Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Geologia 10 métodos para o estudo do interior da geosfera

6,632 views

Published on

Published in: Education
  • Login to see the comments

Geologia 10 métodos para o estudo do interior da geosfera

  1. 1. Biologia e GeologiaMétodos para o estudo do interior da Geosfera
  2. 2. 2 Os geólogos usam diversosinstrumentos e recolhem informações nos mais variados pontos do globo. Nuno Correia 2011/12
  3. 3. 3O contexto geológico dos Açores é muito específico Nuno Correia 2011/12
  4. 4. 4 Observação eestudo direto da Magmas esuperfície visível xenólitos Métodos diretos Exploração de Sondagensjazidas minerais e escavações Nuno Correia 2011/12
  5. 5. 5Estudo direto da superfície visívelMuitas rochas encontram-se num ambiente diferente daquele em que se formaram. Nuno Correia 2011/12
  6. 6. 6 Nuno Correia 2011/12
  7. 7. 7Mont Chenaillet - França Nuno Correia 2011/12
  8. 8. 8 Nuno Correia 2011/12
  9. 9. 9 DescontinuidadeCrosta de Moho Manto Macedo de Cavaleiros Foto cedida por Ana Lereno Nuno Correia 10/11
  10. 10. CrostaPeridotito Manto
  11. 11. 11Magmas e Xenólitos Nuno Correia 2011/12
  12. 12. 12 Nuno Correia 2011/12
  13. 13. 13Sondagens Nuno Correia 2011/12
  14. 14. 14 Nuno Correia 2011/12
  15. 15. 15 Nuno Correia 2011/12
  16. 16. 16 Nuno Correia 2011/12
  17. 17. 17Exploração de Jazidas Minerais Nuno Correia 10/11
  18. 18. 18 Nuno Correia 2011/12
  19. 19. 19Sismologia Nuno Correia 2011/12
  20. 20. 20 Nuno Correia 2011/12
  21. 21. 21Gravimetria Nuno Correia 2011/12
  22. 22. 22 GravimetriaConvencionou-se que o nível médio das águas do mar possui uma força gravítica igual a zero  F = 0  Acima de zero – anomalia positiva  Abaixo de zero – anomalia negativa Nuno Correia 2011/12
  23. 23. 23 Nuno Correia 2011/12
  24. 24. 24 Nuno Correia 2011/12
  25. 25. 25 Nuno Correia 2011/12
  26. 26. 26 Nuno Correia 2011/12
  27. 27. 27 Nuno Correia 2011/12
  28. 28. 28 Nuno Correia 2011/12
  29. 29. 29 Nuno Correia 2011/12
  30. 30. 30 Nuno Correia 2011/12
  31. 31. 31 Nuno Correia 2011/12
  32. 32. 32Desenhar um gráfico de gravimetria Nuno Correia 2011/12
  33. 33. 33 Desenhar um gráfico de gravimetria Nuno Correia 2011/12
  34. 34. 34 Nuno Correia 2011/12
  35. 35. 35 Nuno Correia 2011/12
  36. 36. 36 Nuno Correia 2011/12
  37. 37. 37 Nuno Correia 2011/12
  38. 38. 38 Nuno Correia 2011/12
  39. 39. 39 Nuno Correia 2011/12
  40. 40. 40 Nuno Correia 2011/12
  41. 41. 41Densidade Nuno Correia 2011/12
  42. 42. 42 Nuno Correia 2011/12
  43. 43. 43Paleomagnetismo Nuno Correia 2011/12
  44. 44. 44 Nuno Correia 2011/12
  45. 45. 45 Nuno Correia 2011/12
  46. 46. 46 Nuno Correia 2011/12
  47. 47. 47 Nuno Correia 2011/12
  48. 48. 48 Nuno Correia 2011/12
  49. 49. 49 Nuno Correia 2011/12
  50. 50. 50 Nuno Correia 2011/12
  51. 51. 51A determinação da idade das rochas em paralelo com a orientaçãomagnética permitiu aos geólogos estudar as variações do campomagnético terrestre ao longo do tempo. Nuno Correia 2011/12
  52. 52. 52A descoberta de rochas magnetizadas com cerca de 3,5 mil milhões de anos,permitiu concluir que o núcleo externo líquido, rico em ferro, já se encontrariaformado nesta altura. Nuno Correia 2011/12
  53. 53. 53Mas os estudos do paleomagnetismo também possibilitaram estudar aevolução dos fundos oceânicos e inferir acerca do dinamismo da crustae do manto superior. Estes estudos permitiram verificar que existe umpadrão regular nas anomalias magnéticas nos fundos oceânicos.Comprovam a ocorrência de um mecanismo de formação de placaoceânica a partir de um eixo central correspondente à dorsal médio--oceânica . Nuno Correia 2011/12
  54. 54. 54 Nuno Correia 2011/12
  55. 55. 55Embora o campo magnético terrestre seja imperceptível para os sereshumanos, ele é extremamente importante para o planeta, protegendo-ode radiações ionizantes e de ventos solares, que contêm partículasperigosas para os seres vivos e que afectam o funcionamento desatélites e aparelhos de comunicação. Nuno Correia 2011/12
  56. 56. 56Astrogeologia e Planetologia Nuno Correia 2011/12
  57. 57. 57 Nuno Correia 2011/12
  58. 58. 58Geotermia Nuno Correia 2011/12
  59. 59. 59 Nuno Correia 2011/12
  60. 60. 60 Nuno Correia 2011/12
  61. 61. 61 Nuno Correia 2011/12
  62. 62. 62 Nuno Correia 2011/12
  63. 63. 63Os gráficos A e B da figura são relativos àvariação do fluxo térmico em zonasdistintas.Em A estão registados os valores do fluxotérmico (valores médios) em cinco zonas dooceano Pacífico, em B valores do fluxotérmico (valores médios) em seis zonasseleccionadas no meio continental.1. O fluxo térmico corresponde:A. à quantificação das variações da temperatura com a profundidade.B. ao aumento da temperatura por quilómetro de profundidade.C. ao número de metros que é necessário aprofundar na crosta para que a temperatura aumente 1 °C.D. à quantidade de energia térmica libertada pela Terra por unidade de tempo e por unidade de superfície. (Seleccione a opção correcta.) Nuno Correia 2011/12
  64. 64. 64Classifique as afirmações de A a F emverdadeiras (V) ou falsas (F), de acordo comos dados.A. O fluxo térmico atinge valores mais elevados nas zonas continentais seleccionadas do que ao nível do oceano Pacífico.B. No oceano Pacífico o fluxo térmico é maior junto ao eixo da dorsal.C. O fluxo térmico é menor ao nível de rochas mais antigas.D. Próximo do eixo dorsal o fluxo térmico no oceano Pacífico pode atingir valores próximos de 230 m.W. m-2.E. Ao nível do oceano o fluxo térmico diminui com a distância ao eixo da dorsal. F - Nas zonas jovens do.continente o fluxo térmico é superior a 80 mW.m-2. Nuno Correia 2011/12
  65. 65. 65 Nuno Correia 2011/12
  66. 66. 66 Nuno Correia 2011/12
  67. 67. 67Calor Convecção Condução Nuno Correia 2011/12
  68. 68. 68 Condução Convecção Nuno Correia 2011/12
  69. 69. 69 Nuno Correia 2011/12
  70. 70. 70 Nuno Correia 2011/12

×