Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Formação com Catequistas

Subsídios de Trabalho e Formação com Catequistas: Vocação, Missão, História da Catequese, Qualidades e Características, Encontro de Catequese, Ministério da Coordenação. Bom Trabalho. Opine sobre o material.
José Vieira dos Santos - Dourados MS

  • Login to see the comments

Formação com Catequistas

  1. 1. ENCONTROENCONTRO COMCOM CATEQUISTASCATEQUISTAS
  2. 2. CATEQUISTA,CATEQUISTA, QUE BOM QUE VOCÊ VEIO, SUA PRESENÇA NOS ENCHE DE ALEGRIA! QUEM VIER, DE ONDE VIERQUEM VIER, DE ONDE VIER …… QUEQUE VENHA EM PAZ.VENHA EM PAZ. SEJAMSEJAM BEMBEM--VINDOS!VINDOS! CATEQUISTA,CATEQUISTA, QUE BOM QUE VOCÊ VOLTOU, SUA COMPANHIA NOS FORTALECE AINDA MAIS!
  3. 3. ““Amados, amemosAmados, amemos--nosnos uns aos outros, pois ouns aos outros, pois o amor vem de Deus. Eamor vem de Deus. E todo aquele que ama,todo aquele que ama, nasceu de Deus enasceu de Deus e conhece a Deus. Quemconhece a Deus. Quem não ama não conhece anão ama não conhece a Deus, porque DeusDeus, porque Deus éé amor. [...] Não fomosamor. [...] Não fomos nnóós que amamos as que amamos a Deus, mas foi ele queDeus, mas foi ele que nos amou, e nosnos amou, e nos enviou o seu Filho...enviou o seu Filho...”” (1João 4,7(1João 4,7--8.10)8.10)
  4. 4. Primeiro ele chamaPrimeiro ele chama àà vida; em seguida,vida; em seguida, atravatravéés do batismo,s do batismo, nos chama anos chama a serser cristãos, seuscristãos, seus seguidores;seguidores; finalmente ele chamafinalmente ele chama para uma vocapara uma vocaççãoão especespecíífica na Igreja.fica na Igreja. Catequista, vocêCatequista, você éé chamado porquechamado porque Deus te ama.Deus te ama.
  5. 5. PELO BATISMO,PELO BATISMO, TODO CRISTÃOTODO CRISTÃO ÉÉ MERGULHADO EMMERGULHADO EM JESUS CRISTO,JESUS CRISTO, PARTICIPANTEPARTICIPANTE DE SUA MISSÃODE SUA MISSÃO PRPRÓÓFFÉÉTICA:TICA: PROCLAMAR OPROCLAMAR O REINO DE DEUS.REINO DE DEUS.
  6. 6. A partir do momento de nossoA partir do momento de nosso batismo somos, por natureza,batismo somos, por natureza, ““discdiscíípulospulos””, isto, isto éé, convocados, convocados para seguir Jesus, comopara seguir Jesus, como integrantes de sua comunidade eintegrantes de sua comunidade e com a forcom a forçça da consagraa da consagraççãoão divina, iniciativa da Santdivina, iniciativa da Santííssimassima Trindade. Mas ao mesmo tempo,Trindade. Mas ao mesmo tempo, naquele instante, somosnaquele instante, somos ““enviadosenviados”” pela Trindadepela Trindade SantSantííssima para realizar nossima para realizar no mundo a mesma missão demundo a mesma missão de Jesus, o Filho de Deus, por meioJesus, o Filho de Deus, por meio do estilo de vida que assumimos,do estilo de vida que assumimos, de nosso comportamento, dede nosso comportamento, de nossa fala e de nossa anossa fala e de nossa açção.ão.
  7. 7. PELA CRISMA,PELA CRISMA, ÉÉ ENVIADO PARAENVIADO PARA ASSUMIR SUAASSUMIR SUA MISSÃO DE DARMISSÃO DE DAR TESTEMUNHO DATESTEMUNHO DA PALAVRA DE DEUSPALAVRA DE DEUS COM FORCOM FORÇÇA EA E CORAGEMCORAGEM TODO CRISTÃOTODO CRISTÃO
  8. 8. A IGREJAA IGREJA ÉÉ MISSIONMISSIONÁÁRIA.RIA. E TODOS OS BATIZADOSE TODOS OS BATIZADOS E BATIZADAS SÃOE BATIZADAS SÃO SUJEITOS DA MISSÃO.SUJEITOS DA MISSÃO. DEVEM ANUNCIAR ADEVEM ANUNCIAR A SALVASALVAÇÇÃO, A BOA NOVAÃO, A BOA NOVA DA LIBERTADA LIBERTAÇÇÃOÃO TRAZIDA POR CRISTO.TRAZIDA POR CRISTO. ANUNCIAR OANUNCIAR O EVANGELHOEVANGELHO PRINCIPALMENTE COM APRINCIPALMENTE COM A VIDA. O CRISTÃOVIDA. O CRISTÃO ÉÉ UMAUMA PESSOA IGUAL ASPESSOA IGUAL AS DEMAIS, MAS O SEUDEMAIS, MAS O SEU MODO DE VIVER, SEUMODO DE VIVER, SEU COMPORTAMENTO DEVECOMPORTAMENTO DEVE SER DIFERENTE.SER DIFERENTE.
  9. 9. DA 549.DA 549. PARA NOS CONVERTER EM UMA IGREJA CHEIA DE ÍMPETO E AUDÁCIA EVANGELIZADORA, TEMOS QUE SER DE NOVOTEMOS QUE SER DE NOVO EVANGELIZADOSEVANGELIZADOS E FIÉIS DISCÍPULOS.... TODOS OS BATIZADOS SÃO CHAMADOS A “RECOMERECOMEÇÇAR A APARTIRAR A APARTIR DE CRISTO...DE CRISTO...”
  10. 10. TODOS OSTODOS OS VERDADEIROSVERDADEIROS DISCDISCÍÍPULOSPULOS TERMINAM PORTERMINAM POR SE TORNARSE TORNAR MISSIONMISSIONÁÁRIOS.RIOS.
  11. 11. ““IDE E FAZEI QUEIDE E FAZEI QUE TODAS AS NATODAS AS NAÇÇÕESÕES SE TORNEM MEUSSE TORNEM MEUS DISCDISCÍÍPULOS,PULOS, BATIZANDOBATIZANDO--AS EMAS EM NOME DO PAI, DONOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPFILHO E DO ESPÍÍRITORITO SANTO, ESANTO, E ENSINANDOENSINANDO--AS AAS A OBSERVAR TUDOOBSERVAR TUDO QUANTO VOSQUANTO VOS ORDENEIORDENEI””.. (Mt 28,19)(Mt 28,19)
  12. 12. Ser missionário faz parte do nosso ser cristão, pois a Igreja na sua essência é missionária
  13. 13. DESTINATDESTINATÁÁRIOS DA MISSÃORIOS DA MISSÃO JUNTOS AOSJUNTOS AOS CRISTÃOS QUE VEMCRISTÃOS QUE VEM NA IGREJANA IGREJA IMAGEM DO BOM PASTOR CUIDA DAS OVELHA DO SEU REDIU A PASTORAL AQUELES/AS QUE JÁ PARTICIPAM DA VIDA COMUNITÁRIA OU QUE VEM ÀS MISSAS
  14. 14. DESTINATDESTINATÁÁRIOS DA MISSÃORIOS DA MISSÃO JUNTOS AOSJUNTOS AOS CRISTÃOS QUECRISTÃOS QUE ESTÃO LONGE DAESTÃO LONGE DA IGREJAIGREJA IMAGEM DO SEMEADOR LANÇA A SEMENTE E CUIDA DO CAMPO - NOVA EVANGELIZAÇÃO QUANTAS CRIANQUANTAS CRIANÇÇAS, ADOLESCENTES, JOVENSAS, ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS QUE SÃO CATE ADULTOS QUE SÃO CATÓÓLICOS E ESTÃO FORALICOS E ESTÃO FORA DA CATEQUESE NA PARDA CATEQUESE NA PARÓÓQUIA E NA CIDADE?QUIA E NA CIDADE?
  15. 15. DESTINATDESTINATÁÁRIOS DA MISSÃORIOS DA MISSÃO JUNTOS AOS POVOSJUNTOS AOS POVOS NÃO CRISTÃOSNÃO CRISTÃOS IMAGEM DO PESCADOR LANÇA AS REDES NO MEIO DO MAR - PEIXES MISSÃO AOS POVOS “AD GENTES” SÃO OS NÃO CATÓLICOS E ATEUS (JÁ SÃO MUITOS)
  16. 16. JESUS NÃO CONVIDOU PASTORES PARA A MISSÃO, MAS SIM PESCADORES
  17. 17. Nenhuma comunidadeNenhuma comunidade deve isentardeve isentar--se dese de entrar decididamente,entrar decididamente, com todas as forcom todas as forçças,as, nos processosnos processos constantes deconstantes de renovarenovaçção missionão missionáária eria e de abandonar asde abandonar as ultrapassadasultrapassadas estruturas que nãoestruturas que não favorefavoreççam aam a transmissão da ftransmissão da féé..”” (DAp 291, 365).
  18. 18. DA 180:DA 180: Todas asTodas as comunidades ecomunidades e grupos eclesiaisgrupos eclesiais darão fruto nadarão fruto na medida em que amedida em que a EucaristiaEucaristia for ofor o centro de sua vida ecentro de sua vida e aa Palavra de DeusPalavra de Deus for o farol de seufor o farol de seu caminho e de suacaminho e de sua atuaatuaçção naão na úúnicanica Igreja de Cristo.Igreja de Cristo.
  19. 19. A EUCARISTIA É O LUGAR PRIVILEGIADO DO ENCONTRO DO DISCÍPULO COM JESUS CRISTO
  20. 20. UMA CATEQUESE MISSIONÁRIA SERÁ FRUTO DE CATEQUISTAS MISSIONÁRI@S!
  21. 21. NÃO É POSSÍVEL EVANGELIZAR COM PROFUNDIDADE PESSOAS QUE A GENTE NÃO SE INTERESSA EM CONHECER.
  22. 22. HH II SS TT ÓÓ RR II AA D AD A CC AA TT EE QQ UU EE SS EE
  23. 23. NO NOVO TESTAMENTO,NO NOVO TESTAMENTO, O TERMOO TERMO ““CATEQUESECATEQUESE”” SIGNIFICA DAR UMASIGNIFICA DAR UMA INSTRUINSTRUÇÇÃO A RESPEITOÃO A RESPEITO DA FDA FÉÉ. EM SUA ORIGEM O. EM SUA ORIGEM O TERMO SE LIGA A UMTERMO SE LIGA A UM VERBO QUE SIGNIFICAVERBO QUE SIGNIFICA ““FAZER ECOARFAZER ECOAR”” (KAT(KAT-- EKHEKHÉÉO). A CATEQUESE,O). A CATEQUESE, DE FATO, TEM PORDE FATO, TEM POR OBJETIVOOBJETIVO ÚÚLTIMOLTIMO FAZERFAZER ESCUTAR E REPERCUTIRESCUTAR E REPERCUTIR A PALAVRA DE DEUSA PALAVRA DE DEUS.. (CR nº 31)
  24. 24. PRIMEIRA FASE:PRIMEIRA FASE: SSÉÉCULO I AO SCULO I AO SÉÉCULO VCULO V CATEQUESE COMO INICIACATEQUESE COMO INICIAÇÇÃOÃO ÀÀ FFÉÉ E VIDAE VIDA NA COMUNIDADENA COMUNIDADE No tempo dos Apóstolos, a vivência fraterna da comunidade, celebrada principalmente na Eucaristia maneira de representar e traduzir a mensagem do Cristo Ressuscitado (1Cor 11, 17-29). Havia uma admissão dos catecúmenos de três anos, que buscavam: - Compreender melhor a fé - Deixar de lado os costumes pagãos - Realizar um tempo de conversão e santificação
  25. 25. SEGUNDA FASE: SSEGUNDA FASE: SÉÉC. V AO SC. V AO SÉÉCULO XVICULO XVI CATEQUESE COMO PROCESSO DE IMERSÃOCATEQUESE COMO PROCESSO DE IMERSÃO NA CRISTANDADENA CRISTANDADE A catequese já não consistia tanto numa iniciação à comunidade como se vê na primeira fase. A sociedade se considerava animada pela religião cristã, que estabeleceu uma aliança entre o poder civil e o poder eclesiástico, tal fato denominou-se de cristandade. IMPERADOR CONSTANTINO CONVERTE AO CRISTIANISMO (306-337
  26. 26. TERCEIRA FASE:TERCEIRA FASE: A PARTIR DO SA PARTIR DO SÉÉC. XVIC. XVI CATEQUESE COMO INSTRUCATEQUESE COMO INSTRUÇÇÃOÃO A catequese passa a valorizar mais aprendizagem individual, na qual já não era tão marcante a ligação com a comunidade. Alguns fatores contribuíram para essa instrução tais como: - A descoberta da Impressa - A difusão das escolas - A preocupação com uma maior clareza das formulações cristã. - Surge o Catecismo de Trento (Pergunta e Resposta)
  27. 27. QUARTA FASE:QUARTA FASE: NO SNO SÉÉCULO XXCULO XX CATEQUESE COMO EDUCACATEQUESE COMO EDUCAÇÇÃO PERMANENTEÃO PERMANENTE PARA A COMUNHÃO E A PARTICIPAPARA A COMUNHÃO E A PARTICIPAÇÇÃO NAÃO NA COMUNIDADE DE FCOMUNIDADE DE FÉÉ A catequese fazA catequese faz redescobrir aredescobrir a importânciaimportância fundamental dafundamental da iniciainiciaçção cristã e oão cristã e o lugar primordial quelugar primordial que nela cabe anela cabe a comunidade.comunidade.
  28. 28. O QUE QUEREMOS • Cristocêntrica • Bíblica • Litúrgica • Comunitária • Solidária • Orante CAMINHO DE DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS
  29. 29. CATEQUESE INTEGRADORA • Crianças, • Adolescentes • Jovens • Adultos • Família • Comunidade • Catequista • Sacerdotes / religiosos
  30. 30. TODA ATODA A COMUNIDADECOMUNIDADE ÉÉ CATEQUIZADORA.CATEQUIZADORA. ÉÉ TAREFA E MISSÃOTAREFA E MISSÃO DA COMUNIDADEDA COMUNIDADE CUIDAR DACUIDAR DA FORMAFORMAÇÇÃO DOSÃO DOS SEUS MEMBROS.SEUS MEMBROS. META:META: CONSTRUIRCONSTRUIR COMUNIDADE,COMUNIDADE, FORMAR SEUSFORMAR SEUS MEMBROSMEMBROS
  31. 31. NO CENTRO DANO CENTRO DA CATEQUESECATEQUESE ENCONTRAMOSENCONTRAMOS ESSENCIALMENTEESSENCIALMENTE A PESSOA DEA PESSOA DE JESUS DE NAZARJESUS DE NAZARÉÉ,, FILHO DO PAI. QUEFILHO DO PAI. QUE MORREU POR NMORREU POR NÓÓSS E AGORAE AGORA RESSUSCITADORESSUSCITADO VIVE CONOSCOVIVE CONOSCO PARA SEMPREPARA SEMPRE (CIC 426).
  32. 32. A catequeseA catequese éé processoprocesso FORMATIVO, ORGÂNICO,FORMATIVO, ORGÂNICO, PROGRESSIVO,PROGRESSIVO, SISTEMSISTEMÁÁTICO, INICIAL ETICO, INICIAL E PERMANENTEPERMANENTE de educade educaçção daão da FFéé (cf. DNC 41 e 233)(cf. DNC 41 e 233), tem como, tem como finalidade o fazer discfinalidade o fazer discíípulospulos (cf.(cf. DNC 34)DNC 34) e que o verdadeiroe que o verdadeiro discdiscíípulopulo éé missionmissionáário do Reino,rio do Reino, ““não hnão háá, autêntica catequese, autêntica catequese sem iniciasem iniciaççãoão àà missão, inclusivemissão, inclusive alaléém fronteiras, como partem fronteiras, como parte essencial da vocaessencial da vocaçção cristãão cristã””.. (DNC 53,g)
  33. 33. ““A CATEQUESEA CATEQUESE ÉÉ UMAUMA URGÊNCIA. SURGÊNCIA. SÓÓ POSSOPOSSO ADMIRAR OSADMIRAR OS PASTORES ZELOSOSPASTORES ZELOSOS QUE EM SUAS IGREJASQUE EM SUAS IGREJAS PROCURAMPROCURAM RESPONDERRESPONDER CONCRETAMENTE ACONCRETAMENTE A ESSA URGÊNCIA,ESSA URGÊNCIA, FAZENDO DAFAZENDO DA CATEQUESE UMACATEQUESE UMA PRIORIDADEPRIORIDADE”” (João Paulo II, encontro com os Bispos em Fortaleza 10/07/1980).
  34. 34. RESPONSRESPONSÁÁVEL PELAVEL PELA CATEQUESECATEQUESE 1.1. BISPOBISPO -- DIOCESEDIOCESE 2.2. PPÁÁROCOROCO –– PARPARÓÓQUIA /QUIA / COMUNIDADECOMUNIDADE 3.3. SACERDOTESSACERDOTES –– DIDIÁÁCONOSCONOS –– RELIGIOSOSRELIGIOSOS 4.4. PAISPAIS –– PADRINHOSPADRINHOS 5.5. CATEQUISTASCATEQUISTAS
  35. 35. A CATEQUESE NÃOA CATEQUESE NÃO DEVE SER SDEVE SER SÓÓ OCASIONAL, REDUZIDAOCASIONAL, REDUZIDA A MOMENTO PRA MOMENTO PRÉÉVIOSVIOS AOS SACRAMENTOSAOS SACRAMENTOS OUOU ÀÀ INICIAINICIAÇÇÃOÃO CRISTÃ, MAS SIMCRISTÃ, MAS SIM ““UMUM ITINERITINERÁÁRIORIO CATEQUCATEQUÉÉTICOTICO PERMANENTEPERMANENTE”” (DA 298)
  36. 36. Não há tempo e hora para acabar. É vida, vivida na fé. Uma caminhada para a vida toda... “Não deve limitar- se a ocasiões e lugares”. CR 284 Não hNão háá tempo etempo e hora para acabar.hora para acabar. ÉÉ vida, vivida navida, vivida na fféé.. Uma caminhadaUma caminhada para a vida toda...para a vida toda... ““Não deve limitarNão deve limitar-- se a ocasiões ese a ocasiões e lugareslugares””.. CR 284
  37. 37. O FRUTO DAO FRUTO DA EVANGELIZAEVANGELIZAÇÇÃOÃO E DA CATEQUESEE DA CATEQUESE ÉÉ FAZER DISCFAZER DISCÍÍPULOS,PULOS, ACOLHER AACOLHER A PALAVRA,PALAVRA, ACEITAR DEUS NAACEITAR DEUS NA PRPRÓÓPRIA VIDA,PRIA VIDA, COMO DOM DA FCOMO DOM DA FÉÉ.. ((cfcf DNC 34)DNC 34)
  38. 38. CONHECER A JESUSCONHECER A JESUS CRISTO PELA FCRISTO PELA FÉÉ ÉÉ NOSSA ALEGRIA;NOSSA ALEGRIA; SEGUISEGUI--LOLO ÉÉ UMAUMA GRAGRAÇÇA, EA, E TRANSMITIR ESTETRANSMITIR ESTE TESOURO AOSTESOURO AOS DEMAISDEMAIS ÉÉ UMAUMA TAREFA QUE OTAREFA QUE O SENHOR NOSSENHOR NOS CONFIOU AO NOSCONFIOU AO NOS CHAMAR E NOSCHAMAR E NOS ESCOLHER.ESCOLHER. (DA 18)
  39. 39. SÓ SE AMA AQUILO QUE SE CONHECE. O QUE NÃO SE AMA NÃO DESPERTA O DESEJO DE SACRIFÍCIO E DE ENTREGA.
  40. 40. “Ou educamos na fOu educamos na féé,, colocando as pessoascolocando as pessoas realmente em contato comrealmente em contato com Jesus Cristo e convidandoJesus Cristo e convidando-- as para seguias para segui--lo, ou nãolo, ou não cumpriremos nossa missãocumpriremos nossa missão evangelizadora.evangelizadora. ImpõeImpõe--se a tarefase a tarefa irrenunciirrenunciáável de oferecervel de oferecer modalidade de iniciamodalidade de iniciaççãoão cristã, que levecristã, que leve àà conversão,conversão, ao seguimento em umaao seguimento em uma comunidade eclesial e a umcomunidade eclesial e a um amadurecimento de famadurecimento de féé nana prpráática dos sacramentos, dotica dos sacramentos, do serviserviçço, da missãoo, da missão”” (cf. DAp n° 287 e 289)
  41. 41. VOCAVOCAÇÇÃOÃO EE MINISTMINISTÉÉRIORIO D@D@ CATEQUISTACATEQUISTA
  42. 42. VOCAVOCAÇÇÃOÃO ÉÉ O CHAMADO AO CHAMADO A VIVER O BATISMO,VIVER O BATISMO, ÉÉ O CHAMADO AO CHAMADO A SANTIDADE,SANTIDADE, ATRAVATRAVÉÉS DE UMAS DE UMA PARTICIPAPARTICIPAÇÇÃO ATIVAÃO ATIVA NA VIDA DANA VIDA DA COMUNIDADE.COMUNIDADE.
  43. 43. VOCAVOCAÇÇÃO:ÃO: SIGNIFICA ASIGNIFICA AÇÇÃO DEÃO DE CHAMAR.CHAMAR. SUPÕE O ENCONTROSUPÕE O ENCONTRO DE DUASDE DUAS LIBERDADES:LIBERDADES: AA ABSOLUTA DE DEUS,ABSOLUTA DE DEUS, QUE CHAMAQUE CHAMA, E A, E A LIBERDADE HUMANA,LIBERDADE HUMANA, QUE RESPONDE AQUE RESPONDE A ESSE CHAMADO.ESSE CHAMADO.
  44. 44. DEUS CHAMA POR MEIODEUS CHAMA POR MEIO DE ACONTECIMENTOS EDE ACONTECIMENTOS E PESSOAS.PESSOAS. DEUS SE COMUNICADEUS SE COMUNICA CONOSCO ATRAVCONOSCO ATRAVÉÉS DES DE ““SINAISSINAIS”” OUOU MEDIAMEDIAÇÇÕES. PODE SERÕES. PODE SER UMA PESSOA, UMAUMA PESSOA, UMA LEITURA, O CONTATOLEITURA, O CONTATO COM A REALIDADECOM A REALIDADE HUMANA OU UMHUMANA OU UM ENGAJAMENTO.ENGAJAMENTO.
  45. 45. CHAMADO DE DEUSCHAMADO DE DEUS NA BNA BÍÍBLIABLIA ABRAÃOABRAÃO GnGn 12, 112, 1--9; 15,19; 15,1--2020 MOISMOISÉÉSS Ex 3,1Ex 3,1--12; 6,212; 6,2--1313 JEREMIASJEREMIAS Jr 1,4Jr 1,4--10; 15,1010; 15,10--2121 ISAISAÍÍASAS Is 6, 1Is 6, 1--1313
  46. 46. CHAMADO DE DEUSCHAMADO DE DEUS NA BNA BÍÍBLIA:BLIA: SAMUELSAMUEL 1Sm 3,11Sm 3,1--2020 JONASJONAS JnJn 1 e 31 e 3 MARIAMARIA LcLc 1,261,26--3737 APAPÓÓSTOLOSSTOLOS Mc 1,16Mc 1,16--20; Mt 9,13;20; Mt 9,13; Mt 10,1Mt 10,1--44
  47. 47. CHAMADO DE DEUS:CHAMADO DE DEUS: JESUSJESUS ““O ESPO ESPÍÍRITO DO SENHORRITO DO SENHOR ESTESTÁÁ SOBRE MIM, PORQUESOBRE MIM, PORQUE ELE ME CONSAGROU COM AELE ME CONSAGROU COM A UNUNÇÇÃO, PARA ANUNCIAR AÃO, PARA ANUNCIAR A BOA NOTBOA NOTÍÍCIA AOS POBRES;CIA AOS POBRES; ENVIOUENVIOU--ME PARAME PARA PROCLAMAR A LIBERTAPROCLAMAR A LIBERTAÇÇÃOÃO AOS PRESOS E AOS CEGOS AAOS PRESOS E AOS CEGOS A RECUPERARECUPERAÇÇÃO DA VISTA;ÃO DA VISTA; PARA PROCLAMAR UM ANOPARA PROCLAMAR UM ANO DE GRADE GRAÇÇA DO SENHORA DO SENHOR””.. LcLc 4,184,18--19; Is 61,119; Is 61,1--22
  48. 48. CHAMADO DE DEUS:CHAMADO DE DEUS: 72 DISC72 DISCÍÍPULOSPULOS LcLc 10, 110, 1--1717 JOVEM RICOJOVEM RICO Mc 10,17Mc 10,17--2222 PAULOPAULO AtAt 9,19,1--3030 CONDICONDIÇÇÃO PARAÃO PARA SEGUIRSEGUIR LcLc 9,579,57--6262
  49. 49. DIANTE DOS MEDOS,DIANTE DOS MEDOS, DOS DESAFIOS QUEDOS DESAFIOS QUE QUALQUER VOCAQUALQUER VOCAÇÇÃOÃO IMPLICA, TENHA AIMPLICA, TENHA A CERTEZA DE QUE DEUSCERTEZA DE QUE DEUS CAMINHA CONOSCO ECAMINHA CONOSCO E ÀÀ NOSSA FRENTE:NOSSA FRENTE: ““NÃO TENHAM MEDO,NÃO TENHAM MEDO, EU ESTAREI SEMPREEU ESTAREI SEMPRE COM VOCÊSCOM VOCÊS”” (cf. Mt 14,27; 28,20)(cf. Mt 14,27; 28,20)
  50. 50. DEUS QUE VAIDEUS QUE VAI CHAMANDO ECHAMANDO E ENVIANDO PESSOASENVIANDO PESSOAS PARAPARA CONCRETIZAREM OCONCRETIZAREM O SEU PLANO DESEU PLANO DE SALVASALVAÇÇÃO. DEUSÃO. DEUS AMA, E ESSE AMORAMA, E ESSE AMOR QUE SE DOAQUE SE DOA ÉÉ MANIFESTADOMANIFESTADO ATRAVATRAVÉÉS DAQUELESS DAQUELES QUE SÃO CHAMADOSQUE SÃO CHAMADOS:
  51. 51. QUEMQUEM ÉÉ O CATEQUISTA?O CATEQUISTA? O Catequista é antes de tudo alguém que escuta e atende o chamado de Deus (Mt, 9, 37-38). EleEle éé um mestre emum mestre em doutrina religiosa, quedoutrina religiosa, que enviado por Deus, vaienviado por Deus, vai despertar e cultivar a fdespertar e cultivar a féé dos catequizadosdos catequizados (catec(catecúúmenos).menos). O Catequista é alguém de muita vocação. (Ef, 4,1. 2Ts, 1,11)
  52. 52. A PRIMEIRA VOCAA PRIMEIRA VOCAÇÇÃOÃO A QUE FOI CHAMADO:A QUE FOI CHAMADO: SER GENTE FELIZ!SER GENTE FELIZ! O CATEQUISTA,O CATEQUISTA, A CATEQUISTAA CATEQUISTA SSÓÓ SE REALIZA SESE REALIZA SE ESTIVER BEMESTIVER BEM CONSIGO MESMO, COMCONSIGO MESMO, COM OS OUTROS E COMOS OUTROS E COM DEUS.DEUS.
  53. 53. “NÃO FOSTES VÓS QUE ME ESCOLHESTES, MAS FUI EU QUE VOS ESCOLHI” (Jo 15,16).
  54. 54. CRISTO TECRISTO TE CHAMA!CHAMA! DEIXEDEIXE PEGADAS,PEGADAS, PARA QUEPARA QUE OUTROS OOUTROS O POSSAMPOSSAM SEGUIR!SEGUIR!
  55. 55. Se nós partimos, se saímos para levar o seu Evangelho com amor, com verdadeiro espírito apostólico, com coragem e sem medo, Ele caminha conosco, nos precede, é o primeiro sempre. (Papa Francisco) CATEQUISTAS!CATEQUISTAS! Jesus não diz: ide, e se virem. Não!ide, e se virem. Não! Jesus disse: Ide, eu estou convosco!Ide, eu estou convosco! Essa é a nossa beleza e a nossa força
  56. 56. ALGUMASALGUMAS QUALIDADESQUALIDADES INDISPENSINDISPENSÁÁVEISVEIS AOAO CATEQUISTACATEQUISTA
  57. 57. DIMENSÃO PESSOALDIMENSÃO PESSOAL * EQUILIBRIO* EQUILIBRIO PSICOLPSICOLÓÓGICO, BOAGICO, BOA COMUNICACOMUNICAÇÇÃO,ÃO, CERTA LIDERANCERTA LIDERANÇÇA,A, CRIATIVIDADE ECRIATIVIDADE E INICIATIVA,INICIATIVA, CAPACIDADE DECAPACIDADE DE DIDIÓÓLOGO E DELOGO E DE TRABALHO EM EQUIPETRABALHO EM EQUIPE
  58. 58. DIMENSÃO COMUNITDIMENSÃO COMUNITÁÁRIARIA E ECLESIALE ECLESIAL * PARTICIPAÇÃO, ENGAJAMENTO E ESPÍRITO DE SERVIÇO, SOLIDARIEDADE E AMOR PELOS MAIS NECESSITADOS, DESEJO DE ATUALIZAÇÃO CONSTANTE, DISPOSIÇÃO DE PROGREDIR NA EDUCAÇAO DA PRÓPRIA FÉ E ESPIRITUALIDADE
  59. 59. DIMENSÃO SDIMENSÃO SÓÓCIOCIO-- POLPOLÍÍTICOTICO--CULTURALCULTURAL * CONHECIMENTO DA REALIDADE BRASILEIRA, DO ESTADO E DE NOSSO MUNICÍPIO, SUAS MUDANÇAS E TRANSFORMAÇÕES, ESPÍRITO CRÍTICO E DE DISCERNIMENTO DA REALIDADE SÓCIO-POLÍTICA; RESPEITO PELA DIGNIDADE, CIDADANIA, MEIO-AMBIENTE, ECOLOGIA, POLÍTICAS SOCIAIS, ETC.
  60. 60. DIMENSÃO PASTORALDIMENSÃO PASTORAL * ENGAJAMENTO NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA, CAMINHANDO COM O POVO E FAZENDO A INTERAÇÃO ENTRE VIDA E FÉ, INTEGRAÇÃO DA CATEQUESE NAS DEMAIS PASTORAIS, INSERIR A VIDA COMUNITÁRIA DENTRO DO CONTEXTO DA CATEQUESE, PARTICIPAR DAS PRINCIPAIS FESTAS LITÚRGICAS COM A COMUNIDADE.
  61. 61. 1.1.CATEQUISTAS DECATEQUISTAS DE BASEBASE 2.2.CATEQUISTASCATEQUISTAS COORDENADORESCOORDENADORES PAROQUIAIS,PAROQUIAIS, DIOCESANOS, ...DIOCESANOS, ... 3.3.CATEQUISTASCATEQUISTAS DEDICADOS AODEDICADOS AO ESTUDOESTUDO -- ASSESSORIAASSESSORIA DIVERSOS NDIVERSOS NÍÍVEISVEIS DE CATEQUISTAS:DE CATEQUISTAS:
  62. 62. CATEQUISTAS DE ADULTOS,CATEQUISTAS DE ADULTOS, CATEQUISTAS DE JOVENS,CATEQUISTAS DE JOVENS, DE ADOLESCENTES E PRDE ADOLESCENTES E PRÉÉ-- ADOLESCENTES,ADOLESCENTES, CATEQUISTAS DE CRIANCATEQUISTAS DE CRIANÇÇASAS CATEQUISTAS PARA GRUPOSCATEQUISTAS PARA GRUPOS ESPECESPECÍÍFICOS: FAMFICOS: FAMÍÍLIAS,LIAS, CCÍÍRCULOSRCULOS--BBÍÍBLICOS,BLICOS, ESCOLAS, ASSOCIAESCOLAS, ASSOCIAÇÇÕES,ÕES, MOVIMENTOS, PASTORAIS,MOVIMENTOS, PASTORAIS, ETC.ETC. VARIEDADES DEVARIEDADES DE CATEQUISTAS:CATEQUISTAS:
  63. 63. A (O) CATEQUISTAA (O) CATEQUISTA ÉÉ UMUM ENVIADO.ENVIADO. * ENVIADO POR DEUS* ENVIADO POR DEUS –– CONSTITUCONSTITUÍÍDO MINISTRODO MINISTRO DA PALAVRA PELODA PALAVRA PELO PODER DO ESPPODER DO ESPÍÍRITORITO SANTOSANTO * ENVIADO PELA* ENVIADO PELA COMUNIDADE, POISCOMUNIDADE, POIS ÉÉ EM SEU NOME QUEEM SEU NOME QUE ELE(A) FALA.ELE(A) FALA.
  64. 64. A COMUNIDADEA COMUNIDADE DE CATEQUISTASDE CATEQUISTAS ÉÉ COMO UMCOMO UM FOGÃO A LENHA:FOGÃO A LENHA: CATEQUISTA QUECATEQUISTA QUE SAI FORA DELA,SAI FORA DELA, ACABAACABA ESFRIANDO EESFRIANDO E PERDENDO OPERDENDO O CALOR DA FCALOR DA FÉÉ..
  65. 65. O CATEQUISTA, AO CATEQUISTA, A CATEQUISTACATEQUISTA ÉÉ A ALMAA ALMA DA CATEQUESEDA CATEQUESE ÉÉ ALGUALGUÉÉM CHAMADOM CHAMADO POR DEUS,POR DEUS, VOCACIONADO; QUEVOCACIONADO; QUE ACREDITA NO SENHOR,ACREDITA NO SENHOR, COM UMA FCOM UMA FÉÉ PROFUNDA; EPROFUNDA; E CONSCIENTE DO SEUCONSCIENTE DO SEU SER IGREJA, COM UMASER IGREJA, COM UMA CLARA IDENTIDADECLARA IDENTIDADE ECLESIAL.ECLESIAL.
  66. 66. CATEQUISTACATEQUISTA PERFEIT@PERFEIT@ NÃO EXISTE!NÃO EXISTE! NO PROCESSO DE FORMANO PROCESSO DE FORMAÇÇÃO,ÃO, NO ENGAJAMENTO NANO ENGAJAMENTO NA COMUNIDADE, NA PRCOMUNIDADE, NA PRÁÁTICA DOTICA DO DIADIA--AA--DIA; VAI ADQUIRINDODIA; VAI ADQUIRINDO APTIDÕES, QUALIDADESAPTIDÕES, QUALIDADES HUMANA, PRHUMANA, PRÁÁTICASTICAS METODOLMETODOLÓÓGICAS EGICAS E PEGADPEGADÓÓGICAS.GICAS. APROFUNDA SEUSAPROFUNDA SEUS CONHECIMENTOS, SUACONHECIMENTOS, SUA ESPIRITUALIDADE...ESPIRITUALIDADE...
  67. 67. NINGUNINGUÉÉM NASCEM NASCE CATEQUISTACATEQUISTA AQUELES QUE SÃOAQUELES QUE SÃO CHAMADOS A ESTECHAMADOS A ESTE SERVISERVIÇÇO PODEM TORNARO PODEM TORNAR-- SE BONS CATEQUISTASSE BONS CATEQUISTAS ATRAVATRAVÉÉS DA PRS DA PRÁÁTICA, DATICA, DA REFLEXÃO E DAREFLEXÃO E DA PREPARAPREPARAÇÇÃOÃO ADEQUADA, NAADEQUADA, NA CONSCIÊNCIA DE SEREMCONSCIÊNCIA DE SEREM ENVIADOS EENVIADOS E COMPROMETIDO COM ACOMPROMETIDO COM A EDUCAEDUCAÇÇÃO DA FÃO DA FÉÉ..
  68. 68. CATEQUISTA QUECATEQUISTA QUE PARTICIPAPARTICIPA ATIVAMENTE DAATIVAMENTE DA SUASUA COMUNIDADECOMUNIDADE SENTE SUA FSENTE SUA FÉÉ FORTALECIDA EFORTALECIDA E AMADURECIDAAMADURECIDA.
  69. 69. CATEQUISTA TEM QUE TREINARCATEQUISTA TEM QUE TREINAR •• Gustavo BorgesGustavo Borges – treinava 6 horas diárias •• Diego HypDiego Hypóólitolito – treinava 7 horas em média por dia •• CCéésarsar CieloCielo – 6 horas/dia em 6 dias/semana •• MaureenMaureen MagiMagi – treina 4 horas dia •• UsainUsain BoltBolt – treina 4 horas dia •• TriatletaTriatleta – 30 horas semanal
  70. 70. Para vivenciar de formaPara vivenciar de forma plena a vocaplena a vocaçção e aão e a missão,missão, éé necessnecessááriorio deixardeixar--se guiar pela ase guiar pela aççãoão do Espdo Espíírito Santo de Deus.rito Santo de Deus. Alguns consomem suasAlguns consomem suas vidas a servividas a serviçço dos maiso dos mais necessitados, outrosnecessitados, outros exercem trabalhos comexercem trabalhos com dependentes qudependentes quíímicos,micos, enfermos, outros na parteenfermos, outros na parte formativa, alformativa, aléém dom do pastoreio de umapastoreio de uma comunidade e assimcomunidade e assim sucessivamente.sucessivamente.
  71. 71. "Deus chamou"Deus chamou aqueles que Eleaqueles que Ele queria. Eles foramqueria. Eles foram atatéé Ele, eEle, e constituiu dozeconstituiu doze para estarem compara estarem com Ele e para osEle e para os enviar a pregar"enviar a pregar" (Mc 3,13).
  72. 72. O catequista realiza a sua missão no âmbito daO catequista realiza a sua missão no âmbito da Comunidade e por mandato desta, pois a catequeseComunidade e por mandato desta, pois a catequese éé uma responsabilidade de toda a comunidadeuma responsabilidade de toda a comunidade cristã. Acristã. A ““catequese tem sido sempre e continuarcatequese tem sido sempre e continuaráá aa ser uma obra pela qual toda a Igreja se deve sentir eser uma obra pela qual toda a Igreja se deve sentir e mostrar responsmostrar responsáávelvel”” (CT16). Al(CT16). Aléém do mais am do mais a comunidade cristã, a Igreja,comunidade cristã, a Igreja, éé origem e meta daorigem e meta da catequese, alcatequese, aléém de contem de conteúúdo de fdo de féé..
  73. 73. A FINALIDADE DA AA FINALIDADE DA AÇÇÃOÃO DO CATEQUISTADO CATEQUISTA CONSISTE EMCONSISTE EM ACOMPANHAR OACOMPANHAR O CATEQUIZANDO OUCATEQUIZANDO OU CATECCATECÚÚMENO NUMMENO NUM PROCESSO DEPROCESSO DE CONVERSÃO, EMCONVERSÃO, EM ORDEM A FAVORECERORDEM A FAVORECER UMA PROFISSÃO DE FUMA PROFISSÃO DE FÉÉ VIVA, EXPLVIVA, EXPLÍÍCITA ECITA E ATUANTE; OU SEJA,ATUANTE; OU SEJA, FAZER DISCFAZER DISCÍÍPULOS DEPULOS DE JESUS CRISTOJESUS CRISTO..
  74. 74. OBJETIVO E META DA CATEQUESEOBJETIVO E META DA CATEQUESE
  75. 75. ANTES DE SERANTES DE SER CRISTÃO, OCRISTÃO, O CATEQUISTA, ACATEQUISTA, A CATEQUISTACATEQUISTA ÉÉ PESSOA HUMANA,PESSOA HUMANA, QUE VIVE A CADA DIAQUE VIVE A CADA DIA TENTANDOTENTANDO RESPONDER UMARESPONDER UMA INTRIGANTEINTRIGANTE PERGUNTAPERGUNTA EXISTENCIAL:EXISTENCIAL: ““QUEMQUEM SOU EU?SOU EU?””
  76. 76. O CATEQUISTA,O CATEQUISTA, A CATEQUISTAA CATEQUISTA TEM UM ROSTOTEM UM ROSTO HUMANO QUE LHEHUMANO QUE LHE ÉÉ PECULIAR. CADA UMPECULIAR. CADA UM ÉÉ UM SERUM SER ÚÚNICO,NICO, INDISPENSINDISPENSÁÁVEL,VEL, SINGULAR.SINGULAR. ISTO FAZ A DIFERENISTO FAZ A DIFERENÇÇAA NA CRIANA CRIAÇÇÃOÃO
  77. 77. TER AMORTER AMOR ÀÀ VIDAVIDA AINDA QUE ENCONTREAINDA QUE ENCONTRE OBSTOBSTÁÁCULOS NACULOS NA CAMINHADA, OCAMINHADA, O CATEQUISTA E ACATEQUISTA E A CATEQUISTA DEVECATEQUISTA DEVE VISLUMBRAR A VIDAVISLUMBRAR A VIDA COM OTIMISMO ECOM OTIMISMO E ALEGRIA: VER O MUNDOALEGRIA: VER O MUNDO COM OSCOM OS ““OLHOS DEOLHOS DE DEUSDEUS””
  78. 78. CULTIVAR UMACULTIVAR UMA ESPIRITUALIDADEESPIRITUALIDADE CRISTÃCRISTÃ CATEQUISTACATEQUISTA ÉÉ ALGUALGUÉÉM QUEM QUE DEIXA O ESPDEIXA O ESPÍÍRITO HABITAR ERITO HABITAR E SUA VIDA. O MESMOSUA VIDA. O MESMO ESPESPÍÍRITO QUE GUIOU JESUS,RITO QUE GUIOU JESUS, DEVE TAMBDEVE TAMBÉÉM ORIENTAR EM ORIENTAR E MOLDAR A SUA VIDA.MOLDAR A SUA VIDA. UMA ESPIRITUALIDADEUMA ESPIRITUALIDADE ALIMENTADA PELA PALAVRAALIMENTADA PELA PALAVRA DE DEUS, CENTRO DA SUADE DEUS, CENTRO DA SUA AAÇÇÃO CATEQUÃO CATEQUÉÉTICA.TICA.
  79. 79. SABERSABER RELACIONARRELACIONAR--SESE SEU MINISTSEU MINISTÉÉRIO DEVE SERRIO DEVE SER PONTO DE ABERTURA,PONTO DE ABERTURA, ENCONTRO E CONVIVÊNCIAENCONTRO E CONVIVÊNCIA COM OS DEMAIS. NINGUCOM OS DEMAIS. NINGUÉÉMM ÉÉ FELIZ SOZINHO. O MODOFELIZ SOZINHO. O MODO COMO RELACIONO COM OSCOMO RELACIONO COM OS OUTROS, POSSO ATRAIROUTROS, POSSO ATRAIR OU AFASTAR AS PESSOAS.OU AFASTAR AS PESSOAS. DEUS NÃO SE FEZDEUS NÃO SE FEZ SOLITSOLITÁÁRIOS, MASRIOS, MAS SOLIDSOLIDÁÁRIOS.RIOS.
  80. 80. UM SERVIDORUM SERVIDOR INTEGRADOINTEGRADO ÀÀ COMUNIDADECOMUNIDADE O CATEQUISTAO CATEQUISTA ÉÉ CHAMADOCHAMADO POR DEUS PARA SERVIRPOR DEUS PARA SERVIR UMA COMUNIDADE. SEUUMA COMUNIDADE. SEU MINISTMINISTÉÉRIO NÃORIO NÃO ÉÉ PODERPODER OU STATUS NAOU STATUS NA COMUNIDADE, MASCOMUNIDADE, MAS SERVISERVIÇÇOO ÀÀ TODOS.TODOS. VIVE EM COMUNHÃO COMVIVE EM COMUNHÃO COM A COMUNIDADE E COMA COMUNIDADE E COM ESPESPÍÍRITO DE SERVIRITO DE SERVIÇÇO.O.
  81. 81. EQUILEQUILÍÍBRIOBRIO PSICOLPSICOLÓÓGICOGICO PROBLEMAS TODOS TÊM, NOPROBLEMAS TODOS TÊM, NO ENTANTO,ENTANTO, ÉÉ PRECISO SABERPRECISO SABER LIDAR COM ELES DE MODOLIDAR COM ELES DE MODO MADURO, SEM DEIXAR QUEMADURO, SEM DEIXAR QUE ELES NOS ROUBEM A PAZ EELES NOS ROUBEM A PAZ E CAUSEM DANOSCAUSEM DANOS ÀÀS OUTRASS OUTRAS PESSOAS. LUTAR CONTRAPESSOAS. LUTAR CONTRA AS CARÊNCIAS, EQUILIBRARAS CARÊNCIAS, EQUILIBRAR AS EMOAS EMOÇÇÕES, TERÕES, TER ““JOGO DEJOGO DE CINTURACINTURA”” PARA LIDAR COMPARA LIDAR COM SITUASITUAÇÇÕES DELICADASÕES DELICADAS ÉÉ NECESSNECESSÁÁRIORIO
  82. 82. ESPESPÍÍRITO DERITO DE LIDERANLIDERANÇÇAA NINGUNINGUÉÉM NASCEM NASCE CATEQUISTA, MASCATEQUISTA, MAS APRENDEAPRENDE--SE A SER PORSE A SER POR MEIO DE ESFORMEIO DE ESFORÇÇOO PESSOAL, DA FORMAPESSOAL, DA FORMAÇÇÃOÃO QUE LHEQUE LHE ÉÉ OFERECIDA EOFERECIDA E PELA CONSCIENTIZAPELA CONSCIENTIZAÇÇÃOÃO DO SEU PAPEL ENQUANTODO SEU PAPEL ENQUANTO LLÍÍDER DE UM PEQUENODER DE UM PEQUENO GRUPO. SER LGRUPO. SER LÍÍDER NÃODER NÃO QUER DIZER FAZER TUDOQUER DIZER FAZER TUDO OU IMPOR SUA VONTADEOU IMPOR SUA VONTADE SOBRE OS DEMAIS.SOBRE OS DEMAIS.
  83. 83. CORACORAÇÇÃO DEÃO DE DISCDISCÍÍPULOPULO CATEQUISTA NECESSITACATEQUISTA NECESSITA DE UM CORADE UM CORAÇÇÃO DÃO DÓÓCIL ECIL E DISPONDISPONÍÍVEL PARA BUSCARVEL PARA BUSCAR A FORMAA FORMAÇÇÃOÃO PERMANENTE.PERMANENTE. TER UM CORATER UM CORAÇÇÃOÃO ARDENTE E DESEJOSO DEARDENTE E DESEJOSO DE OUVIR A EXPLICAOUVIR A EXPLICAÇÇÃO DASÃO DAS ESCRITURAS, RELENDO AESCRITURAS, RELENDO A VIDA E PARTIR DAVIDA E PARTIR DA ESCRITURAESCRITURA
  84. 84. O CATEQUISTA TEM O ROSTO CRISTÃO, ISTO QUER DIZER, ELE POSSUI A FISIONOMIA DE DEUS.
  85. 85. O CATEQUISTA, AO CATEQUISTA, A CATEQUISTACATEQUISTA ÉÉ CHAMADO A SER ACHAMADO A SER A ANTENA DE DEUS NOANTENA DE DEUS NO MEIO DO SEU POVO,MEIO DO SEU POVO, CAPTANDO OS SINAISCAPTANDO OS SINAIS DE VIDA E DE MORTEDE VIDA E DE MORTE E APRESENTANDOE APRESENTANDO SEMPRE A PESSOASEMPRE A PESSOA DE CRISTO COMODE CRISTO COMO REFERÊNCIA EREFERÊNCIA E CAMINHO SEGURO.CAMINHO SEGURO.
  86. 86. ÉÉ ALGUALGUÉÉM QUE, COMM QUE, COM RARAÍÍZES NA FZES NA FÉÉ, NA, NA ORAORAÇÇÃO E NA VIDAÃO E NA VIDA DO POVO, PERCEBE ADO POVO, PERCEBE A URGÊNCIA DEURGÊNCIA DE EMPRESTAR SEUEMPRESTAR SEU CORACORAÇÇÃO, SUA VOZ,ÃO, SUA VOZ, TODO O SEU SER ATODO O SEU SER A DEUS E TORNADEUS E TORNA--SESE INSTRUMENTO DOINSTRUMENTO DO SEU AMOR E DA SUASEU AMOR E DA SUA BONDADE PARA SUABONDADE PARA SUA COMUNIDADE.COMUNIDADE.
  87. 87. CATEQUISTACATEQUISTA CONSCIENTE DE SUACONSCIENTE DE SUA VOCAVOCAÇÇÃO E DA BELEZAÃO E DA BELEZA DE SUA MISSÃO,DE SUA MISSÃO, ÉÉ ALGUALGUÉÉM QUE SERVE AM QUE SERVE A SUA COMUNIDADE COMSUA COMUNIDADE COM ALEGRIA. ELE SABE QUEALEGRIA. ELE SABE QUE NÃONÃO ÉÉ UM FUNCIONUM FUNCIONÁÁRIORIO DA IGREJA, MAS UMDA IGREJA, MAS UM VOLUNTVOLUNTÁÁRIO E ALEGRERIO E ALEGRE SERVIDOR DO REINO QUESERVIDOR DO REINO QUE PROCURA FAZER TUDOPROCURA FAZER TUDO COM MUITO AMOR.COM MUITO AMOR.
  88. 88. MOTIVAMOTIVAÇÇÃOÃO D@D@SS CATEQUISTASCATEQUISTAS 1.1. A FORMAA FORMAÇÇÃOÃO 2.2. O ENGAJAMENTOO ENGAJAMENTO COMUNITCOMUNITÁÁRIORIO 3.3. A VIDA SACRAMENTALA VIDA SACRAMENTAL 4.4. OS RETIROS EOS RETIROS E ENCONTROSENCONTROS 5.5. A DIREA DIREÇÇÃO ESPIRITUALÃO ESPIRITUAL 6.6. A COMUNIDADE DEA COMUNIDADE DE CATEQUISTASCATEQUISTAS 7.7. MOMENTOS DEMOMENTOS DE DISCONTRADISCONTRAÇÇÃO E LAZERÃO E LAZER
  89. 89. COMOCOMO PREPARARPREPARAR OO ENCONTROENCONTRO DEDE CATEQUESECATEQUESE
  90. 90. ...... ÉÉ O CANAL, O MEIOO CANAL, O MEIO ATRAVATRAVÉÉS DO QUALS DO QUAL CATEQUISTA ECATEQUISTA E CATEQUIZAND@CATEQUIZAND@S,S, NUMA EXPERIÊNCIANUMA EXPERIÊNCIA DE CONHECIMENTO,DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO, CELEBRAREFLEXÃO, CELEBRAÇÇÃOÃO E AE AÇÇÃO, REALIZAM JUNTOSÃO, REALIZAM JUNTOS O ENCONTRO INDIVIDUAL EO ENCONTRO INDIVIDUAL E COMUNITCOMUNITÁÁRIO COM DEUS.RIO COM DEUS. O ENCONTRO DE CATEQUESEO ENCONTRO DE CATEQUESE
  91. 91. COMO PREPARAR UM ENCONTRO DECOMO PREPARAR UM ENCONTRO DE CATEQUESECATEQUESE •• PREPARAR UM ENCONTROPREPARAR UM ENCONTRO COM A MOTIVACOM A MOTIVAÇÇÃO DEÃO DE QUEM PREPARA UMAQUEM PREPARA UMA FESTA... A FESTA DOFESTA... A FESTA DO ENCONTRO!ENCONTRO! •• ENCONTRO DE PESSOASENCONTRO DE PESSOAS •• ENCONTRO ENTREENCONTRO ENTRE CATEQUISTA ECATEQUISTA E CATEQUIZANDOSCATEQUIZANDOS •• ENCONTRO ENTRE OENCONTRO ENTRE O GRUPO COM JESUSGRUPO COM JESUS
  92. 92. O ENCONTRO DE CATEQUESEO ENCONTRO DE CATEQUESE PRECISA SE TORNAR O ESPAPRECISA SE TORNAR O ESPAÇÇO DEO DE REFLEXÃO DO PROJETO DE DEUS.REFLEXÃO DO PROJETO DE DEUS. • O catequista deve encadear etapas no encontro que envolvem o ... ENSINARENSINAR –– APRENDERAPRENDER –– SENTIRSENTIR –– CRIARCRIAR –– DESCOBRIRDESCOBRIR -- EXPERIENCIAREXPERIENCIAR
  93. 93. 1.1. ANTES DOANTES DO ENCONTROENCONTRO 2. DURANTE O2. DURANTE O ENCONTROENCONTRO 3. DEPOIS DO3. DEPOIS DO ENCONTROENCONTRO TRÊS MOMENTOS SIGNIFICATIVOS PARA O ENCONTRO DE CATEQUESE: TRÊS MOMENTOS SIGNIFICATIVOSTRÊS MOMENTOS SIGNIFICATIVOS PARA O ENCONTRO DE CATEQUESEPARA O ENCONTRO DE CATEQUESE: NÃO HNÃO HÁÁ UMAUMA ÚÚNICA RECEITANICA RECEITA
  94. 94. ANTES DO ENCONTRO  Ler o subsLer o subsíídio basedio base  Escolher o tema principalEscolher o tema principal  Selecionar textosSelecionar textos complementares, filmes,complementares, filmes, dinâmicas...facilitando adinâmicas...facilitando a compreensão da mensagem;compreensão da mensagem;  Programar o tempo paraProgramar o tempo para as atividades que foramas atividades que foram planejadas;planejadas;  Pensar na organizaPensar na organizaçção doão do ambiente; cartaz e/ou sambiente; cartaz e/ou síímbolombolo  Ler o texto bLer o texto bííblico e seblico e se aprofundar no tema;aprofundar no tema;  Definir o queDefinir o que éé prioridadeprioridade
  95. 95. ANTES DO ENCONTRO  Adequar o conteAdequar o conteúúdo dedo de acordo com a idade doacordo com a idade do catequizando;catequizando;  Criar intimidade com oCriar intimidade com o conteconteúúdo a ser desenvolvido nodo a ser desenvolvido no encontroencontro  Planejar o desenvolvimentoPlanejar o desenvolvimento do encontro; acolhidado encontro; acolhida -- estudoestudo –– atividadesatividades -- celebracelebraççãoão -- aaççãoão  Pesquisar os acontecimentosPesquisar os acontecimentos da semana e dados da vida dosda semana e dados da vida dos catequizandos que possamcatequizandos que possam contribuir no desenvolvimentocontribuir no desenvolvimento do contedo conteúúdo;do;
  96. 96. DURANTE O ENCONTRO  Chegar com antecedênciaChegar com antecedência  Preparar o ambientePreparar o ambiente  Fazer uma boa acolhidaFazer uma boa acolhida Apresentar o conteApresentar o conteúúdodo permitindo espapermitindo espaçço parao para intervenintervençções e contribuiões e contribuiççõesões dos catequizandos.dos catequizandos.  Assumir a postura deAssumir a postura de acolhimento e escutaacolhimento e escuta  Envolver a todos,Envolver a todos, conquistando confianconquistando confianççaa
  97. 97.  Lidar com as diferentes idLidar com as diferentes idééiasias e contribuie contribuiççõesões Saber valorizar a todosSaber valorizar a todos  Dividir bem o tempo, semDividir bem o tempo, sem reduzir as manifestareduzir as manifestaçções doões do grupogrupo  Controlar suas emoControlar suas emoçções e asões e as do grupodo grupo  Conduzir o grupo a umaConduzir o grupo a uma convivência serena e fraternaconvivência serena e fraterna  Favorecer a participaFavorecer a participaççãoão  ÉÉ importante ter presenteimportante ter presente –– caderno e caneta ou lcaderno e caneta ou láápis parapis para anotaanotaççõesões DURANTE O ENCONTRO
  98. 98.  Cada encontro deveCada encontro deve abrir novas perspectivasabrir novas perspectivas para a aplicapara a aplicaçção dasão das novas descobertas na vidanovas descobertas na vida e para os pre para os próóximosximos encontros;encontros;  Cada encontro deveCada encontro deve provocar no catequizandoprovocar no catequizando o desejo de vivenciaro desejo de vivenciar aquilo que foi transmitido.aquilo que foi transmitido. Muitas aMuitas açções poderão serões poderão ser realizadas no decorrer darealizadas no decorrer da semana e por toda a vida;semana e por toda a vida; DEPOIS DO ENCONTRO
  99. 99.  A mensagem do encontroA mensagem do encontro assim como o Evangelhoassim como o Evangelho éé para ser ouvido, vivido epara ser ouvido, vivido e transmitidotransmitido –– aaççãoão transformadora, segundo otransformadora, segundo o Plano de DeusPlano de Deus  A avaliaA avaliaçção da aão da aççãoão catequcatequéética deve sertica deve ser realizada para verificar se osrealizada para verificar se os objetivos foram ou estãoobjetivos foram ou estão sendo alcansendo alcanççados.ados. DEPOIS DO ENCONTRO
  100. 100. A CATEQUESE NÃOA CATEQUESE NÃO ÉÉ UM ATO ISOLADO (SEMUM ATO ISOLADO (SEM COMPROMISSO COM ACOMPROMISSO COM A COMUNIDADE), NÃOCOMUNIDADE), NÃO ÉÉ SSÓÓ PREPARAPREPARAÇÇÃOÃO PARA OSPARA OS SACRAMENTOS,SACRAMENTOS, MAS SIM UMAMAS SIM UMA PREPARAPREPARAÇÇÃO PARA AÃO PARA A VIDA NA E EMVIDA NA E EM COMUNIDADE.COMUNIDADE.
  101. 101. 1. Conheça o seu grupo de catequizandos. Chamem pelo nome. Conheça sua família! 2. Busque apoio em alguém para resolver as dificuldades surgidas; 3. Leve ao conhecimento da coordenação os principais problemas e alegrias; 4. Coloquem as cadeiras em semi-círculos, facilita a comunicação; 5. Evite as improvisações, preparando os encontros antes; DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO
  102. 102. DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO 6. Evite a rotina. Aproveite para isso as celebrações e revisões. Prepare um encontro-surpresa: passeio, confraternização, jogo...; 7. Procure conhecer o conjunto da programação e do material que pode ser utilizado na catequese. Isso dará segurança; 8. Use com critério e criatividade o seu material à sua disposição; 9. Procure valorizar e acompanhar os catequizandos, dando-lhe algumas tarefas durante o encontro;
  103. 103. 10. Esteja sempre em contato com a coordenação. Não desanime! O trabalho que vale a pena sempre exige compromisso e sacrifício; 11. Interessa pelo catequizando além do encontro, o que gosta, quais seus problemas; 12. Participe intensamente de sua comunidade. Carregue no coração a alegria de pertencer a uma comunidade cristã, mesmo com suas dificuldades. DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO
  104. 104. 13. Seja uma pessoa de oração. A Palavra de Deus deve ser para você um livro de meditação diária. Faça uma oração comprometida com a vida e a realidade; 14.Seja frequente nos encontros de formação de catequese. Seja presente e atuante na vida da sua comunidade. Dê testemunho de seu ministério. 15. Seja pontual e evite faltar nos encontros de catequese. Caso for preciso, avise com antecedência, comunique a coordenação. Encontre um substituto. DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO
  105. 105. 16. Além da data de nascimento, valorize a data de batismo de cada catequizando; 17. Procure incentivar a oração espontânea, pois ajuda a entender as alegrias, tristezas e preocupações dos catequizandos; 18. Coloque com cuidado e muito respeito um toque de humor no encontro; 19. Se os catequizandos falam alto demais, fale mais baixo. Você adquire o silêncio, sem perder a paciência; 20. Não humilhe, não despreze e nem deixe ninguém de lado. DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO
  106. 106. 21. Cada um é um. Por isso, evite fazer comparações entre catequizandos; 22. Valorize a diversidade e os dons. Se você não é poeta, talvez no grupo tem. Você não canta? Algum talvez cante. 23. Evite o “achismo”, por isso estude o assunto. Tenha certeza de suas afirmações, seja sincero. Diga a verdade quando não souber: no momento eu não sei a resposta... 24. Crie dinâmicas conforme as idades DICAS PARA MELHORAR A QUALIDADEDICAS PARA MELHORAR A QUALIDADE DO ENCONTRO CATEQUDO ENCONTRO CATEQUÉÉTICOTICO
  107. 107. PASTORAL CATEQUPASTORAL CATEQUÉÉTICATICA II –– CONHECER O CAMPO DA MISSÃOCONHECER O CAMPO DA MISSÃO •Qual o Público Alvo? Como é a Família? •Atingimos a todos? Por quê? ••Quais são as maiores dificuldades eQuais são as maiores dificuldades e desafios da Catequese?desafios da Catequese? •Como está organizado a Catequese? •Há Catequistas suficientes? Os dias e horários são adequados? Tem apoio do Conselho e da Comunidade / Padre / Bispo •Há uma Equipe de Coordenação?
  108. 108. CONSELHO DE JETRO PARA MOISCONSELHO DE JETRO PARA MOISÉÉSS Êxodo 18,13Êxodo 18,13--2727 ““Procura dentre o povoProcura dentre o povo •• Pessoas capazes,Pessoas capazes, •• Tementes a Deus,Tementes a Deus, •• Pessoas com coerência de vida;Pessoas com coerência de vida; •• Desapegados das coisas materiais;Desapegados das coisas materiais; •• Escolher lideres para coordenar grupos deEscolher lideres para coordenar grupos de mil, de cem, de cinquenta e de dez;mil, de cem, de cinquenta e de dez; •• Planejar e estabelecer o tempo de trabalhoPlanejar e estabelecer o tempo de trabalho e quais as fune quais as funçções, conforme a vontade eões, conforme a vontade e desdesíígnios de Deus.gnios de Deus.
  109. 109. MINISTMINISTÉÉRIO DA COORDENARIO DA COORDENAÇÇÃOÃO Coordenação vem do latim “co-ordinatione”. Ordinatione significa dispor segundo certa ordem, organizar, arranjar. Portanto, coordenação seria organizar o conjunto, por em ordem o desordenado. É uma ação de cooperação, uma ação de “corresponsabilidade entre os iguais”. Uma das finalidadesfinalidades da coordenação é criar relações, facilitar a participação, desenvolver a sociabilidade, levar a cooperação e corresponsabilidade. O essencial é criar relacionamento, motivar a renovação, aprender a fazer equipefazer equipe.
  110. 110. Trata-se de um serviço que integra todas as forças vivas da catequese como: Catequistas, Pais/Mães, Catequizandos. Toda missão comum da educação da fé. É um ministério que existe em função da unidade da fé que sustenta as ações da Igreja. Devem ser exercidos em equipe num processo de participação e comunhão com a comunidade, com o padre.
  111. 111. É exercer um ministério que implica em organizar, articular, acompanhar, integrar, animar, planejar, avaliar, revisar, celebrar, incentivar a caminhada da catequese local. É manter viva a caminhada da Catequese em sintonia com as diretrizes e prioridades da Igreja. C OC O OO R D E N A R ...R D E N A R ...
  112. 112. A coordenação é um ministério, um serviço. Integra as forças vivas da catequese (catequistas, pároco, pais, catequizandos, demais pastorais e equipes de serviços) através de ações concretas. É um serviço de animação.
  113. 113. Ministro é alguém que exerce uma missão em nome de alguém responsável por aquela missão. No exercício da catequese ou da sua coordenação somos ministros de Deus junto aos catequizandos, catequistas e Comunidades. É em nome de Deus e da Igreja que exercemos esta missão. Isso exige competência, responsabilidade e espiritualidade.
  114. 114. A equipe deve ser eleita entre os membros do grupo de catequistas da paróquia / comunidade. Para ser coordenador(a) é preciso ter liderança, saber trabalhar em grupo, ter experiência de catequese, ter feito algum curso básico para catequista e outros cursos de aprofundamento. Deve-se ao escolher a equipe de coordenação estipular o tempo no serviço deste ministério. Durante o período determinado da coordenação é importante avalia- la, preparar outras pessoas para assumir futuramente a coordenação e ter senso de desprendimento, pois não é cargo para status, mas serviço para a comunhão.
  115. 115. A missão do(a) coordenador(a)A missão do(a) coordenador(a) éé a dea de encontrar um jeito de ir, sem esquemasencontrar um jeito de ir, sem esquemas complexos,complexos, àà vida dos catequistas navida dos catequistas na animaanimaçção, na formaão, na formaçção, no relacionamentoão, no relacionamento humanohumano--afetivo, na escuta, no diafetivo, na escuta, no diáálogo, nalogo, na organizaorganizaçção, na busca de novos passos, naão, na busca de novos passos, na espiritualidade, na comunicaespiritualidade, na comunicaçção aosão aos catequistas, pais e comunidades, dascatequistas, pais e comunidades, das decisões de reuniões, assembleias, encontrosdecisões de reuniões, assembleias, encontros de setores, foranias, regiões, diocese.de setores, foranias, regiões, diocese.
  116. 116. “Adormeci e sonhei que a vida era alegria;Adormeci e sonhei que a vida era alegria; despertei e vi que a vida era servidespertei e vi que a vida era serviçço; servi eo; servi e vi que o servivi que o serviçço era alegriao era alegria”” (R. Tagore).
  117. 117. A Equipe de CoordenaA Equipe de Coordenaçção estão estáá a Servia Serviçço:o: • Das pessoas: Acolhe, anima, confia, faz crescer o grupo de Catequistas; compartilha a vida, escuta as alegrias e dificuldades, valoriza as pessoas; elimina o medo e é solidária. • Da Comunidade catequizadora e dos Catequistas: Interessa-se pelo bom andamento da Catequese, sente-se participante; conhece, articula, preocupa-se pela formação dos catequistas. • Da reunião: Prepara a reunião, anima, procura conhecer dinâmicas de animação para melhor acolher o grupo, exigindo responsabilidade e participação dos catequistas. Numa reunião, a falta de coordenação causa perda de tempo, desperdício e frustração.
  118. 118. Portanto, usemos os nossos diferentes dons dePortanto, usemos os nossos diferentes dons de acordo com a graacordo com a graçça que Deus nos deu. Se oa que Deus nos deu. Se o dom que recebemosdom que recebemos éé o de anunciar ao de anunciar a mensagem de Deus, famensagem de Deus, faççamos isso de acordoamos isso de acordo com a fcom a féé que temos.que temos. SeSe éé o dom de servir, então devemos servir; seo dom de servir, então devemos servir; se éé o de ensinar, então ensinemos; seo de ensinar, então ensinemos; se éé o dom deo dom de animar os outros, então animemos.animar os outros, então animemos. Quem reparte com os outros o que tem, que faQuem reparte com os outros o que tem, que faççaa isso com generosidade.isso com generosidade. Quem tem autoridade, que use a sua autoridadeQuem tem autoridade, que use a sua autoridade com todo o cuidado.com todo o cuidado. Quem ajuda os outros,Quem ajuda os outros, que ajude com alegriaque ajude com alegria. (Rom 12,6-8)
  119. 119. COMPROMISSOS Equipe de Coordenação •Elaborar, de maneira participativa, o projeto para a catequese, destacando o objetivo, planejamento participativo, as ações concretas, as reuniões avaliações periódicas. •Promover bom relacionamento entre as pessoas para que caminhem de mãos unidas. •Valorizar as experiências pessoais e grupais, promovendo novos líderes dentro do grupo. •Contornar conflitos entre catequistas, pais, catequizandos e membros da Comunidade, estando sempre aberta para o pluralismo e para enfrentar as resistências.
  120. 120. •Incentivar toda a Comunidade para que os seus membros se sintam responsáveis, assumindo também a missão catequizadora. •Preparar junto com o Padre e com os catequistas, um programa de formação e acompanhamento dos catequistas. •Estabelecer critérios para a missão e formação dos catequistas. •Providenciar o material necessário para o bom andamento da Catequese. •Ser presença, força, apoio, estímulo aos catequistas novos e jovens. •Fortalecer a criatividade: ter amor criativo para fazer crescer a catequese comunitária.
  121. 121. A catequese precisa de catequistas convertidos. Com isso, virão catequistas empolgados. Com isso, catequistas mais preparados para a missão que Deus lhe Confia.
  122. 122. A revolução na catequese começa com uma mudança de comportamento dos catequistas. Precisamos mais “das pessoas” e não apenas “de pessoas”. Se não for assim, tudo não vai passar de “fogo de palha”.
  123. 123. "ONDE EXISTE UMA NECESSIDADE, EXISTE TAMBÉM UMA OPORTUNIDADE”
  124. 124. ““Quem vos ouve,Quem vos ouve, a Mim ouvea Mim ouve”” (Lc 10,16). ““O Filho doO Filho do homem não veiohomem não veio para ser servido,para ser servido, mas para servirmas para servir”” (Mt 20,28).
  125. 125. NADA TENADA TE PERTURBE,PERTURBE, NADA TE ESPANTE,NADA TE ESPANTE, TUDO PASSA,TUDO PASSA, DEUS NÃO MUDA.DEUS NÃO MUDA. A PACIÊNCIA,A PACIÊNCIA, TUDO CONSEGUE.TUDO CONSEGUE. QUEM A DEUS TEM,QUEM A DEUS TEM, NADA LHE FALTA,NADA LHE FALTA, SSÓÓ DEUSDEUS ÉÉ SUFICIENTE.SUFICIENTE. Santa Teresa de Ávila (1515-1582 )
  126. 126. QUEM QUERQUEM QUER FAZER ALGUMAFAZER ALGUMA COISA ARRANJACOISA ARRANJA UM MEIO.UM MEIO. QUEM NÃO QUERQUEM NÃO QUER FAZER NADA,FAZER NADA, ARRANJA UMAARRANJA UMA DESCULPA.DESCULPA.
  127. 127. ELABORAÇÃO CriaCriaçção e montagem:ão e montagem: JosJoséé Vieira dos SantosVieira dos Santos Email: jvieiras@hotmail.com Tel.: (67) 3422-6517 Jardim Santo André DOURADOS - MS

×