Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sindrome De Downn

Sindrome De Downn

  1. 1. Um novo olhar sobre a inclusão Síndrome de Down de alunos com
  2. 2. Conceito <ul><li>Síndrome de Down, também conhecida como Trissonomia do cromossomo 21, é um distúrbio genético causado durante a formação do feto, pela presença de mais de dois cromossomos 21. É uma das anomalias genéticas mais conhecidas. </li></ul>
  3. 3. Causas <ul><li>A Síndrome de Down é causada por uma anomalia genética que pode ocorrer no óvulo, no espermatozóide ou após a união dos dois (ovo). Na Síndrome de Down há um cromossomo a mais. Por isso ela é também conhecida como trissomia do 21, já que este cromossomo extra é de número 21. </li></ul>
  4. 4. Incidências <ul><li>Cerca de 80% das crianças com síndrome de Down nascem de mulheres com menos de 35 anos. Mas a incidência da síndrome de Down em mulheres mais velhas é maior. De cada 400 bebês nascidos de mães com mais de 35 anos, um tem síndrome de Down . </li></ul>
  5. 5. Características <ul><li>Retardo mental; </li></ul><ul><li>Hipotonia (fraqueza muscular); </li></ul><ul><li>Anomalia cardíaca; </li></ul><ul><li>Baixa estatura; </li></ul><ul><li>Olhos com fendas palpebrais oblíquas; </li></ul><ul><li>Perfil achatado; </li></ul><ul><li>Prega única na palma da mão. </li></ul>
  6. 6. Educação Especial no Brasil <ul><li>A Educação especial no Brasil, teve início no século XIX por alguns brasileiros tomando como base, experiências concretizadas na Europa e Estados Unidos da América do Norte. </li></ul>
  7. 7. Origem do termo Síndrome de Down <ul><li>A Síndrome foi identificada pela primeira vez pelo geneticista francês Jérome Dejune em 1958. </li></ul><ul><li>O nome Síndrome de Down foi em homenagem a um médico britânico que descreveu a síndrome em 1862. </li></ul>
  8. 8. Várias Leis e Documentos Internacionais <ul><li>1988 – Constituição da República; </li></ul><ul><li>1989 – Lei nº 7.853/89; </li></ul><ul><li>1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA); </li></ul><ul><li>1994 – Declaração de Salamanca; </li></ul><ul><li>1996 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB); </li></ul><ul><li>2000 – Leis nº 10.048 e nº10.098; </li></ul><ul><li>2001 – Decreto nº 3.956 (Convenção da Guatemala). </li></ul>
  9. 9. Educação inclusiva <ul><li>Segundo a Revista Nova Escola (2005, p.24)“ A educação inclusiva acolhe todas as pessoas, sem exceção. É para o estudante com deficiência física, para os que têm comprometimento mental, para os superdotados, para todas as minorias e para a criança que é discriminada por qualquer outro motivo.” (Maria Tereza Eglér Mantoan) </li></ul>
  10. 10. Benefícios acadêmicos e sociais <ul><li>Acadêmicos </li></ul><ul><li>Pesquisas mostram que as crianças se desenvolvem melhor academicamente quando trabalham num ambiente inclusivo . </li></ul><ul><li>Social </li></ul><ul><li>Oportunidades diárias de se misturar com outras pessoas e desenvolvendo seu comportamento de acordo com sua faixa etária; </li></ul><ul><li>As crianças têm oportunidade de desenvolver relações com crianças de sua própria comunidade; </li></ul><ul><li>Ir à escola comum é um passo chave em direção à inclusão na vida comunitária e na sociedade como um todo. </li></ul>
  11. 11. Atitudes do educador que inclui <ul><li>Procura conhecer a legislação que garante o direito à Educação das pessoas com deficiência; </li></ul><ul><li>Exige auxílio, estrutura, equipamentos, formação e informações da rede de ensino; </li></ul><ul><li>Deixa claro aos alunos que manifestações preconceituosas contra quem tem deficiência não serão toleradas; </li></ul>
  12. 12. Atitudes do educador que inclui <ul><li>Não se sente despreparado e, por isso, não rejeita o aluno com deficiência; </li></ul><ul><li>Pesquisa sobre as deficiências e busca estratégias escolares de sucesso; </li></ul><ul><li>Acredita no potencial de aprendizagem do aluno e na importância da convivência com ele para o crescimento da comunidade escolar; </li></ul>
  13. 13. Atitudes do educador que inclui <ul><li>Organiza as aulas de forma que, quando necessário, seja possível dedicar um tempo específico para atender às necessidades específicas de quem tem deficiência; </li></ul><ul><li>Se há preconceito entre os pais, mostra a eles nas reuniões o quanto a turma toda ganha com a presença de alguém com deficiência; </li></ul><ul><li>Apóia os pais dos alunos com informações . </li></ul>
  14. 14. Fatores que facilitam o aprendizado <ul><li>Habilidade de aprender e usar sinais, gestos e apoio visual; </li></ul><ul><li>Habilidade para aprender e usar a palavra escrita ; </li></ul><ul><li>Imitação de comportamento e atitudes dos colegas e adultos ; </li></ul><ul><li>Aprendizado com currículo prático e material e com atividades de manipulação. </li></ul>
  15. 15. Fatores que inibem o aprendizado <ul><li>Desenvolvimento tardio de habilidades motoras, tanto fina quanto grossa; </li></ul><ul><li>Dificuldades de audição e visão; </li></ul><ul><li>Dificulade no discurso e na linguagem; </li></ul><ul><li>Déficit de memória auditiva recente; </li></ul>
  16. 16. Fatores que inibem o aprendizado <ul><li>Capacidade de concentração mais curta; </li></ul><ul><li>Dificuldade com a consolidação e retenção de conteúdo; </li></ul><ul><li>Dificuldade com generalizações, pensamento abstrato e raciocínio; </li></ul><ul><li>Dificuldade em seguir seqüências; </li></ul><ul><li>Estratégias para evitar o trabalho. </li></ul>
  17. 17. Peculiaridades que ajudam a processar informações <ul><li>Percepção; </li></ul><ul><li>Atenção; </li></ul><ul><li>Memória; </li></ul><ul><li>Lactoescrita; </li></ul><ul><li>Psicomotricidade; </li></ul><ul><li>Raciocínio lógico matemático. </li></ul>
  18. 18. Seleção do material <ul><li>O material deve ser: </li></ul><ul><li>Ser seguro; </li></ul><ul><li>Ser resistente e duradouro; </li></ul><ul><li>Ser atrativo; </li></ul><ul><li>Ser polivalente; </li></ul><ul><li>Adaptar-se a idade dos alunos. </li></ul>
  19. 19. Avaliação <ul><li>A avaliação das aprendizagens dos alunos com necessidades educativas especiais, naquelas áreas ou disciplinas que tenham sido objeto de adaptações curriculares significativos, deve ser feita formando como referências os objetivos e critérios de avaliação fixa. </li></ul>
  20. 20. &quot;A maior limitação para que os portadores de Síndrome de Down se tornem adultos integrados, produtivos, felizes e independentes não é imposta pela genética, mas sim pela sociedade&quot;. (Cláudia Werneck)
  21. 21. Equipe <ul><li>Adriana Nery </li></ul><ul><li>Fátima Marques </li></ul><ul><li>Maria Valdecy Picanço </li></ul><ul><li>Marinalva Frazão </li></ul><ul><li>Meyrelane Baía </li></ul><ul><li>Mônica Barreto </li></ul><ul><li>Natalícia Paiva </li></ul><ul><li>Sunamita Muniz </li></ul>

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • sarinha13

    Sep. 8, 2013
  • katiacilene986

    Nov. 21, 2013
  • alinebarcellos796

    Dec. 15, 2013
  • martinsgraziele

    Apr. 9, 2014
  • AnaCndido3

    Aug. 6, 2015
  • pamnunes944

    Aug. 23, 2015
  • ismaelmourasantos

    Sep. 26, 2015
  • josielyrodrigues

    Oct. 20, 2015
  • elizeteferreira79

    Nov. 24, 2015
  • cassianeferreira549

    Nov. 20, 2016

Views

Total views

17,904

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

60

Actions

Downloads

686

Shares

0

Comments

0

Likes

10

×