pneumonia
  9. 9.  Pneumonia
  10. 10.  Hemograma  RX de tórax  PCR
  11. 11.  Hb - 12  Hmt - 34,1  Leucócitos - 8200  81% neutrófilos  29%bastonetes  Plaquetas - 315000
  12. 12.  Penicilina Cristalina- 500 000 UI de 4/4h (200.000 UI/Kg/dia)  Hidratação venosa  Dipirona  O2 sob cateter nasal- 1L/min
  13. 13. EVOLUÇÃO Paciente evoluiu com febre até o quarto dia de internação, persistência de hiporexia, dependente de O2 até sexto dia, apresentou sibilos a ausculta sendo utilizado salbutamol spray 5 jatos de 6/6h, progrediu com melhora do desconforto respiratório e dispnéia. Alta hospitalar no oitavo dia, após 7 dias de Penicilina Cristalina EV, com 8 dias de amoxicilina domiciliar.
  14. 14. Inflamação do parênquima pulmonar por agentes infecciosos que estimulam resposta inflamatória promovendo lesão tissular.
  15. 15.  Principal causa de morbidade e mortalidade infantil, especialmente em países em desenvolvimento;  No Brasil, as IRA constituem a 2ª causa de óbito em crianças <5 anos em grande parte dos estados;  Mais de 2 milhões de crianças morrem de pneumonia por ano no mundo;  Crianças têm de 4 a 6 infecções respiratórias agudas (IRA) por ano, sendo que 2-3% evoluem para pneumonia  80% das mortes por IRA é devido à pneumonia;  Maior vulnerabilidade: menores de 5 anos
  16. 16. Desnutrição Baixa Idade Comorbidades Baixa imunidade Ausência de Aleitamento Materno Baixo Peso ao Nascer Baixo Nível Socio- Econômico Permanência em creches Ambiente
  17. 17. O patógeno não é identificado em até 60% dos casos de pneumonia, mas o conhecimento do perfil etiológico das pneumonias é indispensável para orientar a terapêutica.
  18. 18. Idade Patógeno (ordem de freqüência) RN < 3 dias Streptococcus grupo B, Gram negativo (E. Coli), Listeria sp. (pouco comum) RN > 3 dias Staphylococcus aureus, Staphilococcus epidermidis e Gram negativos. 1 a 3 meses Virus sincicial respiratório, Chlamydia trachomatis, Ureaplasma urealyticum
  19. 19. Idade Patógeno 1 mês a 2 anos Vírus, Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenza tipo b, H. influenza não tipável, S. aureus. 2 a 5 anos Virus, Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenza tipo b, H. influenza não tipável, Mycoplasma pneumoniae, Chlamydia pneumoniae, S. aureus. 6 a 18 anos Vírus, S. pneumoniae, M. pneumoniae, C. pneumoniae, H. influenzae não tipável.
  20. 20.  Precedida por um quadro de infecção viral alta  Taquipnéia fora do período febril  < 2 meses: FR>60 irpm  2 a 12 meses: FR> 50 irpm  1 a 5 anos: FR > 40 irpm  Desconforto respiratório  Tiragens  Batimento de asa de nariz  Retração de fúrcula  Uso de musculatura acessória
  21. 21.  Bacteriana: tosse produtiva, febre alta, dor abdominal ou torácica, prostração, hiporexia.  Viral: início mais gradativo com cefaléia, mal estar, tosse não produtiva e febre.  Atenção! Pneumonia afebril do lactente: instalação insidiosa, iniciando com coriza ou obstrução nasal, seguido por tosse, às vezes com paroxismos de aspecto coqueluchóide, taquipnéia leve ou moderada e preservação do estado geral (< 3 meses).
  22. 22.  < 2 meses: internar sempre!  Sat O2 < 92%, cianose  Falha da terapêutica ambulatorial  Dificuldade respiratória  Apnéia intermitente  Impossibilidade de se alimentar  Doença grave concomitante  Incapacidade da família em tratar o paciente em domicílio  Sinal radiológico de gravidade
  23. 23.  Quadro Clínico e exame físico  RX de tórax: Avaliar extensão do acometimento  Hemograma: pouco valor, leucocitose com neutrofilia e desvio à esquerda, anemia e plaquetopenia  Teste sorológico: Mycoplasma  Biópsia pulmonar  TC de tórax  USG  Lavado broncoalveolar
  24. 24. RADIOLOGIA  Confirma o diagnóstico, avalia extensão e identifica complicações. NÃO deve ser usada para controle de cura.  Nas pneumonias exclusivamente virais, predominam espessamentos brônquicos e peribrônquicos, infiltrados intersticiais, adenopatia hilar e parahilar, hiperinsuflação e atelectasia.  As pneumonias bacterianas apresentam-se com padrão alveolar segmentar ou lobar, broncograma aéreo, abscessos, pneumatoceles, espessamento ou derrame pleurais.
  25. 25. LEUCOGRAMA  Tem pouco valor na distinção de processos virais x bacterianos. PCR  Não é recomendada a utilização rotineira. HEMOCULTURA  Deve ser feita em todos os pacientes hospitalizados;  Fornece informações importantes pela identificação bacteriana e perfis de sensibilidade aos antimicrobianos.
  26. 26.  Nutrição  Hidratação  Fisioterapia  Oxigenoterapia  Avaliação Clínica
  27. 27. Em pacientes menores de 5 anos, com rápida evolução ou pneumonia extensa, é importante entrar com oxacilina, associada a cefalosporina de 3 geração ou cloranfenicol, pelo aumento da prevalência de St. aureus ou H. influenzae
  28. 28.  Derrame pleural (mais frequente)  Deve ser investigado quando há falha terapêutica após 48- 72h de tratamento adequado.  Toracocentese indicada quando coleção > 10mm no Rx de tórax em Laurell e enviar material para estudo.  Drenagem se empiema ou derrame pleural complicado.  Pneumatocele  Abscesso Pulmonar  Empiema  Atelectasia  Disseminação hematogênica
  29. 29.  Derrame pleural (mais frequente)
  30. 30.  Pneumatocele
  31. 31.  Abscesso Pulmonar
  32. 32.  Quando não há resposta clínica após 48-72h da antibioticoterapia, é importante a averiguação das complicações  A presença de gravidade na internação é variável isolada associada a óbito.
  33. 33.  Eupnéico  Condições socioeconômicas adequadas  Aceitando medicação oral  Afebril há 48h  SatO2 >92%
  34. 34.  Ancona L, et.al. Tratado de pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria . Barueri, SP: Manole, 2010.  Diretrizes brasileiras em pneumonia adquirida na comunidade em pediatria. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 1):S 31-S 50.  Tratado de Pediatria Nelson – 18ª Edição  Doenças respiratórias - USP

×