Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Administrarotempo

565 views

Published on

Reflexão sobre a importância de pensar a sua administração do tempo.

Published in: Education
  • Login to see the comments

Administrarotempo

  1. 1. 1212 1515 1818 99 Administração do tempo. Uma questão de Qualidade de Vida!
  2. 2. Os gregos têm duas palavras para designar o Tempo:Os gregos têm duas palavras para designar o Tempo: Chronos e Kairós.Chronos e Kairós. ChronosChronos é o tempo do relógio, do atraso, dos prazos, doé o tempo do relógio, do atraso, dos prazos, do desgastar, do consumir ...desgastar, do consumir ... O tempo da quantidade.O tempo da quantidade. KairósKairós é o tempo de sentir, de viver, de entender, do prazer, dasé o tempo de sentir, de viver, de entender, do prazer, das férias, do crescimento, da evolução...férias, do crescimento, da evolução... O tempo da qualidade.O tempo da qualidade. O tempo no ocidente é essencialmente Chronos. DevemosO tempo no ocidente é essencialmente Chronos. Devemos aprender a ser Kairós.aprender a ser Kairós. Difícil? Muito! Afinal não se trata apenas de técnicas mas deDifícil? Muito! Afinal não se trata apenas de técnicas mas de mudanças de comportamento.mudanças de comportamento. Este início de conversa busca contribuir para este desafio.Este início de conversa busca contribuir para este desafio. Ampliando os conceitosAmpliando os conceitos
  3. 3. Por que administrar o tempo? Há muitas razões, todas elas ligadas à sua qualidade de vida. Vamos resumir tudo em quatro: 1. Tempo é vida: Quem administra o tempo ganha vida, mesmo vivendo o mesmo tempo. Prolongar a duração de nossa vida não é algo sobre o qual tenhamos muito controle. Aumentar a nossa vida ganhando tempo dentro da duração que ela tem é algo, porém, que está ao alcance de todos. 2. Tempo é dinheiro: Quem administra o tempo pode também transformar este ganho de vida em ganho de dinheiro. O tempo tem um valor monetário para quem tem objetivos: a decisão de empregá-lo ou não em determinada tarefa deve levar em consideração este valor do seu tempo. 3. Produtividade: O tempo é um recurso fundamental. Nada pode ser produzido sem ele. Sua produtividade é a multiplicação de sua eficiência pela sua eficácia. 4. Stress: Quem administra o tempo reduz o Stress que é fruto do mal uso do tempo.
  4. 4. Excesso de tarefas; Excesso de informação; Excesso de interrupções; Tendência à procrastinação (deixar para decidir e fazer tudo depois). Amigos da Administração do TempoAmigos da Administração do Tempo Inimigos da Administração do TempoInimigos da Administração do Tempo Bom senso; Lista de lembretes; Priorização; Agenda Semanal e Diária; Delegar tarefas e organizar a papelada; Eliminar tarefas.
  5. 5. Rotina de trabalho: diáriaRotina de trabalho: diária 1. Relacione as suas tarefas. Por exemplo: trabalhar fora, lavar, passar, limpar, cozinhar, comprar, pagar, lazer, daimoku, estudar, alimentar e dormir. 2. Para cada tarefa atribua um tempo. ( o ideal é que as tarefas não ultrapassam 1 hora – se for o caso observe o que fazer para melhorar); 3. Observe, ou estipule a freqüência das tarefas na semana. 4. Monte a sua tabela. Analisando sua tabela: Observe sua rotina e faça as seguintes perguntas: A) Posso delegar alguma das tarefas? B) Posso reduzir o tempo gasto, melhorando a performance, sendo mais eficaz? C) Posso reduzir a freqüência da atividade? Agora pense em como fazer para delegar e reduzir as tarefas. Responda: Com a redução o que entra no espaço vago? Reconstrua sua agenda e observe se conseguiu algum tempo. Se não conseguiu, analise agora quais são os “inimigos do seu tempo”. As interferências que atrapalham o seu desempenho na realização de suas tarefas.
  6. 6. ““Fazendo uma retrospectiva de minha vida, quandoFazendo uma retrospectiva de minha vida, quando era jovem dediquei-me totalmente ao trabalho,era jovem dediquei-me totalmente ao trabalho, porém, algumas vezes, desperdiceiporém, algumas vezes, desperdicei minhas energiasminhas energias por exceder-me em meus esforços. A partir dospor exceder-me em meus esforços. A partir dos sessenta anos, todos os meus esforços resultaram emsessenta anos, todos os meus esforços resultaram em excelentes frutos, sem que houvesse desperdício deexcelentes frutos, sem que houvesse desperdício de uma gota de energia. Sei que agora, em um ano,uma gota de energia. Sei que agora, em um ano, posso realizar com toda seriedade e eficiência umaposso realizar com toda seriedade e eficiência uma tarefa que exigiria de mim cinco anos de durotarefa que exigiria de mim cinco anos de duro trabalho quando era jovem.”trabalho quando era jovem.” Daisaku Ikeda in Envelhecendo na SociedadeDaisaku Ikeda in Envelhecendo na Sociedade Contemporânea – Diálogo sobre a Terceira Idade.Contemporânea – Diálogo sobre a Terceira Idade. Editora Brasil Seikyo, p. 115.Editora Brasil Seikyo, p. 115.
  7. 7. ““Fazendo uma retrospectiva de minha vida, quandoFazendo uma retrospectiva de minha vida, quando era jovem dediquei-me totalmente ao trabalho,era jovem dediquei-me totalmente ao trabalho, porém, algumas vezes, desperdiceiporém, algumas vezes, desperdicei minhas energiasminhas energias por exceder-me em meus esforços. A partir dospor exceder-me em meus esforços. A partir dos sessenta anos, todos os meus esforços resultaram emsessenta anos, todos os meus esforços resultaram em excelentes frutos, sem que houvesse desperdício deexcelentes frutos, sem que houvesse desperdício de uma gota de energia. Sei que agora, em um ano,uma gota de energia. Sei que agora, em um ano, posso realizar com toda seriedade e eficiência umaposso realizar com toda seriedade e eficiência uma tarefa que exigiria de mim cinco anos de durotarefa que exigiria de mim cinco anos de duro trabalho quando era jovem.”trabalho quando era jovem.” Daisaku Ikeda in Envelhecendo na SociedadeDaisaku Ikeda in Envelhecendo na Sociedade Contemporânea – Diálogo sobre a Terceira Idade.Contemporânea – Diálogo sobre a Terceira Idade. Editora Brasil Seikyo, p. 115.Editora Brasil Seikyo, p. 115.

×