Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
O que é secolocar nolugar do outro?Flávio Gikovate
Uma das operações psíquicasmais sofisticadas que aprendemos, lápelos 7 anos, é esta, de tentarmos sairde nós mesmos para i...
Nossa capacidade de imaginaro que se passa é como uma faca defaca dedois gumesdois gumes. O engano mais comum – ede graves...
Ou melhor, daquela quepensamos que teríamos, uma vez quemuitas vezes fazemos juízos a respeitode situações que jamais vive...
Cada vez que o outro não agede acordo com aquilo que pensávamosfazer no lugar dele, experimentamosuma enorme decepçãodecep...
A decepção será maior ainda seo outro agiu de modo inesperadoinesperado emrelação à nossa pessoa. Se nos tratoude uma form...
Aqueles que entendem que asdiferenças entre as pessoas sãomaiores do que as que nos ensinaram aver desenvolvem uma atitude...
É o início daverdadeira comunicaçãoverdadeira comunicaçãoentre as pessoas.
Um AbraçoImagem: GoogleMúsica: SolveigsSong – André RieuFormatação: adsrcatyb@terra.com.brSite: www.momentos-pps.com.brRef...
Um AbraçoImagem: GoogleMúsica: SolveigsSong – André RieuFormatação: adsrcatyb@terra.com.brSite: www.momentos-pps.com.brRef...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O que-é-se-colocar-no-lugar-do-outro

4,337 views

Published on

O que-é-se-colocar-no-lugar-do-outro

  1. 1. O que é secolocar nolugar do outro?Flávio Gikovate
  2. 2. Uma das operações psíquicasmais sofisticadas que aprendemos, lápelos 7 anos, é esta, de tentarmos sairde nós mesmos para imaginar como sesentem as outras pessoas.De repente podemos olhar paraa rua num dia de chuva e imaginar – oque, de certa forma, significa sentir –o frio que um outro menino podepassar por estar mal agasalhado.
  3. 3. Nossa capacidade de imaginaro que se passa é como uma faca defaca dedois gumesdois gumes. O engano mais comum – ede graves conseqüências para asrelações interpessoais – não éimaginarmos as sensações de umaoutra pessoa, e sim tentarmos preverpreverque tipo de reação ela terá diante deuma certa situação.Costumamos pensar assim: "Eu,Eu,no lugar dela, faria desta maneirano lugar dela, faria desta maneira ."."Julgamos correta a atitude da pessoaquando ela age da forma queagiríamos. Achamos inadequada suaconduta sempre que ela for diversadiversadaquela que teríamos.
  4. 4. Ou melhor, daquela quepensamos que teríamos, uma vez quemuitas vezes fazemos juízos a respeitode situações que jamais vivemos.Quando nos colocamos no lugar dealguém, levamos conosco nosso códigocódigode valores.de valores.Entramos no corpo do outrocom nossa alma. Partimos do princípiode que essa operação é possível, umavez que acreditamos piamente que asalmas são idênticas; ou, pelo menos,bastante parecidas.
  5. 5. Cada vez que o outro não agede acordo com aquilo que pensávamosfazer no lugar dele, experimentamosuma enorme decepçãodecepção. Entristecemo-nos mesmo quando tal atitude não temnada a ver conosco.Vivenciamos exatamente a dorque tentamos a todo o custo evitar,que é a de nos sentirmos solitáriossolitáriosneste mundo.Sem nos darmos conta, tendemosa nos tornar autoritários, desejandosempre que o outro se comporte deacordo com nossas convicções. E assimprocedemos sempre com o mesmoargumento: "Eu no lugar dele agiriaEu no lugar dele agiriaassim."assim."
  6. 6. A decepção será maior ainda seo outro agiu de modo inesperadoinesperado emrelação à nossa pessoa. Se nos tratoude uma forma rude, que não seria anossa reação diante daquela situação,nos sentimos duplamente traídostraídos: pelaagressão recebida e pela reaçãodiferente daquela que esperávamos.É sempre o eterno problema denão sabermos conviver com a verdade deque somos diferentessomos diferentes uns dos outros; e,por isso mesmo, solitários.
  7. 7. Aqueles que entendem que asdiferenças entre as pessoas sãomaiores do que as que nos ensinaram aver desenvolvem uma atitude de realrealtolerânciatolerância diante de pontos de vistavariados a respeito de quase tudo.Deixam de se sentir pessoalmenteofendidos pelas diferenças de opinião.Podem, finalmente, enxergar ooutro com objetividade, como um ser àparte, independente de nós. Ao secolocar no lugar do outro, tentarãopenetrar na alma do outro, e não apenastransferir sua alma para o corpo dooutro.
  8. 8. É o início daverdadeira comunicaçãoverdadeira comunicaçãoentre as pessoas.
  9. 9. Um AbraçoImagem: GoogleMúsica: SolveigsSong – André RieuFormatação: adsrcatyb@terra.com.brSite: www.momentos-pps.com.brReformatação: http://luznoinfinito.blogspot.com.br
  10. 10. Um AbraçoImagem: GoogleMúsica: SolveigsSong – André RieuFormatação: adsrcatyb@terra.com.brSite: www.momentos-pps.com.brReformatação: http://luznoinfinito.blogspot.com.br

×