Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Minhavidanacelula 110814092041-phpapp01

  • Be the first to comment

Minhavidanacelula 110814092041-phpapp01

  1. 1. Sumário Como utilizar este Manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 Capítulo 1 – A Igreja em Células . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 Capítulo 2 – A Célula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Capítulo 3 – Relacionando-se com o Pai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Capítulo 4 – Relacionando-se com os outros por meio da cruz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Capítulo 5 – Uma família compartilhando sem medo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Capítulo 6 – Treinados e conectados no Seu corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Capítulo 7 – Koinonia: Comunhão sete dias por semana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Capítulo 8 – Encontrando o poder de Deus por meio dos seus dons . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Capítulo 9 – Encontrando o Seu poder edificador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Capítulo 10 – Encontrando o Seu propósito ministerial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31 Termo de compromisso dos membros da célula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Trilho de Treinamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
  2. 2. Introdução Como utilizar este Manual Este material não foi projetado para aulas formais, mas para discipulado individualizado. Isto quer dizer que ele deve ser feito com o acompanhamento de um discipulador. Sugerimos a você, discipulador ou discípulo, que seja feito, no mínimo, um capítulo por semana. Isto fará com que sejam utilizadas 11 semanas para concluí-lo. No entanto, pode ser lido mais de um capítulo por sema- na, devendo haver um encontro de prestação de contas entre cada leitura. Direção para o discípulo: 1. Inicie sempre com uma oração e com a leitura e meditação bíblica do versículo indicado no início da li- ção. 2. Leia com atenção o capítulo, sublinhando as partes interessantes e que chamaram a sua atenção. 3. Ao final, leia as perguntas do “Pense nisso!”, pois serão usadas pelo seu discipulador no dia de compar- tilhar o capítulo. Se quiser pode sublinhar no próprio texto suas respostas ou anotar em folhas separa- das. 4. Encerre sempre com uma oração. Se desejar, leia os textos bíblicos complementares. Direção para o discipulador: 1. Combine com seu discípulo quantos capítulos serão feitos por semana. Lembre-se que entre cada capí- tulo deve haver um dia para o encontro. Este encontro deve ter, em média, 1 hora. Exemplo: O discípulo lê o Capítulo 1 na segunda e o Capítulo 2 na quinta; O encontro será na terça para o Capítulo 1 e na sexta para o Capítulo 2. 2. Ore sempre no início de cada encontro e medite com seu discípulo sobre a leitura do Capítulo do dia. 3. Leve seu discípulo a compartilhar sobre o Capítulo lido utilizando as perguntas do “Pense nisso!”. 4. Esteja atento às necessidades do discípulo e do que Deus tem falado com ele. Procure corrigir pensa- mentos enganosos e, caso não tenha respostas, leve-as ao líder de célula. 5. Encerre o momento pedindo para seu discípulo orar sobre o que foi aprendido. Marque a próxima leitura e o próximo encontro.
  3. 3. P á g i n a | 4 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 1 A Igreja em Células Leitura: Atos 2:42-47 A história da Igreja. O livro de Atos dos Apóstolos foi escrito pelo evangelista Lucas para falar da obra da Igreja, e é nos- so objetivo procurar ser aquilo que o Senhor planejou que fôssemos. Acreditamos que o alvo da igreja, o exem- plo maior, está no seu início no livro de Atos. Nós podemos perceber algumas características desta igreja que desejamos viver fazendo um con- traste com as igrejas de hoje: Eles se reuniam de casa em casa e no pátio do templo; algumas igrejas na atualidade reúnem-se somente no templo, onde este ocupa posição privilegiada e santa entre os irmãos. Os relacionamentos eram profundos, com comprometimento de vida mediante o discipulado pessoal e a prestação de contas; atualmente há dificuldade em manter um comprometimento de vida, pois cada um cuida do que é seu e acredita que não deve ou precisa prestar contas para ninguém. Os dons espirituais eram usados por todos os crentes para abençoarem uns aos outros e edificarem o Corpo de Cristo; hoje são poucos os que realmente colocam à disposição os seus dons espirituais, muitos, na verdade, nem sequer sabem quais são esses dons. Eles conseguiam alcançar aqueles que não conheciam a Jesus com vida, testemunho (palavra) e poder, além de impactar a sociedade da época com o amor que sentiam uns pelos outros; atualmente o evange- lismo é restrito a alguns irmãos, e o método utilizado, normalmente, é impessoal, pois não envolve necessaria- mente um comprometimento de vida. Os líderes da igreja eram modelos para o rebanho e a tarefa pastoral mais importante era a de ca- pacitar os crentes para exercerem seu ministério no Corpo de Cristo; nas igrejas atuais eles lideram departamen- tos e não pessoas. A tarefa pastoral tem ênfase na pregação. A liderança era escolhida pela sua vida, caráter e coração para servir, sendo que os pastores e líde- res surgiam na própria igreja mediante o discipulado e treinamento; nos dias de hoje a liderança é escolhida com base em sua capacitação intelectual. A oração era algo forte na Igreja do Novo Testamento, com um compromisso de todos os irmãos; a- tualmente a oração tornou-se uma escolha individual e limitada. A comunhão era diária, como investimento de vida conjunta para o Reino; a comunhão da igreja atu- al tornou-se semanal, nos cultos ou após eles. Como você pôde observar, muita coisa mudou da Igreja como ela começou para a Igreja dos nossos dias atuais. Mas você pode perguntar: O que provocou tal mudança? Tudo aconteceu no ano de 313 d.C., quando o imperador romano Constantino afirmou ter se conver- tido ao cristianismo. Implantou mudanças na forma de ser da Igreja, pois beneficiava aqueles que eram cristãos com a diminuição de impostos e outros privilégios. Muitos foram batizados sem serem convertidos, preocupados apenas com os interesses financeiros que a nova fé trazia. A partir deste imperador tem início as construções dos templos cristãos, que mais tarde seriam chamados injustamente de “igrejas”, já que a “igreja” é o grupo de cristãos reunidos no Corpo de Cristo. Em 378 d.C. o imperador Teodósio declarou o cristianismo a religião oficial do império e tornou obri- gatório a cada cidadão fazer parte da igreja. Muitos templos pagãos foram utilizados para cultos cristãos. Você pode bem imaginar que esta união da Igreja com o Estado não gerou boa coisa, como por exemplo: O culto que era singelo, simples e familiar tornou-se informal e impessoal, com vários elementos pa- gãos e ritualismos. As reuniões só poderiam acontecer nos dias determinados (aos domingos) e não mais ocor- riam as reuniões públicas e caseiras dos irmãos. A igreja de Jesus, que possuía pastores e todos os irmãos eram ministros, passou a ser constituída por um corpo de sacerdotes, sendo que só estes podiam ministrar e dirigir o culto. As conversões deixaram de ser uma transformação de Cristo no indivíduo para ser a adesão a uma religião. Nesta época muitos pagãos se “converteram” e levaram para a igreja seus ídolos e hábitos seculares. No ano de 500 d.C. foi instituído o uso da roupa sacerdotal para diferenciar quem era o sacerdote e quem não era. Em 31 de Outubro de 1517, Lutero inicia a Reforma da fé. Mas o que queremos é, também, uma re- forma na forma da igreja, daquilo que ela perdeu com toda a intervenção do Estado e de pessoas não converti- das. Queremos viver uma Igreja que tenha a forma pensada pelo seu criador: Deus. A parábola da Igreja de duas asas ilustra bem o que aconteceu. Leia com atenção! Era uma vez uma igreja criada com duas asas. Uma asa era a celebração em grupos grandes e a outra era para a comunidade dos grupos pequenos. Utilizando ambas as asas, a igreja conseguia voar alto e se apro- ximar da presença de Deus e ainda sobrevoar graciosamente toda a terra, preenchendo o propósito do Criador.
  4. 4. P á g i n a | 5 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Um dia, uma enciumada e malvada serpente, que não tinha asa alguma, desafiou a igreja a voar apenas com a asa do grupo grande. A serpente aplaudiu efusivamente quando a igreja conseguiu levantar vôo (mesmo que de forma desajeitada) e a convenceu de que, com muito exercício, ela conseguiria voar utilizando apenas uma asa. Enganada desde aquele dia, a igreja de duas asas começou a satisfazer-se com apenas uma asa. A asa do grupo pequeno se tornou cada vez mais fraca por falta de exercício até atrofiar e tornar-se um apêndice sem vida e sem utilidade ao lado da asa exagerada do grupo grande. A igreja de duas asas que havia planado nas maiores alturas se tornou uma igreja de uma asa. O Criador da igreja ficou muito triste. Ele sabia que o projeto das duas asas permitiria a igreja voar aos céus, até a Sua presença e obedecer Seus comandos na Terra. Agora, com apenas uma asa, a igreja tinha que fazer um esforço extra para conseguir levantar vôo. Mesmo dando um jeito de permanecer alada, ela tendia a voar em círculos, não muito longe do seu ponto de partida. Gastando mais e mais tempo na segurança e no con- forto da sua gaiola, ela ficou gorda, preguiçosa e satisfeita com sua vidinha terrena. De vez em quando, a igreja que já havia voado com duas asas sonhava com a possibilidade de fazê-lo no- vamente, mas a poderosa asa do grupo grande se tornara tão dominante que não aceitava nenhum tipo de auxí- lio da parte mais fraca. Era tarde demais. O Criador finalmente reconstruiu a igreja de duas asas. Ele tem, outra vez, uma igreja que pode voar até a Sua presença e sobrevoar a terra cumprindo Seus propósitos. A igreja nos lares. “Foi na igreja nos lares que conseguimos melhor visualizar o reflexo estrutural da natureza e a função da igreja em relação ao seu ambiente... O próprio contexto da igreja nos lares realçou a função da igreja... A dinâmica que fez da igreja primitiva uma comunidade de fé vital e efetiva têm suas raízes nas casas. É uma noção errada concluir que o único motivo da comunidade apostólica ter desenvolvido igrejas nos lares de- veu-se ao fato de ser uma minoria perseguida e, por isso mesmo, não poderia tornar-se pública em sua expres- são institucional. Na verdade a igreja primitiva foi um testemunho público, apesar de ser perseguida... Paulo era um fazedor de tendas e ele, sem dúvida, poderia ter construído algum tipo de tenda, talvez utili- zando o modelo do tabernáculo, no qual desenvolveria seu ministério, especialmente em Éfeso, onde permane- ceu por dois anos. Aparentemente isso nunca lhe ocorreu. Era algo inteiramente estranho para o modo como ele e os cristãos primitivos pensavam a respeito da igreja. As igrejas eram as pessoas... em primeiro lugar, em últi- mo e sempre”. (Dubois, Home Cell Groups and House Churches, p. 64, 67) A vida da Igreja no Novo Testamento. Os cristãos se encontravam nas casas uns dos outros dia após dia para uma refeição em comum, durante a qual relembravam Jesus com gratidão, enquanto compartilhavam o pão e o vinho. Nessas reuniões, aqueles que tinham estado com Jesus recontavam suas memórias e introduziam os outros em seus ensinamentos. Em público, proclamavam aos seus concidadãos as boas novas do ato divino realizado pelo Messias. A entrada nes- sa nova comunidade acontecia pelo batismo “no nome do Senhor Jesus”; esse batismo os destacava como sen- do parte do povo. Eles se encontravam para orar em grupos e também participavam das orações no templo. Nos primeiros dias, eles vendiam suas propriedades e aqueles que estavam em necessidade recebiam suprimentos desse fundo comum. Nessa comunidade as pessoas comuns – aquelas que foram alvos da compaixão de Jesus porque eram como ovelhas sem pastor – encontravam nova vida e nova esperança; não estavam mais sem líder, isto porque, se havia alguma coisa mais importante do que qualquer outra, que era real para a comunidade dos cristãos, esta era a presença e o poder de Jesus. Mesmo não estando mais presente em forma visível, a presença dEle era percebida e apreciada quando se encontravam, e – ainda mais incrível – os atos poderosos que Jesus realizou como sinais de um novo tempo quanto esteve na Terra continuavam a ser realizados pelos Seus discípulos em Seu nome, ou – para ser mais exato – eram realizados por Ele dos céus por intermédio dos Seus discípulos. Este poder manifesto do nome de Jesus causou uma impressão profunda na população de Jerusalém e contribu- iu para o aumento da comunidade. The Spreading Flame (A chama que se espalha), F. F. Bruce, p. 74 Vantagens de uma estrutura de grupos pequenos. 1. ELA É FLEXÍVEL. Como o grupo é pequeno, ele pode facilmente mudar seus procedimentos ou funções pa- ra ir ao encontro de situações de mudanças ou ainda atingir objetivos diferentes. Ele é livre para ser flexível quanto ao ritmo, tempo, freqüência e duração das reuniões.
  5. 5. P á g i n a | 6 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula 2. ELA É MÓVEL. Um grupo pequeno pode se encontrar numa casa, num escritório, numa loja ou em qualquer outro lugar. Pode ir ao encontro das pessoas sem afugentá-las da vida cristã. 3. ELA É INCLUSIVA. Um grupo pequeno pode mostrar uma abertura cativante a todos os tipos de pessoas. Como Elton Trueblood coloca: “Quando uma pessoa é levada a um pequeno círculo, dedicado a oração e ao compartilhamento profundo dos recursos espirituais, ela está bem ciente de que ali ela é bem-vinda por ser quem é, pois o grupo pequeno não tem orçamento nem líderes preocupados com o sucesso de sua ad- ministração ou da sua promoção. 4. ELA É PESSOAL. A comunicação cristã sofre pela impessoalidade. Muitas vezes é tão polida e tão profissio- nal e por isso mesmo tão impessoal. Mas num grupo pequeno uma pessoa se encontra com outra pessoa; a comunicação se dá a nível pessoal. Mesmo que pareça contraditório, um grupo pequeno pode alcançar mais pessoas do que os meios de comunicação em massa. Estes meios de comunicação em massa alcan- çaram milhões de pessoas superficialmente, mas poucos com profundidade. A igreja deve utilizar-se de to- dos os meios de comunicação, mas nada deve substituir a comunicação pessoal. 5. ELA PODE CRESCER AO SE DIVIDIR. Um grupo pequeno só é eficiente enquanto for pequeno, mas pode facilmente reproduzir-se. Ele pode multiplicar-se como célula viva em duas, quatro, oito ou mais, dependen- do da vitalidade de cada grupo. Há incontáveis possibilidades para um crescimento numérico sem o corres- pondente gasto financeiro e sem diminuição do impacto espiritual. 6. ELA PODE SE TORNAR UM MEIO EFICIENTE DE EVANGELISMO. O evangelismo eficiente nas cidades não abrirá mão dos grupos pequenos para a sua metodologia básica. O grupo pequeno é o melhor ambien- te em que pecadores podem ouvir a voz convincente e vitoriosa do Espírito Santo e de nascer espiritual- mente por meio da fé. O grupo vai descobrir que a fé é contagiante quando a comunhão é genuína. 7. ELA REQUER UM MÍNIMO DE LIDERANÇA PROFISSIONAL. É necessária uma liderança competente nes- tes grupos, mas a experiência tem comprovado que tais líderes podem ser desenvolvidos na própria igreja. Não são necessárias pessoas treinadas profissionalmente. 8. ELA É ADAPTÁVEL À IGREJA INSTITUCIONAL. O grupo pequeno não joga fora a igreja organizada. Gru- pos pequenos podem ser introduzidos nela sem abandonar e sem minar a igreja, mesmo que uma incorpo- ração séria dos grupos pequenos exija alguns ajustes e esteja sujeita a eventuais questionamentos sobre prioridades. É melhor ver o grupo pequeno como um componente da estrutura do ministério da Igreja, e não como um substituto para a igreja. Howard A. Snyder, The Problem of Wineskins (O Problema dos Odres) p. 140 Resumindo… Quando a Igreja foi criada ela tinha os encontros com todos os crentes que se reuniam para a adoração pública e os encontros nas casas, para edificação e fortalecimento dos irmãos. A intervenção do Estado encer- rou os encontros do grupo pequeno e impediu a ministração de todos os crentes. O sacerdócio que pertencia a todos foi resumido a alguns homens instruídos pela igreja já institucionalizada. Compare com Ap 1:6 e 1 Pe 2:9. O que queremos é viver a Igreja de acordo com o Novo Testamento, que cada crente participe ativamente da dinâmica do Corpo, orando, aprendendo e ministrando na vida de todos. Como dizemos: que cada crente seja um ministro. Pense a respeito! Na História da Igreja são apontados alguns contrastes entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja atual. Você consegue imaginar alguma conseqüência para os cristãos com essa mudança? Você poderia explicar claramente a parábola da Igreja de duas asas? Procure expressar com suas palavras como eram as Igrejas nos lares. Qual Vantagem de uma estrutura com grupos pequenos mais lhe chamou a atenção? Por que? Textos complementares: Atos 5:43; Atos 8:3; Atos 12:11-12; Atos 16:40; Atos 20:6-11; Atos 20:20; Romanos 16:3-5; Romanos 16:15; 1 Coríntios 16:19; Colossenses 4:15; Filemom 1-2
  6. 6. P á g i n a | 7 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 2 A Célula Leitura: 1 Coríntios 12:13-18 O que é uma célula? A célula é formada por um grupo de cristãos que mantém vínculos de amor e comunhão todos os dias e que, em um dia da semana, reúnem-se para o encontro. Nestes encontros há louvor, oração e ministração, e isto não apenas pelo líder, mas por todos os irmãos da célula. Um dos propósitos da célula é evangelizar. Quando você estiver fazendo parte da vida da célula irá ouvir falar em: evangelismo, discipulado, célula evangelística, oikós, treinamento e multiplicação. Tudo isto acontece com o propósito de ajudar você a cumprir, juntamente com seus irmãos, o propósito de Deus para o crescimento do Seu Reino. O ideal é que ao final de um ano juntos, sua célula esteja pronta para a multiplicação, e isto será uma grande vitória, pois cumpriram a missão confiada por Deus: alcançar os incrédulos. Vamos agora compreender de forma mais profunda o que é a célula. O que não é uma célula? Para compreendermos o que é, devemos saber o que não é uma célula. Muitos confundem os grupos de estudos, os grupos evangelísticos, os círculos caseiros de oração, os grupos de comunhão ou os grupos com propósitos definidos com a célula. Existe uma diferença muito importante. Estes grupos anteriores são uma pe- quena parte da vida da igreja. A célula não! A célula é a Igreja. Ela existe para vivenciar a Igreja, seja no louvor, na Palavra, na oração ou no evangelismo. Ela não é uma programação, mas é a própria igreja reunida nos lares. A célula também não deve ser um lugar de buscar a satisfação de suas necessidades, mas nela buscamos aqui- lo que o Senhor quer fazer em nossas vidas. A célula é a Igreja em natureza, poder e propósito. Os cincos sistemas da célula A vida na célula pode ser muito bem representada pelos seus cinco sistemas: comunidade; treinamento; prestação de contas; liderança e evangelismo. Para facilitar seu aprendizado, usaremos a “mão” como ilustra- ção: Perfil de uma célula bem sucedida. O que você acha que uma célula precisa ter para ser bem sucedida? Assinale suas sugestões: ( ) liderança dinâmica; ( ) música e louvor impressionantes; ( ) material de treinamento excelente; ( ) sinais e maravilhas; ( ) líderes com profundo conhecimento teológico; ( ) comunhão calorosa; ( ) relacionamentos profundos e transparentes. Na verdade, estes fatores acima até são importantes, mas não são eles que tornam uma célula bem suce- dida. O que a torna assim é a posição que Jesus ocupa nela: o CENTRO. É a Sua presença que libera a lideran- ça, a musica, os dons, o material, o estudo bíblico, a comunhão e os relacionamentos calorosos. Qualquer célula O polegar representa a COMUNIDADE: todos os dedos trabalham em conexão com o polegar. Todos os sistemas em uma célula relacionam-se a partir da célula e retornam para a célula. É a vida expressa na comunhão através das células. O dedo mínimo representa o TREINAMENTO: representa os novos convertidos e os fracos na fé que precisam de treinamento e preparo para crescer na fé. O dedo anelar representa a PRESTAÇÃO DE CONTAS: é o dedo da aliança e sugere res- ponsabilidade. A célula possui um sistema de apoio de uns aos outros. É a relação discipula- dor/discípulo. O dedo médio representa a LIDERANÇA: representa as pessoas mais maduras da célula. Os líderes/pais devem ser treinados para cuidar da célula. O dedo indicador representa o EVANGELISMO: é o dedo que pega as coisas e dá a direção. Esta é a direção evangelística da célula. O propósito de levar pessoas para Jesus.
  7. 7. P á g i n a | 8 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula que coloca o louvor, ou o líder ou qualquer outra coisa que não Jesus no seu centro, torna-se doente e acaba não cumprindo sua função de ser uma oportunidade de Deus nos utilizar para abençoarmos a vida dos nossos irmãos e daqueles que não O conhecem. Na verdade, a célula ideal é aquela que coloca o Senhor Jesus no seu centro e que vive seus cinco siste- mas. Você lembra quais são esses sistemas? Tente memorizá-los. Porque Deus decidiu usar a célula? De acordo com Herbert Butterfield, conhecido historiador: “a mais forte unidade organizacional na história do mundo parece ser o que denominamos de célula porque ela: (1) é uma multiplicadora de si mesma; (2) é ex- cepcionalmente difícil de destruir; (3) preserva sua itensidade de vida local enquanto outras grandes organiza- ções rapidamente desaparecem quando enfraquecidas no núcleo; (4) pode desafiar os poderes dos governos; (5) é a alavanca apropriada para abrir à força qualquer status quo. Não importa se escolhermos o cristianismo primitivo ou o calvinismo do Século XVI ou o comunismo moderno, esta parece ser a maneira adequada pela qual um punhado de pessoas pode abrir um novo capítulo na história da civilização”. H. Butterfild, The Role of the Individual in History, (O papel do indivíduo na história), Writings on Christiani- ty and History, ed. C.T. McIntire, New York, OUP, 1979, p. 24 A célula é só para tempos de perseguição? Alguns que não gostam da idéia de células têm argumentado que a igreja do Novo Testamento se reunia desta forma porque não poderia fazer isto abertamente, pois seria perseguida. Este pensamento não encontra qualquer apoio histórico, pois mesmo na época em que a igreja não foi perseguida ela se reunia nos lares, seja em Filipos, Roma, Tessalônica, Judéia ou qualquer outro lugar. O fato de a célula ter ajudado a igreja a passar pelas dificuldades impostas pela perseguição só comprova sua importância e utilidade. Estrutura de um encontro de células. Lembre-se, a célula é um grupo de irmãos que mantém comunhão diária, mas que se reúnem uma vez por semana para compartilhar e ministrar. A este momento nós chamamos de “encontro de célula”. Neles ocorrem os 4 Es: Encontro, Exaltação, Edificação e Evangelismo. O momento do Encontro é chamado também de “quebra-gelo”, pois tem o propósito de descontrair e pre- parar as pessoas, deixando-as à vontade para compartilharem. Pode ser que na sua célula seja oferecida uma refeição na abertura ou no final, mas isto não é obrigatório e deve ser definido pelos membros da célula. Este é o momento do “eu para você”. No momento da Exaltação adoramos ao Senhor por meio de louvores, palavras de gratidão, comparti- lhando vitórias, lendo salmos e tudo mais que exalte a Deus. Este é o momento do “nós para Deus”. Para o momento de Edificação é importante que você tenha prestado atenção e, de preferência, feito su- as anotações do sermão do domingo. É uma oportunidade de compartilharmos aquilo que o Senhor tem falado à sua vida e de abrir o seu coração para a ministração dos outros. Você também deve ficar à vontade para minis- trar na vida dos seus irmãos de acordo com aquilo que Deus conduzir. Este é o momento de “Deus para nós”. O último momento é o Evangelismo. Nele oramos pelas pessoas que queremos alcançar para Jesus, e pedimos a Ele que abra os corações e que conquiste nossos amigos, parentes, colegas e vizinhos para Jesus. Neste momento pode ser feito o apelo para conversão. Há um momento bem especial que é chamada de “célula evangelística”, feita com o propósito de alcançar as pessoas por quem você tem orado. Entretanto, convidados não crentes serão sempre bem-vindos em qualquer um dos encontros. Este é o momento do “nós para o mun- do”.
  8. 8. P á g i n a | 9 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Resumindo... O que é uma Célula? VIDA EM COMUNIDADE: onde cada um procura edificar o outro; onde cada um encoraja os outros a viverem e não se isolarem dos seus locais de contato; onde orar e ministrar uns aos outros cria um sentimento de inte- resse e o desejo de se ter o melhor para o outro; onde o fruto do Espírito é visto e demonstrado de forma evi- dente para o benefício do grupo; EVANGELISMO: onde cada membro nascido de novo olha além do grupo, a fim de alcançar um amigo ou paren- te não-salvo para um relacionamento de salvação em Jesus Cristo; onde cada membro nascido de novo per- cebe que cada atividade da igreja é uma oportunidade para compartilhar a sua fé e experiência em Jesus Cristo; LIDERENÇA: onde todos os membros nascidos de novo reconhecem seu papel como sacerdotes diante de Deus; onde todos os membros nascidos de novo exercitam seus dons espirituais para a edificação do corpo de Cristo; onde cada membro nascido de novo é encorajado a ter uma atitude de servo; onde cada membro nascido de novo é responsável por uma outra pessoa na célula; VIDA: onde o frescor e o dinamismo caracterizam o corpo como um todo; onde cada célula se multiplica em no- vas células regularmente; onde a célula se expande em lugares e ministérios que, de outra forma, seriam im- possíveis de se penetrar; GUIADA PELO ESPÍRITO: onde todos os membros nascidos de novo estão abertos para a liderança e a visão do Espírito Santo; onde todos os membros nascidos de novo reconhecem a sua falência pessoal e se tornam completamente dependentes da graça de Deus; onde o louvor e a adoração acontecem por amor a Cristo, o cabeça da igreja. Ralph Neighbour Pense a respeito! Vimos que a célula é diferente de muitos grupos que existem por aí. Tente mostrar onde estão as diferenças que mais chamaram a sua atenção. Fazendo uso de sua mão, repita quais são os cinco sistemas da célula. O que cada um significa? Quais fatores tornam uma Célula ideal? O que podemos esperar que aconteça em cada um dos Quatro Es da célula? Textos complementares: 1 Coríntios 14:26; Colossenses 3:16
  9. 9. P á g i n a | 10 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 3 Relacionando-se com o Pai Leitura: Filipenses 4:6 Relacionamentos: o maior valor! Não sei se você já pensou a respeito, mas os relacionamentos são o maior valor da Bíblia. A Bíblia é uma história de relacionamentos: o desejo de Deus em relacionar-se com o homem, a quebra desse relacionamento pelo pecado e a sua restauração por Jesus. Muito do Novo Testamento trata sobre a forma como nós cristãos devemos nos relacionar. O grande problema dos nossos dias é a vida corrida. Precisamos separar parte do nosso tempo para estar com Deus. Se trabalharmos das 08:00 às 18:00 sabemos que não poderemos marcar nenhum compromisso para este horário. Mas temos grande dificuldade em marcar um compromisso diário com o Senhor. Relacione-se com Deus pela oração. Oração é um diálogo. É uma conversa entre você e Deus. Da mesma forma que você fala com Ele, Ele deseja falar com você. Oração também é algo que deve se tornar vivo com a Sua presença na medida em que nos tornamos mais íntimos dEle. A oração não foi designada para ser uma formalidade sem vida ou uma simples recitação memori- zada pela qual passamos ou uma apresentação a Deus de nossa lista de desejos. Jesus, ao falar sobre a oração dos fariseus (Mt 6:5), condenou a oração vazia e sem coração. Mas a ora- ção sincera conquista o coração de Deus. A questão não é só orar, mas orar com o coração no Pai. O quarto de escuta. O quarto não precisa ser “um quarto”. Ele é o seu lugar de estar a sós com Deus. Um ambiente calmo, tranqüilo e que permita a concentração, reflexão e sua conversa com Deus. Pode ser em algum lugar da sua casa, um parque da cidade, uma montanha, um lago, mas deve ser um lugar especial para você e Deus, onde haja liberdade para rir, chorar, falar, cantar e expressar seus sentimentos na presença do Amado Pai. Lugar para descarregar o fardo e “recarregar a bateria” da nossa vida. Lugar para aquietar a alma e des- cansar o coração. Ali você deposita diante do Pai não somente sua vida, mas todos os irmãos da sua célula e as pessoas que você tem evangelizado. Veja o que Elizabeth O´Conner disse sobre a importância da preparação pela oração na célula: “...experimentar a comunidade não pode ser programado para uma noite, mas ela se torna possível somente quando existem pessoas que fazem o trabalho essencial, preliminar de oração... Quando o trabalho de oração foi realizado, podemos ver e ouvir nos outros o que, de outra forma, chegaria até nós de forma distorcida ou completamente confusa. Não temos a mesma necessidade de ser afirmados pelos outros ou de achar um lugar para nós mesmos no esquema das coisas. A oração nos liberta para estarmos disponí- veis para as pessoas. Ela é a preparação para o evento da comunidade.” Deus fala na Sua Palavra. Um elemento essencial para nos relacionarmos com o Pai é conhecê-Lo. A melhor forma para isto é atra- vés da revelação que o próprio Deus fez acerca de Si mesmo: a Bíblia. Um crente que desenvolve um bom tempo de oração, mas não de leitura bíblica, consegue falar com Deus, mas não conhecê-Lo. Para saber sobre Ele, procure no livro que Ele escreveu. Nosso relacionamento com o Senhor precisa ser nutrido com Sua Palavra. Ele não somente falou e fez, mas continua falando e fazendo. A Bíblia é mais uma prova do amor de Deus pelas nossas vidas. Nela Deus não apenas revela o homem, mas a Ele mesmo, Seu caráter e Sua vontade. Tenha momentos de diários de oração juntamente com a leitura bíblica. Falando com o Pai sobre sua célula. Durante os encontros da sua célula você poderá presenciar importantes momentos de confissão de peca- dos, quebrantamento, o compartilhar de tribulações e muitas outras situações em que se faz necessária a ora- ção. Nunca comente com ninguém sobre o que é compartilhado na sua célula. Afinal, as pessoas precisam confiar em você e você nelas, para que haja abertura. Mas existe uma pessoa com quem você pode comparti- lhar: Deus.
  10. 10. P á g i n a | 11 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Falando com o Senhor, Ele direciona a decisão a ser tomada sobre os problemas compartilhados, dá uma direção de sabedoria para se resolver alguma dificuldade e manifesta Seu consolo através de algum irmão. O- rando você abre o canal com Deus para ser usado por Ele e para receber a ministração dos outros irmãos. Resumindo... O quarto de escuta é o seu lugar secreto de oração. Nele você busca a presença de Deus e procura com- partilhar todas as lutas, dificuldades, sonhos e desejos, seus e de seus irmãos da célula. Deve ser acompanhado com a leitura bíblica, pois ela fala do Deus para quem você ora. Mostra como você deve ser e proceder em todas as situações da sua vida e lhe permite, conhecendo a Palavra, ajudar os seus irmãos da célula. Este é um momento de preparação e deve ser intensificado quando se aproxima o dia do encontro da cé- lula. Lembre-se: nunca vá para ela sem antes ter um bom momento de oração! Pense a respeito! O que seria o seu quarto de escuta? Você já dispõe de um lugar assim? Você já teve alguma experiência de ouvir Deus falando com você através da Sua Palavra? O que mudaria em sua vida e na vida da sua célula se você for para um encontro preparado pela oração? Textos complementares: Mateus 4:4; Mateus 21:22; João 5:24; Atos 8:4; Atos 16:16; 1 Coríntios 1:5; Efésios 6:18; Colossenses 3:16; Colossenses 4:2
  11. 11. P á g i n a | 12 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 4 Relacionando-se com os outros por meio da cruz Leitura: Romanos 15:17 Célula é Comunidade. Um aspecto muito importante da célula é que ela nos ensina e faz viver em comunidade. Foi este cristia- nismo que os cristãos do Novo Testamento experimentavam. Tinha tudo em comum, repartiam o pão nas casas, compartilhavam suas experiências e ministravam na vida uns dos outros. Experimentar este nível de comunhão é possível quando fazemos o nosso quarto de escuta e quando mantemos nosso coração aberto para sermos usados por Deus para ministrar às necessidades dos outros, da mesma forma que ficamos abertos para receber ministração. A comunhão do grupo grande, resumida em um culto dominical é limitada e não cumpre o papel que Cristo planejou para a igreja. A não ser que nossos proble- mas esperem até o próximo domingo. Por isso dizemos que a comunhão da célula acontece sete dias por semana, não necessariamente se- guindo a liturgia do encontro semanal, mas pode ser bastante informal. Você pode sair para fazer as compras no supermercado com uma irmã da célula; ajudar seu irmão a lavar o carro; caminharem juntos pela manhã; fazer o trabalho da escola juntos, e tantas outras atividades que nos colocam em sintonia uns com os outros. O impor- tante é lembrar que tudo isso deve ser uma oportunidade para Deus falar com vocês. Os relacionamentos de uma célula. A célula possui três níveis de relacionamentos: O primeiro é o relacionamento entre os membros da célula. Não deve acontecer em um dia ou dois da se- mana, mas tantas vezes quanto for possível e necessário. É o relacionamento de todos os cristãos do seu grupo pequeno. O segundo é o relacionamento com Deus. Aqui não se trata apenas do quarto de escuta, mas dos momen- tos onde o Senhor fala sobre aquilo que passamos e pelas questões sobre as quais oramos. Ele fala conosco, muitas vezes, através dos nossos irmãos. O terceiro é o relacionamento com os não-convertidos. Este relacionamento deve ser sempre “interessei- ro”, pois você deve ter o propósito de leva-los a Jesus. Você orará por eles junto com a sua célula e os evangeli- zará. Quando eles se converterem passarão a fazer parte do mesmo grupo que você. Lembre-se: um dos grandes propósitos da célula é alcançar os perdidos! Enfrentando conflitos na célula. Onde há comunhão, há conflitos. Esta foi a experiência de Jesus com os 12 de sua célula e esta é a expe- riência pela qual passamos muitas vezes na nossa. A comunhão envolve estes problemas, eles até são naturais, mas precisamos diferenciar um “conflito saudável” de um “conflito destrutivo”. Conflitos saudáveis: Desejo de ser ouvido, expressar um ponto-de-vista, expandir o entendimento do grupo, promover cura pessoal e do grupo, receber resposta pessoal e ajuda, chegar à unidade, paz e consenso, oferecer apoio ao líder. Conflitos destrutivos: Desejo de desviar atenção, destruição, interesse pessoal, ganhar uma discussão, mudar os outros, conflito ao invés de paz, controlar e manipular os outros, enfraquecer a liderança e a autoridade e estabelecer facções dentro do grupo. Algo importante sobre conflitos destrutivos é que eles são extremamente prejudiciais à sua vida e à sua célula. Informe ao seu líder sobre maledicências, palavras maldosas, principalmente com relação a ele próprio. Os conflitos acontecem para que aprendamos a viver juntos e, portanto, o seu líder precisa estar sempre a par destas coisas. Os conflitos existem, mas precisamos buscar o direcionamento de Deus para resolvê-los. Não se sinta de- sestimulado se seu grupo pequeno começar a passar por eles. Se houve em cada um de vocês um crente que realmente busque a Deus, serão vencidos e este será mais um passo para o crescimento. Os interesses pessoais e a célula. Veja o que algumas pessoas esperam que ocorra em uma célula: Crianças: “Se vocês cuidarem dos meus filhos como eu desejo, então farei parte desta igreja”. Estudo bíblico: “Se vocês estudarem a Bíblia com a profundidade que desejo, então estarei com vocês!”.
  12. 12. P á g i n a | 13 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Dons: “Se vocês utilizarem os dons do jeito e do modo que eu acho adequado eu farei parte desta igreja”. Ministério: “Se vocês ministrarem às pessoas de quem eu gosto, então farei parte desta igreja”. Teologia: “Se vocês defenderem minha posição teológica, então farei parte dela!”. Santidade: “Se esta igreja concordar com as minhas regras de comportamento, então farei parte dela!”. Testemunho: “Se esta igreja utilizar os mesmos métodos de evangelismo que eu uso, então vou apoiá-la!”. Estes são apenas alguns desejos que as pessoas têm quando entram em uma igreja em células. Você já parou para pensar se cada um de nós exigisse que seu desejo fosse satisfeito naquele momento? Como seria? Bem, não haveria tempo para satisfazer a todos. Tenha cuidado com os interesses pessoais! O principal interesse de uma igreja em células é que os cris- tãos vivam na presença e no poder de Cristo em comunidade. CRISTO É O PROGRAMA DA IGREJA EM CÉ- LULAS. Este é o “firme fundamento”. O resto é “fundamento arenoso”. A célula, a congregação e a celebração proporcionam um contexto no qual Cristo se torna o ponto central que dirige e usa a sua igreja. O desenvolvimento de uma igreja é atravancado quando algumas pessoas procuram forçar seus interes- ses pessoais sobre a vontade de Deus. Os interesses podem não estar errados em si mesmos. Na verdade, muitas destas preocupações são necessárias e se tornarão parte da igreja. O perigo aparece quando essas coi- sas secundárias são introduzidas prematuramente; tomam a mesma atenção e importância que a “coisa princi- pal”. Deus nos uniu em Cristo. Deus é Comunidade: PAI – FILHO – ESPÍRITO SANTO. O tipo de Comunidade de Deus será caracteriza- do por: unidade, honestidade, abertura, aceitação, segurança, alegria, paz e humildade. Nós entramos na perfei- ta comunidade do Pai, do Filho e do Espírito. Ali, na presença do Deus Trino, existe comunidade. Mesmo a perfeita comunidade de Deus o Pai, o Filho e o Espírito não poderiam alcançar o homem longe da cruz... da morte... sem o esvaziamento do próprio Jesus. 2 Coríntios 5:19 – “Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo!” Filipenses 2:7-11 – “esvaziou-se a si mesmo... humilhou-se a si mesmo, e foi obediente até a morte e morte de cruz”. Jesus foi o preço pago para que pudéssemos ter comunhão primeiramente com o Pai, e só após isto, com cada um de nossos irmãos. Igreja: Comunidade de servos. Só existe um Senhor na Igreja: Jesus. Todos nós somos apenas servos. Quem não tem um coração dis- posto e preparado para servir não compreendeu a proposta de vida de Jesus. Veja como isto é dito em 1 Pedro 4:10. Neste texto o apóstolo Pedro diz que somos “despenseiros da graça de Deus”. O despenseiro, na época, era o servo que ficava com a chave da despensa e era responsável pelo suprimento de todos. Não podia deixar faltar nada e dava conta de tudo o que era consumido na casa. Pedro diz que nós temos a chave da despensa do coração de Deus e que devemos utilizá-la para distribuir as maravilhas da graça do Pai para nossos irmãos. É triste ver que existem tantos despenseiros na igreja e tan- tos crentes estão morrendo de fome da graça de Deus. Sirva na força de Deus, e utilize a chave para abençoar a todas as pessoas. Nesta despensa existem bens mais preciosos do que prata e ouro, que podem salvar a vida de muitas pessoas. Que grande honra ser um des- penseiro de Deus! As Escrituras exigem de nós e nos advertem a considerarmos que qualquer favor que obtenhamos do Senhor, o temos recebido com a condição de que o apliquemos em benefício comum da Igreja. (João Calvino) Lidando com conflitos na célula. Existem cinco opções de confronto com esses problemas: “Eu vou pegá-lo” Posição: Eu ganho você perde, porque eu estou certo e você está errado. Os objetivos estão acima dos relacionamentos. A abordagem acontece na base da força e com pouco ou nenhum a- mor. O meu jeito é o único jeito certo. Ponto de vista: As questões são claras e simples. Alguém está certo, completamente certo; e alguém está errado, completamente errado. Resultado: Eu ganho, você perde!
  13. 13. P á g i n a | 14 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula “Vou dar o fora” Posição: Não estou confortável, por isto vou dar o fora. Conflitos devem ser evitados de todas as ma- neiras. Quando ameaçarem, caia fora. “Me mostre a porta de saída mais próxima”. Ponto de vista: Não há esperança, as pessoas não podem ser mudadas; faça vista grossa ou caia fora. Resultado: Eu perco, você perde! “Vou ceder” Posição: Vou ceder para ser bonzinho, pois preciso de sua amizade. Vou ceder para o bem dos rela- cionamentos. Ponto de vista: As diferenças são desastrosas. Se elas emergirem, tudo pode acontecer. Esta pessoa fica tensa e rebelde por dentro, enquanto é generosa e submissa por fora. Resultado: Eu perco, você ganha! “Vamos encontrar um meio termo” Posição: Tenho apenas a metade da verdade e preciso da sua metade. Conflitos são naturais e cada um deveria ser capaz de fazer acordos. Ponto de vista: Tudo se resolve na base da política e da negociação. Resultado: Sou meio derrotado e você também! “Eu me importo a ponto de confrontar” Posição: “Quero ter relacionamentos e também quero ter integridade” Ponto de vista: Conflitos são neutros (nem bons, nem maus). Não devem ser evitados nem minimizados. Importe-se a ponto de confrontar: Quero continuar a me relacionar com você. Quero que você saiba o que sinto, o que preciso e o que valorizo. Resultado: Eu ganho, você ganha! Como você pode perceber, a única forma corretamente bíblica de resolver essas questões é importar-se a ponto de confrontar. Importe-se a ponto de confrontar. PENSAMENTO INCORRETO: “Importar-se” é uma boa palavra quando não há confronto. Existe uma hora para nos importarmos com os outros e eu devo me importar quando for solicitado. Mas o importar-se não deve ser confundido com qualquer tipo de confrontação. Quando nos importamos genuinamen- te, franqueza e confrontação devem ser esquecidas, pelo menos naquele momento. “Se me importo profunda- mente com o irmão, não posso confrontá-lo, pois ferí-lo é a última coisa que quero”. PENSAMENTO INCORRETO: “Confrontar” é uma péssima palavra quando comparada a importar-se. Existe uma hora para confrontar e eu devo confrontar quando necessário. Mas o confronto não deve ser confundido com qualquer tipo de ajuda. Para confrontar poderosamente, preciso colocar o importar-se de lado. “Quando estou irado, eu confronto. Falar de se importar numa hora dessas soa falso”. PENSAMENTO CORRETO: Uma terceira palavra: “Importe-se ao confrontar”: Uma boa expressão “Importar-se” e “confrontar” juntos estabelecem um equilíbrio de amor e poder que conduzem a relaciona- mentos humanos positivos. O senso comum tende a mantê-los distintos e separados. Importar-se ao confrontar oferece verdadeira ajuda que convida o outro a crescer. Importar-se é saudar, convidar e dar apoio ao crescimento do outro. Importar-se ao confrontar oferece verdadeiro confronto que evoca nova reflexão e entendimento. Confrontar efetivamente significa conceder o máximo de informações úteis com um mínimo de ameaças. Importar-se ao confrontar une o amor e o poder. Importar-se ao confrontar unifica a preocupação por rela- cionamentos com a preocupação com os alvos. Desta forma, a pessoa tem algo por que lutar (alvos) e alguém com quem lutar (relacionamentos), sem sacrifícios de um pelo outro e sem entrar em colapso um com o outro. Assim se pode amar poderosamente e ser poderosamente amado. Ambas não se contradizem; complementam- se.
  14. 14. P á g i n a | 15 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Resumindo... Célula é lugar de comunhão sete dias por semana. Comunhão com Deus, com nossos irmãos e buscando levar os incrédulos para um encontro com o Senhor. Caminhar em comunhão é, entretanto, algo que pode levar a conflitos, pois é natural que existam diferenças e ajustes entre pessoas que são tão distintas. Se você olhar para os 12 discípulos de Jesus perceberá que Ele fez opção pela diferença, mesmo sabendo que eles passariam por conflitos. Na verdade o crescimento está ligado à forma como vencemos esses conflitos e continuamos a- mando as pessoas, o que importa realmente é permitir que sejam construtivos. O que devemos fazer não é dar as costas ou ignorar, mas importar-se a ponto de confrontar em amor quando algum irmão estiver em pecado, e nós mesmos, aceitando o confronto quando estivermos nessa situa- ção. Enfim, somos todos servos de Cristo e uns dos outros. Não colocar à disposição dos irmãos os nossos dons e serviço é não cumprir o propósito para o qual Deus nos colocou em comunhão. Você terá a oportunidade de exercer sua vida espiritual de forma dinâmica na sua célula. Esteja preparado para abençoar seus irmãos por meio da sua ministração, afinal, foi pra isso que Jesus nos conquistou. Por isso há uma cruz entre nós! Pense a respeito! Você teria alguma idéia de como manter comunhão com seus irmãos da célula durante toda a semana? Existem 3 níveis de relacionamentos em uma célula. Você poderia dizer e explicar cada um deles? Quais tipos de conflitos podem surgir em uma célula e qual a forma correta de lidar com eles? Porque esta é a sua resposta? A Igreja é uma comunidade de servos. Dê exemplos práticos de como você pode servir aos seus irmãos. Textos complementares: Romanos 6:22; Romanos 12:10; Romanos 15:14; 1 Coríntios 14:12; Gálatas 5:13; 1 João 1:7.
  15. 15. P á g i n a | 16 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 5 Uma família compartilhando sem medo Leitura: Tiago 5:16 Perdendo o medo de compartilhar. Um problema comum entre as pessoas que iniciam sua vida na célula é o medo de compartilhar suas lutas e dificuldades. Acham que não serão compreendidos ou até mesmo do que “podem falar por aí”. Nossa luta junto aos irmãos é de que tenham total liberdade para confessar até mesmo seus pecados, sem medo de que a con- versa seja compartilhada com outras pessoas. Um pecado que traz sérias conseqüências para uma célula é a maledicência, pois tira completamente a confiança no grupo. Algumas pessoas são mais abertas que outras, compartilham com mais facilidade e dizem mais pronta- mente sobre o que passam. Outras, entretanto, tem mais receio e demoram a confiar no grupo. Este tempo de adaptação é natural, mas deve ser substituído por atitudes de confiança. Quando entramos em uma célula assumimos alguns pactos, inclusive o de não compartilhar com pessoas fora da célula sobre os problemas ditos ao grupo, com exceção do líder quando percebe a necessidade de com- partilhar com o pastor. Fora isso, o maledicente deve ser chamado a atenção e, em último caso, ser tratado fora do grupo. Pode até parecer radical, mas não podemos correr o risco de perder a confiança em nossos irmãos da célula por culpa de alguém que não quer abandonar o pecado da maledicência. Como membro de sua célula, procure ter sabedoria e cuidado ao compartilhar assuntos polêmicos e deli- cados no encontro. Você terá oportunidade de conversar com seu líder ou discipulador em outro momento. Caso aconteça de você ou outro membro da célula compartilhar algo e o líder interferir pedindo para guardar o assunto para uma outra oportunidade ou propor uma conversa pessoal, não se sinta ofendido nem constrangido, pois esta atitude foi tomada visando o cuidado com sua vida e a edificação do grupo. O nosso “oikos”. Oikos é a palavra grega para “casa”, referindo-se não somente a construção, mas especialmente àquelas pessoas que se relacionam nela. Nosso oikos é a nossa comunidade pessoal. Ela é constituída de pessoas que estão em nosso círculo de influência. Estas são as pessoas que dividem conosco o mesmo parentesco, a mes- ma comunidade ou os mesmos interesses. Fazem parte do seu oikos: Oikos espiritual: seus irmãos em Cristo, especialmente os da célula; Oikos social: são aquelas pessoas que ainda não são cristãs, sejam parentes, vizinhos, colegas ou ami- gos. O tamanho do seu oikos também varia dependendo da capacidade de uma pessoa manter relacionamen- tos com os outros. Isto quer dizer que algumas pessoas têm mais facilidade de criar vínculos sociais do que ou- tras, mas todos possuem um oikos. O interesse do cristão deve ser levar os não crentes para Jesus. Uma célula saudável deve sempre estimular seus membros a aumentarem seu oikos, investindo sempre em novos relacionamentos com o propósito de evangelizar estas pessoas. Você será desafiado a ampliar seus vínculos! Máscaras são possíveis nos relacionamentos superficiais. Estamos acostumados a usar máscaras, pois gostamos de mostrar para as pessoas o quanto “aparente- mente” estamos bem, felizes, satisfeitos, e sentimos vergonha de mostrar quem somos ou como estamos na realidade. Usar estas máscaras se torna tarefa fácil em grupos grandes, mas se torna difícil em grupos pequenos. Compartilhar na célula deve ser uma experiência de tirar as máscaras... sem medo! “Se este não é o lugar onde as lágrimas são entendidas, onde é que vou chorar? E se este não é o lugar onde meu espírito pode ganhar asas, então, onde é que eu vou voar? Eu não preciso de outro lugar para tentar impressionar vocês com a minha bondade e virtudes. Não! Não! Não! Eu não preciso de outro lugar para estar sempre pra cima; todos sabem que é fingimento. Eu não preciso de outro lugar para sempre ficar sorrindo mesmo quando não sinto vontade de faze-lo. Eu não preciso de outro lugar para falar as velhas vulgaridades; todos sabem que não são verdadeiras. Se este não é o lugar onde as lágrimas são entendidas, para onde devo ir, então? Onde vou voar?”. Ken Medema, Word, The Blessing, Samlley & Trent
  16. 16. P á g i n a | 17 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Dois medos da intimidade. O medo de rejeição: diz para si mesmo: “O que vão pensar de mim se souberem o que fiz?”. Esquece que a Bíblia fala que nós devemos acolher aqueles que buscam a Deus e a cura para suas feridas. O medo de confidências violadas: diz para si mesmo: “Será que posso confiar neles ou dirão para os ou- tros o que tenho a compartilhar?”. Tem medo de ouvir as outras pessoas comentando sobre o assunto da última célula. Estes medos podem até ocorrer na vida do crente que passa a viver em uma célula, mas precisam ser substituídos por uma relação de confiança e de acolhida. Estas são algumas características de uma célula eficaz, que consegue manter este nível de segurança pa- ra o compartilhar dos irmãos: Amor e aceitação / Segurança e confiança / Empatia e conforto / Esperança e en- corajamento / Autoridade e prestação de contas / Abertura e honestidade / Liberdade de expressão / Informação e perspectiva. Três fatores que matam o “compartilhamento de vida no corpo”. “Compartilhamento superficial” – Compartilhando problemas triviais de fardos reais. “Por favor, ore... por tem- po bom durante minha pescaria... para achar meu lápis... para receber uma boa nota”. Medo de rejeição ou de ser ridicularizado muitas vezes faz com que as pessoas se refugiem em uma maneira superficial de ver a vida e elas se escondem por detrás de coisas triviais. “Compartilhamento secundário” – Compartilhando os fardos de outra pessoa. “Por favor, orem pela minha tia Maria no Piauí. Ela acaba de descobrir que está muito doente e está com medo de morrer”. Isso até pode ser algo legítimo ou então uma estratégia para escapar das necessidades e dificuldades pessoais. “Respostas inadequadas” – Orando, mas não fazendo nada a respeito da dificuldade. “... e você lhe disser: „Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até ficar satisfeito‟, sem porém lhe dar nada, de que adianta isso?” (Tiago 2:15,16). Algumas situações requerem uma ação imediata da célula. Faça de sua célula um lugar seguro. Você que agora faz ou fará parte de uma célula deve ter em mente uma coisa: nós é que fazemos da célu- la um lugar seguro e que leve a sério a necessidade dos outros. É o nosso compromisso com nossos irmãos, nossa sinceridade, amor e compreensão que a tornam um lugar seguro para compartilhar. Caso alguém entre em sua célula com um espírito faccioso ou maledicente, só o fará se encontrar no grupo lugar para isso. Deixe bem claro que você rejeita todo comentário maldoso ou maledicente sobre quem quer que seja da sua célula ou de outra, mas mostre que existe lugar para cura e que ela pode ser muito abençoada por vocês. Resumindo... Os medos são reais. Medo de compartilhar pecados e problemas ocorrem por não conhecermos mais pro- fundamente os irmãos da nossa célula. Eles, no entanto, devem ser vencidos com o apoio dos próprios irmãos do grupo, afinal, os ambientes somos nós que fazemos. Nunca permita que pessoas maledicentes destruam o compartilhar, pois a célula é o lugar ideal para vivenciarmos de forma bem profunda a cura das nossas feridas, a realização dos nossos sonhos e a edificação dos nossos irmãos. Tenha como propósito na vida da célula levar seu oikos social para Jesus, orando e evangelizando. Você futuramente receberá um treinamento que o ensinará a levar pessoas para Jesus. Enfim, torne sua célula um lugar seguro, para você e para seus irmãos. Evite somente uma doença cha- mada “koinonite”, que é a “inflamação da comunhão”. O grupo está tão unido, tão amado, tão próximo, que não luta para as pessoas se converterem e assim ameacem este pequeno “mundo encantado”. Pense a respeito! Você tem medo ou receio de compartilhar? Quais seriam as causas desses medos? Você conseguiria fazer uma relação com o nome das pessoas que fazem parte do seu oikos social? Faça divi- dindo nos seguintes grupos: Familiares, Vizinhos, Colegas (trabalho ou escola) e Amigos. Quais características de uma célula eficaz você acha que são mais necessárias na sua vida hoje? Como você pode contribuir para a sua célula ser um lugar seguro? Textos complementares: Filipenses 2:1-11; 1 Tessalonicenses 5:11; 1 João 1:7
  17. 17. P á g i n a | 18 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 6 Treinados e conectados no Seu corpo Leitura: Efésios 4:8-16 Todos somos ministros. Como você já leu, todos somos servos. A edificação da igreja depende diretamente da nossa atuação, ou melhor, da atuação de Deus através das nossas vidas. Isto é ministração! Deus agindo através de nós para que a Sua igreja seja edificada. Infelizmente muitos têm utilizado esta palavra de forma errada ou incompleta. Dizem que ministro é somente o pastor ou o ministro de louvor e esquecem que o Senhor nos chamou para ministra- mos de forma bem especial na vida dos nossos irmãos, especialmente os da célula. Neste texto de Efésios 4:8-16 é dito que Deus concedeu dons para que a sua igreja fosse capacitada a ministrar. Veja o que diz o versículo 12: “com vistas ao aperfeiçoamento do santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo”. Podemos falar claramente deste versículo respondendo a três perguntas: Porque Deus concedeu dons para a igreja? Desejando que os crentes fossem aperfeiçoados, treinados para fazer algo. Que algo é esse? O versículo diz que é o desempenho do nosso serviço, ou seja, aquilo que cada crente deve fazer. Mas qual o motivo do Senhor ter feito isso? Para que a Sua igreja fosse edificada. Isto significa que para a igreja ser edificada cada membro deve exercer seu ministério ou serviço. Precisamos ser treinados. Já que o objetivo é a edificação da igreja por cada crente, todos devem ser treinados e capacitados a exe- cutarem seu serviço. Para tanto, na igreja em células, existe um “trilho de treinamento” pelo qual cada crente anda e se desenvolve na fé. Este trilho de treinamento foi criado pensando na necessidade individual de cada crente e na necessidade da igreja. Assim, temos o discipulado a partir das células e os treinamentos para ensinar a discipular, evangeli- zar, liderar uma célula, descobrir e utilizar os dons espirituais e tantos outros necessários para que você ministre na vida de seus irmãos. O treinamento não deve ser somente para uns poucos escolhidos, tidos como mais inteligentes ou mais maduros, ao contrário, este treinamento busca a maturidade de cada discípulo. Tenha certeza disto: você é um ministro! Ministrando na célula. Na sua célula você terá muitas oportunidades de ministrar. Poderá orar sobre algum problema, dar uma Palavra para alguém, esclarecer sobre algo, exercer seu dom espiritual, ministrar com cânticos, liderando a célu- la, levando pessoas para Jesus, visitando, servindo de alguma forma bem prática, fazendo uma ligação telefôni- ca, enviando e-mails, e tudo mais que você puder fazer para alcançar o objetivo maior que é a edificação. A ministração pode ser feita pelo uso de algum de seus dons espirituais. O dom espiritual é uma capacitação sobrenatural dada ao crente no dia da conversão para que ele possa ajudar na edificação do corpo de Cristo. Existem vários dons e todo crente tem, no mínimo, um. O treinamento “Dons Espirituais – Descubra seu lugar no Corpo de Cristo”, tem como propósito ajuda-lo a descobrir quais são esses dons e como utiliza-los. Você também poderá ministrar através das responsabilidades cristãs, isto é, aquilo que todo crente deve fazer independete de seu dom (contribuir, exortar, servir, evangelizar, entre outras responsabilidades). Além dos dons, a igreja é edificada quando você coloca seus talentos e habilidades a seu serviço. Nos vá- rios ministérios que existem em uma igreja, o crente tem a oportunidade de servir, desde que compreenda que o pré-requisito para fazer parte é a espiritualidade. O conhecimento é bem importante também, mas primeiramente olhamos para a vida de quem se propõe a atuar em um ministério e se, de fato, há a compreensão de que se deva ter um coração de servo. Muitos problemas surgem quando os crentes esperam receber sua recompensa dos homens e sentem-se frustrados quando não recebem elogios. Reconhecimento é importante, mas sempre é melhor recebe-los de Deus, e o melhor elogio que alguém pode receber é saber que sua obra tem sido um ins- trumento nas mãos do Senhor. Com seu amadurecimento espiritual você terá a oportunidade de servir nestes ministérios. E, por fim, a ministração acontece através do evangelismo. Compartilhar sua fé com alguém que ainda não é cristão é uma poderosa forma de ministração.
  18. 18. P á g i n a | 19 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Aprendendo a Palavra. A Bíblia é o centro de todo treinamento na igreja em células. Todo material, apostila, guia, livro ou outro qualquer trata de vários assuntos, todos voltados para a Bíblia. É ela que torna todo homem capacitado para as boas obras. Observe como utilizamos a Palavra nos treinamentos: 1. Os membros são treinados a estudar e aplicar a Palavra à vida pelo estudo sistemático pessoal. 2. A filosofia do estudo bíblico é “ensinar o homem a pescar” em vez de dar o peixe ao homem. 3. Um estudo bíblico baseado no sermão do último domingo é planejado para cada reunião da célula. 4. A Palavra viva aplicada a Palavra escrita (“fazendo” e não somente “ouvindo”) às vidas dos membros das células durante a reunião e na vida diária do corpo. 5. Pelo padrão de 1 Coríntios 14:26, Deus usa a Palavra para falar ao grupo durante a reunião. 6. A Palavra é lida, cantada e compartilhada durante os três períodos de adoração: na célula, em grupos de discipulados (parceiro) e com toda a igreja. 7. Mestres talentosos e pastores compartilham a Palavra durante o culto de domingo e em outras ocasiões especiais. 8. Em todas as reuniões de liderança a Palavra é central e é utilizada para adoração, edificação, fazer pla- nos, resolver problemas e ministrar uns aos outros. 9. Cada membro é encorajado a fazer do estudo da Bíblia um estilo de vida básico que flui para as suas famílias, trabalho, atividades diárias e testemunho. 10. Aqueles que foram treinados para serem pastores, implantadores de igrejas e missionários recebem treinamento especial em interpretação bíblica e utilizam-se de uma experiência prática de seminário. 11. Os jovens seguem o mesmo padrão de estudo bíblico dos adultos que é adaptado às suas próprias necessidades. 12. As crianças são ensinadas e aprendem a Palavra na celebração de domingo, na célula e na vida fami- liar. Parceiro de prestação de contas. O que é isso? É o compromisso de duas pessoas amadurecerem juntas na sua vida espiritual. Elas estabelecem o pro- pósito de estarem juntas toda semana para encorajar uma a outra a colocarem em prática seus objetivos e com- promissos. Este não é um relacionamento pai-filho, nem um relacionamento de irmão mais velho. É uma parceri- a. São pessoas que assumem o compromisso mútuo de se tornarem imitadores de Cristo. O maior atributo ne- cessário neste relacionamento é o amor. Temos de pedir a Deus para que o seu amor transborde das nossas vidas para os outros. Você precisa compartilhar onde você pensa estar no seu relacionamento com Cristo e onde você quer chegar. Você poderia compartilhar coisas do tipo: “Estou comprometido em ser imitador de Cristo em cada área da minha vida. Sinto que devo investir mais tempo estudando a Bíblia diariamente. Também gostaria de orar no mínimo 15 minutos no „quarto de escuta‟. Eu lhe dou permissão para cobrar semanalmente para ver se estou cumprindo estes compromissos”. Uma prestação de contas eficaz deveria equivaler ao investimento de mais ou menos uma hora juntos por semana. Durante este tempo vocês devem estar comprometidos em ajudar um ao outro em amor. Muitas vezes isto vai ser mais bem alcançado se formularmos algumas perguntas pessoais. As questões em que a maioria das pessoas precisa de ajuda está relacionada com a área de disciplina espiritual, como: leitura da Bíblia, ora- ção, jejum, estudo e vitória sobre um pecado ou disciplina pessoal (finanças, tempo, família, etc.). Queremos ajudar um ao outro a ver-nos como outros nos vêem. Honestidade e abertura são imprescindí- veis (Leia Tiago 1:21-25). É necessário ser transparente em relação ao seu compromisso. Prestar contas é andar de mãos dadas com a outra pessoa no processo de amadurecimento. Geralmente será melhor fazer algumas perguntas básicas de prestação de contas, tais como: “Como você está se saindo com o compromisso de completar as lições desta semana do „Minha vida na célu- la‟?”. “O que Deus tem lhe ensinado por meio delas?”. “Como estão indo as coisas entre você e aquele seu colega de trabalho?”. “Eu tive uma verdadeira batalha com meus pensamentos nesta semana. Você poderia orar por mim?”. “Você gostaria de correr três vezes por semana comigo? Eu preciso me exercitar”. “Vamos passar algumas horas em oração na semana que vem, no sábado de manhã”. Sejam mordomos sábios do tempo. Encontrar-se para prestar contas pode ser estratégico. Planejem estar juntos em horários convenientes. Por exemplo, quando a célula se reunir em sua casa, convide o seu parceiro de prestação de contas para jantar antes da célula. Saiam para jantar (ou almoçar) depois do culto. Reúnam-se antes de ir ao trabalho para orar e compartilhar. Às vezes, por causa do tempo e da distância, usem o telefone. Sejam práticos e planejem bem o seu tempo (Leia Eclesiastes 4:9-12 e Colossenses 3:12-17).
  19. 19. P á g i n a | 20 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Forças que operam contra a prestação de contas. Existem forças que operam contra a utilização da prestação de contas como parte da vida diária da igreja. - Nosso próprio orgulho e invulnerabilidade nos impedem de mostrar nossas fraquezas uns aos outros. - Nossa cultura encoraja a independência e o individualismo a ponto de sermos privados da comunidade e da prestação de contas. - Hierarquias na estrutura da igreja não se dobram para levar a sério a idéia de que todos os crentes são sa- cerdotes e ministros para Deus; na verdade elas muitas vezes limitam o desenvolvimento de dons espiritu- ais. - Pessoas não muito sensíveis podem tentar transformar nossas pequenas tentativas de prestação de contas em sessões de manipulação e culpa. Ainda assim, a prestação de contas é um processo positivo e vivificante. É um processo para todos nós, e não apenas para as pessoas que caíram e precisam ser repreendidas. Na verdade isto é o que menos funciona. A prestação de contas é uma parte natural da nossa vida de comunhão que pode dar saúde e apoio à medida que tentamos ser razoáveis em nossas decisões e buscamos graça para nossa vida. Discipulador/Discípulo. Um discipulador é alguém que está à frente de um novo cristão por apenas algumas semanas ou por um longo período. Tem a responsabilidade de ajudar o discípulo a caminhar pelos estágios iniciais de sua jornada espiritual. Trabalha sob a liderança do líder ou auxiliar para encorajar o irmão mais jovem. Conduz o discípulo por todo o discipulado e acompanha seu crescimento. O discipulador precisa agendar uma hora por semana junto com o discípulo para passar as tarefas daque- la semana e discutir o que Deus está ensinando. Eles estão mantendo uma prestação de contas mútua para trabalhar no seu crescimento espiritual. Se o discipulador for um cristão maduro, ele pode ajudar o discípulo a lidar com as suas fraquezas e a orar com ele acerca de algumas outras questões. Se o discipulador também for um cristão novo, então ambos devem agendar um tempo para se encontrarem com o líder ou auxiliar para traba- lhar as questões mais difíceis. Nosso alvo é treinar o crente para ser um ministro. Cremos que cada cristão, desde os estágios iniciais de seu novo nascimento é capaz de ministrar. Nós o ajudaremos nesta tarefa que nos foi dada pelo Senhor dando as ferramentas necessárias, tanto pelo treinamento que ensina a discipulado (Discipulado: Uma idéia transfor- madora) quanto pelos manuais a ser utilizado (Bem-vindo à sua vida com Jesus e Crescendo na Fé). Resumindo... Todos os crentes são servos. Estão em um corpo para crescerem e ajudar os outros na caminhada cristã. Para tanto o discípulo deve ser treinado por meio da Palavra para exercer com espiritualidade e eficiência o seu ministério. Todos devem ser capacitados, pois todos somos ministros. A célula, como vimos é um ambiente mui- to propício para ministrarmos e recebermos ministração dos outros. É importante nas nossas vidas uma relação de parceiros de prestação de contas. Apesar de culturalmente ser algo não muito apreciado, mas é necessário para todo discípulo de Jesus. Ser discipulado envolve também a nossa disciplina. Você tanto terá alguém que discipulará você e a ele você prestará contas, quando, futuramente, você discipulará alguém e este lhe prestará contas. Mas calma! Você será capacitado para isto. Pense nisso! Se a Palavra fala que para sermos edificados e crescermos precisamos ministrar na vida uns dos outros, o que acontecerá se não fizermos isso? Citamos em nosso estudo quatro formas de ministração. Dê, em cada uma, um exemplo pessoal de como mi- nistrar através delas. Qual seria a diferença entre uma célula em que todos ministram e uma célula onde somente o líder ministra? Você gostaria de fazer parte de qual das duas? Textos complementares: Mateus 28:19; Atos 14:22; 1 Coríntios 4:1; 2 Coríntios 3:6; 1 Tessalonicenses 5:11
  20. 20. P á g i n a | 21 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 7 Koinonia: comunhão sete dias por semana Leitura: 1 Coríntios 1:10 Comunidade: a razão para a existência das células. “Da forma como a família ampliada é o oikos da sociedade, assim a célula é a família ampliada, o bloco básico de edificação do povo de Deus. Um grupo maior de cristãos (mais de 15 pessoas), não provê os ingredi- entes essenciais necessários à comunidade. Não se desenvolve comunidade se um grupo pequeno se reúne quinzenalmente ou mensalmente, ou mesmo uma vez por semana. Enquanto uma célula típica vai ter um tempo especial para estarem juntos semanalmente, existe um forte elo entre os membros que, muitas vezes, passam tempo uns com os outros entre as reuniões”. Francis Schaeffer A idéia de comunidade é, de certo modo, de outro mundo, um mundo muito diferente do nosso. Comuni- dade é o mundo que Deus deseja. É o dom de uma vida rica e desafiante em conjunto, que precisamos e pode- mos receber com alegria. Comunidade cristã é simplesmente compartilhar a vida comum em Cristo. Ela nos leva além dos interes- ses pessoais isolados das vidas privadas e dos contatos sociais superficiais que chamamos de “comunhão cris- tã”. O ideal da comunidade bíblica nos desafia a comprometer-nos com uma vida em conjunto como povo de Deus. A comunidade cristã é o lugar de nossa santificação. Seu alvo é que, tanto individual como coletivamente, amadureçamos, não sendo mais jogados de lá para cá por astutos mercadores da fé, mas que sejamos capazes de permanecer firmes, vivendo na prática a própria “plenitude de Cristo” (Ef 4:11-16). Uma das maneiras mais importantes com a qual a comunidade nos beneficia é a vivência contínua da pre- sença de Cristo na Terra. Atos 2:42: “Eles se dedicavam... à comunhão”. Eles não tinham apenas comunhão; eles se dedicavam a ela! Davam-lhe prioridade em suas vidas, juntamente com a oração e o ensino da Palavra. Koinonia: comunidade como estilo de vida, não apenas uma reunião. Numa célula é de extrema importância que deixemos para trás os nossos estilos de vida isolados e com- partimentados e vivamos de maneira mais integrada. Quando a comunidade se torna um estilo de vida, você pode se encontrar com seu parceiro de prestação de contas depois de haverem se exercitado num jogo de fute- bol. Você tem comunhão enquanto jantam com alguém da célula. Afinal, todos têm de comer! Você está disponí- vel para ajudar na mudança da casa do outro. Vocês se encontram para fazer compras, para limpar ou fazer coisas rotineiras. Aprendemos a trazer tanto os crentes quanto os incrédulos para o nosso mundo, à medida que nos “aventuramos” no mundo deles. A comunhão através de uma célula é um desafio para todo tempo, pois vivemos numa época em que mui- tos são escravos do seu relógio e agenda. Quem não está disposto a investir tempo em comunhão não conse- guirá viver um dos maiores valores da Bíblia. Doe parte do seu tempo para investir em sua vida espiritual, seu crescimento e comunhão. Isto faz toda a diferença. Estudos indicam que as células mais bem sucedidas são aquelas que investem tempo em comunhão du- rante a semana. Não a comunhão de todos os membros ao mesmo tempo, mas sim aquela relação de profunda amizade e companheirismo de irmãos que se ajudam constantemente. Aprenda a utilizar o seu tempo. Com o tempo tão corrido, nos encontramos diante de uma realidade de pouca disponibilidade. Três coisas são importantes para você: 1. Utilize bem o tempo! Muitas vezes utilizamos nosso pouco tempo de forma inadequada. Não investimos, mas jogamos o tempo fora. Se o momento em que você irá se encontrar com sua célula, discipulador ou discípu- lo, é muito limitado, faça o possível para que ele não seja desperdiçado. Muitos perdem não pela falta de tempo, mas pela forma como o utilizam. 2. Seja criativo! Se estiver difícil encontrar com algum irmão da sua célula, que tal marcar algo juntos? Vo- cê pode se oferecer para lavar o carro com ele, ajudar sua amiga a fazer compras ou arrumar a casa, falar ao telefone, mandar um cartão ou uma carta e muitas outras coisas que não substituem o contato físico, mas que nos ajudam a abençoar nossos irmãos.
  21. 21. P á g i n a | 22 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula 3. Faça sacrifícios! O que vai realmente fazer diferença é a sua disponibilidade em sacrificar certos praze- res por algum momento ou abrir mão de um descanso para ajudar e abençoar aquele que precisa. O Senhor Jesus nos deu o maior exemplo disto ao morrer na cruz. Veja o que Ele disse: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (João 13:34). Como Jesus nos amou? Fazendo sacrifício! As linhas de comunicação na célula. Para termos uma comunhão adequada na célula, ela não pode ter um grande número de pessoas, pois quanto maior o número de membros, menor será a possibilidade de haver uma comunhão mais profunda. Mes- mo uma célula de jovens cuja dinâmica permita ter um número maior de membros, precisará criar alternativas para que todos compartilhem e tenham comunhão. Imagine uma célula com 16 pessoas onde cada uma quer compartilhar durante 5 minutos. Só no momento de Edificação a célula teria, em média, duas horas. Isto ocorre porque quando falo com alguém existem duas linhas de comunicação. Quando três pessoas dialogam existem 6 linhas de comunicação. Quatro pessoas falando desenvolvem 12 linhas de comunicação. Uma célula com 15 pessoas possui 210 linhas de comunicação, e assim por diante. Quanto maiores forem os números das linhas de comunicação, menos profundos são os relacionamentos, menores são as possibilidades de ministração pessoal e menor é a comunhão. Evangelismo e crescimento das linhas de comunicação. Você poderia questionar: Mas uma célula sadia não cresce pelo evangelismo, e isto não quer dizer mais li- nhas de comunicação? O que fazer então? Verdade! O alvo da célula saudável é a multiplicação. Em uma célula com oito a doze irmãos, cada um ganhando uma pessoa para Jesus significa, no final do ciclo anual, um grupo de 16 a 24 pessoas. O que fazer? Este é um dos momentos mais felizes da célula, pois ela percebe que alcançou um dos seus maiores objetivos: levar pessoas para Jesus. Chegou a hora da multiplicação! Um irmão que estava sendo preparado pelo líder da célula passa a liderar o novo grupo composto de me- tade da célula original e metade dos novos convertidos. Estes estarão sendo discipulados e estimulados a faze- rem o mesmo que a célula anterior: levar pessoas para Jesus. Isto demonstra que a célula tem um poder de evangelizar muito grande, mas também provê o ambiente i- deal para o discipulado dos novos na fé. A célula não só faz, mas também cria os filhos. Em uma célula cada membro é um discípulo no início, torna-se um discipulador e, com seu crescimento e maturidade, por vir a torna-se um auxiliar de líder de célula. Este pode vir a ser o líder do novo grupo, liderando irmãos que já conhece durante um ano e os novos, que se converteram durante o ciclo. Comunhão com as crianças da célula As crianças fazem parte da célula e todos precisam estar disponíveis para ministrarem às suas vidas. Inclu- í-las é uma responsabilidade de todos, por isso não se esquive do convívio com elas. Combine com seus irmãos atividades voltadas para as crianças e não espere a iniciativa do líder, lembre-se: somos todos ministros. Se você apresenta alguma dificuldade nessa área, compartilhe com seu líder, ore a Deus e se esforce para mudar, pois isso contribuirá para a edificação da célula. Aproveite sua vida de comunhão hoje! Uma mão amiga, um ombro camarada, uma palavra de consolo, uma direção em tempos difíceis, oração pelas enfermidades, angústia pessoal, cura interior e muito mais existe para aqueles que vivem em comunhão. O apóstolo João diz que quando andamos na luz mantemos comunhão uns com os outros, e isto propor- ciona uma vida mais quebrantada e purificada dos pecados (1 João 1:6). O autor de Hebreus sabia do valor im- portantíssimo da comunhão, tanto que escreveu: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hebreus 10:25). Muitos acreditam que é possível ser um crente isolado em sua casa. Não vão ao culto dominical nem par- ticipam de uma célula. Este tipo de cristianismo sem comunhão simplesmente não existe, pois todos fazemos parte do Corpo de Cristo. Ele assim fez para que não só dependêssemos dos outros, mas para que fôssemos canais das graças do Pai para nossos irmãos. Abrir mão da comunhão é simplesmente abrir mão do projeto de Deus para a sua vida.
  22. 22. P á g i n a | 23 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Resumindo... Quem disse que a célula é uma vez por semana? O encontro da célula sim! Este acontece uma vez por semana. A vida em célula é uma vida de comunhão e relacionamento, sete dias por semana. Muitas vezes estes encontros ocorrem de forma completamente informal, em um jogo de futebol, em uma lanchonete, supermerca- do, caminhada, horário de almoço, internet e muitas outras coisas. Precisamos, na realidade, aproveitar ao má- ximo estes momentos em que estamos juntos, mesmo que para isso precisemos de muita criatividade. No entanto, existem momentos em que devemos fazer sacrifícios, abrindo mão de algum momento de la- zer em benefício da vida de alguém que precisamos ajudar. Por isso nossos grupos têm um número reduzido de pessoas, pois muitas linhas de comunicação prejudicam a ministração. Quando o número cresce é sinal de que Deus tem abençoado a célula com frutos de conversão. Uma célula sadia evangeliza e se multiplica após algum tempo. Você será discipulado, discipulará um no- vo convertido, poderá ser um auxiliar e, futuramente, um líder de célula. Mas não se preocupe, você receberá treinamento e será capacitado para isso. Por enquanto, apenas desenvolva uma relação de profunda comunhão com seus irmãos, investindo muito bem o seu tempo para isso. Pense nisso! Comente um pouco sobre a vida da comunhão na célula. Existe alguma diferença entre uma célula que não se vê durante a semana e uma em que seus membros estão sempre em comunhão? Você tem alguma idéia criativa para manter comunhão com tempo escasso? O que você sentiria vendo a sua célula se multiplicasse após um ano? Textos complementares: Atos 2:44; Filipenses 2:2; Filipenses 1:27.
  23. 23. P á g i n a | 24 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Capítulo 8 Encontrando o poder de Deus por meio de Seus dons Leitura: 1 Pedro 4:10 Os três anos antes do Pentecostes. Estes três anos antes do Pentecostes foram essenciais ou acidentais? Que relação existe entre aqueles três anos e o acontecimento de Pentecostes? Será que uma igreja que cresce e se multiplica surge de uma hora para outra? O Pentecostes não foi um evento isolado. Os três anos anteriores foram vitais para o que haveria de acon- tecer depois daquela experiência. Ele está ligado àquela comunidade de discípulos, pequena e crescente: pri- meiro 12, depois 70, depois 120, depois 500 e depois 3.000. Imagine essa situação! O Espírito Santo não veio em poder até que Jesus tivesse preparado a comunidade, pois ela foi essencial para a obra do Espírito. O que os discípulos precisavam aprender antes de estarem prontos para serem usados como parte da comunidade depois do Pentecostes? Eles precisavam aprender o seguinte: Comunidade: Eles precisavam experimentar uma comunidade; aprender a lidar com o perdão mútuo; aprender a carregar as cargas uns dos outros; entrar em comunhão espiritual. Poder: Eles precisavam aprender a depender do poder de Deus e não apenas de si mesmos. A típica igreja de Jesus não vai funcionar apenas com o poder e habilidades humanas. Por isso, os líderes devem aprender a permitir que Jesus dirija a igreja. Fé: Eles precisavam aprender a andar pela fé. Por diversas vezes a sua confiança e fé foram testadas além dos limites humanos. Mas foi necessário porque a comunidade não funcionaria sem este tipo de fé. Compromisso: Eles precisavam aprender a comprometer-se com o Senhor total e completamente. Não poderia haver outras condições e reservas se a sua igreja quisesse ser bem-sucedida. Presença viva de Cristo neles: Eles precisavam aprender a respeito da presença viva de Cristo, mesmo depois dEle já não estar com eles fisicamente. Visão: Eles precisavam entender a visão do Reino espiritual de Deus sobre a terra e aprender que essa visão não era política nem física. Unidade: Eles precisavam experimentar o significado da unidade espiritual em Cristo. Essa unidade não deveria estar baseada apenas em crenças ou práticas comuns, mas principalmente em um Senhor comum. Espírito de servo: Eles precisavam aprender a ser servos e a lavar os pés uns dos outros. Esta foi a última lição ensinada por Jesus a seus discípulos no Cenáculo. Os líderes somente vão aprender esta lição enquanto o mo- vimento ainda for simples e pequeno. Jesus ensina estas mesmas lições essenciais em nossos dias se estivermos dispostos a andar com Ele pelos estágios iniciais de crescimento. Será que deveríamos negligenciar estes estágios iniciais pelos quais Cris- to nos ensina a ser Sua Comunidade? Dons espirituais: presentes de Deus para a Sua Igreja. Como vimos anteriormente, os dons são capacitações dadas por Deus a todos os convertidos. Existem vá- rios dons, mas não podemos afirmar que algum crente possa possuir todos eles, pois isto o deixaria independen- te dos outros. O que ocorre é que o Senhor os distribui segundo a Sua vontade, de forma que precisemos uns dos outros. Se você ler 1 Coríntios 12 perceberá o que estamos falando. Estes dons foram dados para os crentes ministrarem na vida uns dos outros, a fim de edificarem o Corpo de Cristo. Em outras palavras, para que a Igreja cresça é necessário que CADA crente utilize seu dom espiritual para ministrar na vida do seu irmão. Infelizmente não é o que acontece, pois poucos são os que realmente estão preocupados em descobrir e utilizar esses dons. Futuramente você terá a oportunidade de participar do treina- mento “Dons Espirituais: Descubra seu lugar no Corpo de Cristo”. As principais passagens bíblicas sobre os dons são: Romanos 12:4-8; 1 Coríntios 12; Efésios 4:11; 1 Pe- dro 4:10, 11. Edificação: o propósito dos dons. Leia agora o texto de 1 Pedro 4:10, 11. Vamos ver o que ele fala sobre os dons. No versículo 10 ele diz que devemos “servir uns aos outros”. A palavra “servir” neste texto é traduzida também como “ministrar”. Vemos que servir e ministrar são a mesma coisa, mas percebemos que deve ser algo mútuo. Eu devo servir – ministrar na sua vida, e você deve servir – ministrar na minha.
  24. 24. P á g i n a | 25 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Em seguida, Pedro diz que devemos servir (ministrar) de acordo com o dom que recebemos. Seja profeci- a, servir, liderar, exortar, ensinar, contribuir, ou qualquer outro. Esta é a forma básica da ministração – através dos nossos dons. O texto ainda diz que devemos fazer isso como “bons despenseiros da graça de Deus”. Veja que privilégio enorme recebemos do Pai! Você sabe o que é um despenseiro? O despenseiro era uma espécie de administra- dor da casa. Eram mordomos encarregados de administrar os bens do seu patrão e alimentar todos os outros servos. Ele não enchia a despensa, apenas tirava dela o que o patrão lá colocava. O despenseiro também não determinava o que iam comer ou o que seria comprado, apenas utilizava aquilo que já tinha sido determinado pelo senhor. Com essa interessante figura de Pedro, aprendemos algumas lições importantes: 1. Temos acesso direto, estamos de posse da chave que abre o armário da graça de Deus. Podemos tirar dela tudo o que as pessoas precisam, e isto através dos nossos dons: misericórdia, repreensão, ensi- no, sabedoria, curas e muito mais. É só perguntar ao “Patrão” o que Ele deseja dar às pessoas. 2. Não somos nós, mas Deus é quem supre todas as coisas. Não é a nossa sabedoria, mas a sabedoria de Deus através de nós; não é a nossa misericórdia, mas a misericórdia de Deus. Como seria bom se todos os crentes fossem constantemente à dispensa do Pai para trazer todo o alimento que Ele prepa- rou para nós! 3. Outra lição importante é a dependência de Deus. Nós temos a tendência de darmos as pessoas o que queremos ou o que achamos ser bom para elas. Nós, simplesmente, não temos este poder. Precisa- mos depender de Deus e ouvi-Lo por meio da oração para sabermos exatamente o que Ele quer fazer. Irmão querido, que você possa, com muita oração, abrir a despensa do coração de Deus! Estamos na célula para encontrar a Cristo. No início: A pessoa de Cristo Porque estamos aqui e o que é singular e diferente em nossa reunião? Estamos aqui para ter comunhão com o Cristo que está em nosso meio! Tempo das descobertas criativas O recurso que as células têm usado para o momento de edificação é a mensagem de domingo. Os irmãos das células fazem as suas anotações e compartilham no encontro sobre o que o Senhor tem falado. O líder ape- nas facilita este processo, mas não é ele mesmo o “edificador oficial” do grupo. Durante a reunião: o poder de Cristo Qual é a dor ou necessidade que Cristo deseja curar ou tocar em minha vida agora mesmo? Cristo quer edificar e ministrar a cada um de nós para que vivamos juntos em unidade e amor! No final: o propósito de Cristo Como Cristo deseja ministrar por meu intermédio e do grupo nesta semana? Cristo deseja usar a minha vida para que ele possa tocar certas pessoas que estão perdidas e feridas! Jesus está presente! Jesus está presente na Sua igreja, apesar de muitas vezes as nossas decisões e serviços serem feitos de forma e força puramente humana, sem buscar Seu poder ou Sua vontade. É um erro imaginar que podemos edificar o corpo de Cristo com ensino, serviço, música, oração, pregação, dons, evangelismo sem unção. Sabe- mos bem claramente: “Não por força nem por violência; mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos”. Procuramos para ocupar os cargos da igreja pessoas que, muitas vezes, não conseguem associar preparação com unção. Quão bom seria se uníssemos as duas coisas! Para sabermos se Jesus está presente na nossa igreja, precisamos pensar se Ele está presente em NOS- SA vida individual. Não aquela presença intelectual de quem decorou algum versículo, mas a presença dAquele que move, inspira, motiva e santifica. A forma como louvamos demonstra bem isso. Se o nosso louvor for sem vida, sem paixão e sem estímulo, é um sinal de que Jesus está agonizando dentro de nós, pois não encontra o espaço devido para trabalhar. Nossa religiosidade prende, amarra e subjuga a presença de Deus, apaga o Espí- rito, entristece a presença dAquele que pode fazer tudo por nós. Esse coração sem gratidão, sem afeto real e sem sensibilidade para o Senhor não pode ser chamado de “casa”, mas de prisão. Se o nosso louvor – aquilo que sai primeiro do nosso coração para então sair dos nossos lábios – for carregado de SINCERIDADE, VIDA, EMOÇÃO, COMPROMETIMENTO, FIDELIDADE, e o mais importante que é a GRATIDÃO, o Espírito encontrará total liberdade em nossas vidas. A forma como servimos aos nossos irmãos também demonstra se Deus está presente ou não. Se o nosso serviço é feito com amor, espontaneidade e pela força do Espírito. É nesta forma de serviço que a Igreja cumpre o seu ministério de manifestar ao mundo a presença real de Jesus. Precisamos nos tornar os braços de Jesus para consolar e abraçar com palavra de ânimo os abatidos; sermos o peito de Jesus para aqueles que precisam reclinar a cabeça e descansar das lutas da vida; as mãos de Jesus para ajudar e servir os que passam por necessidades; os olhos de Jesus para chorar com os que choram, seus ouvidos para dar atenção às palavras dos que nos falam e sua boca, para responder com amor e sabedori-
  25. 25. P á g i n a | 26 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula a, e também sorrir, com suas vitórias e conquistas; precisamos ser a mente de Jesus, para pensar e agir como Ele; devemos ser o coração de Jesus para amar, sentir e se emocionar como Ele; sermos Seus ombros, para levar as cargas uns dos outros; sermos os Seus pés, para levar ao mundo todo a mensagem de que Jesus é a melhor pessoa que há e é Deus, todo poderoso para salvar os pecadores. Enquanto não formos capazes de viver a pessoa de Cristo encarnado e presente na sua forma de ser e agir, as pessoas procurarão tudo, menos a igreja. Precisamos, de uma vez por todas, ser como Jesus e vivermos uma real comunidade, demonstrando para todas as pessoas que passam pelas nossas reuniões: “JESUS ESTÁ AQUI, POR ISSO VIVEMOS COMO ELE”. O teste da Palavra. Alguns dons pedem, de forma especial, uma avaliação bíblica bem séria. Os chamados “dons miraculo- sos”, como profecia e línguas estranhas, por exemplo, precisam ser testados pela Palavra. Durante a ministração podem surgir palavras humanas, que não edificam e, certamente, trarão confusão. Esteja atento, pois a revela- ção final e plena de Deus está na Bíblia. Qualquer profecia ou palavra que A contradiga não deve ser levada em conta, por mais que pareça interessante e “verdadeira” (leia 1 João 4:1 e 1 Coríntios 14:26-32). Cristo e a vida no Corpo. “O programa que Deus fez para alcançar e transformar um mundo quebrado sempre envolveu a encarna- ção. Quando Deus resolveu visitar a terra para mostrar à humanidade o novo tipo de vida que ele estava ofere- cendo, fez isso por meio da sua encarnação. Deus se fez carne e habitou entre nós. Jesus Cristo foi a encarna- ção de Deus: Deus em carne humana aparecendo aos homens. Mas este foi apenas o início do processo de encarnação. Cometeríamos um grande erro se pensássemos que a encarnação terminou com a vida terrena de Jesus. A encarnação ainda continua. A vida de Jesus continua manifesta entre os homens, mas agora por meio de um corpo complexo e orgânico, chamado „igreja‟. Esta é uma concepção de grande importância. Aquilo que aconteceu em pequena escala na Judéia e na Galiléia, há dois mil anos, está designado a acontecer hoje em larga escala em todo o mundo, permeando todos os níveis da sociedade e todos os aspectos da vida humana. Na medida em que os cristãos descobrem que isso é uma possibilidade real hoje, suas vidas se tornam interessantes e poderosamente eficazes. É emocionante e estimulante redescobrir o esquema delineado por Deus, pelo qual sua igreja deveria influenciar o mundo. Por outro lado, é muito triste uma igreja que não compreende este programa fascinante segundo qual funciona o corpo de Cristo, substituí-lo por métodos de trabalho, processos organizacionais e pressão política como meios de influenciar a sociedade. Lucas escreveu a Teófilo que seu livro falava sobre „tudo o que Jesus começou a fazer e ensinar‟. Em seu segundo relato (o livro de Atos), o doutor Lucas continua a descrever a atuação de Jesus entre a humanidade, mas desta vez por meio de seu novo corpo, a Igreja. Por isso, quando a igreja vive em e por meio do Espírito, ela não deve ser nada mais nada menos do que a extensão da vida de Jesus a todo o mundo, em qualquer época. Muitos hoje estão perguntando: „Onde é que Jesus está operando em nosso mundo? Como é que ele atin- ge os problemas da sociedade deste século XXI‟? A resposta é que Ele está atuando exatamente como atuava durante a sua vida terrena, fazendo precisamente a mesma coisa. Nos dias de sua encarnação, ele executou o seu trabalho por meio de um corpo terreno, individual e físico. Ele continua a mesma obra agora, por meio de um corpo complexo e orgânico, que engloba o mundo inteiro e permeia e penetra todos os níveis da sociedade. Ele é chamado de Igreja, Corpo de Cristo, mas o seu ministério se dirige à mesma raça a quem Jesus ministrava, sob as mesmas condições básicas, enfrentando as mesmas atitudes e problemas. Vimos que ele dotou seu corpo organizado com todo um arranjo de dons espirituais, capazes de muitas combinações e incumbidos de estabelecer e melhorar o relacionamento entre qualquer indivíduo e Deus. Ele também legou aos membros de seu corpo uma nova espécie de poder, o poder da ressurreição, que atua silen- ciosa, mas poderosamente, em conseqüência da vida de Cristo dentro de todo crente. Somente quando um cris- tão usa seus dons espirituais no poder da ressurreição é que sua vida se torna uma extensão da vida encarnada de Jesus. Em todas as outras ocasiões a sua atividade é apenas a de uma pessoa „natural‟, sem efeito ou poder espiritual. A clara intenção de Deus é que por meio da igreja verdadeira o mundo possa ver Jesus Cristo em ação. O mundo necessita desesperadamente do seu ministério, mas o propósito nunca foi que as pessoas do mundo viessem à igreja para encontrar a Cristo. A igreja deveria estar no mundo. Somente assim o mundo compreende- rá que Cristo não está morto, nem ausente e nem inativo. Jesus Cristo não está fora, em algum recanto escondi- do e remoto do universo, nem deixou seu povo aqui para lutar e fazer o melhor que possa até que Ele volte. Esta nunca foi a intenção divina nem é o esquema do Novo Testamento. Cristo está vivo e atuando na sociedade humana durante vinte séculos, como ele disse que faria: „Eis que estou convosco todos os dias até à consuma- ção do século‟ (Mateus 28:20)”. Ray Stedman (op. cit), p. 41-43, 93-94
  26. 26. P á g i n a | 27 Igreja Cristã Eterna Aliança - Pr. Handerson Xavier www.eternaalianca.net Minha vida na Célula Resumindo... Os três anos que os discípulos passaram com Jesus foram de intenso aprendizado. Eles precisam ser ca- pacitados a viverem em uma real comunidade quando Cristo subisse aos céus. Quando isto aconteceu, Ele en- viou o Seu Espírito, que nos presenteou com dons espirituais com o propósito de servirmos (ministrarmos) na vida dos nossos irmãos. Todos recebemos ao menos um dom, e ninguém recebe todos os dons. Porque Deus age assim? Para que dependamos uns dos outros como um corpo para que sejamos edificados neste processo sobrenatural de ministração pelos dons. Lembre-se que a expressão usada por Pedro é a de “despenseiros” da multiforme graça de Deus. A edificação ocorre quando nos preparamos para o encontro de célula por meio da oração, tendo o desejo real de encontrar a Jesus junto com todos os irmãos. É a presença do Senhor que nos garante que algo irá a- contecer. Que podemos ter liberdade e utilizar nossos dons com empenho e satisfação. Edificar é Deus fazendo através de nós! Cristo no Corpo é o que modifica não somente nossa vida, não somente nossa célula, não somente nossa igreja, mas modifica o mundo. Pense nisso! Os discípulos passaram três anos ao lado de Jesus antes do Pentecostes aprendendo. De acordo com o texto que você leu, o que ainda precisa aprender? Quais as barreiras que você encontrou, encontra ou acredita que encontrará para exercer os seus dons espiri- tuais? Você poderia imaginar uma célula onde cada membro edifica o seu próximo com o dom espiritual? Como seria esse grupo pequeno? Textos complementares: Romanos 12:4-8; 1 Coríntios 12; Efésios 4:11; 1 Pedro 4:10, 11.

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • DanielDeOliveiraSabino

    Nov. 2, 2016
  • josewilsonsousa395

    Jan. 18, 2018
  • FelipejanainaSilva

    Dec. 10, 2019
  • yone2013

    Mar. 17, 2020
  • vantagemzero

    Feb. 26, 2021

Views

Total views

2,136

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

1

Actions

Downloads

242

Shares

0

Comments

0

Likes

5

×