Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Jornal Paraná Notícias

A informação como ela é.

  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

Jornal Paraná Notícias

  1. 1. "Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor" (Salmo 27:14) Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 A dor que parece não passar Pág. 06 Peabiru: ano novo, velhos problemas Paraná é a quarta economia e o segundo estado mais competitivo do país Prefeitura de C. Mourão assume Casa de Passagem SãoJosé Pág. 04 Rancho Alegre: PSC e PP lançam pré- coligação para a próxima eleição Rancho Alegre: PSC e PP lançam pré- coligação para a próxima eleição Estado reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda. Além da quarta economia o Paraná é o segundo Estado mais competitivo do país pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelligence Unit, divisão de análise do grupo The Economist. Ministério das Cidades garante R$ 344,7 mil para recapeamento em Luiziana Índice Firjan destaca Mamborê em 1º lugar na Comcam no quesito Saúde Prefeito de Araruna publica nota de esclarecimento Pouco adiantou a obra que a prefeitura de Peabiru realizou, o ano começou assim como terminou, ou seja, chuva e alagamento. Pág. 04 Pág. 02 Pág. 04 Pág. 04 Pág. 07 Pág. 03
  2. 2. LocalPágina 02 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 PARANÁ NOTÍCIAS Paraná reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda BONS INDICADORES Além de alcançar a posição de quarta economia do país, o Paraná é o segundo Estado mais competitivo do País pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelligence Unit, divisão de análise do grupo The Economist O Paraná reforçou a busca de atração de investi- mentos, por meio de ações e missões comerciais. A pos- tura mais proativa é neces- sária porque, em tempos de globalização, a disputa por investimentos está mais acirrada e, com a crise, as empresas estão mais caute- losas em investir. “O investimento tem um impacto muito positivo na economia local e na ren- da da população. É preciso profissionalização e veloci- dade em divulgar o Estado e atrair investidores”, afir- ma o presidente da Agên- cia Paraná Desenvolvimen- to (APD), Adalberto Bueno Netto. “O que notamos é que o modelo do investidor pro- curar o Estado não existe mais. Com a globalização, um executivo de uma mul- tinacional chega a receber, por ano, mil convites para instalação em determinado local. Se o Paraná não for proativo, ele não é identifi- cado por potenciais investi- dores”, diz Bueno Netto. De acordo com ele, apesar dos efeitos da crise, o Paraná continua na rota das empresas na hora de investir. Em 2015, a APD realizou contato com 407 novas empresas, atendi- mento de outras 60 e com- puta 12 novos requerimen- tos de pedidos de enquadra- mento no programa de in- centivos Paraná Competiti- vo, que somam, juntos, um investimento potencial de R$ 3,3 bilhões. Desde 2011, o programa já atraiu R$ 40,3 bilhões em projetos da iniciativa privada e de esta- tais, com 180 mil empregos diretos e indiretos. Em 2015 foram realizadas mis- sões para Coreia do Sul, Ja- pão, China, Estados Unidos e Rússia, que resultaram em acordos de cooperação, con- tatos e novas agendas de negociações. DESAFIADOR - De acor- do com o presidente da APD, o trabalho na busca de investimentos precisa ser permanente. “Em todo mundo, 65 mil multinacio- nais investem em 10 mil projetos por ano. Elas le- vam, em média, nove meses para decidir onde investir. E a competição está cada vez mais acirrada, com cada vez mais agências e locali- dades se preparando para atrair investimentos”, diz. Para ele, o cenário de 2016 é desafiador porque há menos projetos e mais Es- tados na competição. O in- vestimento estrangeiro di- reto no Brasil vem em que- da desde 2011. Com o de- clínio da economia brasilei- ra, muitos projetos vêm sendo direcionados para o México, principal concor- rente nos investimentos na América Latina. INCENTIVOS - A conces- são de incentivos é impor- tante, na avaliação do pre- sidente da APD, principal- mente nas etapas finais de disputa por investimentos. “O que conta primeiro é o ambiente de negócios, mas o programa Paraná Compe- titivo pode fazer a diferen- ça em relação aos demais Estados”, afirma ele. O fato de o Paraná ter se tornado a quarta maior economia do País conta pontos a favor. “O que es- sas empresas procuram é mercado. E o Paraná tanto em termos de consumo como de população equiva- le hoje a muitos países da Europa”, diz. BONS INDICADORES - Além de alcançar a posição de quarta economia do país, o Paraná é o segundo Esta- do mais competitivo do País pelo ranking da consultoria britânica Economist Intelli- gence Unit, divisão de aná- lise do grupo The Econo- mist. O Estado oferece uma combinação de fatores que interessa aos investidores. A boa infraestrutura, em es- pecial a logística portuária, a mão de obra qualificada e produtiva e a presença de universidades e incubado- ras são pontos que distin- guem o Estado dos demais. “Um trabalhador da indús- tria de transformação no Paraná chega a ser até três vezes mais produtivo do que o restante do País”, diz Bueno Netto. O Paraná é visto, de acordo com o presidente da APD, como um dos melho- res lugares para investir no Brasil e na América Latina, reflexo da criação de um “ecossistema” favorável à investimentos. “Estamos colhendo o que foi feito no primeiro mandato do go- vernador Beto Richa”, afir- ma ele. Além do agronegó- cio, setores que demandam mão de obra qualificada de média e alta tecnologia es- tão investindo no Estado. MERCADOS POTENCI- AIS - Um estudo da APD definiu seis setores priori- tários para atração de inves- timentos nos próximos anos. A ideia é reforçar seg- mentos em que o Paraná já tem presença forte e tam- bém desenvolver mercados com potencial tecnológico, de geração de valor agrega- do e emprego. Os setores estratégi- cos são Tecnologia da In- formação e Eletroeletrôni- co, Tecnologia da Agroin- dústria, Saúde e Beleza, Automotivo e Transporte, Areoespacial e Defesa, e Energia. Paraná reforça busca por investimentos produtivos, para ampliar emprego e renda No segundo sorteio, Nota Paraná distribuiR$2,84milhõesemprêmios A Secretaria da Fa- zendarealizounamanhãdes- ta sexta-feira, 08 o segundo sorteio do Programa Nota Paraná. Ele teve como base os números do sorteio da Loteria Federal do dia 6 de janeiro de 2016. Participa- ram todos os consumidores que pediram para incluir o CPFemnotasfiscaisdecom- pras realizadas em setembro no Estado e fizeram o cadas- tro no site do programa (www.notaparana.pr.gov.br) até o dia 20 de dezembro, com adesão ao regulamento do sorteio. Estão sendo distribuí- dos 250 mil prêmios, que so- mam R$ 2,84 milhões em di- nheiro,aosdonosde419.295 CPF. Foram gerados 10.918.502 bilhetes para o sorteio. Os três primeiros sor- teadosvãoreceberR$50mil, R$ 30 mil e R$ 20 mil. Os bilhetes premiados, por or- dem, são 5729852, 3399675 e 4990384. A entrega dos principais prêmios será feita no dia 15, às 11 horas, em evento no Palácio Iguaçu, com a presença do governa- dor Beto Richa.
  3. 3. “ & FatosPolíticaFaltam 267 dias para as próximas eleições... Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Página 02PARANÁ NOTÍCIAS PSC e PP lançam pré-coligação para a próxima eleição Claudinho Cruz - PSC e Paulo Barbosa do PP: o projeto é eleger três vereadores Em Rancho Alegre D’Oeste dois partidos já fe- charam questão em torno das coligações para verea- dores. O PSC (Partido So- cial Cristão) e o PP (Parti- do Progressista) anuncia- ram essa semana que vão caminhar juntos na próxi- ma eleição. Segundo os presiden- tes das duas siglas, Claudi- nho Cruz – PSC e Paulo Barbosa – PP, o objetivo é montar um grupo com chances de eleger pelo me- nos três vereadores. “Esta- mos trabalhando há algum tempo e temos bons nomes dentro dos dois partidos, pessoas que nunca foram vereadores e que tem mui- to a contribuir para o nos- so município”, disse Claudi- nho. “Queremos montar um grupo onde todos tenham chance, a motivação é tudo, principalmente na política”, explicou. Já o presidente do PP, Paulo Barbosa salientou que a parceria com o PSC vem sendo construída des- de 2014. “Estamos certos que teremos um grupo onde todos os candidatos a vere- adores terão as mesmas chances”, ressaltou Paulo Barbosa. Mais um partido - Ainda existe a possibilidade da composição com mais um partido, o que será decidido nos próximos dias, segun- do eles. “Com o ingresso de mais um partido fecharia o nosso projeto dentro daqui- lo que nós esperávamos”, afirmaram. Neutralidade - Os dois partidos também confirma- ram que ainda não há nada decidido em relação a qual candidato a prefeito recebe- rá o apoio do grupo. “Primeiramente va- mos nos fortalecer e depois analisaremos as propostas dos dois principais candida- tos a prefeito. Também va- mos estudar a possibilida- de de lançar um nome alter- nativo para prefeito. Quanto maior for nosso grupo, maior é a chance de lançarmos candi- datura própria”, disseram. Cresce a cada dia PSC e PP começam formar em Rancho Alegre um novo grupo político, é cedo para afirmar, mas existe a possibilidade dos dois partidos lançarem de oito a 10 candidatos a vereadores. Sueli no PMDB Nos próximos dias a vice-prefeita Sueli deverá deixar o PT e ingressar no PMDB. Um dos motivos de Sueli deixar o PT do qual foi a fundadora em Rancho Ale- gre, é o péssimo momento que vive o partido que está envolvido em tudo quanto é maracutaia. Isso a nível nacional. Elogiou Ao comunicar a este que vos escreve, Sueli rasgou elogios a Zé Mineiro, e disse que está sendo muito bem recebida no PMDB. Dobradinha pode se repetir Com a entrada da vice-prefeita no PMDB uma do- bradinha que aconteceu em 2004 pode se repetir. Na época, sem sucesso, a atual vice-prefeita foi candi- dataàviceeZéMineiro foicandidatoaprefeito.Dessa vez, a dobradinha pode se repetir, mas com Zé Mi- neiro na vice de Sueli. Sucesso A direção do Jornal Paraná Notícias agradece os elogi- os recebidos pelo lançamento da primeira edição da Revista Paraná Notícias – Cidades. A próxima edição já está agendada para o mês de abril, vem aí Paraná Notícias – Política e Fatos. Onde serão feitas várias en- trevistascompré-candidatosaprefeitosdealgunsmu- nicípios da região. Sucesso ll Para o mês de julho já está acertado um especial para a cidade de Cianorte, a qual completa 63 anos, desta- cando o potencial industrial daquela região. A revista também irá trazer uma matéria sobre os cinco anos do Jornal Paraná Notícias. A revista terá ainda edições em outubro e dezembro, essa última, destacará o po- tencial do agronegócio na região da Comcam. Estrada Amaro Pedro
  4. 4. De segunda a sábado R$ 15,00 - Domingos e feriados R$ 17,00 - Marmitex pequena R$ 7,50 - Média R$ 10,00 - Grande R$ 12,00 Rua Santa Catarina, 2120 - Centro - Campo Mourão PR Fone: (44) 3017-1141 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 O restaurante do Moacir, localizado na área central de Campo Mourão, vem se tornando ponto de encontro de pessoas de toda região. A passeio ou a trabalho, muitas pessoas tem preferido o restaurante para fazer uma saborosa refeição. Com preços acessíveis e uma ótima qualidade, o restaurante já virou referência na região da Comcam. PARANÁ NOTÍCIASCidadesPágina 04 Prefeitura de Campo Mourão assume Casa de Passagem São José Resolvendo definiti- vamente a situação da Casa de Passagem São José, que em função de uma normati- va federal de 2009, depen- de de uma equipe mínima composta por assistente so- cial, orientador e psicólogo, a Prefeitura de Campo Mourão, através da Secre- taria de Ação Social assu- miu as atividades no último 02 de janeiro. A transição foi definida em conjunto entre a diretoria da entida- de, Conselho Municipal de Assistência Social e Secre- taria Municipal de Ação Social no último mês de outubro, considerando que a diretoria não poderia con- tratar profissionais para atender a nova normativa. A normativa é referente a Lei Federal 13.019 que re- gulamenta as diretrizes de repasses de verbas para as entidades assistenciais. O trâmite aconteceu depois que a diretoria da Casa de Passagem alegou não ter condições de con- tratar a equipe para aten- der a normativa e solicitou o aumento significativo dos repasses que vinha sendo de R$ 90 mil anual para R$ 170 mil. Considerando a inviabilidade do aumento dos recursos, que já contam com 10% de aumento a partir deste mês o municí- pio assumiu as atividades da Casa de Passagem com o apoio do CREAS – Cen- tro de Referência Especi- alizado de Assistência So- cial, que conta com profis- sionais da área. Segundo o diretor da Secretaria de Ação Social, Sebastião Gal- dino, a transição já era pro- gramadaparaodia31dede- zembro e a Casa de Passa- gem São José continua aten- dendo normalmente, com uma programação de me- lhorias nos atendimentos e equipeestabelecidapelanor- mativa. Já a pre- sidente do Conselho Muni- cipal de Assistência Social, Ioliane Costa Vigilato argu- menta que a transição foi uma alternativa para solu- cionar problemas garantin- do o atendimento conforme determi- na a Lei Federal. Atendimen- to – A Casa de pas- sagem São José ofe- rece dois tipos de atendimento; pes- soas de passagem com permanência de dois dias e acolhimento pro- visório, voltado para pesso- as portadores de deficiênci- as que perderam vínculo com familiares, em um pro- grama de socialização. De acordo com a ex-coordena- dora da Casa de Passagem, Lilian Machado Mendes, a entidade atende uma média de 350 pessoas ao mês. Transição – Participaram da transição, o diretor da Secretaria de Ação Social, Sebastião Galdino; a presi- dente do Conselho Munici- pal de Assistência Social, Ioliane Costa Vigilato; a co- ordenadora do CREAS, Marli Iori, que também é vice-presidente do Conse- lho Municipal de Assistên- cia Social e a ex-coordena- dora da Casa de Passagem, Lilian Machado Mendes. O telefone de plantão para si- tuações de pessoas desam- paradas é 9125-7302. Transição foi programada para acontecer na virada do ano A entidade atende uma média de 350 pessoas ao mês Peabiru: ano novo, velhos problemas Pouco adiantou a obra que a prefeitura de Pe- abiru realizou, o ano come- çou assim como terminou, ou seja, chuva e alagamen- to. Dados da prefeitura esti- mam em torno de 10 mil metros quadrados de gale- rias pluviais foram constru- ídas, mas menos de um mês após o prefeito “inaugurar” uma obra no valor de 1,5 milhão de reais, os proble- mas continuam. Segundo informações obtidas pelo Jornal Paraná Notícias, junto aos morado- res daquela localidade, entre os anos de 1977 a 1983 fo- ram realizadas diversas obras importantes na cida- de, entre elas, as tubulações próximas ao colégio 14 de Dezembro entre as ruas Modesto Saldanha, Case- miro Radominski, Av. Vila Rica e outras. “Com o pas- sar dos anos, esses tubos fo- ram entupindo e não con- seguia evacuar as águas das chuvas provocando alaga- mento com chuvas mais fortes”, relatou um mora- dor à reportagem. Muitos prefeitos co- nhecedores do problema e vendo que Peabiru necessi- tava também de outros in- vestimentos, como por exemplo; habitação, cons- trução de colégios, geração de empregos, implantação de asfalto e outras necessi- dades, dificilmente sobra- vam recursos para tentar ar- rumar aquela tubulação. Com orçamento apertado e com responsabilidade para não financiar e endividar o município, esses prefeitos procuraram investir em ou- tras importantes obras. “Seria a obra dos so- nhos, se realmente os peabi- ruense não tivessem que conviver com buracos, e saú- de precária, entre outras coi- sas”, disse o morador. Recentemente a prefeitura divulgou em uma rede soci- al um vídeo mostrando al- guns alagamentos e afir- mando que o problema es- tava resolvido.
  5. 5. Cidades Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Página 05PARANÁ NOTÍCIAS Ministério das Cidades garante R$ 344,7 mil para recapeamento em Luiziana Esta semana o Mi- nistério das Cidades empe- nhou para a cidade de Lui- ziana R$ 344,7 mil para a execução de obras de reca- peamento asfáltico nas ruas do município. O recurso garantido é fruto do apoio do deputado Zeca Dirceu junto ao Governo Federal para que a cidade fosse con- templada. O projeto de re- capeamento está orçado em R$ 350 mil e conta com mais R$ 5,2 mil de contra- partida municipal. O recur- so que agora está garanti- do no orçamento do Gover- no Federal, em breve, deve ser pago ao município após passar por tramites legais como processo licitatório. O prefeito da cidade, Mauro Slongo, agradeceu o parlamentar pelo apoio e destacou a importância do projeto para a cidade. “Esse recurso vai garantir mais conforto e segurança no tráfego da nossa cidade e somos muito gratos ao apoio do deputado Zeca Dirceu que mais uma vez está nos ajudando a tra- zer recursos para Luiziana”, disse o prefeito. Zeca Dirceu por sua vez enalteceu o esforço fe- deral em garantir os recur- sos para as cidades do Pa- raná. “São muitos investi- mentos como esse de Lui- ziana que já foram libera- dos, ou estão garantidos no orçamento do Governo Federal. Luiziana é um exemplo do compromisso firmado pela presidenta Dilma com o desenvolvi- mento e eu fico feliz de fa- zer parte de mais essa con- quista”, disse Zeca. Índice Firjan destaca Mamborê em 1º lugar na Comcam no quesito SaúdeMamborê foi desta- que como alto desenvolvi- mento no quesito Saúde, se- gundo índice do FIRJAN de Gestão Fiscal – IFGF. O município ficou em 1º lugar naregiãodaCOMCAMeem 20º no estado do Paraná. A informação foi co- memorada pelo setor que ao longo da atual administra- ção passou por uma grande transformação, com inves- timentos na reforma do Centro de Saúde da sede e postos das comunidades Guarani, Pensamento e Canjarana, além da cons- trução de uma UBS que está em execução. Compra de novos veículos, equipamen- tos, contratação de profis- sionais e investimentos em importantes Programas que estão garantindo uma melhor qualidade de vida a população. Abaixo segue informa- ções do IFGF retiradas do site do FIRJAN Para contribuir com uma gestão pública eficien- te e democrática, o Sistema FIRJAN desenvolveu o Ín- dice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF). Uma ferra- menta de controle social que tem como objetivo es- timular a cultura da respon- sabilidade administrativa, possibilitando maior apri- moramento da gestão fiscal dos municípios, bem como o aperfeiçoamento das de- cisões dos gestores públicos quanto à alocação dos re- cursos. Lançado em 2012, o IFGF traz o debate sobre um tema de grande impor- tância para o país: a forma como os tributos pagos pela sociedade são administra- dos pelas prefeituras. O ín- dice é construído a partir dos resultados fiscais das próprias prefeituras – infor- mações de declaração obri- gatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Com base nesses da- dos oficiais, o Índice FIR- JAN de Gestão Fiscal 2015 – ano de referência 2013 – avaliou a situação fiscal de 5.243 municípios, onde vi- vem 191.256.137 pessoas – 96,5% da população brasi- leira. Apesar da determina- ção da lei, os dados do exer- cício fiscal 2013 de 324 pre- feituras não estavam dispo- níveis ou não eram consis- tentes (informações que não foram passíveis de aná- lise). Leitura do IFGF: Composto por cinco in- dicadores – Receita Pró- pria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida –, o IFGF tem uma metodologia que permite tanto comparação relativa quanto absoluta, isto é, o índice não se res- tringe a uma fotografia anual, podendo ser compa- rado ao longo dos anos. Dessa forma, é possível es- pecificar, com precisão, se uma melhoria relativa de posição em um ranking se deve a fatores específicos de um determinado município ou à piora relativa dos de- mais. Metodologia - O IFGF tem uma leitura dos resul- tados bastante simples: a pontuação varia entre 0 e 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, melhor a gestão fiscal do município no ano em observação. (Fonte: Site FIRJAN) Prefeitura de Mamborê adquiriu dois novos veículos para a Saúde Já estão disponíveis para a prefeitura de Mamborê, dois veículos 0km, adquiridos pelo município para atender ao setor de saúde. São veículos da marca e modelo Fiat Ducato, sendo uma modificada para ambulância e outra Van para transporte de passageiros. Os recursos são do Governo do Estado e da prefeitura, e tão logo estejam liberados pelo seguro e os documentos junto ao Detran, o prefeito Nei Calori, fará a entrega oficial liberando para o trabalho junto ao setor de saúde.
  6. 6. Página 06 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 PARANÁ NOTÍCIAS Você tem uma dor que pare- ce que nunca irá passar? Saiba quetodadorleva um certo tempo, então dê um tempo para si mesmo. Por que apressar o sofri- mento ou se co- brar por causa disso? A Bíblia diz que “o cora- ção do sábio está na casa onde há luto” (Eclesias- tes 7: 4). Eu sei que la- mentar pode ser algo estranho em nosso mun- do de hoje, mas não na Palavra de Deus. Você sabia que 70% dos Salmos são poemas de dor? Ora, o An- tigo Testamento inclui um livro apenas de lamenta- ções, e Salomão, o homem mais sábio que já existiu, es- creveu: “A tristeza é melhor do que o riso, porque o ros- to triste melhora o coração” (Eclesiastes 7:3). É quando estamos no fundo do poço emocional que exploramos as questões mais profundas da vida: “Por que estou aqui? Para onde vou”? E quando cami- nhamos pelo cemitério, le- vantamos questões muito difíceis, porém vitais. Certa vez, Davi se entregou com- pletamente à sua dor. Ele disse: “Estou exausto de tanto gemer. De tanto cho- rar inundo de noite a minha cama; de lágrimas enchar- co o meu leito? (Salmos 6:6). E, mais tarde ele disse: “Mi- nha vida é consumida pela angústia, e os meus anos Fonte: pastorantoniojunior.com.br (texto inspirado na mensagem de Max Lucado) pelo gemido; falta-me a força devido à minha aflição, e os meus ossos se enfraquecem” (Sal- mos 31: 10). Você está zangado com Deus? Diga isso a Ele.Estáaborrecidocom Deus? Deixe que Ele sai- ba disso. Cansado de di- zer às pessoas que você está bem quando não está? Diga a verdade à partir de hoje. Vá em frente,enfrenteasuador. Dêtempoparasimesmo. Permita-se derramar lá- grimas. Deus entende. Ele conhece a dor do tú- mulo, afinal, Ele enter- rou o próprio Filho. Mas Ele também conhece a alegria da ressurreição. E, pelo poder de Deus, você também conhecerá! Ador que parece não passar 44.98333173
  7. 7. GeralPARANÁ NOTÍCIAS Campo Mourão, 08 e 09 de dezembro de 2016 Página 07 NOTADE ESCLARECIMENTO Como dificilmente não nos darão direito de resposta sobre as rampas de acessibilidade feitas em to- dos os bairros que recebe- ram asfalto novo e nas ruas que receberam recapeamen- to, venho esclarecer que os projetos são feitos dentro das novas exigidas pelo SEDU-PARANACIDADE E PELO MINISTÉRIO DAS CIDADES que apro- vam os projetos antes de serem executados e libera- dos os recursos, essas ram- pas fazem parte do projeto, sendo exigência para apro- vação ou não do empreen- dimento. Eu como prefeito jun- to com os vereadores e vice- prefeito, conseguimos re- cursos de mais de UM MI- LHÃO E MEIO de reais para a pavimentação destes importantes bairros e de- mos de contra partida mais 300 mil reais de recursos livres, e mais de 260 mil para recapeamento, caso não tivesse previsão destas rampas esses projetos não teriam sido aprovados e toda a população do Sorri- so, Santa Ana, Batista Pin- tro, Parque Industrial e par- te do Jardim Araucária , Ki- else e Zavatin na av. Mar- fim, estariam no barro , na lama ou na poeira, também sou contra fazer essas ram- pas em lugares inadequa- dos, inclusive contestei os órgãos fiscalizadores, que aprovaram os projetos , fa- zem as medições e liberam os recursos. A resposta foi, que a lei exige a cada quantidade de metros de calçadas e as- falto e em esquinas estas rampas terão que ser feitas , independentemente onde sair. É só para lembrar que já foi licitado e aprovado o projeto de mais DOIS MI- LHÕES para terminar todo os Jardins Kielse, Zavatin e Araucária, ficando somen- te as Vilas Rurais sem pa- vimentação, com início em fevereiro, caso as rampas fo- rem atrapalhar ou fazer nossa cidade ser notícia na RPC, devemos desistir des- ta obra, pois o asfalto, meio fios, as galerias ficaram na insignificância. Quando era barro e poeira deviam ter filmado e virem agora mostrar que isso acabou e o povo, as nos- sas famílias, estão tendo qualidade de vida, isso sem contar com a rede de esgo- to que vai atender mais de 5000 pessoas. Digo não conhecer bem o caminho do sucesso, mais sim o caminho do fra- casso é querer tentar agra- dar a todos, nem Jesus filho de Deus agradou , e conse- guiu fazer tudo o que as pes- soas queriam, foi morto e crucificado. Que Deus nos prote- ja, e esse ano vai ser assim começou as eleições e as pessoas que nunca conse- guiram fazer nada, estão co- meçando fazer, o que de me- lhor sempre fizeram, criti- car e às vezes usando de gente inocente. Obrigado a todos e todas. Fabiano Antoniassi – Prefei- to de Araruna Detran esclarece pagamento do IPVA, DPVAT e Licenciamento O Departamento Estadual de Trânsito expli- ca as diferentes competên- cias de três taxas anuais pagas por proprietários de veículos. Qual o destino do dinheiro e como pagar cada uma delas? O Departamento de Trânsito do Paraná (De- tran) orienta os proprietá- rios de veículos para o pa- gamento de três taxas anu- ais. As duas primeiras são referentes ao Imposto sobre Propriedade de Veículo Au- tomotor (IPVA) e o Seguro Obrigatório (DPVAT), que devem ser pagas a partir de 21 de janeiro. Já no segun- do semestre, ocorrerá à co- brança do Licenciamento Anual de Veículo. IPVA - De competên- cia da Secretaria de Estado da Fazenda, o IPVA tem 50%dosrecursosdestinados aos municípios, de acordo com o número de veículos li- cenciados na localidade. O proprietário pode pagar à vista com desconto de 3%, aos contribuintes que optarem pela quitação em parcela única, conforme calendário por final da pla- ca do veículo. É possível con- sultaradatapeloRenavamno site www.fazenda.pr.gov.br. Há, ainda, a opção do par- celamento em três vezes, nos meses de janeiro, feve- reiro e março. Se não for quitado no período, o im- posto só poderá ser pago de forma integral. Veículos novos não podem ter o IPVA parcela- do, de acordo com a Lei Es- tadual 14.260/2003, Art. 11, II. Quem possui o veí- culo zero quilômetro deve fazer o pagamento em até 30 dias da emissão da nota fiscal. No caso de veículos isentos de IPVA, o venci- mento do DPVAT será jun- to do Licenciamento. A taxa pode ser paga diretamente no caixa de atendimento, com o núme- ro do Renavam, ou nas ins- tituições bancárias creden- ciadas pelo Governo do Pa- raná: Banco do Brasil, Ban- coob e Rendimento, Brades- co, Itaú e Sicredi. Ou, tam- bém, por boleto bancário, que deve ser impresso no endereço eletrônico da se- cretaria. Nesteano,muitaspes- soas ficaram com dúvidas ao receber no final de 2015 os boletos enviados pela Sefa, que são verdadeiros. Segun- do a Secretaria, algumas cor- respondências foram envia- das em dezembro por uma questão de logística, mas a dataestácomo2016porcau- sa do sistema de impressão utilizado. Para maiores dúvidas, basta procurar o Serviço de Atendimento ao Consumi- dor (SAC) da Secretaria da Fazenda do Paraná: (41) 3200- 5009 para quem mora em Curitiba e 0800 41 1528 para demais cidades do Es- tado. DPVAT - O Seguro de DanosPessoaisCausadospor Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT) é administradopelaSegurado- ra Líder – designada pelo governo federal. O seguro foi criado para indenizar vítimas de acidentes de trânsito em todo o País. Do valor pago pelos proprietários, 50% são destinados, diretamen- te pela rede bancária, ao Ministério da Saúde (45%) e ao Departamento Naci- onal de Trânsito (5%). A outra parte é direcionada à Seguradora para o paga- mento das indenizações das vítimas. O vencimento ocor- re com o IPVA e é desti- nado àqueles que sofrem acidentes de trânsito, seja motorista, passageiro ou pedestre. Motos, ônibus, micro- ônibus e vans, desde que se- jam usados, podem parcelar em três vezes o valor junto do IPVA. A guia de recolhi- mentodeveserretiradanosite www.dpvatsegurodotransito.com.br/ pagamento e paga no Banco do Brasil, Sicredi, Bancoob e Rendimento. As taxas vari- amdeR$105,65aR$396,49, dependendo de cada tipo de veículo. LICENCIAMENTO – A cobrança do Licenciamento Anual de Veículo ocorre no segundo semestre do ano e é de competência do Detran. A data de vencimen- to varia de acordo com o dí- gito final do veículo e pode ser consultada no site www.detran.pr.gov.br. Para veículos com dí- gito final 1 e 2 o vencimen- to ocorre em agosto. Já para final 3, 4 e 5 os proprietári- os devem efetuar o paga- mento em setembro. Para veículos que terminam com 6, 7 e 8 o vencimento é em outubro e, por fim, 9 e 0 em novembro. A taxa deve ser paga no Banco do Brasil ou no Si- credi e, em seguida, o docu- mento será encaminhado pelos Correios para o ende- reço cadastrado junto ao órgão - que deve estar atu- alizado. “O Detran busca apri- morar as formas de recebi- mento da guia com convê- nios para dar mais facilida- de ao usuário, sempre man- tendo a segurança e integri- dade do processo”, garante o diretor-geral do Detran, Marcos Traad. O documento de Cer- tificado de Registro e Licen- ciamento do Veículo (CRLV) é de porte obriga- tório, na forma original, e só é emitido após a quita- ção do Licenciamento e de todos os demais débitos, como multas e IPVA. O motorista flagrado circulando com veículo não licenciado comete uma in- fração gravíssima. O art. 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê apli- cação de multa de R$ 191,54, sete pontos na Car- teira Nacional de Habilita- ção (CNH), e apreensão do veículo A Secretaria de Saúde de Araruna esclarece A Secretaria de Saúde de Araruna esclarece que ainda não há casos de Dengue no Município. Existe o mosquito, que infelizmente está em todo país, mas não existe nenhum caso de dengue na cidade. Segundo a Secretaria de Saúde existem pessoas espalhando notícias falsas nas Redes Sociais e isso causa constrangimento e coloca funcionários da Saúde em condições de risco. Notícia falsa é considerada crime virtual. Lembrando! NÃO há casos de DENGUE confirmados em Araruna.
  8. 8. Um dia, o cavalo de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por con- ta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o campo- nês pensava no que fazer. Finalmente,ocampo- nês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o cavalo estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o cavalo de den- tro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o animal. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço. O ca- valo não tardou a se dar conta do que estavam fa- zendo com ele e chorou de- sesperadamente. Porém, para surpresa de todos, o cavalo aquie- tou-se depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês final- mente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu. A cada pá de terra que caía sobre suas costas o cavalo a sacudia, dando um passo sobre esta mes- ma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o cavalo conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando. A vida vai te jogar muitaterra nascostas. Prin- cipalmente se você já esti- Ilustração: O cavalo e o fazendeiro ver dentro de um poço. O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima. Podemos sair dos mais pro- fundos buracos se não nos dermos por vencidos. Use a terra que te jogam para se- guir adiante! Recorde-se das cinco regras para ser feliz: - Liber- te o seu coração do ódio. - Liberte a sua mente das preocupações. - Simplifique a sua vida. - Dê mais e es- pere menos. - Ame-se mais e aceite a terra que lhe jo- gam.Elapodeserasolução, não o problema. - “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminha- da certa. Mas graça das gra- ças é não desistir nunca.” - Dom Hélder Câmara Página 08 Campo Mourão, 08 e 09 de janeiro de 2016 Guia Comercuial PARANÁ NOTÍCIAS

×