Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Powerpoint tce

1,272 views

Published on

Published in: Education
  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

Powerpoint tce

  1. 1. Pensar Queer: Sexualidade, Cultura e EducaçãoUnidade Curricular: Tecnologia e Comunicação Educacional IIDocente: Lia Raquel OliveiraDiscentes:Ana Magalhães nº64999Mafalda Silva nº63833Rosa Casa Nova nº64982Rúben Barbosa nº 64970
  2. 2. Capítulo 1“O pé esquerdo de Dante atira a teoria queer para a engrenagem” :: Marla Morris
  3. 3. Um pouco sobre a teoria queer…• Surge em 1990 por Teresa de Laurentis que cunhou termo “Queer”• “No inicío, a teoria Queer era uma resposta á crise da sida”• “Surgiu também com o intuito de ser uma reação e forma de resistência ao olhar indiferente do não fazer nada, não ver nada, não ouvir nada”
  4. 4. O que defende a teoria Queer:• Sexualidade;• Sensibilidade;• Identidade;• Individualidade;Modo operandis:• Humor;• Actuações agressivas, rudes e ludicas;
  5. 5. Exemplos de activistas queer: • Dante; • David Bell; • Gil Valentime.
  6. 6. :: Decompondo o sujeito: desfazendodiscursos filosóficos padronizados• A teoria queer ensina que a identidade é uma construção cultural Mas, é praticamente impossível determinar como se forma identidades , porque a sua formação é extremamente ambígua
  7. 7. A filosofia ocidental teve um influênciarepressora no sujeito, com os pensamentos, porexemplo, de Aristóteles, São Tomás de Aquino ea Igreja Católica;Porém, o conceito de sujeito começou a mudarcom o advento da Filosofia Processual e com aFísica ModernaCompreender que o Ser é um produto cultural éo primeiro passo ao encontro da reinvenção O ensino é que não-encoraja a auto-recriaçãocontínua, e produz assim “seres sufocados”
  8. 8. A teoria queer “pede-nos que reinventemos o que somos e o que sabemos de forma criativa. Os conhecimentos padronizados nunca permitirão que venhamos a ser criativos”
  9. 9. :: Queerizando o sujeitoOs sujeitos Queer nasceram do trabalho dos pós-estruturalistasOs sujeitos queer apropriaram-se do termo queer, que indica várias coisas. Termo Queer orgulho homens afeminados ou mulheres masculinizadas ou excêntricosHoje, queer assume uma conotação rude-positiva anunciando a chegadade uma era profética.Queer refere-se a qualquer indivíduo que se sinta marginalizado pelasperceções de sexualidade predominantes.
  10. 10. :: Vergonha interiorizada e fobia aos queer Ser-se queer não é fácil  A culpa interiorizada e a fobia aos queer são difíceis de evitar «Estar fora do armário é uma forma de estar em que se admite ser queer. Pelo contrario, fazer-se passar por é uma forma de se „esconder‟ no armário». Grave problema: Ocultar  Fazer-se passar por é desonesto e imoral Não é a teoria queer  Queerizar o sujeito significa revelar É difícil para os queer não interiorizar uma fobia aos queer  o sentimento de vergonha é assustador e a vergonha interiorizada depressa se transforma em autodepreciação  podendo destruir uma vida.
  11. 11. :: Os sujeitos queer são politicamente radicais• A politica Queer é oposicionista• O objectivo desta política: “não é… a libertação mas a resistência”
  12. 12. :: O que é que a teoria queer tem a vercom isto? As implicações para oseducadores• A teoria Queer pode parecer insignificante para a Educação mas não o é.• Facilita a abertura de mentalidades para esta realidade.• “A teoria Queer ensina que nomear mata”• “As viagens Queer são lutas , mas em toda a perda movemo-nos(…)ao encontro de melhores dias(…)”
  13. 13. Capítulo 2“Política de identidade, resposta institucional enegociação cultural: significados de um gabinete homossexual e lésbico num campus” :: Susan Talburt
  14. 14. Criação de um gabinete de apoio a homossexuais e lésbicas para os alunos daUniversidade Liberal U. situada na cidade Oásis nos Estados Unidos da América.criou várias perspetivas contraditórias existe os que apoiam e os que se encontram contra a criação deste gabinete  criou condições para aqueles que não seguem o status (Queer)  se sentirem apoiados e esclarecidos nas suas dúvidas e que lhe sejam apresentadas algumas soluções. Universidade  portadora de Educação  deve mostrar e dar visibilidade aoconceito de diversidade consciencializando toda a população educativa e aquela que vive junto à Universidade; Deste modo, a sociedade será mentalizada de forma a ser mais liberal e recetiva à diferença existente
  15. 15. Capítulo 4“Transgressão e o corpo localizado: género, sexo e o professor homossexual” :: Eric Roffes
  16. 16. Eric Hoffes:• Professor homossexual• Defensor dos direitos homossexuais• O seu desejo “é de ver as escolas urbanas tornarem-se espaços para a expansão da consciência críticas de jovens pobres e proporcionar-lhes ferramentas de mudanças políticas e social.”
  17. 17. • A vida de muitos homossexuais dividem-se entre a vida sexual e pessoal• A ocultação sobre o desejo, o corpo e práticas eróticas em sala de aula vai garantir a continuidade do controlo social.
  18. 18. • Este artigo baseia-se na tentativa de problematizar as noções de professor homossexual que existem no discurso educativo• “É um convite ao diálogo sobre os sacrifícios que temos feito e as implicações que eles têm na educação democrática e na transformação social.”
  19. 19. Capítulo 5“Do armário ao curral: neo-estereotipia em In & Out” :: Shirley R. Steinberg
  20. 20. • Realizador homossexual Paul Rudnick A sua intenção é introduzir o público predominante na homossexualidade Mas não consegue este objectivo no filme In & Out A abordagem que o realizador faz da queeridade neste filme é defeituosa porque ele utiliza os defeitos de carácter atribuídos à homossexualidade para intensificar as suas personagens Define a homossexualidade como uma condição A homossexualidade nunca está associada ao sexo
  21. 21. As personagens homossexuais sãocaricaturas, bobos trazidos à corte dosheterossexuais“Este filme esconde a homossexualidade epode perpetuar uma tolerância intolerante queserve apenas para redefinir de modoaceitável, o que a queeridade deveria ser.”
  22. 22. Capítulo 7“Nutrindo imagens, paredes sussurrantes: Intersecções de identidades e ampliação de poderes no local de trabalho académico” :: Towsand Prince-Spratien
  23. 23. • “A diferença não deve ser apenas tolerada, mas encarada como um fundo de polaridades necessárias entre o que a nossa criatividade pode desencadear” Este capítulo fala de um gabinete de um professor universitário, que está caracterizado com várias fotos. O autor da enfase a 3 imagens: Função:• “pré-KIndergarten” - Alcance de justiça social;• “Audre Lorde” - Evidenciar e estimular o desejo do• ”Marlon Riggs” potencial “visitante” de aprender mais
  24. 24. Questões:• Quando dizemos que “valorizamos a diversidade” será isto que significa que procuramos criar lugares onde as pessoas de diferentes géneros, raças, classes e identidades sexuais se podem juntar e “ trazer com elas os contributos sociais e culturais que as caracteriza como diferentes, invulgares, transgressivas?” ou• “Será que significa que gostamos do conceito de diversidade, mas na pratica , pretendemos encobrir, silenciar, castrar, ajustar ou ignorar as diferenças culturais?”

×